Fitossociologia de manguezais em zonas urbanas: um estudo de caso em Aracaju, Sergipe

Jose Paulo Santana, Eduardo Vinícius da Silva Oliveira, Túlio Vinícius Paes Dantas, Myrna Friederichs Landim, Patrício Adriano da Rocha

Resumo


O objetivo deste estudo foi comparar a composição florística e a estrutura fitossociológica dos bosques de manguezais de áreas urbanas em Aracaju, estado de Sergipe, com diferentes tempos de regeneração e intensidades de impacto antrópico. Para o levantamento fitossociológico, foi adotado o método de parcelas múltiplas, sendo seis ou sete parcelas distribuídas equitativamente em dois transectos paralelos em quatro bosques de manguezais nos bairros 13 de julho, Porto Dantas, São Conrado e Mosqueiro. Destes, somente o bosque do Mosqueiro não apresentava tensores antrópicos contínuos como descarga de esgotos domésticos, retirada de madeira ou contribuição alóctone de sedimento. Para caracterizar a estrutura dos manguezais foram calculados os parâmetros densidade, frequência, dominância e o índice de valor de importância de cada espécie. Procedeu-se com a comparação estatística entre os bosques avaliados pelo teste de Kruskal-Wallis quanto a densidade geral e por espécie, diâmetro e altura geral dos indivíduos. Foram identificadas quatro espécies: Laguncularia racemosa, Avicennia schaueriana, Rhizophora mangle e Conocarpus erectus, que apresentaram diferenças de abundância e dominância entre os bosques analisados. De maneira geral, L. racemosa foi à espécie mais abundante e dominante nos bosques mais impactados, porém no bosque do Mosqueiro, R. mangle foi a mais dominante. Não houve diferenças significativas na densidade, diâmetro e altura geral dos indivíduos, porém a densidade de A. schaueriana e R. mangle diferiu entre os bosques. Em relação à altura, os bosques da 13 de julho e São Conrado apresentaram os maiores valores, ainda que possuíssem o menor tempo de regeneração pós-distúrbios.


Palavras-chave


Ecótonos. Estrutura Florestal. Zona Costeira. Nordeste brasileiro.

Referências


Almeida, F.C.D., Ribeiro, A.D.S., 2009. A esfera pública e a devastação dos manguezais aracajuanos, Sergipe, Brasil. REDE-Revista Eletrônica do PRODEMA, 3(1).

A.P.G., 2016. The Angiosperm Phylogeny Group. An update of the Angiosperm Phylogeny Group Classification for the Orders and Families of Flowering Plants: APG IV. Botanical Journal of the Linnean Society 181(1): 1–20.

Bernini, E., Rezende, C.E., 2004. Estrutura da vegetação em florestas de mangue do estuário do rio Paraíba do Sul, Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Acta bot. bras. 18(3): 491-502.

Cintrón, G., Schaeffer-Novelli, Y., 1983. Introduccion a la ecologia delmanglar. Montevideo, ROSTLAC, Unesco, 109p.

Costa, J.J., Araújo, H.M., Souza, A.C., Santos, G.J., 2010. O Clima de Aracaju na Interface com a Geomorfologia de Encostas. Scientia Plena, 6(8).

Dornelles, S.S., Moreira, G.M., Freitas, L.M., 2006. Caracterização da estrutura vegetal dos manguezais do Canal do Linguado, Baía da Babitonga. Diagnóstico ambiental da Baía da Babitonga. Joinville, Editora Univille, 187-199.

Ewel, K., Twilley, R., Ong, J.I.N., 1998. Different kinds of mangrove forests provide different goods and services. Global Ecology & Biogeography Letters, 7(1), 83-94.

Felfili, J.M., Rezende, R.P., 2003. Comunicações Técnicas Florestais, Conceitos e Métodos em Fitossociologia. Universidade de Brasília, Faculdade de Tecnologia, Departamento de Engenharia Florestal. Brasília, 68p. Jaguaribe. Ciência Hoje. 33(197): 66-70.

Freitas, R.M., Arai, E., Adami, M., Souza, A.F., Sato, F.Y., Shimabukuro, Y.E., Rosa, R.R., Anderson, L.O., Rudorff, B.F.T., 2011. Virtual laboratory of remote sensing series: visualization of MODIS EVI2 data set over South America. Journal of Computational Interdisciplinary Sciences, 2:57-64.

Hammer, O., Harper, D.A.T., Ryan, P.D., 2001. PAST: Paleontological statistics software package for education and data analysis. Palaeontologia Electronica 4(1): 9pp. http://palaeo-electronica.org/2001_1/past/issue1_01.htm.

INPE - INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS. Series view. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2017.

Jimenez, J.A., Lugo, A.E. Cintrón, G., 1985. Tree mortality in mangrove forests. Biotropica, 17(3): 177-185.

Kilca, R.V., Costa, M.D.P., Zanini, R.R., Carvalho, F.A., Costa, A.F., 2010. Estrutura de manguezais em diferentes estágios sucessionais no estuário do rio Piauí, Sergipe-Brasil. Pesquisas. Botânica, (61), 171-189.

Kilca, R.V.; Alberti, L.F.; Souza, A.M., Wolff, L., 2011. Estrutura de uma floresta de mangue na Baía da Babitonga, São Francisco do Sul, SC. Ciência e Natura, 33(2), 57-72.

Lacerda, L.D., 1999. Os manguezais do Brasil. In: Vanucci, M. Os manguezais e nós: 1-233. Edusp, São Paulo.

Lee, S.Y., Primavera, J.H., Dahdouh-Guebas, F., Mckee, K., Bosire, J.O., Cannicci, S., Mendelssohn, I., 2014. Ecological role and services of tropical mangrove ecosystems: a reassessment. Global ecology and biogeography, 23(7), 726-743.

Lima, C.O., Oliveira, R.C., 2011. Análise ambiental de ocupação nas áreas de manguezais no município de Santos-SP. Revista Geográfica de América Central, 2(47E).

Londe, V., Salles, D.M., Leite, M.G.P., Antonini, Y., 2013. Estrutura da vegetação de mangue associada ao gradiente de inundação no litoral norte do Espírito Santo, Brasil. Revista Árvore, Viçosa-MG, v.37, n.4, p.629-637.

Lopes, E.C., Araujo, E.C.D., Costa, R.S.D., Daher, R.F., Fernandes, M.E.B., 2013. Crescimento de mudas de mangue sob diferentes níveis de sombreamento na península de Ajuruteua, Bragança, Pará. Acta Amazônica, 43(3), 291-296.

Maia, L.P., Lacerda, L.D., Monteiro, L.H.U., Souza, G.M.E., 2006. Atlas dos Manguezais do Nordeste: Avaliação das Áreas de Manguezal dos Estados do Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba e Pernambuco. Superintendência Estadual do Meio Ambiente, Fortaleza.

Martins, R.V., Lacerda, L.D., Abreu, I.M., Dias, F.J.S., 2011. Efeitos da açudagem no Rio. Martins, P.T.A., Couto, E.C.G., Delabie, J.H.C., 2011. Fitossociologia e estrutura vegetal do manguezal do rio Cururupe (Ilhéus, Bahia, Brasil). Revista de Gestão Costeira Integrada / Journal of Integrated Coastal Zone Management.

Martins-da-Silva, R.C.V., Silva, A.S.L., Fernandes, M.M., Margalho, L.F., 2014. Noções morfológicas e taxonômicas para identificação botânica. Embrapa. Brasília, DF. 111 p.

Matni, A.S., Menezes, M.P.M., Mehlig, U., 2006. Estrutura dos bosques de mangue da península de Bragança, Pará, Brasil. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi, Ciências Naturais, Belém, v. 1, n. 3, p. 43-52, set-dez.

Mckee, K.L., 1995. Seedlings recruitments patterns in a Belizean mangrove forest effects of establishmment ability and physico-chemical factors. Oecologia, 101:448-460.

Moro, M.F., Martins, F.R., 2011. Métodos de levantamento do componente arbóreo-arbustivo. In Felfili, J.M.; Eisenlohr, P.V.; Melo, M.M.R.F.; Andrade, L.A.; Neto, J.A.A.M. Fitossociologia no Brasil: métodos e estudos de casos. Universidade Federal de Viçosa. Vol 1.p 174 – 208.

Nascimento, D.M.C., Dominguez, J.M.L., 2009. Avaliação da vulnerabilidade ambiental como instrumento de gestão costeira nos municípios de Belmonte e Canavieiras, Bahia. Brazilian Journal of Geology, 39(3), 395-408.

Paraguassu, L.A.A., Silva, M.N., 2007. Caracterização fitossociológica do manguezal de Porto de Sauípe, Entre Rios, Bahia. Revista da Rede de Ensino FTC. Ano V, n. 12, dez.

Pereira, F.V., Foletto, F., Moreira, T.M., Gomes, J., Gomes, J.M.L., Bernini, E., 2009. Estrutura da vegetação em duas áreas com diferentes históricos de antropização no manguezal de Anchieta, ES. Boletim Do Laboratório De Hidrobiologia, 22:01-08. 2009.

Rabinowitz, D., 1978. Mortality and initial propagule size in mangrove seedlings in Panama. J. Ecol., 66:45-51.

Saenger, P., Hegerl, E.J., Davie, J.D.S., 1983. Global status of mangrove ecosystems. (No. 3). International Union for Conservation of Nature and Natural Resources.1-88.

Santos, G.C., 2014. Derivações Antropogênicas e Evolução do Manguezal nos Bairros 13 de Julho e Jardins em Aracaju-SE. Revista Brasileira de Geografia Física, 7(2), 278-290.

Santos, T.O., Santana, K.V.A., Santos, H.V.S., Araújo-Filho, R.N., Holanda, F.S.R., 2019. Floristic And Structural Characterization Of The Mangrove Forests In The Estuary Of The São Francisco River. Floresta, 49(2), 163-170.

Santos, T.O., Andrade, K.V.S., Santos, H.V.S., Castaneda, D.A.F.G., Santana, M.B.S., Holanda, F.S.R., Santos, M.J.C., 2012. Caracterização estrutural de bosques de mangue: Estuário do São Francisco. Scientia Plena. vol 8, 047315.

Schaeffer-Novelli, Y., 2002. Manguezal: ecossistema que ultrapassa suas próprias fronteiras. Pp. 34-37. In: E.L. Araújo, A.N. Moura, E.S.B. Sampaio, L.M.S. Gestinari, J.M.T. Carneiro (eds.). Biodiversidade, conservação e uso sustentável daflora do Brasil. Recife: UFRPE, Imprensa Universitária.

Schaeffer-Novelli, Y., Cintrón, G.M., 1986. Guia para estudo de áreas de manguezal: estrutura, função e flora. [S.l.]: Caribbean Ecological Research. 186 p.

Schaeffer-Novelli, Y., Santos, M.M., 1989. Levantamento da flora e caracterização dos bosques de mangue do estado de Sergipe. In: III Encontro Brasileiro de Gerenciamento Costeiro, 1985, Fortaleza. Anais... Fortaleza. p. 325-335.

Sérgio, C., Leite, E., Pitteri, H., Martuscelli, J., Machado, P., 2006. Caracterização Morfosisiológica do manguezal de Cananéia, SP. Environmental and Health World Congress. July 16 – 19.

Siegel, S., 1977. Estatística não-paramétrica (para as ciências do comportamento). Editora McGraw-Hill do Brasil.

Silva, M.A.B., Bernini, E., Carmo, T.M.S., 2005. Características estruturais de bosques de mangue do estuário do rio São Mateus, ES, Brasil. Acta bot. bras, 19(3), 465-471.

Silva, S.F.L., Santos, M.A., Lage-Pinto, F., Bernini, E., 2016. Fitossociologia de uma floresta de mangue adjacente a uma planície hipersalina no estuário do Rio Miriri, Paraíba, Brasil. Revista Nordestina de Biologia, 24(2), 3-12.

Smith III, T.J., 1992. Florest Structure, pp. 101-136. In: A> Robertson, I., Alongi, D.M. (eds.), Coastal and Estuarine Studies, v. 41, Tropical mangrove ecosystems, American Geophysical Union, Washington, D. C., 329p.

Soares, M.L.G., 1999. Estrutura vegetal e grau de perturbação dos manguezais da Lagoa da Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Rev. Brasil. Biol. 59(3):503-515.

Soares, M.L.G., Chaves, F.D.O., Corrêa, F.M., Silva-Júnior, C.M.G.D., 2003. Diversidade estrutural de bosques de mangue e sua relação com distúrbios de origem antrópica: o caso da Baía de Guanabara (Rio de Janeiro). Anuário do Instituto de Geociências, 26, 101-116.

Soares, M.L.G., Silva-Junior, C.M.G., Cavalcanti, V.F., Almeida, P.M.M.D., Monteiro, A.D.S., Chaves, F.D.O., Barbosa, B., 2012. Regeneração de floresta de mangue atingida por óleo na Baía de Guanabara (Rio de Janeiro, Brasil): Resultados de 5 anos de monitoramento. Geochimica Brasiliensis, 20(1).

Soares, M.S., Soares, J.J., 2016. Estrutura da vegetação do manguezal do estuário do rio Sergipe, se-brasil. Análise Do Estado De Conservação do Manguezal Do Rio Sergipe, p.14.

Souza, M.M.A., Sampaio, E.V.S.B., 2013. Estruturação dos mangues em áreas pouco antropizadas e em regeneração no Rio Pacoti, CE. Cad. Cult. Ciênc. Ano VIII, v.12, n.2, Dez.

Souza, M.M.D.A., Sampaio, E.V., 2001. Variação temporal da estrutura dos bosques de mangue de Suape-PE após a construção do porto. Acta Botanica Brasilica.

Tomlinson, P.B., Tomlinson, P.B., 1994. The botany of mangroves. Cambridge University Press.

Vannucci, M., 2000. Os manguezais e nós: uma síntese de percepções. 2.ed. São Paulo: EDUSP, 244 p.

Walsh, G.E., 1974. Mangrove forests: a review. In: Reynold, R.J., Queen, W.H. (eds.). Ecology of Halophytes. New York, Academic Press.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.5.p%25p

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License