Levantamento Florístico da Área Urbanizada do Campus Itaperi da Universidade Estadual do Ceará

Gabrielle Glayssa Lopes de Oliveira, Eliseu Marlônio Pereira de Lucena, Valéria da Silva Sampaio

Resumo


O Campus do Itaperi da Universidade Estadual do Ceará (UECE) localiza-se em Fortaleza-CE (3º47’09”S e 38º33’06”O), com área urbanizada de 18,37 ha e pertence ao Complexo Vegetacional da Zona Litorânea. Objetivou-se identificar a flora presente na área urbanizada do Campus do Itaperi da UECE, conhecer formas de vida, origem, endemismo dos táxons e nome vernacular. Realizaram-se visitas de novembro/2017 a outubro/2019, fazendo caminhadas aleatórias. As espécies foram fotografadas, tratadas no GNU Image Manipulation Program (GIMP) 2.10.18 e identificadas através de consultas à literatura especializada, especialistas e sites, seguindo o sistema APG IV. Registraram-se 135 espécies pertencentes a 122 gêneros e 57 famílias botânicas, onde se observou que a família mais representada foi a Fabaceae (15 espécies), seguida por Malvaceae (dez), Asteraceae (sete), Apocynaceae e Bignoniaceae (seis cada), Euphorbiaceae, Convolvulaceae, Solanaceae e Rubiaceae (cinco cada), Amaranthaceae e Cactaceae (quatro cada), somando aproximadamente 53% da flora encontrada no Campus. Constatou-se que 62% das espécies são plantas nativas do Brasil e quanto à forma de vida dos vegetais, observou-se que 32% representam árvores, seguido de 28% de ervas, 25% de arbustos, 9% de trepadeiras e por fim 6% de subarbustos. Conclui-se que o levantamento florístico possibilitou a identificação da flora presente na área urbanizada do Campus do Itaperi da UECE e demonstrou uma riqueza na variedade de espécies, que em sua maioria são nativas do Brasil, contribuindo para a preservação da biodiversidade local.


Palavras-chave


Complexo Vegetacional da Zona Litorânea; Inventário; Flora; Arborização; Planta Nativa

Texto completo:

PDF

Referências


Alencar, V.B., Meira, S.A., Mendes, L.M.S., 2017. Áreas de preservação permanente no Campus do Itaperi e seu entorno (Fortaleza, Ceará): o uso de técnicas de geoprocessamento no auxílio à proteção ambiental. Planeta Amazônia: Revista Internacional de Direito Ambiental e Políticas Públicas 9, 45-59.

APG. Angiosperm Phylogeny Group, 2016. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG IV. Botanical Journal of the Linnean Society 181, 1-20.

Azevedo, R., Menezes, K.G., Barbosa, R.A., Matos Neto, J.D.R., Monteiro, J.O.N., Coutinho, A.G., Sales Júnior, L.G., 2017. Aranhas epígeas de um fragmento de mata em área urbana em Fortaleza, Ceará, Brasil. Pesquisa e Ensino em Ciências Exatas e da Natureza 1, 104-114.

Batista, F.G., Oliveira, B.T., Almeida, M.E.A., Brito, M.S., Melo, R.R., Alves, A.R., 2019. Florística e fitossociologia de um remanescente florestal da Caatinga, Caicó-RN, Brasil. Desafios: Revista Interdisciplinar da Universidade Federal do Tocantins 6, 118-128.

BFG. The Brazil Flora Group, 2018. Brazilian Flora 2020: innovation and collaboration to meet Target 1 of the Global Strategy for Plant Conservation (GSPC). Rodriguésia 69, 1513-1527.

Castro, A.S.F., Moro, M.F., Menezes, M.O.T., 2012. O Complexo Vegetacional da Zona Litorânea no Ceará: Pecém, São Gonçalo do Amarante. Acta Botanica Brasilica 26, 108-124.

Castro, A.S.F., Moro, M.F., Rocha, F.C.L., 2011. Plantas dos espaços livres da Reitoria da Universidade de Fortaleza (UNIFOR), Ceará, Brasil. Revista Brasileira de Biociências 9, 126-129.

Chaves, A.C.G., Santos, R.M.S., Santos, J.O., Fernandes, A.A., Maracajá, P.B., 2013. A importância dos levantamentos florístico e fitossociológico para a conservação e preservação das florestas. Agropecuária Científica no Semiárido 9, 42-48.

CRIA. Centro de Referência em Informação Ambiental, 2020. Specieslink: simple search. Disponível: http://www.splink.cria.org.br/. Acesso: 09 abr. 2020.

Cronquist, A., 1981. An integrated system of classification of flowering plants. New York: Columbia University Press.

Cupertino, M.A., Eisenlohr, P.V., 2013. Análise florística comparativa da arborização urbana nos campi universitários do brasil. Bioscience Journal 29, 739-750.

Eisenlohr, P.V., Okano, R.M.C., Vieira, M.F., Leone, F.R., Stringheta, A.C.O., 2008. Flora fanerogâmica do campus da Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, Minas Gerais. Ceres 55, 317-326.

Faleiro, W., Amâncio, F.P., 2007. Arborização viária do campus Umuarama da Universidade Federal de Uberlândia, MG. Revista Científica Eletrônica de Engenharia Florestal 6, 1-17.

Fernandes, A., 1998. Fitogeografia Brasileira. Fortaleza: Multigraf.

Firmo, D.H.T, Freitas, D.A., Durães, A.F.S., Silva, A.C., Almeida, E.F.A., 2019. Arborização urbana: uma imprescindível prática de manejo dos espaços urbanos. Brazilian Journal of Animal and Environmental Research 2, 1584-1601.

Flora do Brasil 2020 em construção, 2020. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível: http://floradobrasil.jbrj.gov.br/. Acesso: 09 abr. 2020.

Frigeri, J.V., Krefta, S.M, Paula, A.S, Germano, A.D., Krefta, S.C., 2017. Environmental and socioeconomic benefits of urban trees. Uniplac 2, 66-77.

Gomes, C.C., 2019. Potencial utilitário da vegetação lenhosa em área de Caatinga no estado de Pernambuco, Nordeste do Brasil. Ciência Florestal 29, 307-321.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2019. Biomas e sistema costeiro-marinho do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE. Disponível: https://www.ibge.gov.br/geociencias/informacoes-ambientais/vegetacao/15842-biomas.html?edicao=16060&t=downloads. Acesso: 14 abr. 2020.

IPECE. Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará, 2018. Perfil municipal 2017: Fortaleza. Fortaleza: SEPLAG. Disponível: https://www.ipece.ce.gov.br/wp-content/uploads/sites/45/2018/09/Fortaleza_2017.pdf. Acesso: 04 ago. 2019.

IPECE. Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará, 2020. Ceará em mapas: informações georreferenciadas e espacializadas para os 184 municípios cearenses. Fortaleza: SEPLAG. Disponível: http://www2.ipece.ce.gov.br/atlas/capitulo1/12/images3x/Unidades_Fitoecologicas.jpg. Acesso: 08 abr. 2020.

Kuhlmann, M., 2018. Frutos e sementes do Cerrado: espécies atrativas para a fauna. 2. ed. v. 1. Brasília: M.K. Peres.

Lacerda, N.P., Souto, P.C., Dias, R.S., Souto, L.S., Souto, J.S., 2010. Percepção dos residentes sobre a arborização da cidade de São José de Piranhas-PB. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana 5, 81-95.

Lima, J.R., Silva, R.G., Tomé, M.P., Sousa Neto, E.P., Queiroz, R.T., Branco, M.S.D., Moro, M.F., 2019. Fitossociologia dos componentes lenhoso e herbáceo em uma área de caatinga no Cariri Paraibano, PB, Brasil. Hoehnea 46, e792018/1-26.

Loiola, M.I.B., Paterno, G.B.C., Diniz, J.A., Calado, J.F., Oliveira, A.C.P., 2010. Leguminosas e seu potencial de uso em comunidades rurais de São Miguel do Gostoso–RN. Revista Caatinga 23, 59-70.

Macedo, W.S., Silva; L.S., Alves, A.R., Martins, A.R., 2019. Análise do componente arbóreo em uma área de ecótono Cerrado-Caatinga no sul do Piauí, Brasil. Scientia Plena 15, 1-11.

Medeiros, F.S., Souza, M.P., Cerqueira, C.L., Alves, A.R., Souza, M.S., Borges, C.H.A., 2018. Florística, fitossociologia e modelagem da distribuição diâmétrica em um fragmento de Caatinga em São Mamede-PB. Agropecuária Científica no Semiárido 14, 85-95.

Moro, M.F., Araújo, F.S., Rodal, M.J.N., Martins, F.R., 2015a. Síntese dos estudos florísticos e fitossociológicos realizados no semiárido brasileiro. In: P.V. Eisenlohr, J.M. Felfili, M.M.R.F. Melo, C.A. Andrade, J.J.A. Meira Neto. Fitossociologia no Brasil: métodos e estudos de casos. v. 2. Viçosa: Editora UFV.

Moro, M.F., Macedo, M.B., Moura-Fé, M.N., Castro, A.S.F., Costa, R.C., 2015b. Vegetação, unidades fitoecológicas e diversidade paisagística do Estado do Ceará. Rodriguésia 3, 717-743.

Moro, M.F., Westerkamp, C., 2011. The alien street trees of Fortaleza (NE Brazil): qualitative observations and the inventory of two districts. Ciência Florestal 21, 789-798.

Rufino, M.R., Silvino, A.S., Moro, M.F., 2019. Exóticas, exóticas, exóticas: reflexões sobre a monótona arborização de uma cidade brasileira. Rodriguesia 70, 1-10.

Silva, A.B., Paiva, R.F., Marques, D.M., Oliveira Júnior, G.G., Zaponi, H.J.S., 2016. Levantamento da biodiversidade de arbóreas em fragmento florestal na região sul de Minas Gerais. Revista Agrogeoambiental 8, 47-60.

Silva, M.S.L., Oliveira Neto, M.B., 2019. Argissolos Vermelho-Amarelos. Brasília: Embrapa. Disponível:

Souza, V.C., Flores, T.B., Colletta, G.D., Coelho, R.L.G., 2018. Guia das plantas do Cerrado. Piracicaba: Taxon.

Souza, V.C., Lorenzi, H., 2019. Botânica sistemática: guia ilustrado para identificação das famílias de Fanerógamas nativas e exóticas no Brasil, baseado em APG IV. 4. ed. Nova Odessa: Jardim Botânico Plantarum.

Tabarelli, M., Leal, I.R., Scarano, F.R., Silva, J.M.C., 2018. Caatinga: legado, trajetória e desafios rumo à sustentabilidade. Ciência e Cultura 70, 25-29.

Tischer, M.C., Carciragui, A.F., Camargo, A.C.R., Sala, L.L., Penteado, N.S., Silva, T.A.D., Pereira, G.O., Pupi, J.F., Cardoso, M.F., D'ávilla, S.G.D., 2020. Percepção e conhecimento de alunos de graduação e funcionários de uma IES em relação às espécies vegetais e áreas naturais do campus. Holos Environment 20, 21-28.

UECE. Universidade Estadual do Ceará, 2020. Histórico. Fortaleza: UECE. Disponível: http://www.uece.br/institucional/historico/. Acesso: 09 abr. 2020.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.3.p1177-1193

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License