Validação das previsões de três ondas de frio pelo modelo GFS no Centro-Norte do Estado de São Paulo e Triângulo Mineiro

Vinícius Lucyrio, Mateus Dias Nunes, Michelle Simões Reboita, Murilo da Costa Ruv Lemes

Resumo


As ondas de frio são períodos de declínio acentuado da temperatura do ar que podem causar prejuízos econômicos e problemas de saúde pública. Por isso, a previsão desses sistemas atmosféricos se faz importante. Nesse sentido, o objetivo do presente estudo é validar a previsão do modelo GFS em três casos de ondas de frio (OF) sobre Estado de São Paulo e Triângulo Mineiro. Para isso, foi feita a análise sinótica de três OF a partir das condições iniciais do GFS, e de parâmetros observados em 22 estações meteorológicas automáticas (EMA) do INMET, que foram agrupadas em três categorias dependendo do tipo de relevo (topo, encosta e baixada). Foram validadas as previsões de 72, 48 e 24 horas dos campos sinóticos em relação às análises do modelo e aos dados medidos em EMA. As análises estatísticas indicaram que nos três casos houve um viés predominantemente negativo na previsão de T2M, sendo mais acentuado no horário das 0900 UTC, próximo do horário da temperatura mínima; as EMA de baixada apresentaram um erro médio maior. Nos campos sinóticos, foi constatado nos três casos que o viés das variáveis atmosféricas tende a diminuir com a aproximação do dia pico da OF, com maiores erros na previsão de 72 horas. 

Referências


Bender, F. D. (2012). Verificação da Previsão do tempo em São Paulo com o modelo operacional WRF. Dissertação de mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Bootsma, A. (1976). Estimating grass minimum temperatures from screen minimum values and other climatological parameters. Agricultural Meteorology, Amsterdam, 16(1), 103-13

Bootsma, A. (1980). Frost risk survey of Prince Edward Island. P. E. I. Department of Agriculture and Forestry, Canada.

Borges, D. M. (2019). Sistema de previsão de ondas oceânicas no litoral sul do Brasil e águas adjacentes do Oceano Atlântico Sul. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS, Brasil.

Brunini, A. P. C.; Júnior, P. J. M.; Gallo, P. B. (2004). Comparação microclimática de ambiente de várzea e de posto meteorológico. Bragantia, 63(2), 291-297.

Cabral, D. E. C. (2018). Análise da variabilidade espaço-temporal da água precipitável na atmosfera utilizando dados do ERA-Interim/ECMWF (Dissertação de mestrado). Centro de Tecnologia e Recursos Naturais, Unidade Acadêmica de Ciências Atmosféricas - Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. Brasil.

Café: Geada atinge lavouras do cinturão produtivo e prejudica próxima safra; condição volta na madrugada desta 3ª feira. Notícias Agrícolas. (2016). Acesso em 9 abr. 2020, de https://www.noticiasagricolas.com.br/noticias/cafe/176503-cafe-geada-volta-a-atingir-lavouras-do-cinturao-produtivo-do-sudeste-condicao-volta-na-madrugada-desta.html#.Xo-2WshKhPY

Camargo, A. P. (1972). Agrometeorologia. Faculdade de Agronomia e Zootecnia “Manoel Carlos Gonçalves”, Espírito Santo do Pinhal, SP, Brasil.

Camargo, A. P. (1997). Geada, o “remédio” é prevenir. Boletim Técnico CATI, (227). Governo de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Caramori, P. H.; Manetti Filho, J. (1993). Proteção dos cafeeiros contra geadas. Instituto Agronômico do Paraná, Londrina, PR, Brasil.

Charles, M. E., Colle, B. A. (2009). Verification of extratropical cyclones within the NCEP operational models. Part I: Analysis errors and short-term NAM and GFS forecasts. Weather and Forecasting, 24(5), 1173-1190.

Costa, A. B. F.; Morais, H.; Kneib, R.; Caramori, P. H. (2015). Alerta geada para a cafeicultura paranaense - Estudo de caso 2013. IX Simpósio Brasileiro dos Cafés do Brasil. Curitiba, PR, Brasil.

Ding, T.; Gao, H.; Yuan, Y. (in press). Pre-signal and influencing source of the extreme cold surges at the Beijing 2022 winter Olympic competition zones. Atmosphere, 11(x).

Dylik, J. (1968). Notion du Versant en Geomorphologie. Bulletin de L’Academie Polonaise des Sciences, Série de Sciences Geol. et Geogr., 16(2), 125-132.

Escobar, G. C. J.; Vaz, J. C. M.; Reboita, M. S. (2019). Circulação Atmosférica em Superfície Associada às Friagens no Centro-Oeste do Brasil. Anuário do Instituto de Geociências – UFRJ, 42(1), 241-254.

Fortune, M. A.; Kousky, V. E. (1983). Two severe freezes in Brazil: precursors and synoptic Evolution. Monthly Weather Review, 111(1), 181-196.

Geada destrói cerca de 4 milhões de pés de café em Campos Altos. G1. (2016). Acesso em 9 abr. 2020, de http://g1.globo.com/minas-gerais/triangulo-mineiro/noticia/2016/07/geada-destroi-cerca-de-4-milhoes-de-pes-de-cafe-em-campos-altos.html.

Girardi, C. (1983). O Poço dos Andes. Relatório Técnico ECA 01/83, Centro Técnico Aeroespacial.

Glickman, T. S. (2000). Glossary of Meteorology. American Meteorological Society.

IPCC. (2013). Climate change 2013: The physical science basis. Contribution of Working Group I to the Fifth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Chang e (T. F. Stocker, D. Qin, G.-K. Plattner, M. Tignor, S. K. Allen, J. Boschung, A. Nauels, Y. Xia, V. Bex and P. M. Midgley, Eds.). Cambridge University Press, Cambridge, United Kingdom and New York, NY, USA, 1535 pp.

Kendzierski, S., Czernecki, B., Kolendowicz, L., Jaczewski, A. (2018). Air temperature forecasts’ accuracy of selected short-term and long-term numerical weather prediction models over Poland. Geofizika, 35(1), 67-85.

Krishnamurti, T. N.; Tewari, M.; Chakraborty, D. R.; Marengo, J.; Dias, P. L.; Satyamurty, P. (1999). Downstream amplification: a possible precursor to major freeze events over Southeastern Brazil. Weather and Forecasting, 14(2), 242-270.

Lanfredi, I. S.; Camargo, R. (2018). Classification of Extreme Cold Incursions over South America. Weather and Forecasting, 33, 1183-1202.

Leles, L. (2019). Fim de semana foi de temperatura negativa no Triângulo e Alto Paranaíba; veja como fica o tempo nos próximos dias. G1. Acesso em 9 abr. 2020, de https://g1.globo.com/mg/triangulo-mineiro/noticia/2019/07/08/temperatura-negativa-e-registrada-na-regiao-do-triangulo-e-alto-paranaiba-segundo-inmet.ghtml

Lucyrio, V.; Reboita, M. S.; Albieri, M. C. G. (2019). Ondas de frio intensas sobre o nordeste do Estado de São Paulo entre 1961 e 2017. Revista Brasileira de Climatologia, 15(25), 571-593.

Manabe, S. (2019). Role of greenhouse gas in climate change. Tellus A: Dynamic Meteorology and Oceanography, 71(1), 1-13.

Marengo, J. A.; Cornejo, A.; Satyamurty, P.; Nobre, C.; Sea, W. Cold surges in tropical and extratropical South America: the Strong event in june 1994. Monthly Weather Review, 125(11), 2759-2786.

NCEP - National Centers for Environmental Prediction/National Weather Service/NOAA/U.S. Department of Commerce (2015): NCEP GFS 0.25 Degree Global Forecast Grids Historical Archive. Research Data Archive at the National Center for Atmospheric Research, Computational and Information Systems Laboratory. https://doi.org/10.5065/D65D8PWK. Acesso em 28 nov. 2019.

Pereira, H. R.; Reboita, M. S.; Ambrizzi, T. (2017). Características da atmosfera na primavera austral durante o El Niño de 2015/2016. Revista Brasileira de Meteorologia, 32(2), 293-310.

Pereira, R. A. A.; Freitas, C. H.; Campos, B.; Carvalho, V. S. B.; Martins, F. B. (2015). Utilização do modelo WRF para simulação de episódios de geada na região de Maria da Fé, Minas Gerais. IX Workshop Brasileiro de Micrometeorologia. Santa Maria, RS, Brasil.

Pezza, A. B. (2003). Ondas de frio na América do Sul e as trajetórias dos ciclones e anticiclones extratropicais: climatologia sinótica (Tese de doutorado). Departamento de Ciências Atmosféricas, Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Rasera, G. (2017). Determinação do potencial de ocorrência de sistemas convectivos de mesoescala para a América do Sul. Tese de doutorado, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil.

Reboita, M. S., Assireu, A., da Silva, L. C., & Rios, N. (2014). Evidências de Circulação de Brisa Vale-Montanha na Serra da Mantiqueira: Cidade de Itajubá–MG. Ciência e Natura, 36(1), 61-71.

Reboita, M. S.; Escobar, G. (2015). Manual para Análise de Cartas Sinóticas. Universidade Federal de Itajubá, Itajubá, MG, Brasil.

Reboita, M. S.; Escobar, G.; Lopes, V. S. Climatologia Sinótica de eventos de ondas de frio sobre a região sul de Minas Gerais. Revista Brasileira de Climatologia, 11(16), 72-92.

Ricarte, R. M. D.; Herdies, D. L.; Barbosa, T. F. (2015). Patterns of atmospheric circulation associated with cold outbreaks in southern Amazonia. Meteorological Applications, 22, 129-140.

Ross, J. L. S. (2016). O relevo brasileiro no contexto da América do Sul. Revista Brasileira de Geografia, 61(1), 21-58.

Rozante, J. R., Gutierrez, E. R., da Silva Dias, P. L., de Almeida Fernandes, A., Alvim, D. S., & Silva, V. M. (2020). Development of an index for frost prediction: Technique and validation. Meteorological Applications, 27(1), e1807.

Santos, A. P. P.; Gonçalves, J. P.; Ferreira, J. A. S.; Santos, S. R. Q. (2013). Previsão de Geada para a Região Sul do Brasil: Uma Avaliação do Modelo ETA 15 km durante o Outono de 2012. Revista Brasileira de Geografia Física, 06(1), 100-109.

Sapucci, C. R.; Reboita, M. S.; Carvalho, V. S. B.; Martins, F. B. (2018). Condições meteorológicas associadas com a ocorrência de geadas na Serra da Mantiqueira, região Sudeste do Brasil. Revista Brasileira de Climatologia, 14 (Edição Especial Dossiê Clima de Minas Gerais), 153-167

Scapolatempore, R. (2019). Associações de cafeicultores do Triângulo e Alto Paranaíba relatam prejuízos com geada. G1. Acesso em 9 abr. 2020, de https://g1.globo.com/mg/triangulo-mineiro/noticia/2019/07/08/associacoes-de-cafeicultores-do-triangulo-e-alto-paranaiba-relatam-prejuizos-com-geada.ghtml

Silva, A.; Minuzzi, R. B. (2016). Modelagem estatística para a previsão de geada de radiação. Ciência e Natura, 38(3), 1453-1460.

Sridevi, C., Kumar Singh, K., Suneetha, P., Reval Durai, V., Kumar, A. (2018). Rainfall forecast skill of Global Forecasting System (GFS) model over India during summer monsoon 2015. Geofizika, 35(1), 40-52.

Streck, N. A., Gabriel, L. F., Heldwein, A. B., Buriol, G. A., & Paula, G. M. D. (2011). Temperatura mínima de relva em Santa Maria, RS: climatologia, variabilidade interanual e tendência histórica. Bragantia, 70(3), 696-702.

Termômetros marcam 1,6ºC na região de Ribeirão Preto e geada rompe até cabos de eletricidade. G1. (2019). Acesso em 9 abr. 2020, de https://g1.globo.com/sp/ribeirao-preto-franca/noticia/2019/07/07/termometros-marcam-16oc-na-regiao-de-ribeirao-preto-e-geada-rompe-ate-cabos-de-eletricidade.ghtml.

WMO. Guidelines of the definition and monitoring of extreme weather and climate events. (2016). Disponível em: .Acesso em 30 nov. 2019.

Wrege, M. S.; Silva, S. D. A.; Garrastazu, M.; Steinmetz, S.; Reisser Jr, C.; Herter, F. G.; Matzenauer, R. (2007). Zoneamento agroclimático para mamona no Rio Grande do Sul. Embrapa Clima Temperado, Pelotas, RS, Brasil.

Wrege, M. S.; Fritzsons, E.; Soares, M. T. S.; Prela-Pântano, A.; Steinmetz, S.; Caramori, P. H.; Radin, B.; Pandolfo, C. (2018). Risco de Ocorrência de Geada na Região Centro-Sul do Brasil. Revista Brasileira de Climatologia, 14(22), 524-553.

Ynoue, R. Y.; Reboita, M. S.; Ambrizzi, T.; Silva, G. A. (2017). Meteorologia: noções básicas. São Paulo: Oficina de Textos.

Yoshino, M. M. Climate in a small área: An introduction to local meteorology. University od Tokyo Press, Tóquio, Japão.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.5.p%25p

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License