Percepção das populações locais sobre a biodiversidade em unidades de conservação do Pará, Brasil

Benedita Barros da Silva, Mário Augusto Jardim

Resumo


Este estudo objetivou analisar, com base na percepção dos interlocutores comunitários, a contribuição das pesquisas realizadas pelas Instituições de Ensino Superior e Instituições de Ciência e Tecnologia em seis Unidades de Conservação do estado do Pará. Foram entrevistados 104 comunitários, na faixa etária entre 20 e 80 anos, divididos em dois grupos. O grupo 1, constituído por conselheiros, presidentes de associações comunitárias e lideranças locais e o grupo 2, formado por moradores antigos, professores, líderes religiosos, comerciantes, agentes comunitários de saúde e guias de campo. Para 51% dos participantes, os benefícios proporcionados pelas pesquisas, estão relacionados, principalmente, a aquisição de novos conhecimentos, porém, essa repercussão se restringe, principalmente, aos grupos que participam mais diretamente das pesquisas auxiliando e trocando experiências com os pesquisadores. Esses interlocutores desejam que haja maior aproximação e ampliação do diálogo entre pesquisadores, professores e lideranças comunitárias na perspectiva de maior compartilhamento, apropriação e utilização do conhecimento.

 

Perception of local populations on biodiversity in units conservation of Pará, Brazil

 

A B S T R A C T

his study aims to analyze, based on the perception of community partners, the contribution of research carried out by Higher Education Institutions and Science and Technology Institutions in six Conservation Units in the state of Pará. A total of 104 community members were interviewed, aged between 20 and 80 years, divided into two groups. Group 1, consisting of councilors, presidents of community associations and local leaderships and group 2, formed by former residents, teachers, religious leaders, merchants, community health agents and field guides. For 51% of the participants, the benefits provided by the research are mainly related to the acquisition of new knowledge however, this repercussion is restricted mainly to the groups that participate more directly in the research assisting and exchanging experiences with the researchers. These interlocutors want a greater approximation and expansion of the dialogue between researchers, teachers and community leaders in the perspective of greater sharing, appropriation and utilization of knowledge.

Keywords: Research, Benefits, Conservation.


Palavras-chave


Pesquisa; Benefícios; Conservação

Texto completo:

PDF

Referências


Referências

Batista, I.M.S., Simonian, L.T.L., 2013. Implicações políticas, econômicas e socioambientais da RESEX Mãe Grande de Curuçá: perspectivas de desenvolvimento sustentável no estuário paraense. Novos Cadernos NAEA 16, 203-220.

Benatti, J.H., Mcgrath, D.G., 2003. Políticas públicas e manejo comunitário de recursos naturais na Amazônia. Ambiente & Sociedade 2, 23-33.

Biernacki, P., Waldorf, D., 1981. Snowball sampling: problems and techniques of Chain Referral Sampling. Sociological Methods & Research 10, 141-163.

Brito, C.M.O., Aquino, T.C.H., 2013. Turismo e sustentabilidade: uma análise acerca do turismo sustentável realizado na APA de Algodoal-Maiandeua (PA). Revista Brasileira de Ecoturismo 6, 285-296.

Cabral, M.M.M., Venticinque, E.M., Rosas, F.C.W., 2014. Percepção dos ribeirinhos com relação ao desempenho e à gestão de duas categorias distintas de Unidades de Conservação na Amazônia Brasileira. Biodiversidade Brasileira 4,199-210.

Câmara, R. H., 2013. Análise de conteúdo: da teoria à pratica em pesquisas sociais aplicada às organizações. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia.2, 179-191.

Calegare, M. G. C., Higuchi, M.I.G., Forsberg,S.S., 2013. Desafios metodológicos ao estudo de comunidades ribeirinhas amazônicas. Psicologia & Sociedade 23, 571-580.

Comandulli, C., Vitos, M., Conquest, G., Altenbuchner, J., Stevens, M., Lewis, J.,Haklay,M., 2016. Ciência cidadã extrema: uma nova abordagem. Biodiversidade Brasileira 6, 34-47.

Constantino, P.A.L., Buening, J.K.,Silvius, K., Danielsen, F., Poulsen, M.K., Arroyo, P., Cruz, A.T.,Ribeiro, K.T., Hvalkof, S., Durigan, C., Tofoli. C., Kinouchi, M.R., Leão, A., Estupinam, G., Tawada, R., Fonseca, C.B., 2016. Monitoramento Participativo da Biodiversidade e dos Recursos Naturais: Seminário Internacional e Formação da Rede Internacional de Monitoramento e Manejo Participativo. Biodiversidade Brasileira 6, 18-33.

Costa, R., Barreto, C.B., Pezzuti, J., 2018. Governança ou tragédia dos comuns? considerações sobre a gestão da caça em Unidades de Conservação de Uso Sustentável no Brasil. Biodiversidade Brasileira 8, 4-18.

Cunha, M. M. C., 2007. Relações e dissensões entre saberes tradicionais e saber científico. Revista USP 75, 76-84.

Cunha, E.S., Ruivo, M.L.P., Costa, C.A.C., 2005. Atributos químicos e orgânicos em Terra Preta arqueológica e latossolos amarelos da região de Caxiuanã (Melgaço, Pará). Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi, sér. Ciências Naturais, 1, 77-87.

Eloy, C.C.,Vieira, D.M., Lucena, C.M., Andrade, M.O., 2014. Apropriação e proteção dos conhecimentos tradicionais no Brasil: a conservação da biodiversidade e os direitos das populações tradicionais. Gaia Scientia 3, 189-198.

Freitas, M.A.B., Vieira, I.C.G., Albernaz, A.L.K. M., Magalhaes, J.L., Lees, A., 2015. Floristic impoverishment of Amazonian floodplain forests managed for açaí fruit production. Forest Ecology and Management 351, 20-27.

Garcia, D.L.R., Godoi, D.L.R., Kopp, K., 2015. Percepção ambiental como avaliação da efetividade da APA dos Pirineus – Goiás. REEC – Revista Eletrônica de Engenharia Civil 10, 50-60.

Giovanelli, J.G.R., Nobre, A.B., Bacellar-Schittini, A.E.F.,Uehara-Prado, M., 2016. demandas de monitoramento da biodiversidade: sistematização de informação para a gestão das unidades de conservação. Biodiversidade brsileira 6, 4-17.

Fraga, A., Duarte, A., Maya,C. Mata, J., Luz, L., Guerra, M., Zimmermann, N., 2015. Uma reflexão sobre a sistematização de aprendizados organizacionais a partir de iniciativas de inclusão produtiva em Unidades de Conservação de Uso Sustentável. Biodiversidade Brasileira 5, 94.105.

Kishi, S.A.S., 2012. Conhecimentos e povos tradicionais: A valorização da dignidade humana pelo direito patrimonial cultural. Revista Internacional de Direito e Cidadania 1, 173-189.

Lima, P.G.C., Coelho-Ferreira, M.R., Santos, R.S., 2014. A floresta na feira: plantas medicinais do município de Itaituba, Pará, Brasil. Fragmentos de cultura 24,285-301.

Lisboa, B.A.R., Lisboa, P.L., 2015. Parcerias em pesquisa no Parque Nacional do Viruá: estratégias para a gestão eficiente e a geração de benefícios a partir da biodiversidade. Biodiversidade Brasileira 1, 21-31.

Lucena, M.M., Freire, E.M., 2014. Percepção ambiental como instrumento de participação social na proposição de área prioritária no semiárido. R. Inter. Interdisc. INTERthesis 11, 147-171.

Malafaia, G., Rodrigues, A.S.L., 2009. Percepção ambiental de jovens e adultos de uma escola municipal de ensino fundamental. Revista Brasileira de Biociências 7, 266-274.

Maragon, M., Agudelo, L.P.P., 2004. Uso da paisagem e conservação: tensões socioambientais e diálogo de saberes em UCs. Revista educação & tecnologia1, 16-27.

Martins, A.G., Rosário, D.L., Barros, M.N., Jardim, M.A.G., 2005. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais, alimentares e toxicas da Ilha do Combu, Município de Belém, Estado do Pará, Brasil. Revista Brasileira de Farmácia 86, 21-30.

Marin, A. A.,2008. Pesquisa em educação ambiental e percepção ambiental. Pesquisa em Educação Ambiental 3, 203-222.

Melo. M.R.S., Guedes, N.M.R., Souza, C.C., 2016. Percepção e valoração ambiental do Parque Estadual Matas do Segredo em Campo Grande, Mato Grosso do Sul. Revista Brasileira de Geografia Física 9, 1513-1528.

Mendonça, F., Talbot, V., 2014. Participação social na gestão de Unidades de Conservação: uma leitura sobre a contribuição do Instituto Chico Mendes, Biodiversidade Brasileira 4, 211-234.

Oliveira, E. S., Maneschy, C.A., 2014. Territórios e territorialidades no extrativismo de caranguejos em Pontinha de Bacuriteua, Bragança, Pará. Bol. Mus. Para. Emilio Goeldi, série Ciências Humanas 9, 129-143.

Pasa, M. C., Ávila, G., 2010. Ribeirinhos e recursos vegetais: a etnobotânica em Rondonópolis, Mato Grosso, Brasil. Interações 11 195-204.

Patzlaff, R.G., Peixoto, A.L.A., 2009. Pesquisa em etnobotânica e o retorno do conhecimento sistematizado à comunidade: um assunto complexo. História, Ciências, Saúde 16, 237-246.

Rodrigues, A.S.L., Bárbara, V.F., Malafaia, G., 2010. Análise das percepções ambientais e dos conhecimentos de alguns conceitos referentes às nascentes de rios revelados por jovens e adultos de uma escola no município de Ouro Preto, MG. Revista Brasileira de Biociências 8, 355-361.

Rossoni, F., Ferreira. E., Zuanon, J., 2014. A pesca e o conhecimento ecológico local dos pescadores de acará-disco (Symphysodon aequifasciatus, Pellegrin 1904: Cichlidae) da Reserva de desenvolvimento Sustentável Piagaçu-Purus, baixo rio Purus, Brasil. Bol. Mus. Para. Emilio Goeldi, série Ciências Humanas 9, 109-128.

Santos, N.M., 2014. Saberes tradicionais em uma unidade de conservação localizada em ambiente periurbano de várzea: etnobiologia e andirobeira (Carapa guianensis Aublet). Bol. Mus. Para. Emilio Goeldi, série Ciências Humanas 9, 93-108.

Silva, A. T. R., 2015. A Conservação da biodiversidade entre os saberes da tradição e a ciência. Estudos Avançados 29, 233-250.

Silva, T. S., Candido, G.A., Freire, E.M.X., 2009. Conceitos, percepções e estratégias para a conservação de uma Estação Ecológica da Caatinga nordestina por populações do seu entorno. Sociedade & Natureza 21, 23-37.

Souza, D.G., 2014. Estrutura de uma população manejada de castanheira (Bertholletia excelsa) na Floresta Nacional de Caxiuanã, Pará. Bol. Mus. Para. Emilio Goeldi, série Ciências Naturais 9, 353-370.

Tofoli, C.F., Ribeiro, K.T., Melo, M., Chiaravalloti, R.M., 2015. Iniciativas de inovação na gestão de Unidades de Conservação. Biodiversidade Brasileira 5, 1-3.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v12.7.p2685-2693

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License