Estudos Botânicos nos Tabuleiros Litorâneos do Brasil

Jefferson Lucas Matias Sousa, Francisco Soares Santos-Filho

Resumo


Estudos que visam conhecer a vegetação de tabuleiros são cruciais para a compreensão da distribuição das espécies, identificação de possíveis áreas de endemismo e relações ecológicas. O objetivo do trabalho foi realizar uma análise cienciométrica de trabalhos científico sobre a flora dos tabuleiros do Brasil nas últimas duas décadas, tais informações serão importantes para elucidar de que forma esse ambiente está sendo estudado, bem como para apontar possíveis lacunas e onde os esforços de pesquisadores precisam ser aplicados. Nas principais bases de dados, foram feitas pesquisas utilizando as palavras “tabuleiro” e “tableland” associado aos nomes dos 13 Estados que apresentam esse tipo de formação. Foram selecionados então produções dos campos da botânica e da ecologia vegetal. A fim de permitir uma comparação da representatividade dos estudos frente à dimensão das áreas litorâneas dos Estados propôs-se um Índice de Cobertura de Estudos Ambientais (ICEA). Nos 13 estados que apresentam a Formação Barreiras, foram encontrados 23 estudos. Artigos científicos (65,2%) e capítulos de livros (21,7%) foram o principal meio utilizado pelos pesquisadores para divulgarem seus resultados. Constatou-se a existência de estudos apenas nas regiões Nordeste e Sudeste do Brasil. Alagoas, Piauí e Espírito Santo foram os Estados que apresentaram o maior ICEA. O presente estudo demonstrou através de seus resultados que esse ecossistema não está recebendo a atenção que merece, sobretudo da comunidade científica voltada para a pesquisa ambiental. É recomendado um esforço maior, principalmente na região Norte, onde jamais uma pesquisa botânica foi feita tendo os tabuleiros daquela região como foco.

 

Botanical Studies in Brazilian Coastal Trays

A B S T R A C T

Studies aimed at knowing the vegetation of trays are crucial for understanding species distribution, identifying possible areas of endemism and ecological relationships. The objective of this work was to perform a scientific analysis of scientific work on the flora of the Brazilian trays over the last two decades, such information will be important to clarify how this environment is being studied, as well as to point out possible gaps and where researchers need to be applied. In the main databases, searches were made using the words “board” and “tableland” associated with the names of the 13 states that present this type of formation. Productions from the fields of botany and plant ecology were then selected. In order to allow a comparison of the representativeness of studies in relation to the size of the coastal areas of the States, an Environmental Studies Coverage Index (ESCI) was proposed. In the 13 states that present the Barreiras Formation, 23 studies were found. Scientific articles (65.2%) and book chapters (21.7%) were the main means used by researchers to disseminate their results. Studies were found only in the Northeast and Southeast regions of Brazil. Alagoas, Piauí and Espírito Santo were the states that presented the largest ESCI. The present study demonstrated through its results that this ecosystem is not receiving the attention it deserves, especially from the scientific community focused on environmental research. A larger effort is recommended, especially in the Northern region, where botanical research has never been done.

Keywords: Coastal tray, botanic studies, scientometry.


Palavras-chave


Tabuleiro litorâneo. Estudos Botânicos. Cienciometria

Texto completo:

PDF

Referências


Abreu, K.M.P., Braga, J.M.A., Nascimento, M.T., 2014. Tree species diversity of coastal lowlands semideciduous forest fragments in northern Rio de Janeiro state, Brazil. Bioscience Journal [online] 30. Disponível: http://www.seer.ufu.br/index.php/biosciencejournal/article/view/22018. Acesso: Acesso: 15 jun. 2019.

Almeida, L.M., 2016. State of the art of scientific literature on hancornia speciosa: trends and gaps. Revista Brasileira de Fruticultura [online] 38. Disponível: https://doi.org/10.1590/0100-29452016869. Acesso: 24 mar. 2020.

Andrade, A.C.S., Dominguez J.M.L., 2002. Informações geológico-geomorfológicas como subsídios a análise ambiental: o exemplo da região Planície costeira de Caravelas – Bahia. Boletim Paranaense de Geociências [online] 51. Disponível: http://dx.doi.org/10.5380/geo.v51i0.4167. Acesso: 15 jun. 2019.

Arai, M., 2006. A grande elevação eustática do mioceno e sua influência na origem do Grupo Barreiras. Geologia USP Série Científica [online] 6. Disponível: https://doi.org/10.5327/S1519874X2006000300002. Acesso: 15 jun. 2019.

Araújo, R.R., Santos, E.D., Lemos, E.E.P., 2014. Fenologia do muricizeiro Byrsonyma verbascifolia (L.) RICH em zona de tabuleiro costeiro do Nordeste brasileiro. Ciência Agrícola [online] 12. Disponível: http://dx.doi.org/10.28998/rca.v12i1.905. Acesso: 15 jun. 2019.

Araújo, R.R. et al., 2009. Caracterização biométrica de frutos e sementes de genótipos de murici (byrsonima verbascifolia (l.) RICH.) do tabuleiro costeiro de alagoas. Revista Caatinga [online] 22. Disponível: https://periodicos.ufersa.edu.br/index.php/caatinga/article/view/1226. Acesso: Acesso: 15 jun. 2019.

Araújo, R.R. et al., 2012. Caracterização física e química de frutos de maçaranduba (Manilkara salzmanii, Sapotaceae) em uma área de tabuleiro costeiro de Alagoas. Agropecuária Científica no Semi-Árido [online] 8. Disponível: http://dx.doi.org/10.30969/acsa.v8i3.168. Acesso: 15 jun. 2019. Acesso: 15 jun. 2019.

Ayres, M. et al., 2007. Bioestat 5.0 aplicações estatísticas nas áreas das ciências biológicas e médicas. Sociedade Civil Mamirauá, Belém.

Bittencourt, L.A.F, Paula, A., 2012. Análise cienciométrica de produção científica em unidades de conservação federais do Brasil. Enciclopédia Biosfera [online] 8, Disponível: https://www.conhecer.org.br/enciclop/2012a/multi/analise.pdf. Acesso: 24 mar. 2020.

Castro, A.S.F., Moro, M.F., Menezes, M.O.T., 2012. O Complexo Vegetacional da Zona Litorânea no Ceará: Pecém, São Gonçalo do Amarante. Acta Botanica Brasilica [online] 26. Disponível: https://doi.org/10.1590/S0102-33062012000100013. Acesso: 15 jun. 2019.

Cestaro, L.A., Soares, J.J., 2004. Variações florística e estrutural e relações fitogeográficas de um fragmento de floresta decídua no Rio Grande do Norte, Brasil. Acta Botanica Brasilica [online] 18. Disponível: https://doi.org/10.1590/S0102-33062004000200001. Acesso: 15 jun. 2019.

Cintra, F.L.D., Libardi, P.P., 1998. Caracterização física de uma classe de solo do ecossistema do tabuleiro costeiro. Scientia Agricola [online] 55. Disponível: https://doi.org/10.1590/S0103-90161998000300004. Acesso: 15 jun. 2019.

Diogo, I.J.S. et al., 2014. Floristic composition and structure of an urban forest remnant of Fortaleza, Ceará. Gaia Scientia [online] 8. Disponível: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/gaia/article/view/18106. Acesso: 15 jun. 2019.

EMBRAPA, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. 2015. Delimitação da área de atuação da Embrapa Tabuleiros Costeiros. Embrapa Tabuleiros Costeiros ,Aracaju.

EMBRAPA, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. 1994. Plano diretor do Centro de Pesquisa Agropecuária dos Tabuleiros Costeiros (CPATC). EMBRAPA-SPI, Brasília.

Engel, V.L., 2001. Estudo fenológico de espécies arbóreas de uma floresta tropical em Linhares, ES. Tese (Doutorado). Campinas, UNICAMP.

Fontana, A., Anjos, L.H.C., Pereira, M.G., 2016. Os tabuleiros costeiros do estado do Espírito Santo: ocorrência e componentes ambientais, in: Rolim, S.G., Menezes, L.F.T., Srbek-Araujo, A. C. (Eds.). Floresta Atlântica de Tabuleiros: Diversidade e Endemismo na Reserva Natural Vale. Editora Rona, Belo Horizonte, pp. 31-44.

Frazão, A.C.S., 2017. Diversidade florística da Área de Proteção Ambiental do Maracanã em São Luis/MA. Monografia (Bacharel). São Luís, UFMA.

Freire, M.S.B., 1990. Levantamento florístico do Parque Estadual das Dunas de Natal. Acta Botanica Brasilica [online] 4. Disponível: https://doi.org/10.1590/S0102-33061990000300006. Acesso: 15 jun. 2019.

Giulietti, A.N., Forero, E., 1990. “Workshop" diversidade taxonômica e padrões de distribuição das Angiospermas brasileiras: introdução. Acta Botanica Brasilica [online] 4. Disponível: https://doi.org/10.1590/S0102-33061990000100001. Acesso: 15 jun. 2019.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2016. Atlas geográfico escolar, 7 ed. IBGE, Rio de Janeiro.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2012. Manual técnico da vegetação brasileira, 2 ed. IBGE, Rio de Janeiro.

Laurindo, R., Mafra, T., 2010. Cienciometria da revista Comunicação & Sociedade identifica interfaces da área. Comunicação & Sociedade [online] 31. Disponível: http://dx.doi.org/10.15603/2175-7755/cs.v31n53p233-260. Acesso: 15 jun. 2019.

Lisboa, R.S, Rodrigues, F.M., 2017. Análise da produção científica sobre plantas medicinais. Estudos Vida e Saúde [online] 44. Disponível: http://dx.doi.org/10.18224/evs.v0i0.5773. Acesso: 24 mar. 2020

Lopes, J.C., Mello-Silva, R., 2016. Araticuns e pindaíbas da reserva natural de vale, Linhares/ES, in: Rolim, S.G., Menezes, L.F.T., Srbek-Araujo, A. C. (Eds.). Floresta Atlântica de Tabuleiros: Diversidade e Endemismo na Reserva Natural Vale. Editora Rona, Belo Horizonte, pp. 283-297.

Machado, M.A., Almeida Jr, E.B., 2019. Spatial Structure, Diversity, and Edaphic Factors of an Area of Amazonian Coast Vegetation in Brazil. The Journal of the Torrey Botanical Society [online] 146. Disponível: https://doi.org/10.3159/TORREY-D-18-00025.1. Acesso: 15 jun. 2019.

Machado, M.A.B.L. et al., 2012. Florística do estrato arbóreo de fragmentos da Mata Atlântica do Nordeste oriental, município de Coruripe, Alagoas, Brasil. Revista Ouricuri [online] 2. Disponível: http://www.revistas.uneb.br/index.php/ouricuri/article/view/6433/4065. Acesso: 15 jun. 2019.

Moro, M.F., Castro, A.S.F., Araújo, F.S., 2011. Composição florística e estrutura de um fragmento de vegetação savânica sobre os tabuleiros pré-litorâneos na zona urbana de Fortaleza, Ceará. Rodriguésia [online] 62. Disponível: https://doi.org/10.1590/2175-7860201162214. Acesso: 15 jun. 2019.

Nascimento, M.T., Lima, H.C., 2008. Floristic and Structural Relationships of a Tabuleiro Forest in Northeastern Rio de Janeiro, Brazil, in: Thomas, W.W (Ed.), The Atlantic Coastal Forest of Northeastern Brazil. New York Botanic Garden Press, Nova York, pp. 389-410.

Neto, J.A.A.M., et al., 2005. Composição florística, espectro biológico e fitofisionomia da vegetação de muçununga nos municípios de Caravelas e Mucuri, Bahia. Revista Árvore [online] 29. Disponível: https://doi.org/10.1590/S0100-67622005000100015. Acesso: 15 jun. 2019.

Noga, P.M.B., Gomes, D.F., 2018. Scientometrical review of Dinoflagellate studies in Brazil. Acta Botanica Brasilica [online] 32. Disponível: https://doi.org/10.1590/0102-33062017abb0376. Acesso: 15 jun. 2019.

Oliveira-Filho, A.T., Carvalho, D.A., 1993. Florística e fisionomia da vegetação no extremo norte do litoral da Paraíba. Revista Brasileira de Botânica 16. 115-130.

Peixoto, A.L. et al., 2008. Tabuleiro Forests North of the Rio Doce: Their Representation in the Vale do Rio Doce Natural Reserve, Espírito Santo, Brazil, in: Thomas, W.W (Ed.), The Atlantic Coastal Forest of Northeastern Brazil. New York Botanic Garden Press, Nova York, pp. 21-66.

Peixoto, A.L., Jesus, R.M., 2016. Reserva Natural Vale: memórias de 65 anos de conservação, in: Rolim, S.G., Menezes, L.F.T., Srbek-Araujo, A. C. (Eds.). Floresta Atlântica de Tabuleiros: Diversidade e Endemismo na Reserva Natural Vale. Editora Rona, Belo Horizonte, pp. 21-30.

Pessoa, L.M. et al., 2009. Flora lenhosa em um fragmento urbano de Floresta Atlântica em Pernambuco. Revista de Geografia [online] 26. Disponível: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistageografia/article/view/228778/23192. Acesso: 15 jun. 2019.

Reinhardt, D.H., 1996. Potencial da fruticultura irrigada nos Tabuleiros Costeiros. EMBRAPA-CNPMF, Cruz da Almas.

Ribeiro, R.D., Lima, H.C., 2009. Riqueza e distribuição geográfica de espécies arbóreas da família leguminosae e implicações para conservação no centro de diversidade vegetal de Cabo Frio, Rio de Janeiro, Brasil. Rodriguésia [online] 60. Disponível: https://doi.org/10.1590/2175-7860200960106. Acesso: 15 jun. 2019.

Rizzini, C.M., Garay, I., 2003. Árvores da Floresta Atlântica de Tabuleiros Morfologia foliar e esclerofilia, in: Garay, I., Rizzini, C.M. (Eds.). A floresta atlântica de tabuleiros: diversidade funcional da cobertura arbórea. Editora Vozes, Petrópolis. pp. 59-72.

Rizzini, C.T., 1997. Tratado de fitogeografia do Brasil. 2 ed. Âmbito Cultural, Rio de Janeiro.

Rossetti, D.F., Goes, A.M., 2009. Marine influence in the Barreiras Formation, State of Alagoas, northeastern Brazil. Anais da Academia Brasileira de Ciências [online] 81. Disponível: https://doi.org/10.1590/S0001-37652009000400012. Acesso: 15 jun. 2019.

Ruschi, A., 1950. Fitogeografia do Estado do Espírito Santo I: considerações gerais sobre a distribuição da Flora no Estado do E. Santo. Boletim do Museu de Biologia Mello Leitão (Série Botânica). n. 1, 353 p.

Santos, A.F. et al., 2018. Análise da produção científica sobre plantas com potencial antioxidante, antimicrobiano e alelopático disponíveis na base Scielo. Diversitas Journal [online] 3. Disponível: https://doi.org/10.17648/diversitas-journal-v3i2.645. Acesso: 24 mar. 2020.

Santos-Filho, F.S. et al., 2016. A flora de Cajueiro da Praia: uma área de tabuleiros do litoral do Piauí, Brasil. Revista Equador [online] 5. Disponível: https://revistas.ufpi.br/index.php/equador/article/view/4460. Acesso: 15 jun. 2019.

Santos-Filho, F.S. et al., 2010. Fisionomias das restingas do Delta do Parnaíba, Nordeste, Brasil. Revista Brasileira de Geografia Física [online] 3. Disponível: https://doi.org/10.26848/rbgf.v3.3.p218-227. Acesso: 15 jun. 2019.

Santos-Filho, F.S., Zickel, C.S., 2013. Origem e estrutura da costa e vegetação de restinga: o caso do litoral do Piauí, in: Santos-Filho, F. S., Leite Soares, A.F.C., Almeida Jr., E.B. (Eds.). Biodiversidade do Piauí: pesquisas & perspectivas. 2 ed. CRV, Curitiba. pp. 11-36.

Santos, M. et al., 2000. Correlações entre variáveis do solo e espécies herbáceo-arbustivas de dunas em revegetação no litoral norte da Paraíba. Cerne [online] 6. Disponível: http://www.bibliotecaflorestal.ufv.br/bitstream/handle/123456789/18244/Cerne_v6_n1_p19-29_2000.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso: 15 jun. 2019.

Salgado-Labouriau, M.L., 1994. História ecológica da Terra. 2 ed. Edgard Blücher, São Paulo.

Scarano, F.R., 2002. Structure, function and floristic relationships of plant communities in stressful habitats marginal to the brazilian atlantic rainforest. Annals of Botany [online] 90. Disponível: https://doi.org/10.1093/aob/mcf189. Acesso: 15 jun. 2019.

Serra, F.C.V., Lima, P.B., Almeida Jr, E.B., 2016. Species richness in restinga vegetation on the eastern Maranhão State, Northeastern Brazil, Acta Amazônica [online] 46. Disponível: https://doi.org/10.1590/1809-4392201504704. Acesso: 15 jun. 2019.

Silva, G.C., Nascimento, M.T., 2001. Fitossociologia de um remanescente de mata sobre tabuleiros no norte do estado do Rio de Janeiro (Mata do Carvão). Revista Brasileira de Botânica [online] 24. Disponível: https://doi.org/10.1590/S0100-84042001000100006. Acesso: 15 jun. 2019.

Silva, S.M., Britez, R., 2005. A. vegetação da Planície Costeira, in: Marques, M.C.M., Britez, R.M. (Eds.). História Natural e conservação da Ilha do Mel. UFPR, Curitiba 2005, pp. 49-84.

Silva, T.C., 2014. Diversidade de Leguminosae juss. na restinga e nos tabuleiros de Pirambu, Sergipe, Brasil. Dissertação (Mestrado). Campinas, UNICAMP.

Sousa, S.R.V.S., Santos-Filho, F.S., 2018. [IN]CI(PI)ÊNCIA: Panorama geral dos estudos sobre Biodiversidade no Piauí. Revista Equador (UFPI) [online] 7. Disponível: https://revistas.ufpi.br/index.php/equador/article/view/6437/0. Acesso: 15 jun. 2019.

Souza, U.J.B., Telles, M.P.C., Diniz-Filho, J.A.F., 2016. Tendências da literatura científica sobre genética de populações de plantas do Cerrado. Hoehnea [online] 43. Disponível: https://doi.org/10.1590/2236-8906-06/2016. Acesso: 15 jun. 2019.

Spinak, E., 1998. Indicadores cienciometricos. Ciência da Informação [online] 27. Disponível: http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/795/826. Acesso: 15 jun. 2019.

Suguio, K., Nogueira, A.C.R., 1999. Revisão crítica dos conhecimentos geológicos sobre a Formação (ou Grupo?) Barreiras do Neógeno e o seu possível significado como testemunho de alguns eventos geológicos mundiais. Revista Geociências 18. 461-479.

Suguio, K., Tessler, M.G., 1984. Planícies de cordões litorâneos quaternários do Brasil: Origem e nomenclatura, in: Lacerda, L.D. et al. (Eds.). Restingas: Origem, Estrutura e Processos. CEUF, Niterói, pp. 15-26.

Vilas Boas, G.S., Sampaio, F.J., Pereira, A.M.S., 2001. The Barreiras Group in the northeastern coast of the State of Bahia, Brasil: depositional mechanisms and processes. Anais da Academia Brasileira de Ciências [online] 73. Disponível: https://doi.org/10.1590/S0001-37652001000300010. Acesso: 15 jun. 2019.

Villwock, J.A. et al., 2005. Geologia e geomorfologia de regiões costeiras, in: Souza, C.R.G., Suguio, K., Oliveira, A.M.S. (Eds.), Quaternário do Brasil. Holos Editora, Ribeirão Preto, pp. 94-113.

Yano, O., 2016. Briófitas da reserva natural de vale, linhares/ES, Brasil, in: Rolim, S.G., Menezes, L.F.T., Srbek-Araujo, A. C. (Eds.). Floresta Atlântica de Tabuleiros: Diversidade e Endemismo na Reserva Natural Vale. Editora Rona, Belo Horizonte, pp.231-247.

Zago, L.M.S., 2018. Vinte e dois anos de pesquisa sobre plantas medicinais: uma análise cienciométrica. Tecnia [online] 3. Disponível: http://revistas.ifg.edu.br/tecnia/article/view/220. Acesso: 15 jun. 2019.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.3.p1335-1347

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License