Bioma Cerrado: fragilidades e potencialidades socioambientais de um projeto de trilha no Parque Nacional Serra da Canastra

Ana Luíza de Souza Marcondes, Daniela R. T. Riondet-Costa, Gabriel de Oliveira Machado, Gabriel Wilson Lorena Florêncio, Guilherme Prado Alves, Janine Ameku Neves, Kleber Barcelar Santos, Michel Yasuyuki Gejima Junior, Natália Barbosa Fernades, Nívea Adriana Dias Pons, Rafael Bitencourt Benassi

Resumo


O ecoturismo é uma das atividades mais desenvolvidas em Parques Nacionais. A implementação de trilhas eco turísticas pode funcionar como atrativo turístico e favorecer empreendimentos locais, entretanto, podem causar impactos negativos diretos ao meio ambiente. Esses impactos podem ser minimizados através de estudos prévios para verificação de viabilidade na implementação das trilhas. Sendo assim, o objetivo deste trabalho foi apontar fragilidades e potencialidades socioambientais de um projeto de trilha para o uso turístico no Parque Nacional Serra da Canastra (PNSC), localizado no sudoeste de Minas Gerais, no bioma Cerrado. Para tanto, a partir de análise multicritério no software ArcGIS, foram elaborados os mapas de suscetibilidade à erosão e aptidão ao uso do turístico do entorno da trilha. A análise final foi realizada por meio da Matriz SWOT, que permitiu sintetizar as fragilidades e potencialidades socioambientais, evidenciando as forças e fraquezas (situação presente) e as oportunidades e ameaças (situação futura, caso a proposta de trilha seja efetivada). Os resultados mostram que mais de 80% da área estudada possui alta e muito alta aptidão ao ecoturismo, sendo suas principais potencialidades a proximidade a recursos hídricos e a estradas de acesso, a predominância de declividade moderada (3-8%) e a possibilidade de desenvolvimento do turismo local e de atividades de sensibilização ambiental. Por outro lado, as principais fragilidades apontaram para a ameaça de compactação do solo, a evasão de espécies endêmicas e o relevo escarpado encontrado em um trecho da trilha, mostrando que pequenas alterações no trajeto tornam viável a implementação da trilha proposta.

 

Cerrado Biome: social-environmental weaknesses and potentialities of a trail project in the Serra da Canastra National Park

 

ABSTRACT

Ecotourism is one of the most developed activities in National Parks. The implementation of eco-tourism trails can act as tourist attraction and favor local enterprises, however, they can cause direct negative impacts on the environment. These impacts can be minimized through previous studies to verify the feasibility of implementing the trails. Therefore, the objective of this work was to point out socio-environmental weaknesses and potentialities of a trail project for tourist use in the Serra da Canastra National Park (PNSC), located in the southwest of Minas Gerais, in the Cerrado biome. For that, using multicriteria analysis in the ArcGIS software, maps of susceptibility to erosion and aptitude for tourism use around the trail were elaborated. The final analysis was carried out using the SWOT Analysis, which made it possible to summarize the socio-environmental weaknesses and potentialities, highlighting the strengths and weaknesses (present situation) and opportunities and threats (future situation, if the  proposed trail is implemented). The results show that more than 80% of the studied area has high and very high aptitude for ecotourism, its main potential being the proximity to water resources and access roads, the predominance of moderate declivity (3-8%) and the possibility of development of local tourism and environmental awareness activities. On the other hand, the main weaknesses pointed to the threat of soil compaction, the evasion of endemic species and the rugged relief found in a stretch of the trail, showing that small changes in the path make the implementation of the proposed trail viable.

Keywords: Protected areas; park trail; ecotourism; SWOT analysis.


Palavras-chave


Áreas protegidas, Trilha de Parque, Redução de Impacto, Análise SWOT

Texto completo:

PDF

Referências


Adarme, M. O., Feitosa, R. Q., Happ, P. N., Almeida, C. A., Gomes, A. R, 2020. Evaluation of deep learning techniques for deforestation detection in the brazilin amazona and cerrado biomes from remote sensing imagery. Remote Sensing 12, 910.

Almeida, C. N. R., 2014. Estudo geoambiental da região da Serra da Canastra -MG: potencialidades e restrições ao uso turístico. Dissertação (Mestrado). São Paulo, Escola de Engenharia de São Carlos.

Andrade, B.S.; Melo, M.R.S.; Silva, M.H.S., 2019. Geoprocessamento aplicado à análise do uso do solo na área de proteção ambiental dos mananciais do córrego Lajeado, Campo Grande –MS. Sociedade e Território 31, 200-220.

Andrade, C. O. P., Carvalho, R. C. R., Godinho, R. F., Magri, R. A. F., 2016. Elaboração e aplicação de uma rota de trekking em uma área do Parque Nacional da Serra da Canastra. Revista Brasileira de Ecoturismo 9, 285-317.

Antunes, P. B., 2012. Direito Ambiental. 14ª ed. Editora Atlas, São Paulo.

Araujo, M. A. R., 2007. Unidade de Conservação no Brasil: da República à Gestão de Classe Mundial. 1ª ed. Editora SEGRAC, Belo Horizonte.

Arruda, B. S., Nascimento, A. P., Cordeiro, J., Therezo, P. E. A., Alvarenga, C. A., Cordeiro, J. L., 2019. Caracterização dos impactos desencadeados pelo ecoturismo na Cachoeira da Santa, Catas Altas (MG). Res. Soc. Dev. 3, 1-20.

Balmford, A., Green, J. M. H., Anderson, M., Beresford, J., Huangh, C., Naidoo, R., walpole, M., Manica, A., 2015. Walk on the Wild Side: Estimating the Global Magnitude of Visits to Protected Areas. PLOS Biology 13, 1-6.

Bizerril, M. X. A., 2003. O Cerrado nos livros didáticos de geografia e ciências. Ciência hoje 32, 56-60.

BRASIL, 2000. Lei nº 9.985 de 18 de julho.

Brooks, T.B, Fonseca, G. A. B., Rodrigues, Ana S. L, 2004. Species, Data, and Conservation Planning. Conservation Biology 18, 1682-1688.

Canto-silva, C. R., Silva, J. S., 2017. Panorama da visitação e da condução de visitantes em Parques brasileiros. Revista Brasileira de Pesquisa Turística 11, 365-386.

Cavalcante, M., Furtado, E. M., 2011. Políticas públicas de turismo em Unidades de Conservação. Mercator 10, 133-146.

Chang, H., Huang, W., 2006. Application of a quantification SWOT analytical method. Mathematical and computer modelling, 43, 158-169.

Crepani, E., Medeiros, J. S. de., 2001. Sensoriamento remoto e geoprocessamento aplicados ao zoneamento ecológico-econômico e ao ordenamento territorial. São José dos Campos: Inpe, 103. Disponível em: http://sap.ccst.inpe.br/artigos/CrepaneEtAl.pdf. Acesso em: 25 nov 2019.

Cuiabano, M. N., Neves, S. M. A. S., Nunes, M. C. M., Serafim, M. E., Neves, R. J., 2017. Vulnerabilidade ambiental à erosão hídrica na sub-bacia do Córrego do Guanabara/Reserva do Cabaçal-MT, Brasil. Geociências 36, 138-153.

Cullinane, T. C., Koontz, L., 2016. National Park visitors pending effects: Economic contributions to local communities, states, and the nation. Natural Resource Report. National Park Service, Fort Collins.

Cunha, A., Nóbrega, W., Kerlei, S., 2017. Instâncias de Governança e Turismo em Unidades de Conservação em Criação: Estudo de Caso do Parque Estadual dos Mangues do Potengi - RN. Revista Turismo e Desenvolvimento. 1, 599-610.

Decanini, M. M. S., 2001. SIG no planejamento de trilhas no Parque Estadual de Campos do Jordão. Revista Brasileira de Cartografia 1, 97-110.

Ferreira, T. H. C., Chig, L. A., Favoro, E. G. P., Andrade, J. M., Oliveira, S. S., 2017. Estudo de caso: avaliação de impactos ambientais no Horto Florestal Tote Garcia em Cuiabá – Mato Grosso. Uniciências 21, 74-80.

Fiagbomeh, R. F., Bürger-Arndt, R., 2015. Prioritization of strategies for protected area management with local people using the hybrid SWOT-AHP analysis: the case of Kakum conservation area, Gana. Management Science Letters 5, 457-470.

Filetto, F., Macedo, R. L. G., 2015. Desenvolvimento de indicadores de sustentabilidade para o ecoturismo em Unidades de Conservação. Revista Brasileira De Ecoturismo, 8, 11-30.

Françoso, R.D., Brandão, R., Nogueira, C.C., Salmona, Y.B.; Machado, R.B.; Colli, G.R., 2015. Habitat loss and the effectiveness of protected areas in the Cerrado Biodiversity Hotspot. Natureza e Conservação,13, 35–40.

Freire, P. M. O., Almeida, F. A. B., 2018. Ecoturismo, educação ambiental crítica e formação de sujeitos ecológicos: convergências e desafios. Revista Brasileira De Ecoturismo, 11, 561-587.

Freitas, D. A., Durães, A. F. S., Firmo, D. H. T., Pinho, N. B. de., Carvalho, L. R. de., 2019. Levantamento de dados de espécies florestais nativas do Cerrado: um meio para bancos de sementes implantados que permitem restauração e conservação de ecossistemas florestais. Brazilian Journal of Animal and Environmental Research 2, 1569-1583.

Giovanelli, J. G. R., Nobre, A. B., Bacellar-Schittini, A. E. F., Uehara-Prado, M., 2016. Demandas de monitoramento da biodiversidade: sistematização de informação para a gestão das unidades de conservação. Biodiversidade Brasileira 6, 4-17.

Gonçalves, H., Meneguzzo, I. S., Moro, R. S., 2019. Políticas públicas para a conservação do Bioma Cerrado no Estado do Paraná, Brasil. Terra Plural 13, 138-152.

Guerra, A. J. T., Fullen, M. A., Jorge, M. do C. O., Bezerra, J. F. R., Shokr, M. S., 2017. Slope Processes, Mass Movement and Soil Erosion: A Review. Pedosphere, 27, 27-41

Guerra, A., Reis, L. K., Borges, F. L. G., Ojeda, P. T. A., Pineda, D. A. M., Miranda, C. O., Maidana, D. P. F. L., Santos, T. M. R. D., Shibuya, P. S., Marques, M. C. M., Laurance, S. G. W., Garcia, L.C, 2020. Ecological restoration in Brazilian biomes: Identifying advances and gaps. Forest Ecology and Management, 458, 1-7.

Hesselbarth, W., Vachowsski, B., Davies, M. A., 2009. Manual de construção e Manutenção de Trilhas. Secretaria de Meio Ambiente, São Paulo.

Hockett, K. S., Marion, J. L., Leung, Y-F., 2017. The efficacy of combined educational and site management actions in reducing off-trail hiking in an urban-proximate protected area. Journal of Environmental Management, 203, 17-28.

Huhtala, M., Kajala, L., Vatanen, E., 2010. Local economic impacts of national park visitors’ spending: The development process of an estimation method. Working Papers of the Finnish Forest Research Institute 149, 1-20.

Hummel, C., Poursanidis, D., Orenstein, D., Elliott, M., Adamescu, M. C., Cazacu, C., Ziv G., Chrysoulakis, N., Van Der Meer, J.; Hummel, H., 2019. Protected area management: Fusion and confusion with the ecosystem services approach. Science ofthe total Environment 651, 2432-2443.

IBAMA. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, 2005. Plano de manejo do Parque Nacional da Serra da Canastra.

Klink, C. A., Machado, R. B., 2005. A conservação do Cerrado brasileiro. Megadiversidade 1, 147-155.

Lemes, P., Loyola, R., 2014. Mudanças climáticas e prioridades para a conservação da biodiversidade. Revista de Biologia Neotropical, 11, 47-57.

Lobo, A. C., Simão, L. L., 2011. Manual de Monitoramento e Gestão dos Impactos da Visitação em Unidades de Conservação, 1ª ed. Fundação Florestal, WWF, São Paulo.

Locatelli, B., Imbach, P.; Wunder, S., 2013. Synergies and trade-offs between ecosystem services in Costa Rica. Environmental Conservation 41, 27-36.

Manetta, B. A. R.; Barroso, B. R.; Lipiani, G.O.; Azevedo, J. B.; Arrais, T. C.; Nunes, T. E. S., 2015. Unidades de Conservação. Engenharias Online 1, 1-10.

Matos, B. C. S., Ferreira, M. P. S., Zampieron, S. L. M., 2017. Formação de agentes disseminadores do processo de educação ambiental para unidades de conservação, com ênfase no Parque Nacional da Serra da Canastra, Minas Gerais. Em Extensão 16, 97-114.

Messias, C.G., Ferreira, M. C., 2017. Aplicação do método de classificação contínua Fuzzy para o mapeamento da fragilidade do terreno em relação à ocorrência de ravinas no Parque Nacional da Serra da Cantra. Raega 39, 111-127.

Mihalic, T., 2016., Sustainable-responsible tourism discourse – Towards’ responsustable’ tourism. Journal of Cleaner Production 111, 461-470.

Montaño, M., 2002. Os recursos hídricos e o zoneamento ambiental: o caso do município de São Carlos (SP). Dissertação (Mestrado). São Carlos, Universidade de São Paulo.

Muruthi, P., 2006. The Process of Preparing a General Management Plan for a Protected Area. AWF WorkingPapers, 1-11.

Myers, N.; Mittermeier, R. A.; Mittermeier, C. G.; Fonseca, G. A. B.; Kent, J., 2000. Biodiversityhotspots for conservationpriorities. Nature 403, 853-858.

Nascimento, C. A.; Canto-Silva, C. R.; Melo, I. B. M.; Marques, S. C. M., 2016. A regulamentação da atividade de condução de visitantes nos Sistemas Estaduais de Unidades de Conservação do Brasil. Rev. Bras. Pesq. Tur. 10, 516-532.

Nazar, T. I. S., Rodrigues, S. C., 2019. Relevo do Chapadão do Diamante, Serra da Canastra/MG, Brasil: compartimentação e análise a partir dos aspectos geomorfométricos. Revista Brasileira de Geomorfologia 20, 69-88.

Neto, D.S.; Whitaker, D. S. A.; Vasconcelos, V. A.; 2018. Educação em Unidades de Conservação: Luta por direitos e direito à luta. Revista de Educação Popular. 17, 51-67.

Oliveira, F. B., Oliveira, C. H. R. de., Lima, J. S. de S., Miranda, M. R., Filho, R. B. R., Turbay, E. R. M. G., Ferraz, F., 2014. Definição de áreas prioritárias ao uso público no parque estadual da Cachoeira da Fumaça - ES, utilizando geoprocessamento. Rev. Árvore 38, 1027-1036.

Oliveira, F. S., 2019. Turismo sustentável e riqueza social: bases para o desenvolvimento da economia local. Revista Gestão e Desenvolvimento 16, 03-28.

Oliveira, L. R. C. N. de., Barros, M. I. A. de., Buchianeri, V. C. (Org.)., 2008. Manual de Construção e Manutenção de Trilhas. São Paulo.

Park, D., Kim, J., Kim, W.G., Park, H., 2019. Does distance matter? Examining the distance effect on tourists' multi-attraction travel behaviors. Journal of Travel & Tourism Marketing, 36, 692-709.

Prates, A. P. L., De Azevedo I. M., 2015. Conservação da biodiversidade e políticas públicas para as áreas protegidas no Brasil: desafios e tendências da origem da CDB às metas de Aichi. Revista Brasileira de Políticas Públicas 5, 27-57.

Rangel, L, A.; Botelho, L.; Machado, R. G., 2017. Análise Ambiental da trilha Sahy-Rubião no Parque Estadual Cinhambebe emMangaratiba (RJ) por meio de um Protocolo de Avalização Rápida. Geo UERJ 1, 391-418.

Rech, I. F., Perello, L. F. C., Canto-Silva, C. R., 2018. Panorama do uso público em Parques Estaduais do Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Ecoturismo 10, 919-937.

Reis, A. F., Queiroz, O. O. T. M. M., 2017. Visitação no parque estadual da Cantareira (PEC): Reflexões sobre o uso recreativo de uma Unidade de Conservação (UC). Revista de Turismo Contemporâneo 5, 42-60.

Resende, F. M., 2018. Planejamento para conservação de serviços ecossistêmicos no Cerrado. Tese (Doutorado). Goiânia, Universidade Federal de Goiás, .

Riondet-Costa, D. R. T., Botezelli, L., Silva, B. G., Farias, O. L. M, 2013. Zonas de amortecimento em Unidades de Conservação: Levantamento Legal e Comparativo das Normas nos Estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo. Desenvolvimento e Meio Ambiente 26, 57-70.

Rocha, I. L. de O., Carvalho, R. de C. R., Rocha, W. W., Reis, M. J., Pires, B. S., 2018. Avaliação da aplicação de carga antrópica em uma trilha no Parque Nacional da Serra da Canastra (Estado de Minas Gerais, Brasil). Revista Brasileira de Gestão Ambiental e Sustentabilidade 5,291-300.

Rocha, M., Pin, J. R. O., Goés, Y. C. B., Rodrigues, L. A., 2017. O potencial das trilhas ecológicas como instrumento de sensibilização ambiental: o caso do Parque Nacional da Tijuca. Revista multidisciplinar de ensino 6, 81-96.

Rodrigues, A. S., COLLARES, A. C. Z. B., 2017. Proposta de uso sustentável na Bacia Hidrográfica do Ribeirão Formiga em Delfinópolis-MG. Sociedade & Natureza 29, 337-350.

Rodrigues, E. N. L., Milton de S. M. J., Patrícia, E. S. R., Ricardo, O, 2015. Diversity, composition and phenology of araneid orb-weavers (Araneae, Araneidae) associated with riparian forests in Southern Brazil. Iheríngia 105, 53-61

Sano, E. E., Rodrigues, A. A., Martins, E. S., Bettiol, G. M., Bustamante, M. M. C., Bezerra, A. S., Couto JR., A. F., Vasconcelos, V., Schüler, J., Bolfe, E. L., 2019. Cerrado ecoregions: A spatial framework to assess and prioritize Brazilian savanna environmental diversity for conservation. Journal of Environmental Management, 232, 818-828.

Santos, W. A., Almeida, A. Q., Cruz, J. F., Mello, A. A., Santos, R.B., Loureiro, D.C., 2017. Conflito de uso da terra em áreas de preservação permanente da bacia do rio Piauitinga, Sergipe, Brasil. Rev.Cienc. Agrar. 60, 19-24.

Saraiva, V. I. C.; Silva, A. S. da.; Santos, J. P. C. dos, 2016. Uso do mapa de solos como subsídio para definição de áreas de suscetibilidade à erosão na Bacia Hidrográfica São João, Lagos e Una. Geo Uerj, Rio de Janeiro, 29, 354-373.

Scolozzi, R., Schirpke, U., Morri, E., D'amato, D., Santolini, R., 2014. Ecosystem services-based SWOT analysis of protected areas for conservation strategies. Journal Environmental Management. 146, 543-551.

Silva, M. M., Netto, T. A., Azevedo, L. F., Scarton, L. P., Hilig, C., 2012. Trilha Ecológica como prática de Educação Ambiental. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental 5, 705-719.

Silva, R.F. T. da., 2015. Manual de Direito Ambiental. 5. ed. JusPodivm, Salvador.

Souza, T. do V. S. B., Thapa, B., Rodrigues, C. G. de O., Imori, D., 2017. Contribuições do Turismo em Unidades de Conservação Federais para a Economia Brasileira. ICMBio, Brasília.

Teixeira, P. R., Michelin, R. L., 2017. Mapeamento dos indicadores de impacto ambiental e manejo na trilha do Parque Nacional do Viruá-Roraim. Turismo – Visão e ação 19, 270-291.

Tomczyk, A. M., Ewertowski, M., 2013. Planning of recreational trails in protect areas: application of regression tree analysis and geographic information systems. Applied Geography, 40, 339-351.

Trigo, L. G. G., Panosso Netto, A., Carvalho, M. A., Pires, P. dos S., 2005. Análises regionais e globais do turismo brasileiro 1ª Ed. Roca, São Paulo.

Trindade, S. P., Rodrigues, R. de Á., 2016. Uso do solo na microbacia do Ribeirão Samambaia e sua relação com a suscetibilidade à erosão laminar. Revista Geografia Acadêmica 10, 163-181.

Vallejo, L. R., 2013. Uso público em áreas protegidas: atores, impactos, diretrizes de planejamento e gestão. Revista Eletrônica Uso Público em Unidades de Conservação 1, 13-26.

Vieira, H., Calliari, L. J., Oliveira, G. P. de., 2004. O estudo do impacto da circulação de veículos em praias arenosas através de parâmetros físicos: um estudo de caso. ENGEVISTA. 6, 54-63.

Xu, W., Xiao, Y., Zhang, J., Yang, W., Zhang, L., Hull, V., Wang, Z., Zheng, H., Liu, J., Polasky, S., Jiang, L., Xiao, Y., Shi, X., Rao, E., Lu, F., Wang, X., Dally, G. C., Ouyang, Z., 2017. Strengthening protected areas for biodiversity and ecosystem services in China. Proceedings of the National Academy of Sciences. 114, 1601–1606.

Matos, B. C. S., Ferreira, M. P. S., Zampieron, S. L. M., 2017. Formação de agentes disseminadores do processo de educação ambiental para unidades de conservação, com ênfase no Parque Nacional da Serra da Canastra, Minas Gerais. Em Extensão 16, 97-114.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.6.p2978-2991

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License