Morfometria da bacia hidrográfica do Rio Verdinho, sudoeste de Goiás, Brasil

Wellmo dos Santos Alves, Alécio Perini Martins, Wilker Alves Morais, Évelyn Márcia Pôssa, Derick Martins Borges de Moura, Leonardo Nazário Silva dos Santos, Raina Santos Ferreira, Nivalda da Costa Nunes, Maria Antonia Balbino Pereira, Eder Paulo Moreira

Resumo


Tendo em vista a importância dos recursos hídricos para o desenvolvimento econômico e social de uma nação, tornam-se necessários dados representativos sobre a geometria, o relevo e a drenagem de bacias hidrográficas para subsidiar a implementação de ações e políticas públicas voltadas para o planejamento e a gestão desse recurso de forma efetiva e eficiente. Assim, o objetivo central deste estudo foi analisar a morfometria da bacia hidrográfica do Rio Verdinho, que possui uma área de 154.430,19 ha. Essa unidade hidrográfica é importante fonte de água para o desenvolvimento econômico e social do município de Rio Verde, Sudoeste de Goiás. O estudo foi realizado com uso de modelos matemáticos, produtos de sensoriamento remoto e técnicas de geoprocessamento. A área de estudo apresenta variáveis morfométricas, que associadas às formações geológicas, aos solos e à precipitação pluviométrica, são predominantemente favoráveis à conservação e à recarga de água desse sistema. Porém, a forma alongada e possíveis ocorrências de chuvas intensas na cabeceira sujeitam essa unidade hidrográfica às torrentes eventuais, podendo causar prejuízos ambientais, econômicos e outros no trecho médio e baixo da bacia; a amplitude altimétrica máxima, as maiores declividades, a densidade hidrográfica, densidade de drenagem, a presença, em menor percentual, de Argissolo Vermelho, Neossolo Litólico e Nitossolo Vermelho são favoráveis à perda de solos. Os resultados indicam que as ações antrópicas na área de estudo devem contemplar manejo e práticas conservacionistas do solo. Esses resultados subsidiarão o planejamento e à gestão ambiental desse recurso, além de servir de base para outros trabalhos em âmbito local e de outras regiões, contribuindo para a conservação da água em quantidade e qualidade adequadas para os diferentes usos.


Palavras-chave


Cerrado Brasileiro; Geotecnologias; Modelos Matemáticos; Recursos Hídricos.

Referências


ANA. AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS, 2006. Drenagens da Base Cartográfica Vetorial Digital, geração de 22 de julho de 2006.

ANA. AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS, 2018. HidroWeb. Série histórica de precipitação. Disponível: http://www.snirh.gov.br/hidroweb/publico/apresentacao.jsf. Acesso: 25 fev. 2018.

Almeida, R. F. B., Bayer, M., Ferreira Júnior, L. G., 2016. Compartimentação morfométrica da bacia do Rio Coco como subsídio a análise de fragilidade ambiental. Mercator [online] 15, 83-94. Disponível: http://dx.doi.org/10.4215/rm2016.1504.0006. Acesso: 10 jun. 2018.

Almeida, W. S., de Souza, N. M., Junior, D. S. R., Carvalho, J. C., 2013. Análise morfométrica em bacias hidrográficas fluviais como indicadores de processos erosivos e aporte de sedimentos no entorno do reservatório da usina hidrelétrica (UHE) Corumbá IV. Revista Brasileira de Geomorfologia [online] 14, 135-149. Disponível: http://dx.doi.org/10.20502/rbg.v14i2.251. Acesso: 15 mar. 2018.

Alves, W. S, Scopel, I., Martins, A. P., Morais, W. A., 2016. Análise morfométrica da bacia do ribeirão das Abóboras – Rio Verde (GO). Geociências [online] 35, 652-667. Disponível: http://ppegeo.igc.usp.br/index.php/GEOSP/article/view/9978. Acesso: 26 mar. 2018.

Alves, W. S., Morais, W. A., Saleh, B. B., Santos, L. N. S., 2017. Análise de aspectos físicos da bacia do córrego Bonsucesso, localizada em Jataí (GO), Brasil, apoiado em geotecnologias. Revista Geográfica Acadêmica [online] 11, 13-34. Disponível: https://revista.ufrr.br/rga/issue/view/224. Acesso: 31 jul. 2019.

Alves, W. S., Martins, A. P., Scopel, I., Pereira, M. A. B., 2018. Análise morfométrica da bacia do ribeirão da Laje, no Sudoeste de Goiás, Brasil. Revista Geografia, Ensino & Pesquisa [online] 22, 01-22. Disponível: http://dx.doi.org/10.5902/2236499431129. Acesso: 31 jul. 2019.

Alves, W. S., Martins, A. P., Scopel, I., 2018. Fragilidade ambiental: subsídio ao planejamento e gestão da bacia do Ribeirão da Laje (GO), Brasil. Geografia, Ensino & Pesquisa [online] 22, 01-17. Disponível: http://dx.doi.org/10.5902/2236499431267. Acesso: 31 jul. 2019.

Alves, W.S., Martins, A.P., Aquino, D.S., Morais, W.A., Pereira, M.A.B., Saleh, B.B., 2019. Análise do uso da terra, da cobertura vegetal e da morfometria da bacia do ribeirão Douradinho, no Sudoeste de Goiás, Brasil. Revista Brasileira de Geografia Física [online] 12, 1093-1113. Disponível: https://doi.org/10.26848/rbgf.v12.3.p1093-1113. Acesso: 07 dez. 2019.

Bahrami, S., Capolongo, D., Mofrad, M. R., 2020. Morphometry of drainage basins and stream networks as an indicator of active fold growth (Gorm anticline, Fars Province, Iran), Geomorphology [online] 355, 107086. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.geomorph.2020.107086. Acesso: 07 dez. 2019.

Beltrame, A. V., 1994. Diagnóstico do meio ambiente físico de bacias hidrográficas: modelo de aplicação. Florianópolis: UFSC.

Calderano Filho, B., Bering, S. B., Calderano, S. B., GUERRA, A., 2014. Suscetibilidade dos solos à erosão na microbacia do córrego Fonseca, região Serrana do estado do Rio de Janeiro. In: SIMPÓSIO REGIONAL DE GEOPROCESSAMENTO E SENSORIAMENTO REMOTO, Aracaju. Anais... Aracaju: GEONORDESTE, p. 571-576.

Cardoso, M. R. D., Marcuzzo, F. F. N., Barros, J. R., 2014. Classificação climática de Köppen-Geiger para o estado de Goiás e o Distrito Federal. ACTA Geográfica [online] 8, 40-55. Disponível: em:https://revista.ufrr.br/index.php/actageo/article/view/1384. Acesso: 02 nov. 2019. DOI: 10.5654/actageo2014.0004.0016.

Christofoletti, A., 1980. Geomorfologia. Edgard Blucher Ltda, São Paulo.

Cochev, J. S., Neves, S. M. A. S., da Silva, E. P., Silva, A., Neves, R. J., 2015. Análise fisiográfica e do uso da terra em microbacias com produção olerícola no município de Alta Floresta (MT). ACTA Geográfica [online] 9, 55-71. Disponível:http://dx.doi.org/10.5654/acta.v9i20.2002. Acesso: 06 mar. 2018.

Deodoro S. C., Fonseca, B. M., 2016. Análise morfométrica e multicriterial da bacia hidrográfica do Rio Santa Bárbara, Nordeste do Quadrilátero Ferrífero (MG). Revista Brasileira de Cartografia [online] 68, 1837-1852. Disponível: http://www.lsie.unb.br/rbc/index.php/rbc/article/view/1785. Acesso: 19 maio 2018.

Dias, V. C.; Vieira, B. C.; Gramani, M. F., 2016. Parâmetros morfológicos e morfométricos como indicadores da magnitude das corridas de detritos na Serra do Mar Paulista. Confins [online] 29. Disponível: URL: http://journals.openedition.org/confins/11444. Acesso: 11 fev. 2020. DOI: https://doi.org/10.4000/confins.11444

Effert-Fanta, E. L., Fischer, R. U., Wahl, D. H., 2019. Effects of riparian forest buffers and agricultural land use on macroinvertebrate and fish community structure. Hydrobiologia 841, 45-64.

EMBRAPA. EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA, 2013 Sistema brasileiro de classificação de solos. Brasília.

ESRI. ArcGIS Desktop: Release 10.6®. 2019. Redlands, CA: Environmental Systems Research Institute.

Fonseca, B. M., Augustin, C. H. R. R., 2014. Análise morfométrica de bacias de drenagem e sua relação com a estrutura geológica, Serra do Espinhaço Meridional (MG). Revista Brasileira de Geomorfologia [online] 15, 153-172. Disponível: http://dx.doi.org/10.20502/rbg.v15i2.296. Acesso: 04 maio 2018.

Fraga, M. S., Ferreira, R. G., Silva, F. B., Vieira, N. P. A., Silva, D. P., Barros, F. M., Martins, I. S. B., 2014. Caracterização morfométrica da bacia hidrográfica do Rio Catolé Grande, Bahia, Brasil. Nativa [online] 2, 214-218. Disponível: http://dx.doi.org/10.14583/2318-7670.v02n04a05. Acesso: 15 mar. 2018.

Franco, A. C. V., Santo, M. A. D., 2015. Contribuição da morfometria para o estudo das inundações na sub-bacia do rio Luís Alves/SC. Mercator [online] 14, 151-167. Disponível: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1984-22012015000300151&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso: jul. 2019.

Guadagnin, P. M. A.; Trentin, R.; Alves, F. S., 2015. Relação entre as variáveis geomorfométricas e a vegetação florestal na bacia hidrográfica do Arroio Caverá- Oeste do RS. Revista do Departamento de Geografia – USP [online] 29, 246-261. Disponível: https://doi.org/10.11606/rdg.v29i0.102131. Acesso: 10 de jun. 2018.

Guerra, S. M. S., Silva, A. D., Araújo, S. P., Corrêa, M. M., Silva, V. D., Santos, B., 2015. Caracterização morfométrica e avaliação da qualidade da água da bacia Hidrográfica de Bita, Ipojuca (PE). Revista Brasileira de Geografia Física [online] 8, 759-775. Disponível: https://doi.org/10.26848/rbgf.v8.3.p759-775. Acesso: 15 jul. 2018.

Horton, R. E., 1945. Erosinal development of streams and their drainage basin: hydrophysical approach to quantitative morphology. Geological Society of America Bulletin [online] 56, 275. Disponível: https://doi.org/10.1130/0016-7606(1945)56[275:EDOSAT]2.0.CO;2. Acesso: 19 jul. 2018.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA, 2019. População 2019 (estimativa). Brasil. Disponível: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/go/rio-verde/panorama. Acesso: 15 dez. 2019.

Lense, G.H.E., Parreiras, T.C., Moreira, R.S., Avanzi, J.C., Mincato, R.L., 2019. Estimates of soil losses by the erosion potential method in tropical latosols. Ciência e Agrotecnologia [online] 43. Disponível: http://dx.doi.org/10.1590/1413-7054201943012719. Acesso: 28 abr. 2020.

Lima, A. A. C.; Oliveira, F. N. S.; Aquino, A. R. L., 2002. Classificação e aptidão agrícola dos solos do campo experimental de Pacajus, Ceará, para a Agricultura. Fortaleza.

Lollo, J. A., 1995. O uso da técnica de avaliação do terreno no processo de elaboração do mapeamento geotécnico: sistematização e aplicação na quadrícula de Campinas. Tese (Doutorado em Geotecnia). São Carlos, Universidade de São Paulo.

Lorenzon, A. S., Fraga, M. D. S., Moreira, A. R., Uliana, E. M., Silva, D. D. D., Ribeiro, C. A. A. S., Borges, A. C., 2014. Influência das características morfométricas da bacia hidrográfica do rio Benevente nas enchentes no município de Alfredo Chaves-ES. Revista Ambiente & Água [online] 10, 195-2006. Disponível: http://dx.doi.org/10.4136/ambi-agua.1475. Acesso: 28 mar. 2018.

Lovell, S. T.; Sullivan, W. C., 2006. Environmental benefits of conservation buffers in the United States: evidence, promise, and open questions. Agriculture, ecosystems & environment 112, 249-260.

Machado, R. A. S., Lobão, J. S. B., Vale, R. D., Souza, A. P. M. J., 2011. Análise morfométrica de bacias hidrográficas como suporte à definição e elaboração de indicadores para a gestão ambiental a partir do uso de geotecnologias. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO – SBSR, Curitiba. Anais... Curitiba: INPE, 2011, p.1441-1448.

Maranhão, D.D.C., Aguado, O.I.O., Pereira, M.G., Araújo, A.P., Castro, S.S., Ferreira Júnior, L.G.F., 2017. Analysis of Potential for Linear Erosion in the Cerrado Biome Using Morphopedology. Revista Brasileira de Ciência do Solo [online] 41. Disponível: http://dx.doi.org/10.1590/18069657rbcs20160427. Acesso: 27 abr. 2020.

Martini, L. C. P. Características morfométricas de microbacias hidrográficas rurais de Santa Catarina., 2012. Revista Brasileira de Geomorfologia [online] 13, 65-72. Disponível: http://dx.doi.org/10.20502/rbg.v13i1.343. Acesso: 17 mar. 2018.

Melton, M. A., 1957. An analysis of the relations among elements of climate, surface properties, and geomorphology. Columbia University. New York.

Menezes, J. P. C., Franco, C. S., de Oliveira, L. F. C., Bittencourt, R. P., de Sá Farias, M., Fia, R., 2014. Morfometria e evolução do uso do solo e da vazão de máxima em uma microbacia urbana. Revista Brasileira de Geomorfologia [online] 15, 659-672. Disponível: http://dx.doi.org/10.20502/rbg.v15i4.597. Acesso: 16 jun. 2018.

Moura, C. A., 2013. Avaliação de tendência a enchentes das bacias Hidrográficas do município de Caraguatatuba (SP). Revista de Geografia [online] 30, 123-138. Disponível:https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistageografia/article/viewFile/229012/23414. Acesso: 11 de fev. 2020.

Müller, V. C., 1953. A quantitative geomorphology study of drainage basin characteristic in the Clinch Mountain Area, Virginia and Tennesse. Columbia University. New York.

Nardini, R. C., Pollo, R. A., Campos, S., de Barros, Z. X., Cardoso, L. G., Gomes, L. N., 2013. Análise morfométrica e simulação das áreas de preservação permanente de uma micobacia hidrográfica. Irriga [online] 18, 687-699. Disponível: https://doi.org/10.15809/irriga.2013v18n4p687. Acesso: 17 jul. 2018.

Ogassawara, J. F.; Gass, S. L. B., 2018. Análise morfométrica dos afluentes principais da bacia hidrográfica do rio Uruguai e sua influência nas inundações na cidade de Itaqui, Rio Grande do Sul, Brasil. Revista brasileira de Geomática [online], 222-240. Disponível: https://doi.org/10.3895/rbgeo.v6n3.7615. Acesso: 25 jul. 2019.

Oliveira, E. D., Fernades, F., Bertotti, L., & Vestena, L., 2013. Uso das terras e aspectos fisiográficos da bacia de drenagem do Arroio do Butka, Guarapuava (PR). Ateliê Geográfico [online] 7, 215-236. Disponível: https://doi.org/10.5216/ag.v7i1.15779. Acesso: 25 jul. 2018.

Oliveira, L. F. C.; Antonini, J. C. A.; Griebeler, N. P., 2008. Estimativas de chuvas intensas para o estado de Goiás. Engenharia Agrícola [online] 28, 22-33. Disponível: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-69162008000100003. Acesso: 06 mar. 2018.

Rocha, R. M., Lucas, A. A. T., Almeida, C. A. P. D., Neto, M., Leal, E., Netto, A. D. O. A., 2014. Caracterização morfométrica da sub-bacia do rio Poxim-Açu, Sergipe, Brasil. Revista Ambiente & Água [online] 9, 276-287. Disponível: http://dx.doi.org/10.4136/ambi-agua.1289. Acesso: 23 jun. 2018.

RURAL MINAS. FUNDAÇÃO RURAL MINAS., 2005. Mapa de Solos do Plano Diretor da Bacia do Rio Paranaíba, na escala 1:250.000, geração 01 de março de 2005.

Sampaio, A. C. P.; Cordeiro, A. M. N.; Bastos, F. H., 2016. Susceptibilidade à erosão relacionada ao escoamento superficial na sub-bacia do Alto Mundaú, Ceará, Brasil. Revista Brasileira de Geografia Física [online] 9, 125-143. Disponível: https://doi.org/10.26848/rbgf.v9.1.p125-143. Acesso: 05 jul.2018.

Sangireddy, H., Carothers, R.A., Stark, C.P., Passalacqua, P., 2016. Controls of climate, topography, vegetation, and lithology on drainage density extracted from high resolution topography data. Journal of Hydrology [online] 537. Disponível:https://doi.org/10.1016/j.jhydrol.2016.02.051. Acesso: 30 mai. 2020.

Santiago, C. M. C., Gomes, L. C. F., Sales, M. C. L., PAULA, J., 2015. Arranjo espacial da bacia hidrográfica do Rio São Nicolau-Piauí a partir da análise morfométrica e dos aspectos ambientais. Revista Brasileira de Geografia Física [online] 8, 402-421. Disponível: https://doi.org/10.26848/rbgf.v8.2.p402-421. Acesso: 20 mar.2018.

Santos, A. M.; Targa, M. D. S., Batista, G. T., & Dias, N. W., 2012. Análise morfométrica das sub-bacias hidrográficas Perdizes e Fojo no município de Campos do Jordão, SP, Brasil. Revista Ambiente & Água [online] 7, 195-211. Disponível: http://dx.doi.org/10.4136/ambi-agua.945. Acesso: 26 jun.2018.

Santos, E. F.; Sousa, F. A., 2013. Aspectos morfométricos da bacia do córrego Tamanduá em Iporá – GO. ACTA Geográfica [online] 7,191-199. Disponível:http://dx.doi.org/10.5654/acta.v7i15.968. Acesso: 13 mar. 2018.

Santos, H. G.; Zaroni, M. J. Agência Embrapa de Informação Tecnológica. Nitossolos. Disponível: https://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/solos_tropicais/arvore/CONTAG01_17_2212200611543.html. Acesso: 23 maio 2019.

Santos, H. G.; Zaroni, M. J.; Almeida, E. P. C. Agência Embrapa de Informação Tecnológica. Cambissolos Háplicos. Disponível:http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/solos_tropicais/arvore/CONT000gn1sf65m02wx5ok0liq1mqzx3jrec.html. Acesso: 23 maio 2019a.

Santos, H. G.; Zaroni, M. J.; Almeida, E. P. C. Agência Embrapa de Informação Tecnológica. Neossolos Litólicos. Disponível: http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/solos_tropicais/arvore/CONT000gn230xho02wx5ok0liq1mqxhk6vk7.html. Acesso: 23 maio 2019b.

Santos L. L.; Ribeiro V. O.; Diodato J. O., 2019. Morfometria das bacias hidrográficas inseridas na zona urbana de Dourados/MS. Revista RA'EGA - O Espaço Geográfico em Análise 46, 75 – 87.

Schumm, S. A., 1956. Evolution of drainage systems and slopes in badlands at Perth Amboy, New Jersey. Geological Society of America Bulletin [online] 67, 597- 646. Disponível: 10.1130/0016-7606(1956)67[597: EODSAS]2.0.CO;2. Acesso: 18 jun.2018.

Schumm, S. A., 1963. A tentative classification of alluvial river channels. United States Geological Survey, Washington (Estados Unidos da América), circular n. 477.

Setzer, J., 1966. Atlas Climático e Ecológico do Estado de São Paulo. Comissão Interestadual da Bacia Paraná-Uruguai.

SIEG. SISTEMA ESTADUAL DE GEOINFORMAÇÃO DE GOIÁS. Downloads/SIG – Shapefiles. Disponível em: http://www.sieg.go.gov.br/. Acesso em: 3 fev. 2017.

SNIS. Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento. 2018. Diagnóstico dos Serviços de Água e Esgotos.

Soares, L. S., Lopes, W. G. R., Castro, A. C. L., de Araujo, G. M. C., 2016. Análise morfométrica e priorização de bacias hidrográficas como instrumento de planejamento ambiental integrado. Revista do Departamento de Geografia [online] 31, 82-100. Disponível: https://doi.org/10.11606/rdg.v31i0.107715. Acesso: 17 mar. 2018.

Sofia, G., 2020. Combining geomorphometry, feature extraction techniques and Earth-surface processes research: The way forward, Geomorphology [online] 355, 107055. Disponível: https://doi.org/10.1016/j.gemorph.2020.107055. Acesso: 23 maio 2019.

Soni, S., 2017. Assessment of morphometric characteristics of Chakrar watershed in Madhya Pradesh India using geospatial technique Applied Water Science 7, 2089-2102.

Sousa, D. M. G.; Lobato, E. Agência Embrapa de Informação Tecnológica. Latossolos. Maio de 2000. Disponível em: http://www.agencia.cnptia.embrapa.br/Agencia16/AG01/arvore/AG01_96_10112005101956.html. Acesso em: 23 maio 2019.

Sousa, F. A.; Rodrigues, S. C., 2012. Aspectos morfométricos como subsídio ao estudo da condutividade hidráulica e suscetibilidade erosiva dos solos. Mercator [online] 11, 141-151. Disponível: http://dx.doi.org/10.4215/rm.v11i25.699. Acesso: 15 mar.2018.

Spanghero, P. E. S. F.; Meliani, P. F.; Mendes, J. S., 2015. Mapeamento hidrográfico de detalhe e análise morfométrica comparativa das bacias dos rios Tijuípe e Tijuipinho, Litoral Sul da Bahia. Caminhos de Geografia [online] 16, 101-117. Disponível:http://www.seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/27861. Acesso: 14 mar.2018.

Stipp, N. A. F.; Campos, R. A.; Caviglione, J. H., 2010. Análise morfométrica da bacia hidrográfica do Rio Taquara – uma contribuição para o estudo das ciências ambientais. Portal da Cartografia [online] 3, 105-124. Disponível: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/portalcartografia/article/view/8929. Acesso: 06 jun.2018.

Strahler, A. N., 1952. Hypsometric (area-altitude) analysis and erosional topography. Geological Society of America Bulletin [online] 63, 1117-1142. Disponível: https://doi.org/10.1130/00167606(1952)63[1117:HAAOET]2.0.CO;2. Acesso: 17 jun. 2018.

Swarnkar, S.; Sinha, R.; Tripathi, S., 2020. Morphometric diversity of supply-limited and transport-limited river systems in the Himalayan foreland, Geomorphology [online] 348, 106882. ISSN 0169-555X. Disponível: https://doi.org/10.1016/j.geomorph.2019.106882. Acesso: 12 maio 2019.

Valeriano, M. M.; Rossetti, D. F., 2017. Regionalization of local geomorphometric derivations for geological mapping in the sedimentary domain of central Amazônia. Computers & Geosciences [online] 100, 46-56. Disponível: https://doi.org/10.1016/j.cageo.2016.12.002. Acesso: 20 abril 2019.

USGS. UNITED STATES GEOLOGICAL SURVEY –EarthExplorer. Disponível em: https://earthexplorer.usgs.gov/. Acesso em: 12 fev. 2017.

UFV. UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA. 2005. Mapa de Solos do Plano Diretor da Bacia do Rio Paranaíba, na escala 1:250.000, geração 01 de março de 2005.

Villela, S. M; Mattos, A., 1975. Hidrologia aplicada. McGraw-Hill do Brasil. São Paulo.

Vojtek, M.; Vojteková, J., 2019. Flood Susceptibility Mapping on a National Scale in Slovakia Using the Analytical Hierarchy Process. Water [online] 11, 01-17. Disponível: https://doi.org/10.3390/w11020364. Acesso: 10 jul. 2019.

Zaroni, M. J.; Santos, H. G. Agência Embrapa de Informação Tecnológica. Argissolos. Disponível: https://www.agencia.cnptia.embrapa.br/gestor/solos_tropicais/arvore/CONTAG01_7_2212200611538.html. Acesso: 23 maio 2019.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.07.p%25p

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License