Os Lamentos do Jaguar: reflexões sobre canibalismo e colonialismo em Nossamerica

Filippe da Silva Guimarães

Resumo


Neste artigo vincularei o pensamento ocidental com as formas das cosmologias ameríndias relacionarem mundos e seres. Com isso quero observar como se dá o protagonismo político de sujeitas e sujeitos em Nossamérica, diante da situação colonial e em suas economias e políticas de signos e símbolos enquanto formas ambivalentes de operação do poder e das ideologias coletivas. Ou seja, como sujeitas e sujeitos em Nossamérica solidificam o uso estratégico da noção de consciência – tal qual da noção de grupo, de identidade local e nacional – no âmbito macrológico da colonização ocidental como sujeitos portadores de construções oriundas das narativas ameríndios e de identidades em perpétuo desequilíbrio entre mundos e seres? Desta forma, problematizar como situamos o “eu” da antropologia busca questionar os essencialismos que nos prendem à armadilhas macrológicas e epistêmicas do eurocentrismo e do solipsismo que impregnaria o sujeito pós-colonial e pós-moderno.


Texto completo:

PDF

Referências


APPIAH, K. (2003) Na casa de meu pai: A África na filosofia da cultura. Rio de Janeiro: Contraponto.

BHABHA, H. (2007) O Local da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG.

CADOGAN, León. (2003) Tradiciones guaraníes en el folklore paraguayo: fragmentos de etnografía mbyá-guaraní. Assunción: Fundación León Cadogan.

CLIFFORD, J. (2000) A experiência etnográfica. Rio de Janeiro: Corporativo/UFRJ

FAUSTO, C. (2005) Se Deus fosse jaguar: canibalismo e cristianismo entre os Guarani (séculos XVI-XX. (Vol. 11 n.2). Rio de Janeiro: Mana.

GALLOIS, D. T. (1993) Mairi Revisitada ― a reintegração da Fortaleza de Macapá na tradição oral dos Waiãpi. São Paulo: NHII/USP/FAPESP.

GEERTZ, C. (1980) A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LCT.

GOODY, J. (2012) O Mito, o Ritual e o Oral. Petrópolis: Vozes.

GOW, Peter. (1997) O parentesco como consciência humana: o caso dos Piro. (Vol. 3, n. 2). Rio de Janeiro: Mana.

HILL, J. (2009) History, power, and identity: Amazonian perspectives identity politics: histories, regions and borderlands. Estados Unidos, Acta Historica Universitatis Klaipedensis XIX, Studia Anthropologica III.

INGOLD, T. (2010) Da transmissão de representações à educação da atenção. (Vol. 33, no. 1). Porto Alegre: EDUCAÇÃO.

MELIÁ, B. (1991) El "modo de ser" guaraní en la primera documentación jesuítica (1594-1639). Archivum Historicum Soc. Iesu 50. Roma, 1991.

________. (1993) O guaraní conquistado e reduzido. (20 de abril de 2014) >> http://www.anovademocracia.com.br/no-27/560-a-rebeliao-do- cacique-luminoso.

MIGNOLO, W. (2003) Histórias locais / Projetos globais. Belo Horizonte: Editora UFMG.

____________. (2005) La idea de América Latina: La herida colonial y la opción decolonial. Barcelona: Gedisa.

QUIJANO, A. (2005) Dom Quixote e os moinhos de vento na América Latina. (vol. 19 no 55, set.-dez. 2005). São Paulo: Revista Estudos Avançados da Universidade de São Paulo.

ROSA, R. R. G. da. (2011) Mitologia e xamanismo nas relações sociais dos Inuit e dos Kaingang. (Vol. 5, no. 3). Porto Alegre: Espaço Ameríndio.

RIBEIRO, L. et JACOMÉ, C. (2014) Tupi ou não Tupi? Predação material, ação coletiva e colonialismo no Espírito Santo, Brasil. (Vol. 9 no. 2) Belém: Boletim Museu do Pará Emílio Goeldi.

SÁEZ, O. C. (2012) Do perspectivismo ameríndio ao índio real. (Vol. 2). Curitiba: Campos (UFPR).

SANTOS, B. de S. (2004) Do pós-moderno ao pós-colonial: e para além de um e de outro. Coimbra: Conferência de abertura do VIII Congresso Luso-Afro-Brasileiro de Ciências Sociais. Disponível em: . Acessado em: 25 de março. 2017.

SANTOS, B. de S. et MENEZES, Maria Paula. (Org.). (2010) Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez.

SEVERI, C. (2000) Cosmologia, crise e paradoxo: Da imagem de homens e mulheres brancos na tradição xamânica kuna (Vol. 6 no. 1). Rio de Janeiro: Mana.

SAHLINS, M. (2011) What kinship is (part one and two). London: Journal of the Royal Anthropological Institute.

STRATHERN, M. (2006) O gênero da dádiva. Campinas: UNICAMP.

TAUSSIG, M. (1993) Mimesis and alterity: A particular history of the senses. Routledge. London: Routledge.

VIVEIROS DE CASTRO, E. (2011) Dossiê Clastres: O Medo Dos Outros. (Vol. 54 No 2.). São Paulo, Revista De Antropologia – USP.

____________________. Metafisicas Canibales. (2010) Madrid/Buenos Aires: Katz Editores.

____________________. No Brasil, todo mundo é índio, exceto quem não é. (2006) São Paulo, Instituto Socioambiental.

____________________. (2002) A Inconstância da Alma Selvagem e Outros Ensaios de Antropologia. São Paulo: Cosac & Naify.

WEBER, Max. (1982) Ensaios de Sociologia de Max Weber. Rio de Janeiro: LCT.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 .

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Creative Commons CC Atribuição Não comercial, sem derivação 4.0.