Uso do LiDAR para avaliar os padrões hídricos de bacias em áreas urbanas: Caracterização fisiográfica da bacia do Rio Beberibe, PE

Gabriel Antonio Silva Soares, Josiclêda Domiciano Galvíncio

Resumo


A caracterização fisiográfica, consiste no levantamento dos principais parâmetros fisiográficos de uma bacia, que  podem ser extraídos de mapas, fotografias aéreas e imagens de satélite, e se apresenta como uma ferramenta útil ao planejamento e gestão dos recursos hídricos, por existir uma forte correspondência entre as características físicas de uma bacia hidrográfica e seu regime hidrológico. O presente estudo se propõe a caracterizar fisiograficamente a bacia hidrográfica do Rio Beberibe utilizando os dados do sensor LiDAR com resolução espacial de 5 m em uma escala de 1:5000, provenientes do programa PE3D (Pernambuco Tridimensional). Os resultados obtidos sobre os parâmetros geométricos, levaram à conclusão de que a bacia hidrográfica do Rio Beberibe não é naturalmente propensa à ocorrência de enchentes, por possuir uma forma alongada. Sobre os padrões de drenagem, foi possível concluir que a bacia possui uma drenagem rica e escoamento superficial fluido e ágil, que seus canais possuem perfis retilíneos, e que se trata de uma bacia de 6ª ordem. Acerca das características do relevo, foi constatado que a bacia não possui picos de altitudes elevados, porém uma considerável amplitude altimétrica, além de que na declividade da bacia não estão apresentadas inclinações bruscas.


Palavras-chave


manejo de bacias hidrográficas, sensoriamento remoto, planejamento urbano, fisiografia

Referências


APAC. Agência Pernambucana de Águas e Climas, 2014. Bacias Hidrográficas. Recife.

Ayoade, J. O, 1996. Introdução à climatologia para os trópicos, 4ª. ed. Bertrand Brasil, Rio de Janeiro.

Barrella, W., Petrere Junior, M., Smith, W. S. & Montag, L. F. de A., 2001. As relações entre as matas ciliares, os rios e os peixes, in: Rodrigues, R. R. & Leitão Filho H. de F. (Eds.), Matas ciliares: conservação e recuperação. Editora da USP, São Paulo, pp. 187-207.

BRASIL, 1997. Lei n. 9.433, de 8 de janeiro de 1997.

Brown, J. D., Spencer, T., & Moeller, I., 2007. Modeling storm surge flooding of an urban area with particular reference to modeling uncertainties: A case study of Canvey Island, United Kingdom. Water Resources Research [Online] 43(6). Disponível: doi.org/10.1029/2005WR004597. Acesso: 10 dez. 2019.

Campos, H. L., 2008. O Rio Beberibe e sua importância para o abastecimento de água da Região Metropolitana do Recife – RMR: uma perspectiva histórica. Clio - Série de Revista de Pesquisa Histórica [Online] 26(1). Disponível: revistaclio/article/view/24203. Acesso: 20 jan. 2020.

Cardoso, C. A., Dias, H. C., Soares, C. P., & Martins, S. V., 2006. Caracterização morfométrica da bacia hidrográfica do rio Debossan, Nova Friburgo, RJ. Revista Árvore [Online] 30(2). Disponível: doi.org/10.1590/S0100-67622006000200011. Acesso: 5 mar. 2020.

Chorley, R., 1995. Horton, R. E. 1945: Erosional development of streams and their drainage basins: Hydrophysical approach to quantitative morphology. Bulletin of the Geological Society of America 56, 2 75-3 70. Progress in Physical Geography: Earth and Environment [Online] 19(4). Disponível: doi.org/10.1177%2F030913339501900406. Acesso: 10 fev. 2020.

Christofoletti, A., 1969. Análise morfométrica de bacias hidrográficas. Notícia Geomorfológica, 18(9), 35-64.

Christofoletti, A., 1981. Geomorfologia fluvial, 1ª ed. Edgard Blücher, São Paulo.

Costa, M. F. & Souza, S. T., 2002. A Zona Costeira Pernambucana e o caso especial da Praia da Boa Viagem: Usos e Conflitos, in: Yoshiya Nakagawara Ferreira. (Org.), Construção do Saber Urbano Ambiental: a caminho da transdisciplinaridade. Editora Humanidades, Londrina, pp. 1-20.

Dias, A. A., Aquino, C. M., & Santos, F. D., 2020. Caracterização Ambiental e Análise Morfométrica da Bacia Hidrográfica do Rio Itaueira, Piauí, Brasil. Geosaberes [Online], 11. Disponível: doi.org/10.26895/geosaberes.v11i0.853. Acesso: 22 abr. 2020.

Fewtrell, T. J., Duncan, A., Sampson, C. C., Neal, J. C., & Bates, P. D., 2011. Benchmarking urban flood models of varying complexity and scale using high resolution terrestrial LiDAR data. Physics and Chemistry of the Earth, Parts A/B/C, 36(7-8), 281-291. Disponível: doi.org/10.1016/j.pce.2010.12.011. Acesso: 08 dez. 2019.

Freitas, R. O., 1952. Textura de drenagem e sua aplicação geomorfológica. Boletim Paulista de Geografia [Online] 11. Disponível: agb.org.br/1366.

G1 PE. Globo Nordeste, 2012. Cobertura da cheia de 1975 no Recife foi marcante nos últimos 40 anos. Recife. 16 abr. 2012.

Galvíncio, J., & Sousa, F., 2004. Uso do Modelo TOPAZ para a Caracterização Fisiográfica da Bacia Hidrográfica do Açude Epitácio Pessoa. Revista Brasileira De Recursos Hídricos [Online] 9(4),. Disponível: doi.org/10.21168/rbrh.v9n4.p69-75. Acesso: 23 dez. 2019.

Gallegos, H. A., Schubert, J. E., & Sanders, B. F., 2009. Two-dimensional, high-resolution modeling of urban dam-break flooding: A case study of Baldwin Hills, California. Advances in Water Resources [Online] 32(8). Disponível: doi.org/10.1016/j.advwatres.2009.05.008. Acesso: 08 dez. 2019.

Hsu, M., Chen, S., & Chang, T., 2000. Inundation simulation for urban drainage basin with storm sewer system. Journal of Hydrology [Online] 234(1-2). Disponível: https://doi.org/10.1016/S0022-1694(00)00237-7. Acesso: 14 dez. 2019.

JC. Jornal do Commércio, 2016. Rio Beberibe transborda e alaga casas na Zona Norte do Recife. Recife. 09 mai. 2016.

Mason, D. C., Horritt, M. S., Hunter, N. M., & Bates, P. D., 2007. Use of fused airborne scanning laser altimetry and digital map data for urban flood modelling. Hydrological Processes [Online] 21(11). Disponível: https://doi.org/10.1002/hyp.6343. Acesso: 05 jan. 2020.

Mendes, C. A. B. & Cirilo, J. A., 2001. Geoprocessamento em recursos hídricos: princípios, integração e aplicação, 2ª ed. ABRH, Porto Alegre.

Oliveira, J. N., 1997. Classificação de características fisiográficas. Texto básico para a disciplina “Hidrologia Básica”. UNESP, São Paulo.

Ozdemir, H., Sampson, C. C., Almeida, G. A., & Bates, P. D., 2013. Evaluating scale and roughness effects in urban flood modelling using terrestrial LIDAR data. Hydrology and Earth System Sciences [Online] 17(10). Disponível: doi.org/10.5194/hess-17-4015-2013. Acesso: 18 dez. 2019.

Rodriguez, L. C. E., Polizel, J. L., Ferraz, S. F. de B., Zonete, M. F. & Ferreira, M. Z., 2010. Inventário florestal com tecnologia laser aerotransportada de plantios de Eucalyptus spp no Brasil. Ambiência [Online] 6. Disponível: https://revistas.unicentro.br/index.php/ambiencia/article/view/874. Acesso: 5 abr. 2020.

Sampson, C. C., Fewtrell, T. J., Duncan, A., Shaad, K., Horritt, M. S., & Bates, P. D., 2012. Use of terrestrial laser scanning data to drive decimetric resolution urban inundation models. Advances in Water Resources [Online] 41. Disponível: doi.org/10.1016/j.advwatres.2012.02.010. Acesso: 18 dez. 2019.

Schumm, S. A., 1956. Evolution Of Drainage Systems And Slopes In Badlands At Perth Amboy, New Jersey. Geological Society of America Bulletin [Online] 67(5). Disponível: doi.org/10.1130/0016-7606(1956)67[597:EODSAS]2.0.CO;2. Acesso: 22 jan. 2020.

SRHE/PE. Secretaria de Recursos Hídricos e Energéticos de Pernambuco, 2012. Projeto de dragagem do Rio Beberibe no trecho entre a BR-101 e a ponte da avenida Olinda (trechos 1 a 5). Recife.

Strahler, A. N., 1952. Hypsometric (Area-Altitude) Analysis Of Erosional Topography. Geological Society of America Bulletin [Online] 63(11). Disponível: doi.org/10.1130/0016-7606(1952)63[1117:HAAOET]2.0.CO;2. Acesso em:

Strahler, A. N., 1957. Quantitative analysis of watershed geomorphology. Transactions, American Geophysical Union [Online] 38(6). Disponível: doi.org/10.1029/TR038i006p00913. Acesso: 08 dez. 2019.

Tonello, K. C., 2005. Análise hidroambiental da bacia hidrográfica da Cachoeira das Pombas, Guanhães, MG. Dissertação (Mestrado). Viçosa, UFV.

Trentin, R. & Robaina, L. E., 2005. Metodologia para mapeamento geoambiental no oeste do Rio Grande do Sul. XI Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada 1, 3606-3615.

Tsubaki, R., & Fujita, I., 2010. Unstructured grid generation using LiDAR data for urban flood inundation modelling. Hydrological Processes [Online] 24(11). Disponível: doi.org/10.1002/hyp.7608. Acesso: 12 dez. 2019.

Tucci, C. E. M., 2000. Água no meio urbano. in: Rebouças, A. C., Braga Jr., B. P. F., & Tundisi, J. G. (Eds.), Águas doces no Brasil: capital ecológico, uso e conservação. Escrituras Editora, São Paulo, pp. 475-508.

Tucci, C. E. M., 2009. Hidrologia ciência e aplicação. Editora da UFRGS, Porto Alegre.

Valeriano, M. M., 2008. Dados topográficos, in: Florenzano, T.G. (Org.), Geomorfologia conceitos e tecnologias atuais. Oficina de Textos. São Paulo, 72-104.

Villela, S. M. & Mattos A. 1975. Hidrologia aplicada, 1ª ed. McGraw-Hill, São Paulo.

Wisler, C. O. & Brater, E.F., 1964. Hidrologia, 1ª ed. Ao Livro Técnico S.A, Rio de Janeiro.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.07.p%25p

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License