Levantamento Florístico do Jardim Botânico de São Gonçalo do Amarante, Ceará, Nordeste do Brasil

Raianna Oliveira Araujo, Eliseu Marlônio Pereira de Lucena, Valéria da Silva Sampaio, Oriel Herrera Bonilla, Lucas Farias Pinheiro

Resumo


A Restinga está relacionada a qualquer ambiente arenoso litorâneo brasileiro, e geralmente apresentam espécies vindas de outros ecossistemas. Entretanto, existe uma carência em levantamentos florísticos nestes ambientes. Sendo necessário estudos para o aprofundamento no conhecimento da biodiversidade destes locais. O presente trabalho objetivou levantar as espécies presentes no Jardim Botânico de São Gonçalo do Amarante, no município de São Gonçalo do Amarante-CE. As coletas foram realizadas entre o período de outubro/2017 à abril/2019, através de caminhadas em períodos de seca e chuva por toda a extensão do Jardim, onde foram coletadas todas as plantas com estruturas férteis para a posterior identificação taxonômica das espécies vegetais. O material coletado foi herborizado e posteriormente depositado no Herbário Prisco Bezerra (EAC) da Universidade Federal do Ceará. A identificação ocorreu a partir de chaves de identificação, bibliografia especializada, consulta aos especialistas, comparação com espécimes de herbário e espécimes-tipo. Foram inventariadas 158 espécies vegetais, pertencentes a 121 gêneros, distribuídas em 58 famílias. As famílias mais representativas foram Fabaceae (29 espécies), Rubiaceae (12 spp.), Asteraceae (sete spp.), Euphorbiaceae (seis spp.), Myrtaceae (seis spp.), Convolvulaceae (cinco spp.), Malvaceae (cinco spp.), Turneraceae (cinco spp.) e Verbenaceae (cinco spp.), as quais somam 50,63% da flora amostrada. O hábito mais representativo na área de estudo foi herbáceo, representado por 53 espécies, seguido por árvore com 35 espécies, arbusto com 34 espécies, subarbusto com 20 espécies e trepadeira com 16 espécies. Podemos concluir com o presente estudo a grande heterogeneidade do local estudado, além da grande diversidade de famílias presentes.

 

Floristic Composition of the São Gonçalo do Amarante Botanical Garden, Ceará, Northeast Brazil

 

A B S T R A C T

Restinga is related to any Brazilian coastal sandy environment, and generally presents species from other ecosystems. However, there is a shortage of floristic surveys in these environments. It is necessary studies to deepen the knowledge of the biodiversity of these places. The present work aims to survey the species present in the São Gonçalo do Amarante Botanical Garden, in the municipality of São Gonçalo do Amarante. The collections were carried out from October/2017 to April/2019, through walks in periods of drought and rain throughout the Garden, where all plants with fertile structures were collected for later taxonomic identification of plant species. The collected material was herborized and later deposited in the Herbarium Prisco Bezerra (EAC) of the Ceará Federal University. Identification was based on identification keys, specialized bibliography, expert consultation, comparison with herbarium specimens and standard specimens. A total of 158 plant species, belonging to 121 genera, were distributed in 58 families. The most representative families were Fabaceae (29 species), Rubiaceae (12 spp.), Asteraceae (seven spp.), Euphorbiaceae (six spp.), Myrtaceae (six spp.), Convolvulaceae (five spp.), Malvaceae (five spp.), Turneraceae (five spp.) which account for 50.63% of the sampled flora. The most representative habit in the study area was herbaceous, represented by 53 species, followed by tree with 35 species, bush with 34 species, sub-shrub with 20 species and creeper with 16 species. We can conclude with the present study the great heterogeneity of the studied place, besides the great diversity of families present.

Keywords: Restinga, inventory, flora.


Palavras-chave


Restinga; Inventário; Flora

Texto completo:

PDF

Referências


APG IV. Angiosperm Phylogeny Group, 2016. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants. Botanical Journal of the Linnean Society.

Araújo, D.S.D., Lacerda, L.D., 1987. A natureza das restingas. Ciência Hoje 6, 42-48.

Assis, L.F., 2018. Território em disputa no Litoral Cearense: A resistência/inovação do Turrismo Comunitário diante das ações e contradições do Estado. Geographia 20, 101-114.

BFG. The Brazil Flora Group, 2018. Brazilian Flora 2020: innovation and collaboration to meet Target 1 of the Global Strategy for Plant Conservation (GSPC). Rodriguésia 69, 1513-1527.

Bridson, D., Forman, L., 1998. The Herbarium Handbook. Royal Botanical Garden, Kew.

Castro, A.S.F., Moro, M.F., Menezes, M.O.T., 2012. O Complexo Vegetacional da Zona Litorânea no Ceará: Pecém, São Gonçalo do Amarante. Acta Botanica Brasilica 26, 108-124.

Falkenberg, D.B., 1999. Aspecto da flora e da vegetação secundária da Restinga de Santa Catarina, sul do Brasil. Insula 28, 1-30.

Filgueiras, T.S., Nogueira, P.E., Brochado, A.L., Guala II, G.F., 1994. Caminhamento: um método expedito para levantamentos florísticos qualitativos. Cadernos de Geociências 12, 39-43.

Freire, M.S.B., 1990. Levantamento florístico do Parque Estadual das Dunas de Natal. Acta Botanica Brasilica 4, p. 41-59.

IPECE, Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará. Perfil Municipal 2017: São Gonçalo do Amarante. Fortaleza: IPECE, 2018. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2019.

IPNI. International Plant Names Index. Disponível em: . Acesso: 20 jul. 2019.

Lacerda, L.D., Esteves, F.A., 2000. Apresentação - Restingas brasileiras: Quinze anos de estudos. Pp. IIVII. In: F.A. Esteves & L.D. Lacerda (eds.). Ecologia de restingas e lagoas costeiras. Macaé, NUPEM / UFRJ.

Martins, S.E., Rossi, L., Sampaio, P.S.P., Magenta, M.A., 2008. Caracterização florística de comunidades vegetais de restinga em Bertioga, SP, Brasil. Acta Botanica Brasilica 22, 249-274.

Mori, S.A., Mattos-Silva, L.A., Lisboa, G., CORADIN, L., 1985. Manual de manejo do herbário fanerogâmico. 2a ed. CEPLAC, Ilhéus.

Queiroz, E.P., 2007. Levantamento florístico e georreferenciamento das espécies com potencial econômico e ecológico em restinga de Mata de São João, Bahia, Brasil. Biotemas 20, 41-47.

Santos-Filho, F.S., Almeida-Jr, E.B., Bezerra, L.F., Lima, L.F., Zickel, C.S., 2011. Magnoliophyta, restinga vegetation, state of Ceará, Brazil. Check List 7.

Santos-Filho, F.S., Mesquita, T.K.S., Almeida-Jr, E.B., Zickel, C.S., 2016. A Flora de Cajueiro da Praia: uma área de Tabuleiros do Litoral do Piauí, Brasil. Revista Equador 5, 21-35.

SEMACE. Superintendência Estadual do Meio Ambiente. Jardim Botânico de São Gonçalo. Fortaleza: SEMACE, 2010. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2019.

Valadares, R.T., Souza, F.B.C., Castro, N.G.D., Peres, A.L.S.S., Scneider, S.Z., Martins, M. L.L., 2011.

Levantamento florístico de um brejo-herbáceo localizado na restinga de Morada do Sol, município de Vila Velha, Espírito Santo, Brasil. Rodriguésia 62, 827-834.

Waechter, J.L., 1985. Aspectos ecológicos da vegetação de restinga no Rio Grande do Sul, Brasil. Comunicações do Museu de Ciências da PUCRS, Série Botânica 33, 49-68.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.3.p1162-1176

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License