Técnicas de geoprocessamento aplicadas ao estudo do conflito de uso do solo em microbacias do município de Senador Amaral – MG

Eliane Guimarães Pereira Melloni, Winne Nayadini Barão, Débora Luisa Silva Teixeira, Nívea Adriana Dias Pons

Resumo


A intensificação do desmatamento em microbacias hidrográficas para instalação de atividades agropecuárias coloca em risco a conservação dos recursos naturais e o fornecimento de serviços ecossistêmicos. O presente trabalho teve como objetivo quantificar as áreas com conflito de uso do solo em Áreas de Preservação Permanente (APPs) nas microbacias hidrográficas do município de Senador Amaral (MG), com o auxílio de técnicas de geoprocessamento e dados disponibilizados pelo Sistema Nacional de Cadastro Ambiental Rural (SICAR). Para isto, foi elaborado o mapa de uso e cobertura do solo do município através do algoritmo de classificação supervisionada de máxima verossimilhança (MaxVer) de uma imagem obtida pelo satélite Landsat 8, com resolução espacial de 30 m. Foram delimitadas, ainda, as microbacias hidrográficas, as APPs de nascentes, encostas, topos de morros e zonas ripárias, por meio da aplicação de técnicas de geoprocessamento. A classe de uso do solo mais representativa em Senador Amaral foi a pastagem, ocupando 50,14% do território municipal, seguida pela formação florestal (25,37%) e solo exposto (16,60%). As APPs das microbacias hidrográficas estudadas representam 9,83% da área total do município, sendo que 57,68% dessas áreas encontra-se em não conformidade com a legislação ambiental, colocando em risco toda a biodiversidade local. Os resultados indicaram que a atividade predominante nas áreas em desacordo com a legislação é a pastagem, ressaltando a necessidade de implementação de ações educacionais direcionadas à população e da criação de um planejamento estratégico para a gestão dos recursos naturais municipais e recuperação ecológica das APPs.

 

Geoprocessing techniques applied to the study of conflict of soil use in microbacies of Senador Amaral - MG

 

A B S T R A C T

The intensification of deforestation in watersheds for the agricultural activities installation puts at risk the natural resources conservation and the ecosystem services provision. The present work aimed to quantify the areas with conflict of land use in Permanent Preservation Areas (APPs) in the hydrographic basins of the Senador Amaral (MG) municipality, with the support of geoprocessing techniques and data provided by the National Environmental Registry of Rural Properties (SICAR). For this, the map of municipality land use/cover was elaborated through the supervised classification method of maximum likelihood (MaxVer) of an image obtained by the satellite Landsat 8, with spatial resolution of 30 m. The watersheds, APPs of springs, slopes, hilltops and riparian zones were also delimited, through the application of geoprocessing techniques. The most representative land use class in Senador Amaral was pasture, occupying 50.14% of the municipal territory, followed by forest formation (25.37%) and exposed soil (16.60%). The APPs of the studied watersheds represent 9.83% of the total area of the municipality, and 57.68% of these areas are not in compliance with environmental legislation, putting all local biodiversity at risk. The results indicated that the predominant activity in the areas at odds with the legislation is grazing, highlighting the need to implement educational actions directed at the population and the need to creation of a strategic plan for the municipal natural resources management and ecological recovery of APPs.

Keywords: permanent preservation areas; rural environmental register; forest code; environmental legislation.


Palavras-chave


áreas de preservação permanente; cadastro ambiental rural; código florestal; legislação ambiental

Texto completo:

PDF

Referências


Araújo, E., Martins, H., Barreto, P., Lima, A.C., 2013. Áreas protegidas da Amazônia legal com mais alertas de desmatamento em 2012-2013. Belém: IMAZON.

Bargos, D.C., Lago, G.M.T., Ferraz, F., 2017. Geotecnologias aplicadas ao mapeamento e classificação das formas de uso da terra nas Áreas de Preservação Permanente da microbacia do Ribeirão dos Passos (Lorena-SP). Caminhos de Geografia 18, 47-59.

Bolzan, M., 2018. Relatório Anual de 2018. São Paulo: Centro de Experimentos Florestais SOS Mata Atlântica.

Borém, R.A.T., Volpato, M.M.L., Alves, H.M.R, Borém, F.M., Silva, L.D.O., 2015. Geotecnologias na análise e mapeamento de áreas de preservação permanente na Mantiqueira de Minas. In: Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil, 9, 2015, Curitiba. Anais. Brasília, DF: Embrapa Café.

Brito, E.M., Mello, K., Costa, D. R., Faria, L.C., Valente, R.A., 2016. Geotecnologias aplicadas ao estudo do conflito de uso do solo visando o planejamento ambiental. Irriga 21, 577-590.

Brown, V., Barbosa, F.T., Bertol, I., Mafra, A.L., Muzeka, L.M, 2018. Efeitos no solo e nas culturas após vinte anos de cultivo convencional e semeadura direta. Revista Brasileira de Ciências Agrárias 13, e5501.

Câmara, G., Medeiros, J.S., 1998. Princípios básicos em geoprocessamento. In: ASSAD, E.D., SANO, E.E. Sistema de informações geográficas aplicações na agricultura (2 ed). Brasília: Embrapa, 3-11.

Campagnolo, K., Silveira, G.L., Miola, A.C., Silva, R.L.L., 2017. Área de Preservação Permamente de um rio e análise da legislação de proteção da vegetação nativa. Ciência Florestal 27, 831-842.

Cohen, J.A., 1960. Coefficient of Agreement for Nominal Scales. Educational and Psychological Measurement 20, 37-46.

Costa, T.G.A., Iwata, B.F., Toledo, C. E., Coelho, J. V., Cunha, L. M., Clementino, G. E. dos S., Leopoldo, N. C. M., 2018. Dinâmica de Carbono do Solo em Unidade de Conservação do Cerrado Brasileiro sob diferentes fitofisionomias. Revista Gestão & Sustentabilidade Ambiental 7, 306-323.

Coutinho, M.P., Medeiros, J.D., Soriano, É., Londe, L.R., Leal, P.J.V., Saito, S.M., 2013. O Código Florestal Atual (Lei Federal nº 12.651/2012) e suas implicações na prevenção de desastres naturais. Sustentabilidade em Debate 4, 237-256.

Demattê, J.A., 2017. Caracterização e Espacialização do meio físico, como base para o planejamento do uso da terra. Piracicaba: Universidade de São Paulo/Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz.

Dias, M.C.O., Pereira, M.C.B., Dias, P.L.F., Virgínio, J.F., 1999. Manual de impactos ambientais: orientações básicas sobre aspectos de atividades produtivas. Fortaleza: Banco do Nordeste.

Embrapa. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, 2017. Degradação do solo pode prejudicar milhões de brasileiros. Brasília.

FAO. Food and Agriculture Organization, 2018. A importância da conservação dos solos para a produção de alimentos no mundo. Brasília.

Faria, V.H.F., Dias, B.M., Costa, M.C.M., Silva, V.R., Drummond, A.L., Franco, V.P., Cunha, M.R.R., Franklin, H.M.O.H., Peixoto, T.M.A.G., 2009. Avaliação de resíduos de agrotóxicos em polpa de morango industrializadas. Pesticidas: Revista de Ecotoxicologia e Meio Ambiente 19, 49-56.

Farias, M., Beltrão, N., Santos, C., Silva, C., 2018. Potencial do Cadastro Ambiental Rural (CAR) no controle do desmatamento em assentamentos no município de Novo Repartimento (PA). Os Desafios da Geografia Física na Fronteira do Conhecimento 1, 179-199.

Ferrari, J.L., Santos, A.R., Garcia, R.F., Amaral, A.A., Pereira, L.R, 2015. Análise de conflito de uso e cobertura da terra em áreas de preservação permanente do Ifes – Campus de Alegre, Município de Alegre, Espírito Santo. Floresta e Ambiente 22, 307-321.

Ferreira, E.M., Andraus, M.P., Cardoso, A.A., Costa, L.F.S. Lôbo, L.M., Leandro, W.M., 2016. Recuperação de áreas degradadas, adubação verde e qualidade da água. Revista Monografias Ambientais 15, 228-246.

Flauzino, B.K., 2012. Degradação do solo pela erosão hídrica e capacidade de uso em sub-bacia hidrográfica piloto no Sul de Minas Gerais (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Itajubá, Itajubá.

Guerra, A.J.T., Jorge, M.D.C.O., 2012. Geomorfologia do Cotidiano - A degradação dos solos. Revista Geonorte 4, 116-135.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2006. Censo agropecuário 2006. Rio de Janeiro.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2010. IBGE Cidades: Senador Amaral. Rio de Janeiro.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2017. Censo agropecuário 2017. Rio de Janeiro.

INMET. Instituto Nacional de Meteorologia, 2018. Climatedata: Senador Amaral. Recuperado de https://pt.climate-data.org/america-do-sul/brasil/minasgerais/senador-amaral-25002/

INPE. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. TOPODATA: Mapa índice. 2011. Recuperado de http://www.webmapit.com.br/inpe/topodata/

Landis, J.R, Koch, G.G., 1977. The measurement of observer agreement for categorical data. Biometrics 33, 159-174.

Leandro, G.R.S., Rocha, P.C., 2019. Expansão agropecuária e degradação ambiental na bacia hidrográfica do rio Sepotuba - Alto Paraguai, Mato Grosso - Brasil. Sociedade & Natureza 31, 1-21.

Lei n. 12.651, de 25 de maio de 2012: Código Florestal Brasileiro, 2012. Brasília, DF.

Lepsch, I.F., Bellinazzi Júnior., R., Bertolini, D., Espíndola, C.R., 1991. Manual para levantamento utilitário do meio físico e classificação de terras no sistema de capacidade de uso. Campinas: SBCS.

Lima, C.A., Nunes, F.P., 2020. Conflitos no uso do solo e sua relação com a conservação ambiental: um estudo de caso. Revista Brasileira de Gestão Ambiental e Sustentabilidade 7, 691-705.

Lopes, A.M.A., Tassigny, M.M., Teixeira D.M., 2017. A redução das Áreas de Preservação Permanente de recursos hídricos pelo Novo Código Florestal e o princípio da proibição proteção deficiente. Revista da Faculdade de Direito da UFG 41, 46-65.

Macedo, M.C.M., Zimmer, A.H., Kichel, A.N., Almeida, R.G., Araújo, A.R., 2014. Degradação de pastagens, alternativas de recuperação e renovação, e formas de mitigação. In: Anais de Congresso, Ribeirão Preto, p. 158-181.

Machado, T.C.E., Campos, M.C.C., Pagani, C.H.P., Cunha, J.M., Soares, M.D.R., 2017. Avaliação do uso e ocupação das Áreas de Preservação Permanente nos anos de 2008 e 2013 na zona urbana de Humaitá, Amazonas. Revista da Universidade Vale do Rio Verde 15, 744-750.

Magalhães C.S., Ferreira R.M., 2000. Áreas de preservação permanente em uma microbacia. Informe Agropecuário 207, 33-39.

Marcatto, C., 2002. Educação ambiental: conceitos e princípios. Belo Horizonte: FEAM, p. 1-64.

MEC. Ministério da Educação, 2000. Referenciais curriculares nacionais da educação profissional e técnica: Geomática. Brasília.

Melati, M.D., Marcuzzo, F.F.N., 2015. Modelos digitais de elevação na delimitação automática das sub-bacias do rio Taquari-Antas no Rio Grande do Sul. In: Anais do XVII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto. São José dos Campos: INPE.

Mesquita, F.N., Silvestre, K.S., Steinke, V.A., 2017. Urbanização e degradação ambiental: Análise da ocupação irregular em áreas de proteção permanente na região administrativa de Vicente Pires, DF, utilizando imagens aéreas do ano de 2016. Revista Brasileira de Geografia Física 10, 722-734.

Milanesi, J., Chiappetti, A.B., Soster, A.R.M., Quadros, E.L.L., Lahm, R.A., 2015. Análise multitemporal da ocupação irregular nas Áreas de Preservação Permanente (APP) sub-bacia do Arroio Manresa - Porto Alegre/RS. Geoinformação e Sensoriamento Remoto em Geografia 3, 67-78.

Moraes, M.C.P., Mello, K., Toppa, R.H., 2017. Protected areas and agricultural expansion: biodiversity conservation versus economic growth in the southeast of brazil. Journal Of Environmental Management 188, 73-84.

Moreira, T.R., Santos, A.D., Dalfi, R.L., Campos, R.D., Santos, G.D., 2015. Confronto do uso e ocupação da terra em APPs no município de Muqui, ES. Floresta e Ambiente 22, 141-152.

Nardini, R.C., Gomes, L.N., Ribeiro, F.L., Lopes, P. A., Vendrame, P.R.S., 2019. Avaliação das áreas de conflito de uso em Áreas de Preservação Permanente do Córrego Pedroso - PR. Ciência Geográfica 23, 644-653.

Nicolete, D.A.P., Carvalho, T. M., Polonio, V. D., Leda, V.C., 2015. Delimitação automática de uma bacia hidrográfica utilizando MDE TOPODATA: aplicações para estudos ambientais na região da Cuesta de Botucatu - SP. In: Anais do XVII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto. São José dos Campos: INPE.

Pereira, B.W.F., Maciel, M.N.M., Oliveira, F.A., Alves, M.A.M., 2016. Uso da terra e degradação na qualidade da água na bacia hidrográfica do rio Peixe-Boi, PA, Brasil. Ambiente e Água 11, 472-485.

Prado, R.B., Turetta, A.P.D., Andrade, A.G. (org.), 2010. Manejo e conservação do solo e da água no contexto das mudanças ambientais. Rio de Janeiro: Embrapa Solos.

QGIS. Um Sistema de Informação Geográfica livre e aberto, 2018. Recuperado de https://www.qgis.org/pt_BR/site/index.html

Ramos, A.W.P., Luz, C.C.S., Neves, S.M.A.S., Freitas, L.E., 2018. Análise da capacidade e conflito de uso da terra na bacia hidrográfica do Córrego da Piraputanga-MT, Brasil. Caderno de Geografia 28, 812-827.

Randhir, T.O., Ekness, P., 2013. Water quality change and habitat potential in riparian ecosystems. Ecohydrology and hydrobiology, Lodz 13, 192-200.

Rodrigues, A.R., Matavelli, C.J., 2020. As principais alterações do Código Florestal Brasileiro. Revista Brasileira de Criminalística 9, 28-35.

Rodrigues, M.T., 2015. Comportamento de sistemas de informações geográficas por meio de classificação supervisionada em diferentes bacias hidrográficas (Tese de Doutorado). Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” Faculdade de Ciências Agronômicas, Botucatu.

Sampaio, E.V.S.B., Araújo, M.S.B., Sampaio, Y.S.B., 2005. Impactos ambientais da agricultura no processo de desertificação no Nordeste do Brasil. Revista de Geografia 22, 90-112.

Santos, L.A.C., 2018. Utilização dos dados do Cadastro Ambiental Rural na análise de conflitos de uso do solo em Áreas de Preservação Permanente. Tecnia 3, 174-196.

Santos, L.A.C., Vieira, L.M.F., Martins, P.T.A., Ferreira, A.A., 2019. Conflitos de Uso e Cobertura do Solo para o Período de 1985 a 2017 na Bacia Hidrográfica do Rio Caldas-GO. Fronteiras: Journal Of Social, Technological And Environmental Science 8, n. 2, 189-211.

Santos, L.C.L., Brito, G.H.M., 2018. Delimitação das áreas de Preservação Permanente na bacia hidrográfica do Rio dos Patos, GO e identificação dos conflitos de uso de solo. Ipê Agronomic Journal 2, 53-61.

Santos, L.D.; Schlindwein, S.L.; Fantini, A C.; Henkes, J.A.; Belderrain, M.C.N., 2020. Dinâmica do desmatamento da Mata Atlântica: causas e consequências. Revista Gestão & Sustentabilidade Ambiental 9, 378-402.

Schneider, V.E., Magrin, T.B., Cemin, G., Santos, G.M., 2016. Análise da situação ambiental das Áreas de Preservação Permanente no município de São José dos Ausentes - RS. Scientia Cum Industria 4, 125-130.

Senador Amaral. Prefeitura Municipal de Senador Amaral, 2018. Histórico e dados do município de Senador Amaral. Recuperado de https://senadoramaral.mg.gov.br/simbolos-municipais/

SICAR. Sistema Nacional de Cadastro Ambiental Rural, 2019. Cadastro Ambiental Rural - CAR. Recuperado de http://www.car.gov.br/publico/imoveis/index

Silva, M.R., 2002. Estudo de sedimentos da bacia hidrográfica do Moji-Guaçu, com ênfase na determinação de metais (Dissertação de mestrado). Escola de Engenharia de São Carlos, São Carlos

Silva, M.R., 2016a. Gestão de embalagens de agrotóxicos - logística reversa em pequenos municípios brasileiros: o caso do município de Bom Repouso, MG (Dissertação de mestrado). Escola de Engenharia de São Carlos, São Carlos.

Silva, M.S., Bueno, I.T., Acerbi Júnior, F.W., Borges, L.A.C., Calegario, N., 2017. Avaliação da cobertura do solo como indicador de gestão de recursos hídricos: um caso de estudo na sub-bacia do Córrego dos Bois, Minas Gerais. Engenharia Sanitária e Ambiental 22, 445-452.

Silva, W.L., 2016b. Fauna edáfica em mata de araucária do município de Senador Amaral no Sul de Minas Gerais. (Trabalho de Conclusão de Curso). Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais, Inconfidentes.

Silveira, G.R.P., Campos, S., Gonçalves, A.K., Barros, Z.X., 2015. Geoprocessamento aplicado na espacialização da capacidade de uso do solo em uma área de importância agrícola. Energia na Agricultura 30, 363-371.

Souza, A.G.V., Faria, L.O., Jesus, T.F., Matos, E.R., 2020. Degradação dos solos de agricultura intensiva, diagnóstico e métodos de recuperação. Revista Agrotecnologia 11, 23-29.

Souza, F.L.P., Leme, M.C., Sartori, A.A.C., Manzato, C.L., Campos, S., 2019. Geotecnologias na avaliação de perdas de solo. Irriga 24, 624-644.

Tundisi, J.G., Tundisi, T.M., 2010. Impactos potenciais das alterações do Código Florestal nos recursos hídricos. Biota Neotropica 10, 67-75.

Ubiali, B.G., Romano, M.R., Carvalho, R.S., DE Carvalho, J.E.B., 2019. Mapeamento e análise ambiental de nascentes e cursos d’água da sub-bacia hidrográfica do Tuá, Cruz das Almas, Bahia. Cruz das Almas: Embrapa Mandioca e Fruticultura. 40 p.

Vale, J. R. B., Costa, J.A., Santos, J.F., Silva, E.L.S., Favacho, A.T., 2018. Análise comparativa de métodos de classificação supervisionada aplicada ao mapeamento da cobertura do solo no município de Medicilândia, Pará. Interespaço: Revista de Geografia e Interdisciplinaridade 4, 26-44.

Viero, C. M., Camponogara, S., Cezar-Vaz, M.R., Costa, V.Z., Beck, C.L.C., 2016. Risk society: the use of pesticides and implications for the health of rural workers. Escola Anna Nery - Revista de Enfermagem 20, 99-105.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v14.1.p439-454

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License