Da Escassez ao Excesso de Água: um Recorte do Semiárido no Nordeste e Médio Vale do Itajaí no Sul do Brasil

RAFAELA DIAS FERNANDES, Angela Maria Cavalcanti Ramalho, Camila Cristina Rosa, Cristiane Mansur de Moraes Souza, Bruno Jandir Mello

Resumo


Objetiva-se discutir a problemática das condições de riscos e vulnerabilidades socioambientais nos cenários do Semiárido paraibano e Médio Vale do Itajaí (SC), respectivamente, no Nordeste e Sul do Brasil. Parte-se do pressuposto de que o alcance dos dois problemas emblemáticos de (i) escassez e (ii) excesso de água apresentam riscos sociais e ambientais. Com base em um argumento socioambiental é relevante compreender que a questão da escassez de água no Semiárido nordestino se debruça sobre as questões de acesso e distribuição da água, ocasionando conflitos socioambientais. Enquanto a questão do excesso de água no Vale do Itajaí apresenta um indicador significativo de vulnerabilidade resultante das cheias, deslizamentos e enxurradas na localidade. A metodologia da pesquisa se caracteriza por um diagnóstico descritivo explicativo de caráter exploratório. Os principais resultados apontam para argumentos os quais enfatizam que com o crescente aumento da população urbana em todo o mundo é premente incorporar o conhecimento dos riscos e vulnerabilidades a que esta população está sujeita, e o planejamento para a gestão e gerenciamento da água. Medidas de mitigação e adaptação a estes riscos que aumentem a resiliência socioecológica são evidentemente necessárias e precisam ser incluídas no planejamento e na gestão das cidades. Estas medidas necessitam reforçar a legitimidade nos processos de governança por meio da participação social.

 

 

A B S T R A C T

The main purpose of the paper is discuss the risk conditions and social environmental vulnerabilities in the scenarios of the Médio Vale do Itajaí (SC) and Semi-Arid Paraiban, respectively, in the South and Northeast of Brazil.  It is assumed that the scope of the two problems of (i) excess and (ii) water scarcity pose social and environmental risks. Based on a socio-environmental argument it is relevant to understand that the issue of water excess in the Vale do Itajaí presents a significant indicator of social vulnerability resulting from flooding, landslides and floods, the issue of water scarcity in the Northeastern Semi-Arid focuses on the lack of water access and distribution, causing social and environmental conflicts in the communities.  The research methodology is characterized by an exploratory descriptive diagnosis. The main results point out arguments that emphasize that because of the growing urban population worldwide it is urgent to incorporate the knowledge of risks and vulnerabilities to this population, and its correct management. Mitigation and adaptation measures to these risks that increase socio-ecological resilience are obviously necessary and need to be included in city planning and management. These measures need to strengthen legitimacy in governance processes through social participation.

Keywords: water management, social and environmental vulnerability, resilience, Paraíba, Vale do Itajaí. 


Palavras-chave


gestão da água; vulnerabilidade socioambiental; resiliência; Paraíba; Vale do Itajaí.

Texto completo:

PDF

Referências


Acselrad, H. (Org.) 2004. Conflitos ambientais no Brasil. Rio de Janeiro: Relumé Dumará; Fund. Heinrich Boll. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1414753X2004000200015. Acesso: 25 abr. 2019.

AESA. Agência Executiva de Gestão das Águas, 2017. Bacias hidrográficas do litoral Norte (PB). Disponível em Acesso: 12 set. 2017.

Aumond, J. J. et al. 2009. Condições naturais que tornam o Vale do Itajaí sujeito aos desastres. In: Frank, B.; Sevegnani, L. Desastre de 2008 no Vale do Itajaí: água, gente e política. Blumenau: Agência de Água do Vale do Itajaí.

Ávila, M. R. R.; Mattedi, M. A. 2015. As dimensões políticas da produção de desastres: o caso do território do Vale do Itajaí/SC. In: Globalização em Tempos de Regionalização: Repercussões no Território, Santa Cruz do Sul. Disponível em Acesso: 10 abr. 2018.

CAGEPA. Companhia de Água e esgotos da Paraíba, 2018. Disponível em Acesso: 10 mai. 2018.

Castro, J. E. 2010. O estudo interdisciplinar dos conflitos pela água no meio urbano: uma contribuição da Sociologia. In: Laschefski, Klemens; ZhourI, Andréa (orgs). Desenvolvimento e Conflitos Ambientais. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Castro, J. E.; Cunha, L. H.; Fernandes, M. 2017. Tensão entre justiça ambiental e justiça social na América Latina: o caso da gestão da água (Livro Eletrônico). Campina Grande: EDUEPB. Disponível em: Acesso: 08 fev. 2017.

CEPED. Centro de Estudos e Pesquisas em Engenharia e Defesa Civil, 2016. Relatório dos Danos Materiais e Prejuízos Decorrentes de Desastres Naturais em Santa Catarina. UFSC. Disponível em: . Acesso: 08 fev. 2017.

Dias, M. A.F.S. 2008. As chuvas de novembro de 2008 em Santa Catarina: um estudo de caso visando à melhoria do monitoramento e da previsão de eventos extremos. Disponível em Acesso: 20 jan. 2019.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estátistica. Censo 2010. Disponível em: < https://www.ibge.gov.br/> Acesso: 10 out. 2018.

Little, P. E. 2001. Os conflitos socioambientais: Um Campo de Estudo e de ação Política. In: Bursztyn, M. (Org.). A difícil sustentabilidade – política energética e conflitos ambientais. Rio de Janeiro: Garamond, 107-122. Disponível em: Acesso: 16 jun. 2019.

Magis, K. 2010. Community resilience: An indicator of social sustainability. Society and Natural Resources, 23(5), 401-416. Doi: https://doi.org/10.1080/08941920903305674. Acesso: 08 jun. 2019.

Marengo, J. A. O futuro clima do Brasil. Revista USP, (103), 25-32, 2014.

Mattedi, M. A. et al. O desastre se tornou rotina. In: Frank, B.; Sevegnani, L. Desastre de 2008 no Vale do Itajaí: água, gente e política. Blumenau: Agência de Água do Vale do Itajaí. 2009. Doi: https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i103. Acesso: 15 jul. 2019.

Moe, C.; Rheingans, D. 2006. Global challenges in water, sanitation and health. Journal of Water and Healt, [online] 1, 41-57. Disponível: https://doi.org/10.2166/wh.2006.0043 Acesso: 4 out. 2019.

Mollinga, P. P. W., 2008. Politics and development: Framing a political sociology of water resources management. Water Alternatives. 1, 7-23. Acesso: 04 out. 2019.

Moraes. A; Perkins. P. 2007. Women, Equity and Participatory Water Management in Brazil. International Feminist Journal of Politics, 9: 4, 485-493. Doi: https://doi.org/10.1080/14616740701607986. Acesso: 04 out. 2019.

Robinson, N. A. 2014. The Resilience Principle, 5 IUCN Acad. Envtl. L. eJournal, 19. http://digitalcommons.pace.edu/ lawfaculty/953/. Disponível em: http://www.jstor.org/page/info/about/policies/terms.jsp. Acesso: 04 out. 2019.

Holling, C. S. 1973. Annual Review of Ecology and Systematics, 4, 1-23. Acesso: 04 out. 2019.

PMB. Prefeitura Municipal de Blumenau, 2013. Perfil do bairro Ribeirão Fresco. Disponível em: https://www.blumenau.sc.gov.br/governo/secretaria-de-desenvolvimento-urbano/pagina/historia-sobre-municipio/divisa-administrativa-bairros/bairro-ribeirao-fresco-seplan> Acesso: 27 jun. 2019.

PMB. Prefeitura Municipal de Blumenau, 2010. Plano diretor de Blumenau. Decreto nº 9155, de 14 de abril de 2010. Disponível em: < https:// leismunicipais.com.br/a/sc/b/blumenau/decreto/2010/916/9155/decreto-n-9155-2010-dispoe-sobre-as-vias-existentes-e-projetadas-do-municipio-de-blumenau > Acesso: 10 abr. 2019

Rabelo, D. C. 2012. Informação e comunicação na gestão participativa: Uma análise a partir das políticas de recursos hídricos do Brasil e da Europa. Emancipação, Ponta Grossa. Doi: https://doi.org/10.5212/Emancipacao.v.12i2.0007. Acesso: 03 jul. 2019.

Samagaia, J. 2010. Globalização e Cidade: Reconfigurações dos Espaços de Pobreza em Blumenau/SC. 263 f. Tese (Doutorado) - Curso de Programa de Pós-graduação em Geografia, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2010. Disponível em: . Acesso: 23 nov. 2016.

Scolobig, A., Prior, T., Schröter, D., Jörin, J., & Patt, A. 2015. Towards people-centred approaches for effective disaster risk management: Balancing rhetoric with reality. International Journal of Disaster Risk Reduction, 12, 202-212.

SUDENE. Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste, 2017. Revoluções do conselho deliberativo. Disponível em Acesso: 20 jan. 2018.

Targa, M. S; Batista, G. T. 2015. Benefits and legacy of the water crisis in Brazil. Ambiente & Água. (10), 2, 234-239. ISSN 1980-993X. Doi: http://dx.doi.org/10.4136/ambi-agua.1629. Acesso: 04 out. 2019.

Walker, B.; Salt, D. 2012. Resilience practice: Building capacity to absorb disturbance and maintain function. Washington, London: Island Press.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.3.p1263-1279

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License