Diagnóstico Físico Conservacionista (DFC) como metodologia para a quantificação da degradação ambiental na bacia hidrográfica do Rio Judia - Acre

Francisco Ivam Castro do Nascimento, Waldemir Lima dos Santos, Derlangela Lira da Silva, Rodrigo Otávio Peréa Serrano

Resumo


A degradação ambiental de uma bacia hidrográfica pode ser resultado de uma série de ações geradas pela atividade antrópica, podendo ser analisadas de forma sistêmica através do diagnóstico físico conservacionista, para diagnosticar os impactos ambientais negativos e ajudar no planejamento ambiental das bacias hidrográficas. Neste trabalho foi aplicada a metodologia do Diagnóstico físico conservacionista (DFC) na bacia hidrográfica do Rio Judia, localizada em Rio Branco – Acre. Para isso, os parâmetros foram adaptados para a realidade local, sendo aplicados por meio de técnicas de geoprocessamento, a fim de identificar e quantificar o grau de degradação da bacia hidrográfica entre os anos de 2006 à 2019. Os resultados apontaram que, o médio curso obteve o maior grau de degradação, 23. O baixo curso obteve valor 22 e o auto curso valor 21. Todos os três cursos da bacia hidrográfica tiveram valores elevados de degradação, indicando que recursos naturais como solo, floresta e água encontram-se ameaçados por atividades antrópicas como: pecuária, uso indiscriminado da água e ocupações irregulares. Conclui-se que a metodologia do DFC possibilitou a correta identificação quanto ao grau de degradação da bacia do Rio Judia, apontando os parâmetros que mais contribuíram para o atual cenário ambiental.


Referências


ACRE. Governo do Estado do Acre. Zoneamento Ecológico-Econômico do Estado do Acre, Fase II (Escala 1:250.000): Documento Síntese. 2. Ed. Rio Branco: SEMA, 2010. 356p.

Alves, T.M., Pena, D.S., Casaroli, D., Evangelista, A.W.P., Almeida, R.T.S., 2018. Diagnóstico Físico Conservacionista da microbacia do Ribeirão Inhumas -GO. Revista Geonorte, v. 9, n. 33, p. 66-80. DOI: https://doi.org/10.21170/geonorte.2018.V.9.N.33.066.080. Acesso: 14 jul. 2020.

Beltrame, A.V., 1994. Diagnóstico do meio físico de bacias hidrográficas: modelo e aplicação. Florianópolis: Ed. da UFSC, 112 p.

Carvalho, H.J.M., Ribeiro, C.A.M., Santos, M.A., Carvalho, P.V.R., 2019. Estimativa de perda de solo por erosão laminar em Lucena-PB. Revista de Geociências do Nordeste, v. 5, n especial, p. 1-12. DOI: https://doi.org/10.21680/2447-3359.2019v5n0ID17972. Acesso: 17 jul. 2020.

Cavalcante, A.E.Q.M., Mendonça, I.F.C., Lima, J.R.L., Medeiros, F.S., Silva, R.P.S., Justino, S.T.P., Freitas, A.L, Almeida, E.P., Vidalett, S.F., 2019. Physical and Conservational Diagnoses of the Hydrographic Micro - Bacy of Rio Farinha. Jornal de Agricultura Experimental Internacional, v. 31, p. 1-14. DOI: https://doi.org/10.9734/jeai/2019/v31i130062. Acesso: 27 jul. 2020.

CHALISE, Devraj; KUMAR, Lalit. (2020) Land use change affects water erosion in the Nepal Himalayas. PLoS ONE 15(4): e0231692. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0231692

CHUEH, A.M; SANTOS, L.J.C., 2005. Análise do potencial de degradação ambiental na bacia hidrográfica do Rio Pequeno em São José dos Pinhais/PR, por meio do DFC - Diagnóstico Físico Conservacionista. R. RA´E GA, n. 10, p. 61-71. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v10i0.4987

Crepani, E., Medeiros, J.S., Palmeira, A.F., 2004. Intensidade Pluviométrica: uma maneira de tratar dados pluviométricos para análise da vulnerabilidade de paisagens à perda de solo. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), São José dos Campos - SP. Disponível em: http://mtc-m12.sid.inpe.br/rep/sid.inpe.br/sergio/2004/08.24.10.43?mirror=sid.inpe.br/banon/2001/04.06.10.52.39&metadatarepository=sid.inpe.br/sergio/2004/08.24.10.43.26. Acesso em jul 2020.

Farias, E.S., Quinelato, R.V., Brito, J.M.S., Andrade, D.S., Silva, J.B.L., 2020. Evolução temporal no uso e ocupação do solo no município de Itanhém, Bahia. Brazilian Journal of Development, v. 6, n. 2, p. 9161-9130. DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n2-287.

Filho, B.C., Bhering, S.B., Junior, W.C., Calderano, S.B., Chagas, C.S., Polivanov, H.. 2019. Uso e cobertura vegetal das terras de áreas tropicais montanhosas da serra dos Órgãos, estado do Rio de Janeiro/Land use and vegetation cover of mountainous tropical areas in Serra dos Orgãos mountain range, state of Rio de Janeiro. Brazilian Journal of Animal and Environmental Research, v. 2, n.4. Disponível: http://www.brazilianjournals.com/index.php/BJAER/article/view/2585/2784. Acesso: 17 jun. 2020.

GIORDANO, L; FERRARO, L. Conservation or development? An environmental function analysis assessment of the Volturno River coastal zone (central Tyrrhenian Sea – Italy). Journal of Coast Conservation 24, 6 (2020). https://doi.org/10.1007/s11852-019-00717-8

GRUPO de estudos e serviços ambientais (2019). AcreBioClima, Rio Branco - Acre. Disponível em: http://www.acrebioclima.pro.br/. Acesso: 01 jun de 2020.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatisca, 2013. Manual Técnico de Uso da Terra. Séries Manuais Técnicos em Geociências. 3 ed. Rio de Janeiro, n. 7. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv81615.pdf. Acesso: 9. jul de 2020.

KABUYA, Pierre M. Establishing uncertainty ranges of hydrologic indices across climate and physiographic regions of the Congo River Basin. Journal of Hydrology: Regional Studies. Volume 30, August 2020, 100710. https://doi.org/10.1016/j.ejrh.2020.100710

Leal, A.C. Planejamento ambiental de bacias hidrográficas como instrumento para o gerenciamento de recursos hídricos. Entre-Lugar, ano 3, n.6, p 65-84, 2012. Disponível em: http://ojs.ufgd.edu.br/index.php/entre-lugar/article/view/2447/1398. Acesso: 16 jul. 2020.

Lima, W.P. Hidrologia florestal aplicado ao manejo de bacias hidrográficas. Piracicaba – São Paulo, 245p. 2008. Disponível em: http://www.faesb.edu.br/biblioteca/wp-content/uploads/2017/09/hidrologia1.pdf. Acesso em 16 jul. 2020.

Martins, W.L.D., Blanco, C.J.C., Melo, A.M.Q., 2020. Potencial erosivo das chuvas nos estados do Maranhão e Pará via análise da distribuição espacial da erosividade. Geoambiente (On-line), v. 36. Disponível: https://www.revistas.ufg.br/geoambiente/article/view/60668/34682. Acesso: 28 jun. 2020.

Oliveira, J.L., Fehr, M., 2020. Análise da Vulnerabilidade Erosiva Para a Bacia Hidrográfica do Ribeirão Conquistinha no Oeste de Minas Gerais, Brasil. Revista Brasileira de Geografia Física, v. 12, n. 7, p. 2428-2444, jan. DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v12.7.p2428-2444. Acesso: 11 ago. 2020.

Oliveira, T.H., Galvíncio, J.D., 2008. Caracterização ambiental da bacia hidrográfica do rio Moxotó – PE usando sensoriamento remoto termal. Revista Brasileira de Geografia Física, v. 1, n. 2, p. 30-49. DOI: https://doi.org/10.5935/1984-2295.20080009. Acesso: 19 ago. 2020.

Olszevski, N.; Filho, E.I.F.; Costa, L.M., Schaefer, C.E.G.R., Souza, E., Costa, O.D.A.V. (2011) Morfologia e aspectos hidrológicos da bacia hidrográfica do rio Preto, divisa dos estados do Rio de Janeiro e de Minas Gerais. Revista Árvore, v. 35, n. 3, p. 485-492, 2011. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622011000300011. Acesso: 20 ago. 2020.

Pavanis, E.V, Chuerubim, M.L., 2013. Geoprocessamento da bacia do córrego vinhedo em Uberlândia - MG. Boletim Goiano de Geografia (Online), Goiás, v. 33, n. 2, p. 135 - 153, julho de 2013. DOI: https://doi.org/10.5216/bgg.v33i2.25561. Acesso: 10 jul. 2020.

Ramos, A.P.M. Rodrigues, B.M., Osco, L.P., Antunes, P.A., 2018. Abordagem sistemática de projeto cartográfico para a análise da qualidade ambiental de bacia hidrográfica. Revista Brasileira de Geografia Física (Online), v. 11, n. 3, p. 1079-1100. DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v11.3.p1079-1100. Acesso: 01 ago. 2020.

Roboredoa, D.; Bergamascob, S.M.P.P., Bleicha, M.E., 2016. Aggregate index of social–environmental sustainability to evaluatethe social–environmental quality in a watershed in the Southern Amazon. Ecological Indicators, v. 63, p. 337-345. DOI: https://doi.org/10.1016/j.ecolind.2015.11.042. Acesso: 15 ago. 2020.

Sampaio, M.V., Santos, M.S., Rocha, J.S.M., Paula, M.D., Mendes, A.V., 2010. Deterioração físico-conservacionista da sub - bacia hidrográfica do Rio Ibicuí-Mirim – RS. Ciênc. agrotec. v. 34, n. 2, 2010. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-70542010000200005. Acesso: 18 ago. 2020.

Silva, V.F., Pereira, J.S.P., Cosme, A.M.F., Pessoa, D.S., Martins, W.A., Lima, V.L.A., Dantas Neto, J., 2020. Análise da degradação da vegetação nativa em área de preservação permanente na Paraíba. Revista Brasileira de Geografia Física, v. 13, n. 1, p. 121-130. DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.1.p121-130. Acesso: 25 jun. 2020

Vieira, D.M.S., Torres, J.L.R., Barreto, A.C., 2019. Avaliação morfométrica e vazão da microbacia do Córrego do Inhame, em Uberaba-MG. Revista Brasileira de Ciência, Tecnologia e Inovação, v. 3, n. 2, p. 105-114, 2019. DOI: https://doi.org/10.18554/rbcti.v3i2.3331. Acesso: 23 mai. 2020.

Xavier, F.V., Karoley, L.C., Silveira, A., Salomão, F.X.T., 2010. Análise da Suscetibilidade à Erosão Laminar na Bacia do Rio Manso, Chapada dos Guimarães, MT, Utilizando Sistemas de Informações Geográficas. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 11, n. 2, p. 51-60. Disponível em: http://www.lsie.unb.br/rbg/index.php/rbg/article/view/151/145. Acesso: 06 jul. 2020.

Wisler, C.D. e Brater, E. F. Hidrologia. Ao Livro Técnico. Rio de Janeiro, 484 p, 1964.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v14.2.p%25p

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License