Pós-colonialismo e violência epistêmica em narrativa sobre o processo de conversão de um povo indígena da amazônia brasileira

Raimundo Nonato Câncio, Sônia Maria da Silva Araújo

Resumo


O pensamento materializado na forma de escritos é um importante recurso para disseminação de valores, conhecimentos e ideologias. A obra “O Pajé de Cristo”, de Homer Dowdy, narra o processo de conversão dos povos indígenas Wai-wai ao cristianismo evangélico pelos missionários norte-americanos, o que se dá por meio da descrição de práticas educativas de catequização. O objetivo deste estudo é identificar as estratégias persuasivas utilizadas pelo autor-narrador para convencer o leitor de que o processo de conversão dos povos Wai-wai ao cristianismo evangélico foi necessário, mesmo num contexto em que conhecimentos e valores se explicam e se confrontam. Como referência, apresentamos algumas aproximações entre a corrente teórica Pós-Colonial e a perspectiva Decolonial, no que toca à crítica epistemológica, sobretudo para questionar o discurso imperialista norte-americano, engendrado pelos missionários evangélicos. O resultado deste estudo tem sido a necessidade de reinterpretação e de reescrita das narrativas sobre os povos indígenas da Amazônia como resposta ao colonizador.


Palavras-chave


Violência epistêmica. Práticas educativas. Pós-Colonial. Decolonial.

Texto completo:

PDF

Referências


Ciência Política, v. 2, p. 89-117, 2013.

BRAGA, Maria Lúcia Santaella. (1980). Produção de linguagem e ideologia. São Paulo: Cortez Editora.

DEMO, Pedro. (2000). Metodologia do conhecimento científico. São Paulo: Atlas.

DOWDY, H. E. (1997). O pajé de Cristo: uma história do amor de Deus operando milagres nas selvas da Amazônia. Título original: Christ’switchdoctor. New York: Harper &Row, 1963; [Trad. Fausto Camargo César]. São Paulo: Editora Sepal.

FERREIRA, Maraiana Kawall Leal. (2001). A educação escolar indígena: um diagnóstico crítico da situação no Brasil. In: FERREIRA, Mariana K. L. LOPES DA SILVA, Aracy. (Org.). Práticas pedagógicas na escola indígena.São Paulo: Globo.

FOCK, N. (1963). Waiwai: religionandsocietyof na Amazoniantribe. Copenhagen: The National Museum.

FRIKEL, Protássil. (1971). Dez anos de aculturação Tiriyó. Mudanças e Problemas (1960-1970). Boletim MPEG, Publicações Avulsas, n. 16.

FIORIN, José Luiz. (1995). Língua, discurso e política. ALEA, v. 11, n. 1, p. 148-165.

HOWARD, Catherine. (2001). A domesticação das mercadorias: estratégias Waiwai. In.: ALBERT, B.; RAMOS, A. R. (Orgs.) Pacificando os brancos: cosmologias do contato no Norte-Amazonico. São Paulo: UNESP: Imprensa Oficial do Estado.

LAS CASAS, Frei Bartolomé de. (2008). O paraíso destruído: a sangrenta hitória da conquista da América Espanhola. Porto Alegre: L&PM.

MIGNOLO, Walter. (2017). Desafios decoloniais hoje. Epistemologias do Sul, Foz do Iguaçu/PR, 1 (1), pp. 12-32.

__________(2003). Histórias Globais/projetos locais. Colonialidade, saberes subalternos e

pensamento limiar. Belo Horizonte: Editora UFMG.

__________(2007). La idea de América Latina. La herida colonial y la opción decolonial. Barcelona: Gedisa.

OLIVEIRA, L. V. de. (2010). O cristianismo evangélico entre os Waiwai: alteridade e transformações entre as décadas de 1950 e 1980. Rio de Janeiro: UFRJ/Museu Nacional/PPGAS.

QUIJANO, Aníbal. (2005). Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciencias sociais. Perspectivas latino-americanas. Edgardo Lander (org). Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina.

___________ (2007). Colonialidad del poder y clasificación social. In: CASTRO GÓMEZ,

Santiago; GROSFOGUEL, Ramón (org.). El giro decolonial: Reflexiones para una

diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores.

SANTOS, Boaventura de Sousa. (2007). Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. Novos estud. - CEBRAP., n.79, pp.71-94.

WALSH, C. (2007). Interculturalidad y colonialidad del poder. Um pensamiento y posicionamiento “outro” desde la diferencia colonial. In: GOMEZ, Santiago Castro; GROSFOGUEL, Ramón (org.). El giro decolonial. Reflexiones para uma diversidad epistêmica mas allá Del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores/Universidad Central/Pontifícia Universidad Javeriana.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista de Estudos AntiUtilitaristas e PosColoniais - ISSN: 2179-7501

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Creative Commons CC Atribuição Não comercial, sem derivação 4.0.