DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO ITANHÉM, ENTRE OS MUNICÍPIOS DE MEDEIROS NETO E TEIXEIRA DE FREITAS, BAHIA

Elissandro Santos Rocha, Luanna Chácara Pires, João Batista Lopes da Silva, Allison Gonçalves Silva, Jorge Luiz Fortuna, Ingrid Cardoso dos Santos

Resumo


A bacia do rio Itanhém é responsável pelo abastecimento de água dos municípios de Medeiros Neto e Teixeira de Freitas no Extremo Sul baiano, e recebe inúmeras cargas de efluentes domésticos e industriais, que comprometem a qualidade de suas águas. Portanto, objetivou-se neste trabalho avaliar a qualidade da água, identificar os grupos de poluição ou contaminação além de evidenciar possíveis impactos causados pelo uso e ocupação do solo no trecho do rio Itanhém entre Medeiros Neto e Teixeira de Freitas. Foram realizadas 12 coletas mensais entre 08/2018 e 07/2019, em oito pontos do rio para avaliar a qualidade da água em pontos próximos a aglomerações urbanas, com lançamentos de efluentes com carga orgânica, que contribuem para a deterioração da qualidade da água, e em pontos distantes das zonas urbanas, afastados dos  despejos de efluentes. Foi utilizando uma sonda multiparamétrica HI9829 HANNA® para leituras realizadas in loco, para valores de potencial de oxirredução, OD (oxigênio dissolvido), pH, salinidade, temperatura, condutividade e STD (sólidos totais dissolvidos). Também foram obtidos em laboratório os parâmetros: Amônia, Nitrito, Nitrato, DBO e CT (coliformes termotolerantes). Com dados de uso e ocupação do solo, cedidos pelo Fórum Florestal do Extremo Sul da Bahia, foi possível verificar as atividades desenvolvidas dentro da bacia hidrográfica e os impactos gerados por estas. Verificou-se que, nos pontos mais próximos aos lançamentos de efluentes, a qualidade da água apresentou-se em desconformidade com a resolução CONAMA 357/2005 para os indicadores CT, OD e a DBO, enquanto, nos pontos mais afastados dos despejos, esses mesmos indicadores se enquadraram na referida resolução ou aproximaram dos valores aceitáveis para corpos de água de classe 2, o indicando a capacidade autodepurativa do rio Itanhém.

 


Palavras-chave


monitoramento; parâmetros físico-químicos; poluição hídrica; recursos hídricos

Referências


BRASIL. LEI 12651 de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis nºs 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis nºs 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória nº 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12651.htm. Acessado em: 10 de agosto de 2019.

BRASIL. LEI 9.433 de 08 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, regulamenta o inciso XIX do art. 21 da Constituição Federal, e altera o art. 1º da Lei nº 8.001, de 13 de março de 1990, que modificou a Lei nº 7.990, de 28 de dezembro de 1989. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9433.htm. Acessado em 07/11/2019.

BRASIL. RESOLUÇÃO CONAMA N 357, de 17 de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. Disponível em: http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=459>. Acessado em: 01 de maio de 2018.

CEMIG (Companhia Energética de Minas Gerais): BACIAS DO LESTE. Disponível em: http://www.cemig.com.br/pt─br/A_Cemig_e_o_Futuro/sustentabilidade/nossos_programas/ambientais/peixe_vivo/Paginas/bacias_do_leste.aspx. Acesso em: 14 abril 2018.

CETESB (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo). Guia nacional de coleta e preservação de amostras: água, sedimento, comunidades aquáticas e efluentes líquidos. São Paulo: CETESB; Brasília: ANA, 2011. Disponível em: http://www.cetesb.sp.gov.br/userfiles/file/laboratorios/publicacoes/guia-nacional-coleta-2012.pdf. Acesso em: 14 abril 2018.

ESTEVES, F. A.Fundamentos da limnologia. 3. ed. Rio de Janeiro: Editora Interciência, 2017. 828 p. ISBN 9788571932715.

INEMA (Instituto do Meio Ambiente e Recurso Hídricos) SEIA - Sistema Estadual de Informações Ambientais e de Recursos Hídricos - MÓDULO DE MONITORAMENTO 2019. Disponível em: http://monitoramento.seia.ba.gov.br/. Acesso em 12/08/2019.

MAPBIOMAS. Disponível em: http://www.https://mapbiomas.org/. Acesso em: novembro de 2019.

MUNIZ, C.; ANTUNES, M.; CATARINA, S. D. S.; CATARINENSE, P.; OLIVEIRA, A. C. Qualidade das águas e percepção de moradores sobre um rio urbano. Revista Brasileira de Ciências Ambientais, n.32, p.75–87, 2014.

OLIVEIRA, D. G.; VARGAS, R. R.; SAAD, A. R.; ARRUDA, R. O. M.; DALMAS, F. B.;

AZEVEDO, F. D. Land use and its impacts on the water quality of the Cachoeirinha Invernada Watershed, Guarulhos (SP). Ambiente&Água - An Interdisciplinary Journal of Applied Science, Taubaté, v. 13, n. 1, e2131, 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.4136/ambi-agua.2131

QUEIROZ, L. G.; SILVA, F. T.; PAIVA, T. C. B. Caracterização estacional das variáveis físicas, químicas, biológicas e ecotoxicológicas em um trecho do Rio Paraíba do Sul, SP, Brasil. Revista Ambiente & Água-An Interdisciplinary Journal of Applied Science, Taubaté, v.12, n.2, p.238-248, 2017.

SARMENTO-SOARES, L.M., MAZZONI, R. & MARTINS-PINHEIRO, R.F. A fauna de peixes na bacia do rio Itanhém, leste de Minas Gerais e extremo Sul da Bahia. Pan-American Journal of AquaticSciences, v.5, n.1, p.47–61, 2010.

TUCCI, C. E. M. 1997. Hidrologia: ciência e aplicação. 4.ed. Porto Alegre: ABRH/Editora da UFRGS, 2009. 40p.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.07.p%25p

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License