Pensamentos amefricanos contra o déficit decolonial em Walter Mignolo

Débora Menezes Alcântara

Resumo


O objetivo deste trabalho é apresentar, por um lado, uma leitura crítica de determinadas concepções fundantes das produções acadêmicas do pensamento decolonial, as ideias de paradigma outro e pensamento fronteiriço, assim como a forma em que a ideia de modernidade é por elas concebida. Com isso, procuramos advertir para uma tendência a um déficit decolonial na elaboração dessas concepções que possa incidir de forma enfraquecedora sobre o próprio projeto decolonial, que é a libertação. Por outro lado, partindo da crítca a tais contradições presentes no pensamento decolonial, procuramos argumentar sobre a potência decolonizadora em categorias forjadas nos pensamentos de intelectuais afrolatinoamericanas, a exemplo de Lélia Gonzalez e Beatriz Nascimento; categorias, estas, que perfazem um caminho reflexivo e ativo, alternativo a determinadas proposições do pensamento decolonial e que merecem ser retomadas e (re)introduzidas de forma mais significativa nos debates sobre projetos intelectuais emancipatórios da região. As reflexões aqui expostas se deram através de uma leitura comparada de autores inscritos na vocalização do “colonizado” e do tensionamento entre suas ideias e expressões epistêmicas.


Palavras-chave


Pensamento decolonial. Modernidade. Ação. Libertação.

Texto completo:

PDF

Referências


BURITY, Joanildo A.; LOPES, Alice C., MENDONÇA, Daniel de. 2015, A contribuição da Hegemonia e estratégia socialista para as ciências humanas e sociais. Prefácio à edição brasileira. In.: LACLAU, Ernesto;

MOUFFE, Chantal. Hegemonia e estratégia socialista: por uma política democrática radical. Tradução de Joanildo A. Burity, Josias de Paula Jr. e Aécio Amaral – São Paulo: Intermeios, Brasília, 2015.

CARDOSO, Cláudia P. 2014, Amefricanizando o feminismo: o pensamento de Lélia Gonzalez. Revista Estudos Feministas (UFSC. Impresso) , v. 22, p. 965-986, 2014

CASANOVA, Pablo G. 2003. Colonialismo Interno (una redefinición). In.: Revista Rebeldía, No. 12, (octubre de 2003): http://www.revistarebeldia.org/revistas/012/art06.html

CUSICANQUI, Silvia. Rivera. 2010, Ch’ixinakax utxiwa: Reflexión sobre prácticas y discursos descolonizadores. Ediciones Tinta Limón, Buenos Aires: 2010.

DUSSEL, Enrique. 1993. 1492: O encobrimento do outro: A origem do mito da modernidade: Conferências de Frankfurt / Enrique Dussel; tradução: Jaime A Clasen – Petrópolis, RJ: 1993.

FANON, Frantz. 2008, Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

_____________. 2005, Os condenados da terra. Juiz de fora: Ed. UFJF, 2005. (coleção cultura, v.2)

GONZALEZ, Lélia. Racismo e Sexismo na Cultura Brasileira. In: Revista Ciências Sociais Hoje, Anpocs, 1984, p. 223-244.

_____________. 1988, A categoria político-cultural da Amefricanidade. Revista Tempo Brasileiro. Rio de Janeiro, 92/93; p. 69-82, jan.-jun.

______________. 1991, Entrevista ao MNU. Jornal Nacional do Movimento Negro Unificado, n. 19, p. 8-9, maio/junho/julho.

GROSFOGUEL, Ramón. 2013, Hay que tomarse en serio el pensamiento crítico de los colonizados en toda su complejidad. Entrevista realizada por Luis Martínez Andrade.Metapolítica, n 83, octubre – diciembre de 2013.

_______________. 2008, Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: Transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista Crítica de Ciências Sociais, 80, Março 2008: 115-147.

GILROY, Paul. 2001, O Atlântico Negro. Modernidade e dupla consciência, São Paulo, Rio de Janeiro, 34/Universidade Cândido Mendes – Centro de Estudos Afro-Asiáticos, 2001.

HALL, Stuart. 2003. Da Diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG.

LUGONES, María. 2008, Colonialidad y Género. Tabula Rasa. Bogotá – Colombia, Nº 9: 73-101, julio-diciembre 2008.

MIGNOLO, Walter D. 2000, Historias locales / diseños globales. Colonialidad, conocimientos subalternos y pensamento fronterizo. Princeton University Press, 2000 (Trad. Ediciones Akal, 2003. Madrid. Tradutoras: Juan María Madariaga y Cristina Vega Solís). 452 pgs.

NASCIMENTO, Beatriz. 1982, Kilombo e Memória comunitária – um estudo de caso. Revista Estudos-Asiáticos. Nº 6-7. Centro de Estudos Afroasiáticos – CEAA/UCAM, RJ, 259-265 p.

_________________.ORÍ (Original)., 1989. Direção: Raquel Gerber. 91 min. DVD. In.: https://www.youtube.com/watch?v=DBxLx8D99b4.

QUIJANO, Anibal. 2005, Colonialidade do poder, eurocentrismo e America Latina. In.: A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Edgardo Lander (org). Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina. setembro 2005. pp.227-278.

RATTS, Alex., 2006. Eu sou atlântica: sobre a trajetória de vida de Beatriz Nascimento. Instituto Kuanza; Imprensa Oficial: São Paulo.

WALSH, Catherine. 2005, (Re) pensamiento crítico y (De)colonialidad. Reflexões Latinoamericanas. Introducción. In C. Walsh (Ed.), Pensamiento crítico y matríz (De)colonial (pp. 12-34). Quito: UASB-Ediciones Abya Yala, 2005, p. 13-35.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista de Estudos AntiUtilitaristas e PosColoniais - ISSN: 2179-7501

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Creative Commons CC Atribuição Não comercial, sem derivação 4.0.