Caracterização de eventos extremos e de suas causas climáticas com base no Índice Padronizado de Precipitação Para o Leste do Nordeste

Djane Fonseca da Silva, Maria José DA SILVA LIMA, PEDRO FERNANDES DE SOUZA NETO, Heliofábio Barros Gomes, Fabrício Daniel dos Santos Silva, henrique ravi rocha de carvalho almeida, rafaela Lisboa Costa, Marcos Paulo Santos Pereira

Resumo


Os eventos climáticos extremos demonstram um papel significativo das sociedades, seja por sua intensidade, pela frequência de ocorrência ou pela vulnerabilidade socioambiental. Objetiva-se classificar e quantificar as precipitações na porção leste da região Nordeste (NE) do Brasil através do índice SPI, como também detectar maiores déficits e/ou excesso de precipitação. O Standardized Precipitation Index (SPI) foi utilizado para quantificar déficits de precipitação e identificar eventos secos e chuvosos em diferentes escalas temporais, auxiliando no monitoramento da sua dinâmica temporal. No cálculo do SPI foi utilizado a distribuição gama, e estimados os limites de precipitação que representam a cada categoria do índice. Foram utilizados dados pluviométricos das capitais dos estados que compõem no leste do Nordeste do Brasil, no período de 1961 a 2014 provenientes da Agência Nacional das Águas (ANA). A análise de Ondeletas foi utilizada com objetivo de identificar ciclos de extremos pluviométricos e de suas causas através das escalas temporais detectadas em séries de precipitação para as capitais do leste do Nordeste do Brasil. Os resultados mostraram que as ocorrências de secas foram as maiores em todas as cidades, todavia na categoria extrema os eventos chuvosos revelaram-se mais frequentes. Os anos normais foram os mais persistentes em todas cidades analisadas. Recife apresentou máximas ocorrências de eventos chuvosos. Os eventos com intensidade extrema, seja chuvoso ou seco, ocorreram em boa parte da série em anos de ENOS. O SPI revelou-se uma excelente ferramenta na detecção e no monitoramento de seca/chuvas na região analisada. A presença de escalas temporais relacionadas com eventos ENOS, Dipolo do Atlântico, ciclo de manchas solares e Oscilação Decadal do Pacífico foram identificadas em todas as capitais do leste do NEB.

 

 

Characterization of Drought Events Based on the Standardized of Precipitation Index for the East Northeast

A B S T R A C T

Extreme weather events demonstrate a significant role for societies, whether by their intensity, frequency of occurrence or socio-environmental vulnerability. Objective-classify and quantify as precipitation in the eastern portion of the Northeast (NE) of Brazil through the SPI index, as well as detect larger deficits and / or excess occurrence. The Standardized Precipitation Index (SPI) was used to quantify use deficits and to identify dry and rainy events in different temporal variations, helping to monitor their temporal utilization. No SPI calculations were used for gamma distribution, and estimated capture limits representing each category of the index. Rainfall data were used from the capitals of the states that make up the eastern Northeast of Brazil, with no period from 1961 to 2014, Registration of the National Water Agency (ANA). A wave analysis was used to identify extreme rainfall cycles and their causes caused by temporary variations detected in monitoring series for the eastern capitals of Brazil. The results shown as drought occurrences were the highest in all cities, however in the extreme category of rain events most frequently revealed. The normal years were the most persistent in all cities analyzed. Recife presents maximum occurrences of rain events. Extreme intensity events, whether rainy or dry, occur in much of the series in ENSO years. The SPI revealed an excellent tool for detection and monitoring of drought / gloves in the analyzed region. The presence of temporary variations related to ENOS, Atlantic Dipole, sunspot cycle and Pacific Oscillation events are identified in all eastern NEB capitals.

Keywords: SPI; extreme rainfall; drought; Wavelet analysis.


Palavras-chave


SPI; chuva extrema; secas; Análises de Ondeletas

Texto completo:

PDF

Referências


Aceituno, P. 1988. On the functioning of the southern oscillation in the South American sector. Part1: surface climate, Monthly Weather Review, 116, 505-524.

Andreoli, R. V.; Kayano, M. T.; Guedes, R. L.; Oyama, M. D.; Alves0, M. A. S. 2004. A influência da temperatura da superfície do mar dos Oceanos Pacífico e Atlântico na variabilidade de precipitação em Fortaleza, Revista Brasileira de Meteorologia, 19, 337-344.

Ashok, K.; Behera, S. K.; Rao, S. A.; Weng, H. Y.; Yamagata, T. 2007. El Niño Modoki and its possible teleconnection. Journal of Geophysical Research, 112, 1-2.

Anjos, R., Nóbrega, R., Araújo, F., & Rocha Filho, G. (2016). Spacial Distribution of Rain Types In Pernambuco With The Usage Of Remote Sensing. Journal of Hyperspectral Remote Sensing, 6(3), 154-163. doi:https://doi.org/10.5935/2237-2202.20160016

Bonfim, O. E. T.; Da Silva, D. F. 2018. Influência do ENOS canônico e modoki sobre a ocorrência de eventos extremos na bacia hidrográfica Aguapeí–Peixe (SP). Revista Ibero-Americana de Ciências Ambientais, 9.

Clauzet, G.; Wainer, I. 1999. Identificação da variabilidade de baixa frequência em algumas regiões da costa sudeste-nordeste do Brasil. Revista Brasileira Oceanografia, 47, 69-78.

Costa, J. A. 2015. Distribuição Espaço-Temporal do Índice de Anomalia de Chuva Para o Estado do Ceará. Universidade Federal do Cariri, Crato.

Da Silva, D. F. 2009. Análise de aspectos climatológicos, agroeconômicos, ambientais e de seus efeitos sobre a bacia hidrográfica do rio Mundaú (AL E PE), março de 2009, 212 p., Tese de Doutorado em Recursos Naturais, UFCG, Campina Grande (PB).

Da Silva, D. F.; Sousa, F. de A. S. DE; Kayano, M.T. 2010. Escalas temporais da variabilidade pluviométrica na bacia hidrográfica do rio mundaú. Revista Brasileira de Meteorologia, 25, 147-155.

Da Silva, D. F. 2014. Previsão Hidro-climática para prevenção de desastres naturais do leste do Nordeste do Brasil utilizando análises estatísticas avançadas. Projeto Edital Universal – CNPq, p. 4-21.

Da Silva, D. F. 2017. Aplicação de Análises de Ondaletas para Detecção de Ciclos e Extremos Pluviométricos no Leste do Nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Meteorologia, 32, 187-198.

Echer, E.; Rigozo, N. R.; Nordemann, D. J. R.; Vieira, L. E. A.; Prestes, A.; Faria, H. H. 2003. O número de manchas solares, índice da atividade do sol. Revista Brasileira de Ensino de Física, 25, n. 2.

Fialho, W. M. B.; Molion, L. C. B. 2011. Estudo de caso de chuvas extremas no NEB: Recife (PE) - Abril de 2011. Universidade Federal de Alagoas – Instituto de Ciências Atmosféricas.

Gershunov A, Barnett, T. P. 1998. Interdecadal modulation of ENSO teleconnections. Bulletin of the American Meteorological Society, 79: 2715–2725.

Guedes, R.V. S.; Macedo, M. J. H.; Sousa, F. A. S. 2012. Análise espacial de eventos de secas com base no índice padronizado de precipitação e análise de agrupamento. Revista Brasileira de Ciências Ambientais, 1, 55-65.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. População do Nordeste, 2010. Disponível em: www.ibge.gov.br. Acesso em: 19 nov. 2018.

Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos - CPTEC. La Niña. El Niño. 2018. Disponível em: http://enos.cptec.inpe.br/ Acesso em 25/11/2018.

Loureiro, R. S.; Saraiva, J. M.; Saraiva, I.; Senna, R. C.; Fredó, A. S. 2014. Estudo dos Eventos Extremos de Precipitação Ocorridos em 2009 no Estado do Pará. Revista Brasileira de Meteorologia, 29, 83-94.

Kousky, V. E.; Chu, P. S. 1978. Fluctuations in annual rainfall for northeast Brazil, Journal of The Meteorological Society of Japan, 56, 457-466.

Macedo, M. J. H.; Guedes, R. V. S.; Souza, F. A. S.; Dantas, F. R. C. 2010. Análise do índice padronizado de precipitação para o estado da Paraíba, Brasil. Ambi-Agua, Taubaté, 5, 204-214.

Mantua, N. J.; Hare, S. R.; Zhang, Y.; Wallace, J. M.; Francis, R. C. 1997. A Pacific interdecadal climate oscillation with Impacts on salmon production, Bulletin American Meteorological Society, 78, 1069-1079.

Marengo, J. A. 2017. Mudanças climáticas, Condições Meteorológicas Extremas e Eventos Climáticos no Brasil. Disponível em:. Acesso em: 31-08-2017.

Mckee, T. B.; Doesken, N. J.; Kleist, J. 1993. The relationship of drought frequency and duration to times scale. In: Conference on Applied Climatology, 8, 1993, Boston. Anais… American Meteorological Society, Boston: Preprints, p. 179 – 184.

Molion, L. C. B. 2005. Aquecimento global, El Niños, manchas solares, vulcões e oscilação decadal do Pacífico. Revista Climanálise, Cachoeira Paulista, 3, 1-5.

Morettin, P. A. 1999. Ondas e Ondeletas: Da Análise de Fourier à Análise de Ondeletas, EDUSP, 193 P.

Nascimento, F. C. A.; Braga, C. C.; Araújo, F. R. C. D. 2017. Análise Estatística dos Eventos Secos e Chuvosos de Precipitação do Estado do Maranhão. Revista Brasileira de Meteorologia, 32, 375-386.

Oliveira, J., de Medeiros, B., da Silva, J., Moura, G., Lins, F., Nascimento, C., & Lopes, P. (2017). Space-temporal evaluation of biophysical parameters in the High Ipanema watershed by remote sensing. Journal of Hyperspectral Remote Sensing, 7(6), 357-366. doi:https://doi.org/10.29150/jhrs.v7.6.p357-366

Rockwood, A. A.; Maddox, R. A. 1988. Mesoscale and synoptic scale interactions leading to intense convection: The case of June, 1982.Weatherand Forecasting, 3, 51-68.

Santos, S. R. Q.; Braga, C. C.; Sansigolo, C. A.; Santos, A. P. P. 2017. Determinação de Regiões Homogêneas do Índice de Precipitação Normalizada (SPI) na Amazônia Oriental. Revista Brasileira de Meteorologia, 32, 111-122.

Santos, S. R. Q.; Braga, C. C.; Santos, A. P. P.; Brito, J. I. B.; Campos, T. L. O. B. 2014. Classificação de eventos extremos de precipitação em múltiplas escalas de tempo em Belém-PA: Utilizando o índice de precipitação normalizada. Revista Brasileira de Geografia Física, 7, 628-635.

Santos, S. R. Q.; Sansigolo, C. A.; Neves, T. T. A. T.; Campos, T. L. O. B.; Santos, A. P. P. 2017. Frequências dos Eventos Extremos de Seca e Chuva na Amazônia Utilizando Diferentes Bancos de Dados de Precipitação. Revista Brasileira de Geografia Física, 10, 468-478.

Sousa, F. A. S.; Macedo, M. J. H.; Guedes, R.V. S.; Silva, V. P. R. 2016. O Índice de Precipitação Padronizada (IPP) na identificação de extremos de chuvas e secas na bacia do rio Paraguaçu (BA). Revista Ambiência, Guarapuava, 12, 707-719.

Souza, E. B.; Brabo Alves, J. M.; Nobre, P. 1998. Anomalias de precipitação nos setores norte e leste do Nordeste brasileiro em associação aos

eventos do padrão de dipolo observados na bacia do atlântico tropical. Revista Brasileira de Meteorologia, 13, 45-55.

Tedeschi, R. G. 2013. As Influências de Tipos Diferentes de ENOS na Precipitação e nos seus Eventos Extremos Sobre a América do Sul - Observações, Simulações e Projeções. 2013. 224 p. Tese (Doutorado em Meteorologia) - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. São José dos Campos.

Weng, H.; Lau, K-M. 1994. Wavelets, period doubling, and time-frequency localization with application to organization of convection over the Tropical Western Pacific. Journal of the Atmospheric Sciences, 51, 2523-2541.

Uliana, E. M.; Dos Reis, E. F.; De Souza A. P.; Da Silva, J. G. F. e Xavier, A. C. 2015. Utilização do Índice de Precipitação Padronizado para a Região Norte do Estado do Espírito Santo. Revista Irriga, Botucatu, 20, 414-428.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.2.p449-464

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License