Análise e Mapeamento da Fragilidade Ambiental no Município de Inconfidentes – MG

Denise Silva Leão de Souza, Felipe Lanzoni Dellargine, Italo Rafael Costa de Mira, Gabriel Teófilo Guedes Silva, Márcio Luiz Silva

Resumo


Esta pesquisa teve como objetivo analisar a fragilidade ambiental potencial e emergente do Município de Inconfidentes - MG, baseado no método prescrito por Ross (2012). A metodologia abrangeu, além de atividades de campo, interpolação geoestatística, processamento digital de imagens e análise geoespacial, por meio de álgebra de mapas. Após mapeamento, foram definidas as classes e graus de fragilidade para as variáveis unidades litoestratigráficas, declividades, precipitação pluviométrica, solos e classes de uso da terra e cobertura vegetal. O índice de dissecação do relevo foi determinado segundo a literatura especializada. Os mapeamentos de fragilidade ambiental potencial (FAP) e emergente (FAE) foram obtidos a partir da média ponderada das variáveis geoambientais com seus respectivos pesos. Os resultados demonstraram que cerca de 70% do município possui fragilidade ambiental com classe média, tanto potencial quanto emergente. Os altos índices de fragilidade com classe forte relacionaram-se com as áreas próximas ao leito fluvial do Rio Mogi Guaçu, regiões mais frágeis e propícias aos processos de degradação ambiental. Os estudos de fragilidade emergente, por considerarem as intervenções humanas no meio, exigem, a curto prazo, ações na busca de preservação ambiental, visando evitar a degradação e desestabilização dos sistemas naturais. Considerado políticas conservacionistas e preservacionistas, os estudos de fragilidade com índice de dissecação do relevo (FAPidr e FAEidr) se mostraram mais eficientes para fundamentar estudos de planejamento, zoneamento e gestão ambiental.

 

Analysis and Mapping of Environmental Fragility in the Municipality of Inconfidentes - MG

A B S T R A C T

This research aimed to analyze the potential and emerging environmental fragility of the Municipality of Inconfidentes - MG, based on the method prescribed by Ross (2012). The methodology included, in addition to field activities, geostatistical interpolation, digital image processing and geospatial analysis, through map algebra. After mapping, the classes and degrees of fragility were defined for the variables lithostratigraphic units, slopes, rainfall, soils and classes of land use and vegetation cover. The relief dissection index was determined according to the specialized literature. The mappings of potential environmental fragility (PEF) and emerging (EEF) were obtained from the weighted average of the geoenvironmental variables with their respective weights. The results showed that about 70% of the municipality has environmental fragility with medium class, both potential and emerging. The high rates of fragility with strong class were related to the areas near the riverbed of the Mogi Guaçu River, more fragile regions and conducive to environmental degradation processes. Studies of emerging fragility, because they consier human interventions in the environment, require, in the short term, actions in the search for environmental preservation, aiming to avoid the degradation and destabilization of natural systems. Considering of conservation and preservationist policies, the studies of fragility with relief dissection index (PEFrdi and EEFrdi) proved more efficient to support studies of planning, zoning and environmental management.

Keywords: Map algebra, geospatial analysis, relief dissection index, geostatistical interpolation, digital image processing.


Palavras-chave


Álgebra de mapas, análise geoespacial, índice de dissecação do relevo, interpolação geoestatística, processamento digital de imagens

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, J. L., Silva, V. A. R., dos Santos, J. S., Nascimento, J. R., Santos, M. L. S. D. A., Pyles, M. V., Silva, F. B. 2020. O cenário de fragilidade ambiental do baixo curso do Rio Mearim. Revista Brasileira de Geografia Física 13, 102-120.

Bacani, V.M., Sakamoto A.Y., Luchiari A., Quénol, H., 2015. Sensoriamento remoto e SIG aplicados à avaliação da fragilidade ambiental de bacia hidrográfica. Mercator 14, 119-135.

Brito, E. M., Mello, K., Costa, D. R., Faria, L. C., Valente, R. A., 2016. Geotecnologias aplicadas ao estudo do conflito de uso do solo visando o planejamento ambiental. Revista Irriga 21, 577-590.

Caetano, A. L., Barbosa, F. S., 2019. Probabilidade de ocorrência de chuvas extremas para a região de Inconfidentes - MG. Revista Brasileira de Climatologia 25, 537-548.

Cobra, R. L., Silva, R. C., Oliveira, G. F. A. D., Miranda, D. L., 2019. Geoprocessamento aplicado ao levantamento e avaliação de solos: Proposta de avaliação de terras para fins agrícolas no Município de Inconfidentes – MG. Revista Brasileira de Geografia Física 12, 397-411.

CODEMGE. Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais, 2020. Mapa Geológico de Minas Gerais. Belo Horizonte: CODEMGE, 2014.

Costa, L. R. F., Oliveira, V. P. V., Santos, J. O., 2019. Fragilidade ambiental no contexto de sítio urbano na sub-bacia hidrográfica do Rio Banabuiú - Ceará. Revista Brasileira de Geografia Física 12, 2580-2594.

Couto, R., Garcia, K. J., Silva, M. L., 2018. Conflitos de uso e ocupação do solo nas áreas de preservação permanente do Município de Inconfidentes - MG. Revista Brasileira de Geografia Física 11, 2244-2259.

Cunha, J. E., Nóbrega, M. T., Castro, S. S., Fátima Guimarães, M. 2016. Escoamento superficial e perdas de solos por erosão hídrica em uma topossequência sobre o arenito Caiuá no noroeste do estado do Paraná. Boletim de Geografia 34, 141-153.

Dias, F. G., Cirilo, B. B., 2018. Diagnóstico da fragilidade ambiental da bacia do Rio Caeté/PA como subsídio ao planejamento ambiental. Geoambiente 32, 74-95.

França, L. C. J., Piuzana, D., Ross, J. L. S., 2017. Fragilidade ambiental potencial e emergente em núcleo de desertificação no semiárido brasileiro (Gilbués, Piauí). Revista Espacios 38, 21-38.

Garófalo, D. F. T., Ferreira, M. C., 2015. Mapeamento da fragilidade ambiental por meio de análise geoespacial: uma aplicação na alta bacia dos Rios Piracicaba e Sapucaí-Mirim, APA Fernão Dias, MG. Revista do Departamento de Geografia - USP 29, 212-245.

Gonçalves, S. R. A., de Araújo, R. R., Imai, N. N., 2016. Mapeamento do grau de fragilidade com processo analítico hierárquico e operadores Fuzzy Gama na detecção áreas de fragilidade ambiental. Revista Brasileira de Cartografia 68, 327-337.

Gouveia, I. C. M., Ross, J. L. S., 2019. Fragilidade ambiental: uma proposta de aplicação de geomorphons para a variável relevo. Revista do Departamento de Geografia - USP 37, 123-136.

Guimarães, F. S., Cordeiro, C. M., Bueno, G. T., Carvalho, V. L. M., Nero, M. A., 2017. Uma proposta para automatização do índice de dissecação do relevo. Revista Brasileira de Geomorfologia 18, 155-167.

Guirra, A. P. M., 2017. Novas contribuições ao modelo de fragilidade ambiental à processos erosivos: estudo de caso aplicado ao perímetro urbano de Rondonópolis, Mato Grosso. Dissertação (Mestrado em Geografia) Rondonópolis, Universidade Federal de Mato Grosso.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2015. Manual técnico de pedologia: guia prático de campo. IBGE. Rio de Janeiro.

INCONFIDENTES. Prefeitura Municipal de Inconfidentes, 2015. Economia. Disponível: https://www.inconfidentes.mg.gov.br. Acesso: 21 jun. 2020.

Machado, T. C. E., Campos, M. C. C., Paganini, C. H. P., Maurício, J. C., Soares, M. D. R., 2017. Avaliação do uso e ocupação das áreas de preservação permanente nos anos de 2008 e 2013 na zona urbana de Humaitá, Amazonas. Revista Universidade Vale do Rio Verde 15, 744-750.

Marent, B. R., Valadão, R. C., Manfré, L. A., Nobrega, R. A. A., 2018. Espacialidade e evolução da incisão de vales fluviais a partir da dissecação do relevo nos degraus escalonados do sudeste de Minas Gerais-Brasil. Revista Brasileira de Geomorfologia 19, 709-719.

Martins, R. N., Colares, A. P. F., Almeida, S. L. H., Zanella, M. A., Nery, C. V. M., 2018. Fragilidade potencial e emergente na bacia do rio Peruaçu, região norte de Minas Gerais. Revista Brasileira de Geomática 6, 99-118.

Mesquita, F. N., Silvestre, K. S., Steinke, V. A., 2017. Urbanização e degradação ambiental: análise da ocupação irregular em áreas de proteção permanente na região administrativa de Vicente Pires, DF, utilizando imagens aéreas do ano de 2016. Revista Brasileira de Geografia Física 10, 722-734.

Neto, M. C. P., Fernandes, E., 2015. fragilidade ambiental da bacia hidrográfica do Rio Seridó (RN/PB–Brasil). Revista Brasileira de Geomorfologia 16, 399-411.

Nunes, J. F., Roig, H. L., 2015. Análise do uso e ocupação do solo da Bacia do Alto do Descoberto DF/GO através de uma classificação automática baseada em lógica nebulosa. Revista Árvore 39, 25-36.

Nunes, J. F., Roig, H. L., 2016. Modelagem dos conflitos de uso e ocupação do solo como ferramenta para o planejamento territorial: o caso da Bacia do Alto Curso do Rio Descoberto DF/GO. Revista Brasileira de Cartografia 68, 1285-1301.

Pereira, G. S., Gouveia, C. M. C., 2017. Análise da fragilidade ambiental do município de Álvares Machado – SP. Geografia em Atos 1, 18-36.

Perin, E. B., Vianna, L. F. N., Ricce, W. S., Massignam, A. M., Pandolfo, C., 2015. Interpolação das variáveis climáticas temperatura do ar e precipitação: revisão dos métodos eficientes. Revista Geografia, Rio Claro 40, 269-289.

Ross, J. L. S., 2012. Landforms and environmental planning: potentialities and fragilities. Revista do Departamento de Geografia – USP, volume especial de 30 anos, 38-51.

Santos, J. O., 2015. Relações entre fragilidade ambiental e vulnerabilidade social na susceptibilidade aos riscos. Mercator 14, 75-90.

Santos, L.A.C., Batista, A.C., Neves, C.O.M.; Carvalho, E.V. de.; Santos, M.M.; Giongo, M., 2017. Análise multitemporal do uso e cobertura da terra em nove municípios do Sul do Tocantins, utilizando imagens Landsat. Agro@mbiente 11, 111-118.

Santos, R. D., Lemos, R. C., Santos, H. G., Ker, J. C., Anjos, L. H. C., 2015. Manual de descrição e coleta de solo no campo. 7. ed. Sociedade Brasileira de Ciência do Solo. Viçosa.

Schiavo, B. N.V., Hentz, A. M. K., Dalla Corte, A. P., Sanquetta, C. R., 2016. Caracterização da fragilidade ambiental de uma bacia hidrográfica urbana no município de Santa Maria – RS. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental 20, 464-474.

Silva, D. A. N., Silva, M. L., Leonardi, F. A., 2015. Geoprocessamento aplicado ao planejamento urbano: proposta preliminar de expansão urbano no Município de Inconfidentes – MG. Revista Brasileira de Geografia Física 8,1187-1201.

Silveira, G. R. P., Campos, S., Gonçalves, A. K., Barros, Z. X., Pollo, R. A., 2015. Geoprocessamento aplicado na espacialização da capacidade de uso do solo em uma área de importância agrícola. Energia na Agricultura 30, 363-371.

Souza, A. C. C., Silva, M. L., 2016. Geoprocessamento aplicado ao levantamento de solos no Município de Inconfidentes - MG. Revista Brasileira de Geografia Física 9, 200-214.

Souza, S. O., 2015. Geotecnologias aplicadas à análise espaço-temporal do uso e da ocupação da terra na planície costeira de Caravelas (BA). Boletim Goiano de Geografia 35, 71-79.

Trevisan, D. P., Moschini, L. E., 2016. Determinação da fragilidade ambiental do município de São Carlos, São Paulo, Brasil. Geografia Ensino & Pesquisa 20, 159-167.

Tricart. J., 1977. Ecodinâmica. Rio de Janeiro: IBGE.

Valle, I. C., Francelino, M. R., Pinheiro, H. S. K., 2016. Mapeamento da fragilidade ambiental na Bacia do Rio Aldeia Velha, RJ. Floresta e Ambiente 23, 295-308.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.5.p2269-2292

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License