Zoneamento geoambiental do município de Barrocas/BA: contribuições para o ordenamento territorial

Adineide Oliveira dos Anjos, Márcia Eliane Silva Carvalho

Resumo


Esta pesquisa tem como objetivo realizar o Zoneamento Geoambiental do município de Barrocas/BA, pautado na identificação dos geossistemas e das geofácies presentes no território municipal, buscando analisar a inter-relação dinâmica entre os elementos do meio físico-natural e a intervenção antrópica, como subsidio ao ordenamento territorial. Para se chegar ao objetivo proposto, foi preciso seguir a hierarquização taxonômica e sistêmica proposta por Georges Bertrand, tomando por base a morfologia. Por meio de ferramentas georreferênciadas e modelos de relevo sombreado pôde-se analisar os padrões texturais e a rugosidade do relevo, fazendo a vetorização de polígonos, discriminando as unidades geoambientais in loco. Desse modo, identificou-se em Barrocas dois Geossistemas (Serra do Barandão e Superfície de aplainamento/pedimentada) e seis geofácies (Cimeira estrutural conservada, Cimeira estrutural dissecada, Superfície dissecada em colinas, Serras rebaixadas, Planície aluvial inclinada e uma Superfície de desestruturação artificial). A posteriori, propôs-se um esboço de ordenamento territorial com vista a sustentabilidade ambiental no intuito de subsidiar usos mais sustentáveis para as terras do município em questão. Ressalta-se que o zoneamento, é de grande importância, sendo um poderoso instrumento de informações ao processo de gestão do território, sendo o município o laboratório ideal para sua aplicação, por se tratar de uma escala de planejamento e gestão territorial/ambiental. Mediante a análise da dinâmica da paisagem, constatou-se quão intensa tem se dado a atuação antropogênica no território barroquense, contudo, verificou-se que os sistemas ambientais ainda resistem, observando-se que o tempo está permitindo o processo de regeneração e adaptação dos geossistemas mantendo-os em funcionalidade.

 

Geoenvironmental zoning of the municipality of Barrocas/BA: contributions to land use planning

ABSTRACT

This research aimed to carry out the Geoenvironmental Zoning of the municipality of Barrocas/BA, based on the identification of  geosystems and geofacies present in the municipal territory, seeking to analyze the dynamic interrelationship between the elements of the physical-natural environment and the anthropic intervention, as a subsidy to land use planning.To reach the proposed objective, it was necessary to follow the taxonomic and systemic hierarchy proposed by Georges Bertrand, based on morphology. Through georeferenced tools and shaded relief models, it was possible to analyze the textural patterns and the roughness of the relief, making the vectorization of polygons, discriminating the geoenvironmental units in loco. Thus, two geosystems were identified in Barrocas (Serra do Barandão and Pedimented surface) and six geofacies (Conserved structural summit, Dissected structural summit, Surface dissected in hills, Lowered saws, Colluvium-alluvial ramp and an Artificial disruption surface). A posteriori, an outline of territorial planning was proposed with a view to environmental sustainability in order to subsidize more sustainable uses for the lands of the municipality in question. It is noteworthy that zoning is of great importance, being a powerful information tool for the territory management process, the municipality being the ideal laboratory for its application, as it is a territorial / environmental planning and management scale. Through the analysis of the landscape dynamics, it was verified how intense the anthropogenic performance has been in the Baroque territory, however, it was found that the environmental systems still resist, observing that time is allowing the process of regeneration and adaptation of the geosystems keeping them in functionality.

Keywords: Geosystem. Geoenvironmental Zoning. Land use planning


Palavras-chave


Geossistemas

Texto completo:

PDF

Referências


Albuquerque, E. L. S., Souza M. J. N., 2016. Condições ambientais e socioeconômicas nas bacias hidrográficas costeiras do setor leste metropolitano de Fortaleza, estado do Ceará. Revista Brasileira de Geografia Física [online] 9. Disponível: https://doi.org/10.26848/rbgf.v9.1.p110-124. Acesso: 15 jun. 2020.

Assis, J. A. C. de, 2016. Geologia do depósito de ouro de C1-Santa Luz no greenstone belt do rio Itapicuru, Brasil. Dissertação (Mestrado). Rio Claro, UNESP.

Bacani, V. M., Luchiari, A., 2014. Geoprocessamento aplicado ao zoneamento ambiental da bacia do alto rio Coxim-MS. GEOUSP Espaço E Tempo [online] 18. Disponível: https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2014.81098. Acesso: 15 jan. 2019.

Bertrand, G., [1972] 2004. Paisagem e Geografia Física Global – Esboço Metodológico. Caderno de Ciência da Terra 13, 141-152.

Bigarella, J. J., Mousinho, M. R., Silva, J. X. da, 2016. Pediplanos, Pedimentos e seus Depósitos Correlativos no Brasil. Espaço Aberto [online] 6. Disponível: https://doi.org/10.36403/espacoaberto.2016.7650. Acesso: 14 jun. 2020.

Bollo, M. J., Silva, M. M., 2016. Política e gestão ambiental em resíduos sólidos. Revisão e análise sobre a atual situação no Brasil. ResearchGate. ABES – trabalhos técnicos. 21º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. Disponível: https://www.researchgate.net/publication/228885347. Acesso: 19 jul. 2019.

BRASIL, 2002. Decreto n.º 4.297

BRASIL, 1981. Lei n ̊ 6.938 de 31 de agosto.

BRASIL, 1964. Lei n° 4504, de 30 de novembro.

BRASIL, 1954. Lei no 2.312, de 03 de setembro.

Cardoso, V. de O., 2017. Mapeamento geológico e geoquímica de gnaisses mesoarqueanos da porção central do bloco Uauá-BA. Trabalho de conclusão de curso (TCC). Campinas, UNICAMP.

CPRM. Serviço Geológico do Brasil, 2020. Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE). Disponível: http://www.cprm.gov.br. Acesso: 03 jun. 2020.

DIÁRIO OFICIAL / ESTADO DA BAHIA, 2000. Lei nº 7.620 de 31 de março.

Dias, D. F., Trentin, R., Robaina, L. E. S., 2019. Análise e zoneamento geoambiental do município de Rosário do Sul - RS: potencialidades e suscetibilidades. Revista Geografar [online] 14. Disponível:

http://dx.doi.org/10.5380/geografar.v14i1.60208. Acesso: 03 jun. 2020.

EMBRAPA. Empresa brasileira de pesquisa agropecuária, 2018. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 5 ed. Embrapa, Brasília.

EMBRAPA. Empresa brasileira de pesquisa agropecuária, 2017. Agência Embrapa de Informação Tecnológica – Ageitec. Disponível:http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/territorio_sisal. Acesso: 23 set. 2017.

Erhart, H., 1967. La gênese des sols entant que phénomène géologique. Esquisse d’une théorie géologique et géochimique. 2 ed. Exemples d’application. Paris, 177 p.

FBDM. Fazenda Brasileiro Desenvolvimento Mineral, 2018. Plano de Fechamento de Mina. Brio Gold, Barrocas.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia Estatística, 2016, 2018, 2019. Panorama das cidades. Disponível: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ba/barrocas/panorama. Acesso: 16 jun. 2019.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia Estatística, 2015. Shapefile do município de Barrocas/BA. Salvador.

INMET. Instituto Nacional de Meteorologia, 2018. Estação meteorológica Serrinha. Código OMM: 83190. Serrinha.

Marmontel, C. V. F., Rodrigues, V. A., 2018. Parâmetros Indicativos para Qualidade da Água em Nascentes com Diferentes Coberturas de Terra e Conservação da Vegetação Ciliar. Floresta e Ambiente [online] 22. Disponível: http://dx.doi.org/10.1590/21798087.0820. Acesso: 03 jun. 2020.

Osako, L. K., Takenaka, E. M. M., Silva, P. A., 2016. Arborização urbana e a importância do planejamento ambiental através de políticas públicas. ANAP Brasil 9. Disponível: http://www.amigosdanatureza.org.br. Acesso: 03 jun. 2020.

PMB. Prefeitura Municipal de Barrocas, 2004. Lei nº 076, de 27 de dezembro – Plano Diretor Urbano.

PMB. Prefeitura Municipal de Barrocas, 2004. Lei complementar nº 079, de 27 de dezembro – Código do meio ambiente.

PRAD. Programa de Recuperação de Áreas Degradadas, 2018. FBDM01R03-rev2. São Paulo, 81p.

Rademann, L. K., Tretin, R., Robaina, L.E.S., 2018. Zoneamento Geoambiental do município de Cacequi, Rio Grande do Sul. Geosul 33, 85-104.

Regert, C. F., Mèrcher, L., 2018. A importância do desenvolvimento sustentável no Brasil, seus desafios e metas. TCC. Curitiba, Uniter.

Reis, F. S., Souza, S. O., 2019. Vulnerabilidade ambiental do município de Senhor do Bonfim (BA) enquanto subsídio ao ordenamento ambiental. GEOTemas [online] 9. Disponível: https://doi.org/10.33237/geotemas.v9i2.3503. Acesso: 02 jun. 2020.

Robaina, L., Trentin, R., 2019. Estudos e zoneamento geoambiental do município de São Francisco de Assis – Oeste do Rio Grande do Sul. Revista de Geografia e Ordenamento do Território (GOT) 16, p. 323-344. Disponínel: http://dx.doi.org/10.17127/got/2019.16.014. Acesso: 29 mai. 2020.

Santos, R. M. R., 2018. Levantamento do perfil dos frequentadores de parques verdes urbanos como instrumento de planejamento ambiental. TCC. Dourados, FCBA/UFGD.

Santos, W. A. A., Araújo, P. C., 2016. Geoprocessamento aplicado ao zoneamento geoambiental: subsídio à implantação de empreendimentos de geração de energia eólica. REGNE [online] 2, 48-60. Disponível: http://www.periodicos.ufrn.br/revistadoregne. Acesso: 02 jun. 2020.

SEI. Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia, 2016. Sistema de Informações Municipais: 1975-2016. Salvador.

SIG-BAHIA. Sistema de Informação Georeferênciadas, 2003. Sistema de Informações sobre Recursos Hídricos–SIRH. Superintendência de Recursos Hídricos, 2 CD - Rom. Salvador.

Silva, F.C., Cruz, M.L.B., 2016. Análise da fisionomia da cobertura vegetal em ambientes semiáridos: o caso do município de Jaguaretama, estado do Ceará. REGNE [online] 2, 801-809. Disponível: http://www.periodicos.ufrn.br/revistadoregne. Acesso: 01 jun. 2020.

Silva, J.F., Ruiz, I.H., Guerrero, J.V.R., Moschini, L.E., 2019. Zoneamento Geoambiental para o uso sustentável de aquíferos no município de Pirassununga-SP. Revista Brasileira de Geografia Física [online] 12. Disponível: https://doi.org/10.26848/rbgf.v12.4.p1277-1290. Acesso: 02 jun. 2020.

Teixeira, G.C., Ribeiro, A.S., Mincato, R.L., 2018. Zoneamento Geoambiental da Sub-Bacia Hidrográfica do Rio Mandu, Sul de Minas Gerais, pela Geoecologia das Paisagens. Geociências 37, 315-330.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.4.p1700-1719

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License