Poços inativos de petróleo e gás em ambiente urbano: potenciais proliferadores de arboviroses em Mossoró/RN

Francisco Gilson do Nascimento, Alfredo Marcelo Grigio, Marco Antonio Diodato, João Paulo Silva dos Santos

Resumo


Os reflexos e compreensão do uso e ocupação do solo em áreas de poços inativos de petróleo e gás no perímetro urbano, perante sua interação socioespacial, é de suma importância frente possíveis consequências à saúde e ao ambiente em seus diferentes contextos, constituindo assim, o enfoque central deste artigo. O estudo busca analisar a presença de poços inativos de Petróleo e Gás no perímetro urbano de Mossoró/RN como potencial proliferador de mosquitos causadores de arboviroses, abrangendo análises das classes de uso e ocupação da cidade sujeitas a sofrer influência destas localizações. Esta pesquisa tem seu instrumental técnico baseado em técnicas de sensoriamento remoto, que através de Sistemas de Informações Geográficas - SIG, permitiu a geração de informações georeferenciadas e espacializadas da paisagem por meio de mapas com buffers de interferências às classes de uso ocupação do solo urbano da cidade, apontando os riscos de criadouros de vetores causadores de arboviroses (Zika, Chicungunya e Dengue) nas áreas de poços inativos de petróleo e gás. Constatou-se perante os resultados que a classe de uso residencial, comercial e serviços apresenta a maior ocupação (50,3%) nos espaços propícios a sofrer influência de vetores causadores de arboviroses provenientes das áreas dos poços inativos. Espera-se que o trabalho possa auxiliar o município na organização e planejamento de estratégias ao combate aos criadouros de arboviroses em áreas dos poços inativos de petróleo e gás na área urbana de Mossoró/RN.

 

Inactive oil and gas wells in an urban environment: potential arbovirus proliferators in Mossoró / RN

 

ABSTRACT

The reflexes and understanding of land use and occupation in areas of inactive oil and gas wells in the urban perimeter, in view of their socio-spatial interaction, is of paramount importance in view of possible health and environmental consequences in their different contexts, thus constituting the focus. this article. The study seeks to analyze the presence of inactive oil and gas wells in the urban perimeter of Mossoró/RN as a potential proliferator of arboviral mosquitoes, encompassing analyzes of the use and occupation classes of the city subject to influence from these locations. This research has its technical instrument based on remote sensing techniques, which through Geographic Information Systems - GIS, allowed the generation of georeferenced and spatialized landscape information through maps with interference buffers to the urban land use classes. pointing out the risk of arboreal breeding (Zika, Chicungunya and Dengue) breeding sites in the areas of inactive oil and gas wells. The results show that the residential, commercial and service use class has the highest occupancy (50.3%) in the spaces that are susceptible to the influence of arboviral vectors from the inactive well areas. It is hoped that the work can assist the municipality in the organization and planning of strategies to combat arboviruses breeding areas of inactive oil and gas wells in the urban area of Mossoró/RN.

Keywords: Environment; Health; Urban Occupation; Geoprocessing.

Palavras-chave


Ambiente; Saúde; Ocupação Urbana; Geoprocessamento.

Texto completo:

PDF

Referências


ANP, Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, 2019. Dados Técnicos. Disponível: http://www.anp.gov.br/exploracao-e-producao-de-oleo-e-gas/dados-tecnicos. Acesso: 12 jul. 2019.

ANP, Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, 2016. Plano de Desenvolvimento. Mossoró. Disponível: http://www.anp.gov.br/images/Planos_desenvolvimento/Mossoro.pdf. Acesso: 20 set. 2017.

Bessa Júnior, F. N. et al., 2013. Spatial distribution of dengue disease in municipality of Mossoró, Rio Grande do Norte, using the Geographic Information System. Revista Brasileira de Epidemiologia, [s.l.], v. 16, n. 3, p.603-610. Disponível: http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2013000300005. Acesso: 04 abr. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde, 2009. Diretrizes Nacionais para a Prevenção e Controle de Epidemias de Dengue. Brasília. Disponível: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_nacionais_prevencao_controle_dengue.pdf. Acesso: 06 abr. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde, 2016. Diagnóstico rápido nos municípios para vigilância entomológica do Aedes aegypti no Brasil – LIRA: metodologia para avaliação dos índices de Breteau e Predial. Brasília: Ministério da Saúde, Disponível: http://www1.paho.org/hq/dmdocuments/2010/dengue-web-LIRAa.pdf. Acesso: 28 ago. 2019.

BRASIL. Secretaria de Vigilância em Saúde, 2016. Boletim Epidemiológico. 47. ed. Brasília: Ministério da Saúde. Disponível: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2016/dezembro/20/2016-033---Dengue-SE49-publicacao.pdf. Acesso: 06 abr. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde, 2019. Dengue - notificações registradas no sistema de informação de agravos de notificação - Rio Grande do Norte. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sinannet/cnv/denguern.def. Acesso: 05 abr. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde, 2019. Boletim Epidemiológico. Brasília, Vol. 50. Disponível: https://www.saude.gov.br/images/pdf/2019/setembro/11/BE-arbovirose-22.pdf. Acesso: 17 jun. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde, 2020. Combate ao Aedes Aegypti: prevenção e controle da Dengue, Chikungunya e Zika. Brasília. Disponível: http://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/aedes-aegypti. Acesso: 18 jun. 2020.

Carmo Filho, F., Espínola Sobrinho, J., Maia Neto, J. M., 1991. Dados meteorológicos de Mossoró (janeiro de 1989 a dezembro de 1990), Mossoró: ESAM, FGD, 110p, Coleção Mossoroense, Série C, 630.

Davies, R. J. et al., 2014. Oil and gas wells and their integrity: Implications for shale and unconventional resource exploitation. Marine And Petroleum Geology, [s.l.], v. 56, p.239-254. Elsevier BV. Disponível: https://doi.org/10.1016/j.marpetgeo.2014.03.001. Acesso: 05 abr. 2019.

Domingues, M. G., 2014. Analise dos impactos socioambientais da instalação das unidades de bombeio de petróleo na área urbana de Mossoró - RN. 118 f. Dissertação (Mestrado em Dinâmica e Reestruturação do Território) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal. Disponível: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/18966. Acesso: 05 abr. 2019.

Donalisio, M. R., Freitas, A. R. R., Von Zuben, A. P. B., 2017. Arboviruses emerging in Brazil: challenges for clinic and implications for public health. Revista de Saúde Pública, [s.l.], v. 51, p.1-6. FapUNIFESP (SciELO). Disponível: https://doi.org/10.1590/s1518-8787.2017051006889. Acesso: 06 abr. 2019.

Ferreira, C. J., Rossini-Penteado, D., 2011. Mapeamento de risco a escorregamento e inundação por meio da abordagem quantitativa da paisagem em escala regional. In: Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia, 11, São Paulo. ABGE [...]. Disponível: http://www.dpi.inpe.br/spring/portugues/arquivos_publicacoes/Ferreira&Rossini-Penteado_com_tutorial.pdf. Acesso: 07 abr. 2019.

Ferreira, H. H. et al., 2017. Avaliação Espacial da Dengue na Área Urbana de Itu - São Paulo. Geography Department University Of Sao Paulo, [s.l.], v. 33, p.106-116, 23 ago. Disponível: https://www.revistas.usp.br/rdg/article/download/128515/133310/. Acesso: 03 abr. 2019.

Fonseca, D. S. R., Braz, C. K. R., 2010. Investigação Epidemiológica da Distribuição Geográfica do Aedes aegypti na Cidade de Montes Claros (MG) com Uso de Geotecnologias. Revista Brasileira de Cartografia, Uberlândia, v. 03, n. 62, p.489-503. Disponível: https://docplayer.com.br/59883246-Investigacao-epidemiologica-da-distribuicao-geografica-do-aedes-aegypti-na-cidade-de-montes-claros-mg-com-uso-de-geotecnologias.html. Acesso: 04 abr. 2019.

Freitas, J. C. C., Siqueira Filho, V., 2018. Semiárido nordestino: os impactos da extração de petróleo no município de Mossoró (RN). Revista Direito Gv, [s.l.], v. 14, n. 3, p.1019-1043. Disponível: https://doi.org/10.1590/2317-6172201838. Acesso: 05 abr. 2019.

Ho, J. et al., 2016. Plugging the Gaps in Inactive Well Policy. Washington Dc: Resources For The Future. Disponível: https://www.rff.org/publications/reports/plugging-the-gaps-in-inactive-well-policy/. Acesso: 04 abr. 2019.

Honda, S. C. A. L. et al., 2015. Planejamento ambiental e ocupação do solo urbano em Presidente Prudente (SP). Urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, [s.l.], v. 7, n. 1, p.62-73.Disponível: http://dx.doi.org/10.1590/2175-3369.007.001.AO04. Acesso: 6 abr. 2019.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2018. Introdução ao ambiente SIG QGIS. Brasília: IBGE. Disponível: http://geoftp.ibge.gov.br/metodos_e_outros_documentos_de_referencia/outros_documentos_tecnicos/introducao_sig_qgis/Introducao_ao_ambiente_SIG_QGIS_2edicao.pdf. Acesso: 06 abr. 2019.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2018. Cidades. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/. Acesso: 06 abr. 2019.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2010. Censo Demográfico 2010. Disponível: https://censo2010.ibge.gov.

br/. Acesso: 15 abr. 2019.

Medeiros, F, H, F., 2017. Identificação das unidades homogêneas e padrão da ocupação urbana como subsídio ao planejamento e ordenamento territorial em Mossoró-RN. 61 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Monografia): Curso de Gestão Ambiental da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte-UERN, Mossoró.

Monteiro, V. B., Araújo, J. A., 2020. Aspectos sócioeconômicos e climáticos que impactam a ocorrência de dengue no Brasil: análise municipal de 2008 a 2011 por regressões quantílicas para dados em painel. v. 6, n. 5, p. 28126-28145. Disponível: https://doi.org10.34117/bjdv6n5-311. Acesso: 22 jul. 2020.

Mossoró. 2019. Prefeitura Municipal de Mossoró. SINAN - Sistema de Informação de Agravos de Notificação. Casos de Dengue e Chikungunya confirmados em 2017 e 2018 por bairros em Mossoró/RN. Mossoró.

Mossoró. 2006. Plano Diretor: Lei Complementar N.º 012/2006. Disponível: https://www.secovirn.com.br/legislacao/plano-diretor-de-mossoro.pdf. Acesso: 08. Mar. 2020.

MPPR. Ministério Público do Paraná, 2018. Ordenamento Territorial e Planejamento Urbano. Disponível em: http://www.urbanismo.mppr.mp.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=33%20Site. Acesso: 04 abr. 2019.

Pereira, E. D. A., 2018. Análise espacial e temporal dos casos de febre de chikungunya no Maranhão, Brasil. 137 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) - Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, Disponível: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/2792. Acesso: 05 abr. 2019.

Pinheiro, I. M., Souza, A. C. S., Sampaio, R. L., 2020. Coeficiente de Pearson: correlação entre as variáveis notificação de casos de dengue e fatores climáticos. Curitiba, Brazilian Journal of health Review v. 3, n. 1, p.587-604. Disponível: https://doi.org/10.34119/bjhrv3n1-047. Acesso: 11. jul. 2020.

Pinto Filho, J. L O., Souza, R F., Petta, R A., 2018. Identificação dos impactos ambientais do campo petrolífero Canto do Amaro/RN com sistema pressão-estado-impacto-resposta. Geotemas, Pau dos Ferros, v. 8, n. 1, p.2-22. Disponível: http://periodicos.uern.br/index.php/geotemas/article/view/2625. Acesso: 05 abr. 2019.

Polito, R., 2019. Petrobras fará desinvestimento de 70% das concessões em 254 campos. Jornal Valor Econômico. Disponível: https://www.valor.com.br/empresas/6063037/petrobras-fara-desinvestimento-de-70-de-concessoes-em-254-campos. Acesso: 06 abr. 2019.

Rio Grande do Norte, 2018. Boletim epidemiológico: semana epidemiológica 52. Secretaria de Saúde. Disponível: http://www.adcon.rn.gov.br/ACERVO/sesap/DOC/DOC000000000195647.PDF. Acesso: 06 abr. 2019.

Rocha, A. P. B., 2005. Expansão Urbana de Mossoró: Período de 1980 a 2004. Natal: Coleção Mossoroense.

Santana, R. A., Delmasquio, O., Ferrari, C., Rangel, G. F., & Silva, D. R., 2019. Políticas Públicas de Meio Ambiente e Seus Efeitos na Saúde. Revista Artigos. Campinas. Disponível em:https://www.acervomais.com.br/index.php/artigos/article/view/720/350. Acesso: 20 jun. 2020.

Silva, D. O., Lima, C. C. U., 2018. Uso e ocupação do solo entre Trancoso e Arraial D’ajuda, costa do descobrimento, litoral sul do Estado da Bahia. In: SEMIC, 22. Feira de Santana. Anais SEMIC. Feira de Santana: Universidade Estadual de Feira de Santana. Disponível: http://dx.doi.org/10.13102/semic.v0i22.4003. Acesso: 06 abr. 2019.

Souza, R. C., Silva, A. A., Lunas, D. A. L. 2020. Mapeamento da ocorrência do Aedes aegypti na Região Nordeste de Anápolis (GO) em 2017. Revista Cereus, v. 12, n. 2, p. 90-103. Disponível em: https://doi.org/10.18605/2175-7275/cereus.v12n2p90-103. Acesso: 24 jul. 2020.

Soares, F. I. L., 2013. Uma proposta de avaliação de desempenho ambiental na indústria de petróleo em Mossoró/RN com base na análise envoltória de dados (DEA). 99 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Engenharia de Petróleo e Gás, Universidade Potiguar, Mossoró. Disponível:https://unp.br/wp-content/uploads/2013/12/Disserta%C3%A7%C3%A3o-FRANCISCO-IGO-LEITE-SOARES.pdf. Acesso: 06 abr. 2019.

São Paulo, 2016. Sistema de Classificação “Unidade Homogênea de Cobertura da Terra, Uso e Padrão da Ocupação Urbana” – UHCT. São Paulo: Instituto Geológico, 14 p. Disponível: http://igeologico.sp.gov.br/files/2016/11/Ficha-T%C3%A9cnica-UHCTvs11-16.pdf. Acesso: 06 abr. 2019.

São Paulo, 2002. Prefeitura Municipal de São Paulo: Protocolo sobre dengue. São Paulo. Disponível:http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/HIMJ_protocolo_dengue_1254773626.pdf. Acesso: 12 ago.2019.

Teich, V., Arinelli, R., Fahham, L., 2017. Aedes aegypti e sociedade: o impacto econômico das arboviroses no Brasil. Jornal Brasileiro de Economia da Saúde, [s.l.], v. 9, n. 3, p.267-276. Jornal Brasileiro de Economia da Saude. Disponível:http://www.jbes.com.br/images/v9n3/267.pdf. Acesso: 06 abr. 2019.

Zara, A. L. S. A. et al., 2016. Estratégias de controle do Aedes aegypti: uma revisão. Epidemiologia e Serviços de Saúde, [s.l.], v. 25, n. 2, p.1-2. Instituto Evandro Chagas.Disponível: http://dx.doi.org/10.5123/s1679-49742016000200017. Acesso: 6 abr. 2019.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.6.p2992-3005

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License