Territórios pós-coloniais: cultura, arte, política e relações de poder no processo de construção da identidade quilombola

Heliana Castro Alves, Samira Lima da Costa

Resumo


A perspectiva pós-colonial nos permite refletir sobre os fenômenos que forjam uma nova relação temporal com a história, assumindo como eixo problematizador o período colonial e seus desdobramentos sociais. No contexto brasileiro, as comunidades quilombolas conquistaram um espaço de garantia de direitos no âmbito político, representando uma importante dimensão pós-colonial na luta do movimento negro. Em consideração ao fenômeno da globalização, as produções artístico-culturais das comunidades tradicionais encontram novos cenários políticos e possibilidades de negociação identitária forjando, assim, novas enunciações no espaço público e coletivo. Ao relacionar a luta quilombola pelo território e a questão da identidade cultural - que surge como ícone afirmativo no contexto da emancipação político-social, este artigo se propõe a refletir sobre as novas estruturas das relações de poder no contexto deste movimento social.

Texto completo:

PDF

Referências


Alves, H. C. (2016). “Eu não sou milho que me soca no pilão: jongo e memória pós-colonial na comunidade quilombola Machadinha/ Quissamã”. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social EICOS. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Ashcroft, B. Griffiths, G.; Tiffin, H. (2007). Post-Colonial Studies- The Key Concepts. Second Edition. New York: Ed. Routledge.

Bhabha, H. K (2013). O local da cultura. Tradução: Myriam Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis, Gláucia Renata Gonçalves. Belo Horizonte: UFMG.

Brasil, Decreto 4.887/2003. Presidente Luís Inacio Lula da Silva. Regulamenta o procedimento para identificação, reconhecimento, delimitação, demarcação e titulação das terras ocupadas por remanescentes das comunidades dos quilombos. 2003. Disponível no link: Acesso em 15 de Março de 2017.

Canclini, N. G. (2012). Culturas híbridas: estratégias para entrar y salir de la modernidad. Buenos Aires: Paidós.

Comisión de Culture. Ciudades y Gobiernos Locales Unidos. Agenda 21 de la cultura. Barcelona. Espanha, 2004. Fonte: Acesso em 5 de agosto de 2016.

Conferencia Geral da ONU para Educação, Ciência e Cultura, paris, 2005. Convenção sobre a proteção e promoção da diversidade das expressões culturais. Fonte: Acesso em 5 de agosto de 2016.

Costa, S. (2006). Desprovincializando a sociologia: a contribuição pós-colonial. Revista Brasileira de Ciências Sociais. Vol 21, (60), pp 117-134.

Costa, S. L. (2012). Terapia ocupacional social: dilemas e possibilidades da atuação junto a povos e comunidades tradicionais. Cad. Ter. Ocup. UFSCar, v. 20 (1), p. 43-54.

Escobar, Arturo. (1999). El final Del salvage: naturaliza, cultura y politica em la antropologia contemporânea. Bogotá: Giro editoras Ltda.

Fernandes, F. (2008). A integração do negro na sociedade de classes: o legado da raça branca. Vol 1. São Paulo: editora Globo (original publicado em 1964).

Gilroy, P. (2001). O atlântico negro: modernidade e dupla consciência. Tradução: Cid Knipel Moreira. Rio de Janeiro: Editora 34/ Universidade Cândido Mendes- Centro de Estudos Afro-asiáticos.

Grosfoguel, R. (2006) La descolonización de la economia politica y los estúdios postcoloniales: Transmodernidad, pensamento fronteirizo y colonialidad global. Tabala Rasa, Bogotá n.4, p 17-48, enero-junio.

Grosfoguel, R. (2008). Para descolonizar os estudos da economia política e os estudos pós-coloniais: transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista crítica de Ciências Sociais, n. 80, p 115-147.

Hall, S. (2011). Da diáspora: Identidades e Mediações Culturais. Tradução: Adelaine La Guardia Resende; Ana Carolina Escoteguy; Cláudia Ávares; Francisco RUdiger; Sayonaram Amaral. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Mignolo, W. (2005). La Idea de America Latina: la herida colonial y la opción decolonial. Barcelona: Gedisa editorial.

Quijano, A. (1992). Colonialidad y Modernidad/ Racionalidad. In: Bonillo, Heraclio (org). Los conquistados, 1942 y la población indígena de las Americas. Bogotá: Tecer Mundo Ediciones. FLACSO, pp. 437-449.

Quijano, A. (2000) Colonialidad del poder, Eurocentrismo, America Latina. In: Edgardo Lander (ed). La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciências sociales. Perspectivas latino-americanas. Caracas: Clacso, pp. 201-245.

Restrepo, E. ROJAS, A. (2010). Inflexión decolonial: fuentes, conceptos y cuestionamientos. Colombia: Editorial Universidad de Cauca Popayan.

Santos, B. S. (2010). A gramática do tempo: para uma nova cultura política. São Paulo: Cortês editora.

SEPPIR. Sistema de Monitoramento das políticas de Promoção da Igualdade Racial. http://monitoramento.seppir.gov.br/paineis/pbq/index.vm?eixo=1

Silva, J. B. O papel dos mediadores na (re) construção da identidade étnica de duas comunidades quilombolas do norte fluminense Barrinha e Machadinha. (2009). Dissertação de Mestrado. Programa de Pós Graduação em Sociologia Política do Centro de Ciências do Homem. Universidade Estadual do Norte Fluminense, Rio de Janeiro.

Tadeu Silva, T. (2005). A produção social da identidade e da diferença. Em: Tomaz Tadeu e Silva & Stuart Hall & Kath Woodward. Identidade e Diferença: a perspectiva dos estudos culturais. (pp. 73-102). Petrópolis: Ed. Vozes, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 REALIS | Revista de Estudos AntiUtilitaristas e PosColoniais - ISSN: 2179-7501

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Creative Commons CC Atribuição Não comercial, sem derivação 4.0.