Riscos Geomorfológicos No Município De Caicó-RN

Andréa Dryelle Santos, Saulo Roberto Vital

Resumo


Este estudo tem por objetivo apresentar uma proposta de mapeamento dos riscos geomorfológicos do município de Caicó, utilizando bases compostas por informações geomorfológicas (unidades geomorfológicas e declividade), cobertura da terra e dados censitários. Para realização do mapeamento geomorfológico procurou-se seguir a metodologia de compartimentação geomorfológica do relevo em táxons, proposta por Ross (1992), permitindo identificar uma unidade morfoestrutural, duas unidades morfoesculturais, uma subunidade morfoescultural e cinco modelados, sendo quatro de denudação e um de acumulação. Com a elaboração do mapa de declividade, constatou-se a predominância de zonas pedimentares, cujo nível de ondulação varia majoritariamente entre plano e suave-ondulado. A partir do mapa de uso e cobertura da terra do município, constatou-se uma hegemonia da vegetação esparsa e do solo exposto nas zonas pedimentares, e a presença de vegetação densa em superfícies elevadas ou em contato com pequenos corpos hídricos. Com a análise dos mapas censitários podemos estabelecer se existe ou não a ocorrência de áreas de risco em ambientes urbanos.  Os resultados obtidos mostram que todos os mapas elaborados no presente trabalho, fornecem subsídios ao planejamento e zoneamento dos riscos e ao ordenamento do território do município de Caicó.

 

 

Geomorphological Risks in the Caicó (RN) Municipality

 

A B S T R A C T

This study aims to present a proposal for mapping geomorphological risks in the municipality of Caicó, using bases composed of geomorphological information (geomorphological units and slope), land cover and census data. For the extraction of geomorphological data, we sought to follow the methodology of geomorphological compartmentation of the relief in taxa, proposed by Ross (1992) and Brasil (2009), with adaptations for the semiarid environment. With regard to social data, the 2010 censo was used. From the elaboration of the geomorphological map, the predominance of pedestrian zones was found, whose level of undulation varies mainly between plane, smooth-wavy to moderately-wavy. Through the land cover map, it was possible to verify a hegemony of sparse vegetation and exposed soil in pedestrian zones, and the presence of dense vegetation on elevated surfaces or in contact with small bodies of water. With the analysis of census maps, in turn, we can establish relationships between physical and human variables, for the determination of socio-environmental vulnerability zones. Therefore, it should be noted that the data presented here will serve as a subsidy for urban and environmental planning in the municipality of Caicó.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                          

Keywords: Geomorphological Mapping. Geomorphological Risks. Caicó-RN.


Texto completo:

PDF

Referências


Afonso, A.E., Silva, L.F.H.S., Costa, D.G., 2019. Formação de professores e educação geográfica: trabalho de campo autônomo com vistas à identificação de riscos geomorfológicos. GEOSABERES: Revistas de Estudos Geoeducacionais 10, 1-10.

Almeida, F.F.M., Hasui, Y., 1984. O Pré-cambriano do Brasil. São Paulo: Edgard Blucher. 378p.

Amaral, R., Ross, J.L.S., 2006. A classificação taxonômica do relevo como um instrumento de gestão territorial: uma aplicação ao Parque Estadual do Morro do Diabo, município de Teodoro Sampaio (SP). VI Simpósio Nacional de Geomorfologia. Goiânia-GO. Disponível: http://lsie.unb.br/ugb/sinageo/6/4/141.pdf. Acesso: 25 dez. 2018.

Azevêdo, S.M.A., Bakke, I.A, Bakke, O.A., Freire, L.O., 2012. Crescimento de plântulas de Jurema Preta (Mimosa tenniflora) em solos de áreas degradadas da Caatinga. Engenharia Ambiental – Espírito Santo do Pinhal 9, 150-160.

Bakke, I.A., Bakke, O.A., Andrade, A.P., Salcedo, I.H., 2006. Regeneração natural da Jurema Preta em áreas sob pastejo de bovinos. Revista Caatinga 19, 228-235.

Barbosa, T.S., Lima, V.F., Furrier, M., 2019. Mapeamento geomorfológico e geomorfologia antropogênica do município do Conde – Paraíba. Revista Brasileira de Geomorfologia 20, 525-540.

Bon, N.S., Josipovic, D., Kanjir, U., 2018. Linking geomorphological and demographic movements: The case of Southern Albania. Applied Geography, 100, 55-67.

Boon, D.P., Chambers, J.E., Hobbs, P.R.N., Kirkham, M., Merritt, A.J., Dashwood, C., Pennington, C., Wilby, P.R., 2015. A combined geomorphological and geophysical approach to characterising relict landslide hazard on the Jurassic Escarpments of Great Britain. Geomorphology 248, 296-310.

Botelho, R.G.M., Pelech, A.S., 2019. Do Mapeamento Geomorfológico do IBGE a um Sistema Brasileiro de Classificação do Relevo. Revista Brasileira de Geografia 64, 183-201.

Brasil., 2009. Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Manual Técnico de Geomorfologia. Disponível em: http://www.lerf.eco.br/img/publicacoes/2009_10%20Manual%20Tecnico%20de%20Geomorfologia.pdf. Acesso em 20 de abril de 2019.

Brasil., 2010. Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Censo Demográfico do Brasil 2010. Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br/. Acesso em 20 de abril de 2019.

Câmara, G., Davis, C., Monteiro, A.M.V., 2005. Introdução à Ciência da Geoinformação. São José dos Campos: INPE.

Carneiro, C.D.R., Souza, J.J., 2003. Mapeamento geomorfológico em escala de semidetalhe da região de Jundiaí-Atibaia. Revista Brasileira de Geomorfologia 4, 17-30.

Casseti, V., 1995. Ambiente e Apropriação do Relevo, 2 ed. Contexto, São Paulo.

Casseti, V., 2006. Geomorfologia. Disponível: http://www.funape.org.br/geomorfologia/index.php. Acesso: 27 dez. 2018.

Castro, C.M., Mello, E.V., Peixoto, M.N.O. 2002. Tipologia de processos erosivos canalizados e escorregamentos – proposta para avaliação de riscos geomorfológicos urbanos em Barra Mansa (RJ). Anuário do Instituto de Geociências – UFRJ 25, 11-24.

Colavite, A.P., Passos, M.M., 2012. Integração de mapas de declividade e modelos digitais tridimensionais do relevo na análise da paisagem. Revista Geonorte 2, n. 4, 1547-1559.

Corrêa, A.C.B., 2011. Antropogênese e morfogênese soba a ação de eventos climáticos de alta magnitude no semiárido pernambucano: o caso da bacia do riacho Salgado. Revista Brasileira de Geomorfologia 12, 25-36.

Costa, T.C.C., Oliveira, M.A.J., Accioly, L.J.O., Silva, F.H.B.B., 2009. Análise da degradação da caatinga no núcleo de desertificação do Seridó (RN/PB). Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental 13, 961-974.

Cunha, L., Ramos, A.M., 2013. Riscos Naturais em Portugal: alguns problemas e perspectivas e tendências no estudo dos riscos geomorfológicos, in: Lombardo, M.A., Freitas, M. I. (Org). Riscos e Vulnerabilidade: teoria e prática no contexto luso-brasileiro. Cultura acadêmica, São Paulo, pp. 19-43.

Díaz-Martín, J., Palma, P., Golijanin, J., Nofre, J., Oliva, M., Cengic, N., 2018. The urbanisation on the slopes of SARAJEVO and the rise of geomorphological hazards during the post-war period. Cities 72, 60-69.

Diniz, M.T.M., Medeiros, D.B.S., Oliveira, G.P.O., 2015. Condicionantes naturais e distribuição espacial das economias fundantes do Rio Grande do Norte: sucrocultura e pecuária entre os séculos XVII e XIX. Revista GeoUECE 7, 126-152.

Diniz, M.T.M., Oliveira, G. P., Maia, R. P., Ferreira, B., 2017. Mapeamento Geomorfológico do Rio Grande do Norte. Revista Brasileira de Geomorfologia 18, 689-701.

EMBRAPA. Empresa Brasileira de pesquisa agropecuária, 1979. Classes de Declividade. Rio de Janeiro.

Ferrari, M., Carpi, L., Pepe, G., Mucerino, L., Schiaffino, C.F., Brignone, M., Cevasco, A., 2019. A geomorphological and hydrodynamic approach for beach safety and sea bathing risk estimation. Science of The Total Environment 671, 1214-1226.

Hétu, B., 2003. Uma geomorfologia socialmente útil: os riscos naturais em evidência. Mercator – Revista de Geografia da UFC 3, 83-97.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/. Acesso em: 07 abr. 2018.

Kobiyama, M. et. al. 2006. Prevenção de Desastres Naturais: Conceitos Básicos, 1 ed. Editora Organic Trading, Curitiba.

Kunz, M., Luz, B.M., Neckel, A., Faustinoni, L., 2016. Modelagem matemática em análises de riscos geomorfológicos: um estudo de caso da Rocinha/RJ – Brasil. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental 20, 32-39.

Lombardo, M. A., FREITAS, M. I. C., 2013. Geotecnologias Aplicadas na Análise da Vulnerabilidade Social e Ambiental: Um Estudo Piloto em Municípios de São Paulo, in: LOMBARDO, M.A., FREITAS, M. I. (Org). Riscos e Vulnerabilidade: Teoria e prática no contexto Luso-Brasileiro. Cultura acadêmica, São Paulo, pp. 109-129.

Londe, L.R.M., Coutinho, M.P., Gregório, L.T., Santos, L.B.L., Soriano, E., 2014. Water related disasters in Brazil: perspectives and recommendations. Ambiente e Sociedade 17, 133-152.

Luz, M.B., Queiroga, A.A., Cunico, C. Vulnerabilidade socioambiental do município de Patos: subsídios para gestão de riscos e desastres. Revista OKARA 13, 273-295.

Maia-Silva, C., Silva, C.I., Hrncir, M., Queiroz, R.T., Imperatriz-Fonseca, V.L., 2012. Guia de plantas visitadas por abelhas na Caatinga. Fortaleza, CE: Editora Fundação Brasil Cidadão. 99p.

Mendes, B.C., 2015. Mapeamento geomorfológico aplicado ao estudo de uso e ocupação da terra no Planalto Central. Dissertação (Mestrado). Brasília. Instituto de Geociências, Universidade de Brasília.

Olivattil, Y.M., Amann, K.A.P., Maia, R.F., 2016. Aplicação de sensores e modelo geomorfológico para monitoração de áreas de riscos de acidentes naturais. Revista de Informática Aplicada 12, 52-64.

Oliveira, E.L., 2004. Áreas de Risco Geomorfológico na Bacia hidrográfica do Arroio Cadena, Santa Maria-RS: Zoneamento e Hierarquização. Dissertação (Mestrado). Porto Alegre, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Oliveira, G.P., Diniz, M. T. M., Ferreira, B., Medeiros, D. B. S., 2016. Mapeamento Morfoestrutural e Morfoescultural do Seridó Potiguar. XI Simpósio Nacional de Geomorfologia. Maringá-PR. Disponível: http://www.sinageo.org.br/2016/trabalhos/6/6-418-1650.html. Acesso: 25 dez. 2018.

Rebelo, F., 2001. Riscos Naturais e Acção Antrópica: estudos e reflexões, 2 ed. Imprensa da Universidade de Coimbra, Coimbra. Disponível: http://dx.doi.org/10.14195/978-989-26-0467-1. Acesso 05 mar. 2018.

Reckziegel, B.W., Robaina, L.E.S., Oliveira, E.L.A., 2005. Mapeamento de áreas de risco geomorfológico nas bacias hidrográficas dos Arroios Cancela e Sanga do Hospital, Santa Maria (RS). Revista do Departamento de Geociências 14, 5-18.

Ross, J. L. S., 1990. Geomorfologia: Ambiente e Planejamento. Contexto. São Paulo.

Ross, J. L. S., 1992. O registro cartográfico dos fatos Geomórficos e a questão da taxonomia do relevo. Revista do Departamento de Geografia, 6, 17-29. Disponível: https://doi.org/10.7154/RDG.1992.0006.0002. Acesso: 01 mai.2019.

Santos, A., 2012. Análise dos Riscos Geomorfológicos e hidrológicos em Aracajú. Dissertação (Mestrado). São Cristóvão. Universidade Federal de Sergipe.

Silva, F.M., Bandeira, A.P.N., Ribeiro, S.C., 2018. Mapeamento de áreas de risco geomorfológico no distrito do Caldas-Barbalha-CE: caso do núcleo urbano do Sítio Riacho do Meio. Revista Geoaraguaia 8, 1-18.

Silva, F.M.A., Bandeira, A.P.N., Ribeiro, S. C., Nascimento, D.C., 2017. Percepção dos Riscos Geomorfológicos em Assentamentos precários no município de Barbalha – Ceará. Ciência e Sustentabilidade 3, 145-162.

Silva, H.A. et al. 2010. Mapeamento Geomorfológico da Reserva ecológica de Pedra Talhada, Alagoas – Brasil. VI Seminário Latino-Americano de Geografia Física; II Seminário Ibero-Americano de Geografia Física - Universidade de Coimbra.

Silva, W.F., Menezes-Júnior, E.M., Silva, O.G., 2018. Uma análise teórica a partir de perspectiva sistêmica dos espaços de riscos geomorfológicos na cidade do Recife – Pernambuco. Espaço Aberto 8, 127-146.

Teixeira, L.L.F.M., Romão, P.A.R., 2009. Análise integrada do meio físico como subsídio ao diagnóstico de processos erosivos para bacia do Ribeirão Extrema em Anápolis (GO). Boletim Goiano de Geografia 29, 127-142.

Tricart, J. 1977. Ecodinâmica. IBGE, Diretoria Técnica, SUPREN, Rio de Janeiro.

Vital, S.R.O., Ferreira, B., Girão, O., Santos, C.L., Nunes, F.C., Silveira, T.A., 2016. Base cartográfica digital como instrumento para a identificação de áreas suscetíveis à erosão e movimentos de massa em João Pessoa (PB), Brasil. Revista Geográfica da América Central 57, 261-287.

Vital, S.R.O., Girão, O., 2015. Análise da suscetibilidade da paisagem à erosão na bacia do alto curso do rio Taperoá (PB). Revista OKARA 9, 4-25.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.2.p434-448

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License