Percepção ambiental: reflexões sobre a natureza no semiárido baiano

Maria Auxiliadora Freitas Santos, Valéria Sandra de Oliveira Costa, Edivânia Torres Aguiar Gomes, Josiclêda Domiciano Galvincio

Resumo


O semiárido apresentava uma estigmatização em diferentes estratos sociais enquanto ambiente inóspito e voltado a miséria. Assim, (re)pensar a situação ambiental considerando os fatores que interagem com a sua complexidade consiste em uma das estratégias para a sua convivência. Este trabalho teve como objetivo compreender a percepção dos agricultores no ambiente ao qual interagem sobre a perspectiva de tecnologias sociais voltadas à captação da água para o consumo humano e a produção agrícola. Esta pesquisa foi realizada em uma comunidade situada no município de Serrinha-BA, por meio da seleção da comunidade; identificação das famílias; aplicação de entrevistas e análise do Discurso do Sujeito Coletivo. As categorias estabelecidas foram: tecnologias sociais existentes; um olhar sobre o ambiente em que vivem e suas modificações; processos produtivos do bioma Caatinga. Percebeu-se uma ressignificação do espaço, apresentando uma integração com os aspectos naturais, sociais, econômicos, ambientais e culturais.

 

 

 

Environmental perception: reflections on the bahian semiarid

A B S T R A C T

The semiarid region is stigmatization in different social strata as an inhospitable environment and facing misery. Thus, (re) thinking the environmental situation considering the factors that interact with its complexity is one of the strategies for its coexistence. This paper aims to understand the perception of farmers in the environment to which they interact from the perspective of social technologies aimed at capturing water for human consumption and agricultural production. This research was conducted in a community located in the municipality of Serrinha-BA, through community selection; family identification; interviews and analysis of the Collective Subject Discourse. The established categories were: existing social technologies; a look at the environment in which they live and its modifications; productive processes of the Caatinga biome. A resignification of space was perceived, presenting an integration with the natural, social, economic, environmental and cultural aspects.

Keyword: coexistence, social technologies, water.


Palavras-chave


Identidade, Tecnologias sociais, Água.

Texto completo:

PDF

Referências


Albuquerque Jr., D.M., 1999. A Invenção do Nordeste e outras Artes. FNJ, ed. Massangana, Recife; Cortez, São Paulo.

BAHIA. Coordenação Estadual dos Territórios, 2007. Território de identidade 04 – sisal. Governo do Estado da Bahia, Salvador.

BAHIA, 2011. Estatísticas dos municípios baianos. SEI, Salvador.

BANCO MUNDIAL, 2016. Secas no Brasil: política e gestão proativas. Centro de Gestão e Estudos Estratégicos, Brasília.

Buriti, C.O., Barbosa, H.A., 2018. Um Século de Secas: por que as políticas hídricas não transformaram o semiárido brasileiro? Chiado Books, São Paulo.

Castor, B.V.J., 1983. Tecnologia apropriada: uma proposta de critérios de avaliação e sua aplicação. Revista de Administração 18, 40-47.

Ceballos, B.S.O., Santos, A.C., Souza, C.M., 2013. Políticas públicas de água e participação no semiárido: limites e tensões no P1MC. Gesta 1, 145-161.

Evangelista, A.R.S., 2011. O processo de desmatamento do bioma Caatinga: riscos e vulnerabilidades socioambientais no território de identidade do sisal, Bahia. Revista Geográfica de América Central, número especial EGAL, 1-13.

Figueiredo, M.Z.A., Chiari, B. M., Goulart, B.N.G., 2013. Discurso do Sujeito Coletivo: uma breve introdução à ferramenta de pesquisa qualiquantitativa. Distúrb Comun 25, 129-136.

Freire, N.C.F. (org.), 2018. Atlas das Caatingas - o único bioma exclusivamente brasileiro. Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, Recife.

Gualdani, C., Sales. M., 2016. Tecnologias sociais de convivência com o semiárido e racionalidade camponesa. Sustentabilidade em Debate 7, 86-99.

Haug, W.F., 1997. Crítica da Estética da Mercadoria. Tradução de Erlom José Paschoal. Editora Unesp, São Paulo.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo 2007. Disponível em: https://censo2007.ibge.gov.br/. Acesso: 15 out. 2019.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2010. Sinopse do censo demográfico 2010. IBGE, Rio de Janeiro. Disponível: http://www.censo2010.ibge.gov. br/sinopse. Acesso: 12 ago. 2019.

Jacobi, P., Monteiro, F., Eduarte, M., Castellano, M., Romagnono, R., Novaes, R., 2002. Capital social e desempenho institucional - reflexões teórico metodológicas sobre estudos no comitê bacia hidrográfica no Alto do Tietê-SP. São Paulo. Disponível: http://www.anppas.org.br/encontro_anual/encontro2/GT/GT03/pjacobi.pdf. Acesso: 16 ago. 2019.

Leff, H., 2010. Epistemologia Ambiental. Tradução de Sandra Veneuela: revisão técnica de Paulo Freire Vieira. 5. ed. Cortez, São Paulo.

Mishra, A,K., Singh, V.P., 2010. A review of drought concepts. Journal of Hidrology 391, 202-216.

Maciel, C., Pontes, E.T., 2015. Secas e Convivência com o Semiárido. Adaptação ao meio e patrimonialização da Caatinga no Nordeste Brasileiro. Consequência Editora, Rio de Janeiro.

Maier, É., Costi, J., Barreira, S., & Simões, J. (2016). Precipitação na América do Sul: Médias Climáticas e Padrões da Variabilidade no Período entre 1979 e 2008. Revista Brasileira de Geografia Física, 9(1), 032-046. doi:https://doi.org/10.26848/rbgf.v9.1.p032-046

Newell, P., 2012. Globalizaion and the Environment. Capitalism, ecology and power. Polity Press, Cambridge.

Ooi, M.K.J. 2015. Seed bank dynamics and climate change in semi-arid ecosystems: a focus on physically dormant species. Revista Brasileira de Geografia Física 08, 651-659.DOI: 10.5935/1984-2295.20150021

Pinto, B.L., Lima, G.M., Santos, J.A., Novais, M.P.S., 2016. Percepção ambiental dos agricultores familiares e o uso dos recursos naturais do município de São Domingos-Semiárido Baiano. InterEspaço 2, 400-423.

Rodriguez, J.M., Silva, E.V., 2018. Planejamento e gestão ambiental: subsídios da geoecologia das paisagens e da teoria geossistêmica. 3. ed. Edições UFC, Fortaleza.

Rosa, T.S., 2009. Fundamentos do pensamento ecológico do desenvolvimento, in: Veiga, J.E. (org.). Economia Socioambiental. Editora SENAC, São Paulo.

Ross, D., 2009. Territorialização da luta pela terra e transformações regionais, in: Saquet, M.A., Souza, E.B.C. (org.). Leituras do Conceito de Território e de Processos Espaciais. Expressão Popular, São Paulo.

Saraceno, E., 1998. Urban-rural linkages, internal diversification and external integration: a European experience. Políticas Agrícolas, n. especial, 71-104.

Schistek, H., 2000. A Água no Semiárido

Brasileiro. E-book. Disponível: htttp://www.irpaa.org/ebookbr/master.htm. Acesso: 16 ago. 2019.

SEI-BA. Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia, 2016. Disponível: www.sei.ba.gob.br. Acesso: 15 out. 2019.

Tonet, I., 2013. Método Científico: uma abordagem ontológica. Instituto Lukács, São Paulo.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v12.5.p1904-1912

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License