O Associativismo e a Direita no Brasil. Qual a conexão?

Luis Silva Barros

Resumo


A atual crise moral e política que passa a sociedade brasileira pode ser teorizada por meio da dicotomia estabelecida pelo pensamento antiutilitarista entre associativismo e o utilitarismo. O presente artigo visa mostrar que esta dicotomia oculta dimensões do associativismo que servem os discursos de direita, pois estão no cerne das raízes culturais do Brasil. Uma análise cuidadosa da dádiva de Mauss (1990), revela que o associativismo possui elementos que dão suporte para narrativas autoritárias e conservadoras. Sugerimos que cabe a esquerda brasileira se apropriar de certos elementos do utilitarismo para gerar novas narrativas capazes de fazer frente ao avanço das ideias de direita presentes nos debates políticos sobre os rumos da sociedade brasileira.

Texto completo:

PDF

Referências


BADIOU, A. (2012), A Hipótese Comunista. Edições 70.

BLOCH, M. (2015), A Sociedade Feudal. Edições 70.

CALDEIRA, J. (1999), A Nação Mercantilista: Ensaio sobre o Brasil. Editora 34 LTDA.

CHAUI, M. (2013a), Escritos de Marilena Chaui Volume 1: Contra a servidão voluntária. Autêntica.

CHAUI, M. (2013b), Escritos de Marilena Chaui Volume 2: Manifestações ideológicas do autoritarismo brasileiro. Autêntica.

DURKHEIM, É. (2015), Lições de Sociologia: Física dos Costumes e do Direito. Edipro.

DURKHEIM, É. (2016), Da Divisão Social do Trabalho. Edipro.

ELIAS, N. (2001), A Sociedade de Corte: Investigação sobre a sociologia da realeza e da aristocracia de corte. Zahar.

FAORO, R. (1984), Os Donos do Poder, volumes 1 e 2. Editora Globo.

FREYRE, G. (2016), Ordem e Progresso. Global Editora.

HARVEY, D. (2003), The New Imperialism. Oxford University Press.

HARVEY, D. (2007), A Brief History of Neoliberalism. Oxford University Press.

HOBSBAWN, E. (2014a), A Era do Capital 1848 – 1875. Paz & Terra.

HOBSBAWN, E. 2014b. A Era dos Impérios 1875 – 1914. Paz & Terra.

HOLANDA, S. B. 2014. Raízes do Brasil. Companhia das Letras.

LATOUR, B. 1994. Jamais Fomos Modernos: Ensaios de Antropologia Simétrica. Editora 34.

LUKES, S. 1969. Durkheim’s ‘Individualism and the Intellectuals’. Political Studies. 17(1): 14-30.

MARTINS, P. H. 1999. Cultura Autoritária no Brasil. Revista de Ciências Sociais. 30(1/2): 105-132.

MARTINS, P. H. 2008. De Lévi-Strauss a M.A.U.S.S. – Movimento Antiutilitarista nas Ciências Sociais. Revista Brasileira de Ciências Sociais. 23(66): 105-130.

MAUSS, M. 1990. The Gift: The Form and Reason for Exchange in Archaic Societies. W. W. Norton.

PERKINS, J. 2006. Confessions of an Economic Hit Man. Plume.

PRADO JUNIOR, C. 2000. Formação do Brasil Contemporâneo. Brasiliense.

SAVAGE, M. 2016. End Class Wars. Nature. 537: 475-479.

WEBER, M. 2001. A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo. Martin Claret.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista de Estudos AntiUtilitaristas e PosColoniais - ISSN: 2179-7501

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Creative Commons CC Atribuição Não comercial, sem derivação 4.0.