Análise da Vulnerabilidade Ambiental do Município de Inconfidentes - MG

Felipe Lanzoni Dellargine, Denise Silva Leão de Souza, Italo Rafael Costa de Mira, Gabriel Teófilo Guedes Silva, Márcio Luiz Silva

Resumo


A crescente ocupação de forma desordenada e desigual nos municípios brasileiros tem desencadeando desequilíbrios nos sistemas ambientais, gerando problemas de ordem funcional e estrutural no meio. Numa política que prima pela conservação e preservação ambiental, essa realidade demanda, cada vez mais, estudos prévios considerando as potencialidades e limitações dos sistemas naturais, como subsídios para o planejamento e gestão territorial. Nesse sentido, este artigo teve como objetivo realizar a análise e mapeamento da vulnerabilidade ambiental do Município de Inconfidentes – MG, segundo a metodologia estabelecida por Crepani et al. (2001). Os materiais e métodos abrangeram, além de atividades de campo, interpolação geoestatística, processamento digital de imagens e análise geoespacial, por meio de álgebra de mapas. Após mapeamento, foram definidos os graus de vulnerabilidade para as categorias geologia, geomorfologia, pedologia, clima, uso e ocupação da terra. O mapeamento de vulnerabilidade natural à perda de solo foi obtido a partir da média das variáveis geoambientais com seus respectivos pesos, via álgebra de mapas. Os resultados demonstraram que a maior parte do município, aproximadamente 66%, apresentam baixo grau de vulnerabilidade, com maior estabilidade ambiental e com predomínio do processo de pedogênese. Contudo, embora correspondendo a um percentual menor, as áreas com vulnerabilidade intermediária e com equilíbrio entre os processos de pedogênese e morfogênese demandam maior atenção do poder público e da sociedade, visando evitar a desestabilização destes meios e a instauração de processos degradacionais.

 

 

Analysis of Environmental Vulnerability in the Municipality of Inconfidentes - MG

 

A B S T R A C T

The increasing occupation in a disorderly and unequal way in Brazilian municipalities has triggered imbalances in environmental systems, generating functional and structural problems in the environment. In a policy that focuses on environmental conservation and preservation, this reality demands, more and more, previous studies considering the potentialities and limitations of natural systems, as subsidies for planning and territorial management. In this sense, this article aimed to perform the analysis and mapping of the environmental vulnerability of the Municipality of Inconfidentes - MG, according to the methodology established by Crepani et al. (2001). The materials and methods covered, in addition to field activities, geostatistical interpolation, digital image processing and geospatial analysis, through map algebra. After mapping, the degrees of vulnerability were defined for the categories geology, geomorphology, pedology, climate, land use and occupation. The mapping of natural Vulnerability was obtained from the mean of the geoenvironmental variables with their respective weights, via maps algebra. The results showed that the majority of the municipality, approximately 66%, has a low degree of vulnerability, with greater environmental stability and a predominance of the pedogenesis process. However, although corresponding to a smaller percentage, the areas with intermediate vulnerability and balance between pedogenesis and morphogenesis processes require greater attention from the public authorities and society, with a view to preventing the destabilisation of these resources and the introduction of degradational processes.

Keywords: Map algebra, average interfluvial dimension, stability of natural systems, valley’s depth, geostatistical interpolation, morphogenesis-pedogenesis relationship


Palavras-chave


Álgebra de mapas, dimensão interfluvial média, estabilidade de sistemas naturais, grau de entalhamento do vale, interpolação geoestatística, relação morfogênese-pedogênese

Texto completo:

PDF

Referências


Araújo, I. R. G., Gomes, E. R., Gonçalves, R. M., Queiroz, H. A. A., 2019. Estimativa do índice de vulnerabilidade à erosão costeira (IVC) para o litoral do Piauí, Brasil. Revista Brasileira de Geomorfologia 20, 105-118.

Bastos, A. S., Maniese, V., Gomes, F. B., 2015. Vulnerabilidade natural à erosão no sudoeste da Amazônia associada aos seus modos de ocupação – O caso do entorno da terra indígena Uru Eu Wau Wau. Revista Brasileira de Geomorfologia 16, 271-282.

Bandeira, A. P. N., Nunes, P. H. S., Lima, M. G. S., 2016. Gerenciamento de riscos ambientais em Municípios da região metropolitana do Cariri (Ceará). Ambiente & Sociedade 19, 81-100.

Brito, E. M., Mello, K., Costa, D. R., Faria, L. C., Valente, R. A., 2016. Geotecnologias aplicadas ao estudo do conflito de uso do solo visando o planejamento ambiental. Revista Irriga 21, 577-590.

Cobra, R. L., Silva, R. C., Oliveira, G. F. A. D., Miranda, D. L., 2019. Geoprocessamento aplicado ao levantamento e avaliação de solos: Proposta de avaliação de terras para fins agrícolas no Município de Inconfidentes – MG. Revista Brasileira de Geografia Física 12, 397-411.

CODEMGE. Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais, 2020. Mapa Geológico de Minas Gerais. Belo Horizonte: CODEMGE, 2014.

Costa, F.R., 2018. Análise da vulnerabilidade ambiental da bacia hidrográfica do Rio Doce (RN). Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN, Brasil.

Couto, R., Garcia, K. J., Silva, M. L., 2018. Conflitos de uso e ocupação do solo nas áreas de preservação permanente do Município de Inconfidentes–MG. Revista Brasileira de Geografia Física 11, 2244-2259.

Crepani, E., Medeiros, J. S., Azevedo, L. G., Duarte, V., Hernadez, P., Florenzano, T., Barbosa, C. C. F, 2001. Sensoriamento remoto e geoprocessamento aplicados ao zoneamento ecológico-econômico e ao ordenamento territorial. INPE. São José dos Campos.

Guimarães, F. S., Cordeiro, C. M., Bueno, G. T., Carvalho, V. L. M., Nero, M. A., 2017. Uma proposta para automatização do índice de dissecação do relevo. Revista Brasileira de Geomorfologia 18, 155-167.

Guirra, A.P.M., 2017. Novas contribuições ao modelo de fragilidade ambiental à processos erosivos: estudo de caso aplicado ao perímetro urbano de Rondonópolis, Mato Grosso. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Mato Grosso, Rondonópolis, MT, Brasil.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2020. Censo Demográfico 2010. IBGE, Rio de Janeiro.

Kreitlow, J. P., Silva, J. S. V., Neves, S. M. A. S., Neves, R. J., Neves, L. F. S., 2016. Vulnerabilidade ambiental e conflito no uso da terra no município de Mirassol D´Oeste, Brasil. Revista Brasileira de Cartografia 68, 1917-1936.

Leal, J. M., Aquino, C. M. S., Aquino, R. P., Valladares, G. S., 2019. Vulnerabilidade ambiental no município de São Miguel do Tapuio, Piauí: Bases para o ordenamento territorial. Revista Brasileira de Geografia Física 12, 608-621.

Lima, M. M. P., Silva, L., 2018. Análise da vulnerabilidade natural da bacia hidrográfica do rio Banabuiú, com apoio de geotecnologia. Revista Brasileira de Geografia Física 11, 1442-1457.

Lopes, M. S., Saldanha, D. L., 2016. Análise de vulnerabilidade natural à erosão como subsídio ao planejamento ambiental do oeste da bacia hidrográfica do Camaquã – RS. Revista Brasileira de Cartografia 68, 1689-1708.

Marques, M. L., Silva M. C., Camargo, D. M., 2017. Análise espacial da vulnerabilidade socioambiental no Município de Campinas, SP, Brasil. Revista Brasileira de Cartografia 69, 1857-1870.

Machado, T. C. E., Campos, M. C. C., Paganini, C. H. P., Maurício, J. C., Soares, M. D. R., 2017. Avaliação do uso e ocupação das áreas de preservação permanente nos anos de 2008 e 2013 na zona urbana de Humaitá, Amazonas. Revista Universidade Vale do Rio Verde 15, 744-750.

Mesquita, F. N., Silvestre, K. S., Steinke, V. A., 2017. Urbanização e degradação ambiental: análise da ocupação irregular em áreas de proteção permanente na região administrativa de Vicente Pires, DF, utilizando imagens aéreas do ano de 2016. Revista Brasileira de Geografia Física 10, 722-734.

Nunes, J. F., Roig, H. L., 2015. Análise do uso e ocupação do solo da Bacia do Alto do Descoberto DF/GO através de uma classificação automática baseada em lógica nebulosa. Revista Árvore 39, 25-36.

Nunes, A. B., Leite, E. F., 2017. Geoprocessamento aplicado ao estudo de caracterização física e ambiental da bacia hidrográfica do rio Areias no estado do Tocantins, Brasil. Espaço em Revista 19, 104-127.

Pagliarini, M. V. Mapeamento da vulnerabilidade ambiental da Bacia do Rio Siemens, Região Sudoeste-PR. 2018. 111 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Ambiental) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Francisco Beltrão, 2018.

Pavanin, E. V., Chuerubim, M. L., Lázaro, B. de O., 2017. Geoprocessamento aplicado ao estudo de vulnerabilidade do solo da bacia hidrográfica do córrego Guaribas em Uberlândia-MG. Revista Eletrônica de Engenharia Civil IMED 13, 17-31.

Pavanin, E. V., Chuerubim, M. L., Lázaro, B. O., Nishiyama L., 2016. Geoprocessamento aplicado ao diagnóstico de uso e ocupação do solo da bacia hidrográfica do córrego Guaribas em Uberlândia – MG. Revista de Engenharia Civil IMED 3, 24-38.

Prates, T. O. B., Amorim, R. R., 2017. Vulnerabilidade socioambiental das áreas sujeitas às inundações no Município de São João da Barra, RJ, Brasil. Revista do Departamento de Geografia – USP volume especial – eixo 8, 164-171.

Rovani, F. F. M., Cassol, R., Wollmann, C. A., Simioni, J. P., 2015. Análise da vulnerabilidade natural à perda de solo de Barão de Cotegipe, RS. Revista do Departamento de Geografia – USP 29, 262-278.

Santos, J.O., 2015. Relações entre fragilidade ambiental e vulnerabilidade social na susceptibilidade aos riscos. Mercator 14, 75-90.

Santos, R. D., Lemos, R. C., Santos, H. G., Ker, J. C., Anjos, L. H. C., 2015. Manual de descrição e coleta de solo no campo. 7. ed. Sociedade Brasileira de Ciência do Solo. Viçosa.

Santos, P., Martins, A., 2018. Análise da Vulnerabilidade Ambiental da Bacia Hidrográfica do Rio Claro (GO) Utilizando Geotecnologias. Revista do Departamento de Geografia - USP 36, 155-170.

Silva, D. A. N., Silva, M. L., Leonardi, F. A., 2015. Geoprocessamento aplicado ao planejamento urbano: proposta preliminar de expansão urbano no município de Inconfidentes – MG. Revista Brasileira de Geografia Física 8, 1191-1205.

Silva, P. J., 2015. Uso e ocupação do solo urbano: uma análise dos impactos ambientais nas áreas de dunas no bairro de Felipe Camarão/Natal - RN. Holos 5, 91-103.

Silva, L. C. N., Luchiari, A., 2016. Estimativa de perda de solos por erosão laminar na bacia hidrográfica do Córrego Baguaçu – SP. Revista do Departamento de Geografia – USP 32, 15-28.

Silveira, G. R. P., Campos, S., Gonçalves, A. K., Barros, Z. X., Pollo, R. A., 2015. Geoprocessamento aplicado na espacialização da capacidade de uso do solo em uma área de importância agrícola. Energia na Agricultura 30, 363-371.

Souza, A. C. C., Silva, M. L., 2016. Geoprocessamento aplicado ao levantamento de solos no município de Inconfidentes - MG. Revista Brasileira de Geografia Física 9, 200- 214.

Souza, S. O., 2015. Geotecnologias aplicadas à análise espaço-temporal do uso e da ocupação da terra na planície costeira de Caravelas (BA). Boletim Goiano de Geografia 35, 71-79.

Tricart. J., 1977. Ecodinâmica. Rio de Janeiro: IBGE.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.07.p3602-3624

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License