ZONEAMENTO GEOAMBIENTAL A PARTIR DAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO: SUBSÍDIOS PARA A GESTÃO INTEGRADA DA ZONA COSTEIRA PARAENSE – BRASIL

Walber Lopes de Abreu, Gilberto de Miranda Rocha, Maria do Socorro Almeida Flores, Carlos Eduardo Pereira Tamasauskas, Érika Renata Farias Ribeiro, Sidnei Luís Bohn Gass

Resumo


Numa escala global considera-se que as áreas costeiras são densamente povoadas e desenvolvidas. Apesar dos usos econômicos e dos benefícios das zonas costeiras, não há ainda uma avaliação global confiável das tendências históricas de sua ocupação e, igualmente, dos efeitos da alta densidade populacional ali concentrada. Este artigo tem como objetivo apresentar uma proposta de zoneamento ambiental da Zona Costeira Paraense (ZCPA) realizada a partir de estudo que obedece à classificação da Zona Costeira Brasileira (ZCB), de acordo com o IBGE (2011). Assim, partindo de um entendimento geral sobre a ZCPA, este estudo considerou a abordagem sistêmica do DPSIR (Força, Pressão, Estado, Impacto, Resposta) para gerar  uma proposta de Zoneamento Geo-ambiental, considerando a intensidade de uso na ZCPA como subsídio ao planejamento ambiental. As unidades de Conservação (UC’s) foram a referência para o zoneamento, sendo um dos indicadores principais para análise da fragilidade ambiental desse ecossistema somados à infraestrutura, uso do solo e unidades geomorfológicas.


Palavras-chave


DPSIR; Paisagem; Zoneamento; Amazônia.

Referências


Abreu, W. 2011. Território e Gestão da Pesca em coletividades locais no Nordeste Paraense: estudo de caso no Município de Marapanim-PA. Dissertação (Mestrado)- Universidade Federal do Pará, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-graduação em Geografia.

Agra Filho, S. 2014. Planejamento e Gestão Ambiental no Brasil: os instrumentos da política nacional de meio ambiente. Rio de Janeiro: Elsevier, 248p.

Amorim, R., Oliveira, R. 2013. Zoneamento ambiental, subsídio ao planejamento no uso e ocupação das terras da costa do descobrimento. Mercator, v. 12, n. 29, p. 211-231. Disponível em:http://www.mercator.ufc.br/mercator/article/view/772/519. Acesso: 20-jan-2019.

Baldwin, C., Lewison, R., Lieske,S., Beger, M., Hines, E., Dearden, P., Rudd, M.,Jones, C., S, S., Junchompoo, C. 2016. Using the DPSIR framework for transdisciplinary training and knowledge elicitation in the Gulf of Thailand. Ocean&Coastal Management, v,134, p.163-172,. Disponível em: Acesso: 13 de nov.de 2018.

Brasil, Lei Federal nº 9985, de 18 de julho de 2000.regulamenta o artigo. 225, §1º; Incisos I, II, III e VII, da Constituição Federal e institui o Sistema nacional de Unidade de Conservação.

Brasil, Lei Federal N º 6.938, de 31 de agosto de 1981.Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Brasília.

Dios, C. L., Marçal, M. 2009. Legislação Ambiental e a Gestão de Unidades de Conservação: O caso do Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba-RJ. In: Guerra, A.; Coelho, M. (organizadores). Unidades de Conservação: Abordagens e características Geográficas. p. 296.

Billé R. 2005. La Gestion Intégrée du Littoral se décrète-t-elle? Une analys estratégique de lamiseenœuvre, entre approche programme et cadrenormatif. Thèse 3ème cycle ENGREF, Sciences de l’Environnement (Gestion). 477 p.

Espirito-Santo, C., Szlafsztein, C. 2016. Gestão de risco de desastres em planos diretores de três municípios da zona costeira do estado do Pará, Brasil. Journal of Integrated Coastal Zone Management, 16(2):223-229. Disponível: Acesso: 07- dez- 2019

Ferreira, E., Lira, W. Cândido, G. 2010. Sustentabilidade no setor de mineração: uma aplicação do modelo pressão-estado-impacto-resposta. Engenharia Ambiental - Espírito Santo do Pinhal, v. 7, n. 3, p. 074-091, jul./set.. Disponível:https://www.researchgate.net/publication/47457414_Sustentabilidade_no_Setor_de_Mineracao_Uma_Aplicacao_do_Modelo_Pressao-Estado-Impacto-Resposta> Acesso: 03- mar- 2019.

Fernandes, M., Barbosa, M. 2011. Aplicações dos Indicadores Socioeconômicos e Ambientais no Modelo DPSIR (Força Motriz / Pressão / Estado/Impacto/Resposta) e Influências na Desertificação nos Municípios de Araripina-PI, Crato e Barbalha-CE e Marcolândia-PI. Revista Brasileira de Geografia Física 04, p.722-737. Disponível em: Acesso: 17-dez-2018.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2011. Atlas Geográfico das Zonas Costeiras e Oceânicas do Brasil. IBGE, Diretoria de Geociências.

Neto, L. F., Gorayeb, A., Silva, E. 2013. Diagnóstico ambiental e zoneamento funcional do estuário do rio Curu: subsídios para a gestão local e regional. Revista Eletrônica Geoaraguaia. Barra do Garças-MT. V 3, n.1, p 97 - 113. Disponível em: Acesso: 03- mar- 2019.

Martins, F. 2016. Caracterização limnológica e aplicação do modelo DPSIR visando à avaliação integrada de bacias hidrográficas lacustres. Ambiência Guarapuava (PR) v.12 n.2 p. 573 - 597.Disponívelem:Acesso: 03- mar- 2019

Nicolodi, J., Asmus1, M., Turra, A., Polette, M. 2018. Avaliação dos Zoneamentos Ecológico-Econômicos Costeiros (ZEEC) do Brasil: proposta metodológica. Desenvolv. Meio Ambiente, v. 44, Edição especial: X Encontro Nacional de Gerenciamento Costeiro, p. 378-404, ,. Disponível em: Acesso: 03- mar- 2019

Passos, M. 2013. Paisagem e Meio Ambiente (Nordeste do Paraná). Maringá: Eduem, 220p.

Prost, M., Mendes, A. 2011. Dinâmica morfosedimentar dos manguezais amazônicos: Guiana Francesa, Amapá e Pará. In: CASTRO, E; MENDES, A; PROST, T. (Org’s.). Ecossistemas Amazônicos: dinâmicas, impactos e valorização dos recursos naturais. Museu Paraense Emílio Goeldi,. p. 17-33.

ROCHA, G., MORAES, S. (Organizadores). 2018a. Uso do território e gestão da zona costeira do Estado do Pará.

Rocha, G., Souza, G., Soares, D. 2018b. Unidades de paisagem e morfologia na Zona Costeira. In: ROCHA, G.; MORAES, S. (Organizadores). Uso do território e gestão da zona costeira do Estado do Pará.

Rocha, G., Souza; G., Soares, D., Moraes, S. 2018b. Estruturas Espaciais, Dinâmicas Territoriais e Vetores de desenvolvimento da Zona Costeira Paraense. In: ROCHA, G.; MORAES, S.

(Organizadores). Uso do território e gestão da zona costeira do Estado do Pará.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.5.p%25p

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License