Uso do LiDAR para avaliar os padrões hídricos de bacias em áreas urbanas: Caracterização fisiográfica da bacia do Rio Beberibe, PE

Gabriel Antonio Silva Soares, Josiclêda Domiciano Galvíncio

Resumo


A caracterização fisiográfica, consiste no levantamento dos principais parâmetros fisiográficos de uma bacia, que  podem ser extraídos de mapas, fotografias aéreas e imagens de satélite, e se apresenta como uma ferramenta útil ao planejamento e gestão dos recursos hídricos, por existir uma forte correspondência entre as características físicas de uma bacia hidrográfica e seu regime hidrológico. O presente estudo se propõe a caracterizar fisiograficamente a bacia hidrográfica do Rio Beberibe utilizando os dados do sensor LiDAR com resolução espacial de 5 m em uma escala de 1:5000, provenientes do programa PE3D (Pernambuco Tridimensional). Os resultados obtidos sobre os parâmetros geométricos, levaram à conclusão de que a bacia hidrográfica do Rio Beberibe não é naturalmente propensa à ocorrência de enchentes, por possuir uma forma alongada. Sobre os padrões de drenagem, foi possível concluir que a bacia possui uma drenagem rica e escoamento superficial fluido e ágil, que seus canais possuem perfis retilíneos, e que se trata de uma bacia de 6ª ordem. Acerca das características do relevo, foi constatado que a bacia não possui picos de altitudes elevados, porém uma considerável amplitude altimétrica, além de que na declividade da bacia não estão apresentadas inclinações bruscas.

 

 

Using LiDAR to evaluate water patterns in urban areas basin: Physiographic characterization of the Rio Beberibe basin, PE

 

A B S T R A C T

The physiographic characterization consists in the survey of the main physiographic parameters of a basin, which can be extracted from maps, aerial photographs and satellite images, and presents itself as a useful tool for planning and management of water resources, as a consequence of the influence between the physical characteristics of a river basin and its hydrological behaviour. The selection of the Beberibe river basin for the development of this research was made due to their importance for the macrodrainage of the state of Pernambuco, and because they are located in an area of strong urban activity. Thus, these areas present strong socioeconomic activity, which configures them as spaces where water planning is crucial for the conscious use of their resources. Faced with this scenario, the present study proposes to physiographically characterize the Beberibe river basin using LiDAR sensor data with a spatial resolution of 5 m on a scale of 1:5000, from the PE3D program (Three-Dimensional Pernambuco). The main morphometric parameters obtained for the Beberibe River basin were grouped into three groups of characteristics. The geometric characteristics, which consist of the following parameters: drainage area (A), basin perimeter (P), axial length (L), compacity coefficient (Kc), shape factor (Kf), and circularity index (IC). The characteristics of the drainage network, which consists in the survey of the following parameters: length of the main river (Lc), total length of the channels (Lt), basin order, drainage density (Dd), hydrographic density (Dh), sinuosity index (Is), and average runoff length (


Palavras-chave


manejo de bacias hidrográficas, sensoriamento remoto, planejamento urbano, fisiografia

Texto completo:

PDF

Referências


APAC. Agência Pernambucana de Águas e Climas, 2014. Bacias Hidrográficas. Recife.

Ayoade, J. O, 1996. Introdução à climatologia para os trópicos, 4ª. ed. Bertrand Brasil, Rio de Janeiro.

Barrella, W., Petrere Junior, M., Smith, W. S. & Montag, L. F. de A., 2001. As relações entre as matas ciliares, os rios e os peixes, in: Rodrigues, R. R. & Leitão Filho H. de F. (Eds.), Matas ciliares: conservação e recuperação. Editora da USP, São Paulo, pp. 187-207.

BRASIL, 1997. Lei n. 9.433, de 8 de janeiro de 1997.

Brown, J. D., Spencer, T., & Moeller, I., 2007. Modeling storm surge flooding of an urban area with particular reference to modeling uncertainties: A case study of Canvey Island, United Kingdom. Water Resources Research [Online] 43(6). Disponível: doi.org/10.1029/2005WR004597. Acesso: 10 dez. 2019.

Campos, H. L., 2008. O Rio Beberibe e sua importância para o abastecimento de água da Região Metropolitana do Recife – RMR: uma perspectiva histórica. Clio - Série de Revista de Pesquisa Histórica [Online] 26(1). Disponível: revistaclio/article/view/24203. Acesso: 20 jan. 2020.

Cardoso, C. A., Dias, H. C., Soares, C. P., & Martins, S. V., 2006. Caracterização morfométrica da bacia hidrográfica do rio Debossan, Nova Friburgo, RJ. Revista Árvore [Online] 30(2). Disponível: doi.org/10.1590/S0100-67622006000200011. Acesso: 5 mar. 2020.

Chorley, R., 1995. Horton, R. E. 1945: Erosional development of streams and their drainage basins: Hydrophysical approach to quantitative morphology. Bulletin of the Geological Society of America 56, 2 75-3 70. Progress in Physical Geography: Earth and Environment [Online] 19(4). Disponível: doi.org/10.1177%2F030913339501900406. Acesso: 10 fev. 2020.

Christofoletti, A., 1969. Análise morfométrica de bacias hidrográficas. Notícia Geomorfológica, 18(9), 35-64.

Christofoletti, A., 1981. Geomorfologia fluvial, 1ª ed. Edgard Blücher, São Paulo.

Costa, M. F. & Souza, S. T., 2002. A Zona Costeira Pernambucana e o caso especial da Praia da Boa Viagem: Usos e Conflitos, in: Yoshiya Nakagawara Ferreira. (Org.), Construção do Saber Urbano Ambiental: a caminho da transdisciplinaridade. Editora Humanidades, Londrina, pp. 1-20.

Dias, A. A., Aquino, C. M., & Santos, F. D., 2020. Caracterização Ambiental e Análise Morfométrica da Bacia Hidrográfica do Rio Itaueira, Piauí, Brasil. Geosaberes [Online], 11. Disponível: doi.org/10.26895/geosaberes.v11i0.853. Acesso: 22 abr. 2020.

Fewtrell, T. J., Duncan, A., Sampson, C. C., Neal, J. C., & Bates, P. D., 2011. Benchmarking urban flood models of varying complexity and scale using high resolution terrestrial LiDAR data. Physics and Chemistry of the Earth, Parts A/B/C, 36(7-8), 281-291. Disponível: doi.org/10.1016/j.pce.2010.12.011. Acesso: 08 dez. 2019.

Freitas, R. O., 1952. Textura de drenagem e sua aplicação geomorfológica. Boletim Paulista de Geografia [Online] 11. Disponível: agb.org.br/1366.

G1 PE. Globo Nordeste, 2012. Cobertura da cheia de 1975 no Recife foi marcante nos últimos 40 anos. Recife. 16 abr. 2012.

Galvíncio, J., & Sousa, F., 2004. Uso do Modelo TOPAZ para a Caracterização Fisiográfica da Bacia Hidrográfica do Açude Epitácio Pessoa. Revista Brasileira De Recursos Hídricos [Online] 9(4),. Disponível: doi.org/10.21168/rbrh.v9n4.p69-75. Acesso: 23 dez. 2019.

Gallegos, H. A., Schubert, J. E., & Sanders, B. F., 2009. Two-dimensional, high-resolution modeling of urban dam-break flooding: A case study of Baldwin Hills, California. Advances in Water Resources [Online] 32(8). Disponível: doi.org/10.1016/j.advwatres.2009.05.008. Acesso: 08 dez. 2019.

Hsu, M., Chen, S., & Chang, T., 2000. Inundation simulation for urban drainage basin with storm sewer system. Journal of Hydrology [Online] 234(1-2). Disponível: https://doi.org/10.1016/S0022-1694(00)00237-7. Acesso: 14 dez. 2019.

JC. Jornal do Commércio, 2016. Rio Beberibe transborda e alaga casas na Zona Norte do Recife. Recife. 09 mai. 2016.

Mason, D. C., Horritt, M. S., Hunter, N. M., & Bates, P. D., 2007. Use of fused airborne scanning laser altimetry and digital map data for urban flood modelling. Hydrological Processes [Online] 21(11). Disponível: https://doi.org/10.1002/hyp.6343. Acesso: 05 jan. 2020.

Mendes, C. A. B. & Cirilo, J. A., 2001. Geoprocessamento em recursos hídricos: princípios, integração e aplicação, 2ª ed. ABRH, Porto Alegre.

Oliveira, J. N., 1997. Classificação de características fisiográficas. Texto básico para a disciplina “Hidrologia Básica”. UNESP, São Paulo.

Ozdemir, H., Sampson, C. C., Almeida, G. A., & Bates, P. D., 2013. Evaluating scale and roughness effects in urban flood modelling using terrestrial LIDAR data. Hydrology and Earth System Sciences [Online] 17(10). Disponível: doi.org/10.5194/hess-17-4015-2013. Acesso: 18 dez. 2019.

Rodriguez, L. C. E., Polizel, J. L., Ferraz, S. F. de B., Zonete, M. F. & Ferreira, M. Z., 2010. Inventário florestal com tecnologia laser aerotransportada de plantios de Eucalyptus spp no Brasil. Ambiência [Online] 6. Disponível: https://revistas.unicentro.br/index.php/ambiencia/article/view/874. Acesso: 5 abr. 2020.

Sampson, C. C., Fewtrell, T. J., Duncan, A., Shaad, K., Horritt, M. S., & Bates, P. D., 2012. Use of terrestrial laser scanning data to drive decimetric resolution urban inundation models. Advances in Water Resources [Online] 41. Disponível: doi.org/10.1016/j.advwatres.2012.02.010. Acesso: 18 dez. 2019.

Schumm, S. A., 1956. Evolution Of Drainage Systems And Slopes In Badlands At Perth Amboy, New Jersey. Geological Society of America Bulletin [Online] 67(5). Disponível: doi.org/10.1130/0016-7606(1956)67[597:EODSAS]2.0.CO;2. Acesso: 22 jan. 2020.

SRHE/PE. Secretaria de Recursos Hídricos e Energéticos de Pernambuco, 2012. Projeto de dragagem do Rio Beberibe no trecho entre a BR-101 e a ponte da avenida Olinda (trechos 1 a 5). Recife.

Strahler, A. N., 1952. Hypsometric (Area-Altitude) Analysis Of Erosional Topography. Geological Society of America Bulletin [Online] 63(11). Disponível: doi.org/10.1130/0016-7606(1952)63[1117:HAAOET]2.0.CO;2. Acesso em:

Strahler, A. N., 1957. Quantitative analysis of watershed geomorphology. Transactions, American Geophysical Union [Online] 38(6). Disponível: doi.org/10.1029/TR038i006p00913. Acesso: 08 dez. 2019.

Tonello, K. C., 2005. Análise hidroambiental da bacia hidrográfica da Cachoeira das Pombas, Guanhães, MG. Dissertação (Mestrado). Viçosa, UFV.

Trentin, R. & Robaina, L. E., 2005. Metodologia para mapeamento geoambiental no oeste do Rio Grande do Sul. XI Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada 1, 3606-3615.

Tsubaki, R., & Fujita, I., 2010. Unstructured grid generation using LiDAR data for urban flood inundation modelling. Hydrological Processes [Online] 24(11). Disponível: doi.org/10.1002/hyp.7608. Acesso: 12 dez. 2019.

Tucci, C. E. M., 2000. Água no meio urbano. in: Rebouças, A. C., Braga Jr., B. P. F., & Tundisi, J. G. (Eds.), Águas doces no Brasil: capital ecológico, uso e conservação. Escrituras Editora, São Paulo, pp. 475-508.

Tucci, C. E. M., 2009. Hidrologia ciência e aplicação. Editora da UFRGS, Porto Alegre.

Valeriano, M. M., 2008. Dados topográficos, in: Florenzano, T.G. (Org.), Geomorfologia conceitos e tecnologias atuais. Oficina de Textos. São Paulo, 72-104.

Villela, S. M. & Mattos A. 1975. Hidrologia aplicada, 1ª ed. McGraw-Hill, São Paulo.

Wisler, C. O. & Brater, E.F., 1964. Hidrologia, 1ª ed. Ao Livro Técnico S.A, Rio de Janeiro.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.07.p3659-3674

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License