Ações coletivas, novas formas de articulação política-oligárquica e o declínio das esquerdas latino-americanas

Dana Milena Chávarro, Wellington Duarte Pinheiro

Resumo


Fundamentado no debate sobre os novos desafios enfrentados pelas ações coletivas latino-americanas dos novos pactos políticos forjados entre a oligarquia política conservadora e o capitalismo especulativo extrativista. Este artigo observou que tais mobilizações coletivas ressignificaram seus repertórios a fim de reivindicar o fortalecimento dos ideais republicanistas capazes de reativar a conquista de bens comuns, tais como a ideia de cidadania e de solidariedade contemporânea. Demonstramos que a emergência das políticas utilitaristas como o neodesenvolvimentismo e neoextrativismo latino-americanas implicou na destituição dos ideais do republicanismo e na queda dos regimes de esquerda, provocando, simultaneamente, a emergência de ações coletivas preocupadas em ressignificar o mal-estar moral de tais políticas mercantis. Norteadas pela discussão antiutilitarista dos novos pactos políticos republicanos na região, como também pelo debate decolonial sobre a queda dos regimes de esquerda apresentamos uma compreensão preliminar das novas possibilidades de ativismo político.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, G., (02 de dezembro de 2013), Neodesenvolvimentismo e Estado neoliberal no Brasil. Blog da Boitempo [Blog]. Recuperado de https://blogdaboitempo.com.br/2013/12/02/neodesenvolvimentismo-e-estado-neoliberal-no-brasil/

ALVES, G., (27 de novembro de 2014), O mal-estar do neodesenvolvimentismo. Blog da Boitempo [Blog]. Recuperado de https://blogdaboitempo.com.br/2014/11/27/o-mal-estar-do-neodesenvolvimentismo/

ARENDT, H., (2008), Homens em tempos sombrios. Editora Companhia das Letras.

BAUMAN, Z., (1998), O mal-estar da modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 122.

BOITO JR, A. & BERRINGER, T. (2013) Brasil: classes sociais, neodesenvolvimentismo e política externa nos governos Lula e Dilma. Revista de Sociologia e Política, v. 21, n. 47.

CAILLÉ, A., (2013), O Dom entre interesse e “desinteressamento". Revista de Estudos Antiutilitaristas e Pós-Coloniais. v. 3, n. 1, p. 7-42.

CUSSET, F. (agosto 3 de 2017) Em Chiapas, a revolução continua. Le Monde Diplomatique. Recuperado de https://diplomatique.org.br/em-chiapas-a-revolucao-continua/

DARDOT, P. & LAVAL, C., (2016), A nova razão do mundo: ensaios sobre a sociedade neoliberal. São Paulo, SP: Editora Boitempo.

GOHN, M., (2017), Manifestações e protestos no Brasil: Correntes e contracorrentes na autalidade. São Paulo: Cortez.

GIDDENS, A., (2001), A terceira via e seus críticos. Rio de Janeiro: Record

GUDYNAS, E. et al. (2016). Los progresismos sudamericanos: Ideas y prácticas, avances y límites. Rescatar la esperanza. Más alla del liberalismo y el progressismo. Barcelona: Ed. Entrepueblos.

HONNETH, A., (2015), O direito da liberdade. Martins Editora.

LOZANO GUILLÉN, (2014), El nuevo país está en marcha. 1 ed. Bogotá: Ocean Sur.

MARTINS et al. (2014), Modelos Alternativos de Desenvolvimento. In: Martins et al. (Org.). Guía sobre post-desarrollo y nuevos horizontes utópicos. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Estudios Sociológicos Editora.

MARTINS, P.H., (2016), Democracia, pós-desenvolvimento e gestão de bens comuns: perspectivas da América Latina e do Caribe. SP: Annablume.

MARTINS, P.H., (2017), Republicanismo solidário e missão da universidade pública. In: Conferência realizada na UFPE sob iniciativa do Reitor Anísio Brasileiro dentro das atividades preparatórias da participação da UFPE na III Conferência Regional de Educação Superior da América Latina e Caribe a ser realizada no ano de 2018 na cidade de Córdoba, Argentina.

MARTINS, P.H., (2018), Crítica sociológica al poder oligárquico en América Latina (No prelo)

MATTEI, L., (2013), Gênese e agenda do novo desenvolvimentismo brasileiro. Revista de economia política, v. 33, n. 1, p. 130.

SADER, E., (org.) (2013). 10 anos de governos pós-neoliberais no Brasil: Lula e Dilma. São Paulo, SP: Boitempo; Rio de Janeiro: FLACSO Brasil.

SADER, E., (2010) A nova toupeira. Os caminhos da esquerda latino-americana. São Paulo: Boitempo.

SANTOS, W. G., (2017), A democracia impedida: o Brasil no século XXI. RJ: FGV Editora.

SOUZA, J. (2017). A elite do atraso: da escravidão à Lava Jato. RJ: Leya.

SOUSA SANTOS, B. (2016). A difícil democracia: reinventar as esquerdas. SP: Boitempo.

SOUSA SANTOS, B., (2017). Democracia y transformación social. Bogotá: Siglo del hombre editores, Siglo XXI editores.

SVAMPA, M., (2012) Consenso de los commodities, giro ecoterritorial y pensamiento crítico en América Latina. Osal, v. 13, n. 32, p. 15-38.

SVAMPA, M., (2016), América Latina: Fin de ciclo y populismos de alta intensidad. In Gudynas et al., (2016), Rescatar la esperanza. Más alla del liberalismo y el progressismo. Barcelona: Ed. Entrepueblos.

URREA, D. & FORERO, L., (28 de setembro de 2016), Paz territorial y acaparamiento en Colombia. Transnational Institute [Blog]. Recuperado de https://www.tni.org/es/art%C3%ADculo/paz-territorial-y-acaparamiento-en-colombia

WEBER, M., (1999). Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. v. 1. Brasília: UnB, 209-227.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista de Estudos AntiUtilitaristas e PosColoniais - ISSN: 2179-7501

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Creative Commons CC Atribuição Não comercial, sem derivação 4.0.