Experiências feministas narradas no espaço virtual: Debates sobre Interseccionalidade e Feminismo Negro

Larissa Viegas de Mello Freitas

Resumo


Ao longo desta década tem crescido cada vez mais as iniciativas de escrita na internet como forma de fomentar e ampliar os debates sobre as demandas do feminismo brasileiro. Mobilizações, organizações de protestos, debates e produção de conhecimentos têm sido uma constante entre feministas que se juntam em coletivos virtuais para exporem suas demandas e reivindicações políticas. Este artigo visa propor uma reflexão acerca dos conteúdos produzidos e publicados em duas páginas virtuais feministas importantes para esse contexto, as Blogueiras Feministas e as Blogueiras Negras. Desde 2010 e 2012 são postadas uma série de publicações que giram em torno das questões de feminismo, gênero, raça, interseccionalidade, políticas públicas, educação, violência de gênero, dentre outras. O enfoque será dado para as publicações que se dedicaram a refletir sobre o conceito de interseccionalidade e feminismo negro, de modo a compreender os diálogos entre passado e presente que esses escritos preconizam.



Palavras-chave


Feminismo. Mulheres Negras. Interseccionalidade. Internet. Blogs.

Texto completo:

PDF

Referências


BALLESTRIN, Luciana M. A. (2013). América latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, v. 11, p. 89-117.

BALLESTRIN, Luciana M. A. (2017). Feminismos Subalternos. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 25, n. 3, p. 1035-1054. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/42560. Acesso em setembro de. 2018.

CARDOSO, Lourenço. (1998). O branco “invisível”: um estudo sobre a emergência da branquitude nas pesquisas sobre as relações raciais no Brasil (Período: 1957-2007). Dissertação de Mestrado, Faculdade de Economia e Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, Coimbra.

CARDOSO, Lourenço. (2010). Branquitude acrítica e crítica: a supremacia racial e o branco anti-racista. Revista Latinoamericana de Ciencias Sociales, Niñez y Juventud. Vol. 8 no. 1 ene-jun. Disponível em: http://biblioteca.clacso.edu.ar/Colombia/alianza-cinde-umz/20131216065611/art.LourencoCardoso.pdf. Acesso em agosto de 2017.

CARDOSO, Cláudia Pons. (2012). Outras falas: feminismos na perspectiva de mulheres negras brasileiras. Tese (doutorado), Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas. Salvador.

CARNEIRO, Sueli. (1984). Me ensinaram a ser mais branca do que negra. Jornal Mulherio, ano IV, n. 18. Disponível em:

http://www.docvirt.com/docreader.net/DocReader.aspx?bib=MULHERIO&pesq=cora%20coralina. Acesso em: Agosto de 2018.

CARNEIRO, Sueli e SANTOS, Tereza. (1985). A mulher negra brasileira na década da mulher. São Paulo: Conselho Estadual da Condição Feminina.

CARNEIRO, Sueli. Mulher Negra. (1993). Caderno IV da série Cadernos Geledés. São Paulo, edição comemorativa do 23º aniversário do Geledés Instituto da Mulher Negra.

CARNEIRO, Sueli. (2003). Mulheres em movimento. Estudos Avançados, São Paulo, v. 17, n. 49, p. 117-133, Dec. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142003000300008&lng=en&nrm=iso. Acesso em agosto de 2017.

CARNEIRO, Sueli. (2003a). Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. In: Racismos contemporâneos. Rio de Janeiro, Takano Ed..

CERTEAU, Michel de. (2003). Fazer com: usos e táticas. Foucault e Bordieu. In: _____. A invenção do cotidiano. 1. Artes de fazer. Petrópolis: Vozes. p. 91-129.

COELHO, Mayara Pacheco. (2016). Vozes que ecoam: Feminismo e Mídias Sociais. Pesqui. prát. psicossociais, São João del-Rei, v. 11, n. 1, p. 214-224, jun. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-89082016000100017&lng=pt&nrm=iso. Acesso em setembro de 2018.

CRENSHAW, Kimberlé. (1989). Demarginalizing the Intersection of Race and Sex: A Black Feminist Critique of Antidiscrimination Doctrine, Feminist Theory and Antiracist Politics. University of Chicago Legal Forum: Vol. 1989: Iss. 1, Article 8. Disponível em: http://chicagounbound.uchicago.edu/uclf/vol1989/iss1/8. Acesso em julho de 2016

DAVIS, Angela. (1981). Women, Race and Class. Nova Iorque: Random House.

DOURISH, Paul. GENEVIEVE, Bell. (2011). Divining a digital future: mess and mythology in ubiquitous computing. Cambridge: Massachusetts Institute of Technology.

FRANKENBERG, R. (1999). Race, sex and Intimacy I: Mapping a discourse. Minneapolis: University of Minnesota.

GONZALEZ, Lélia. (1979). Cultura, etnicidade e trabalho: efeitos linguísticos e políticos da exploração da mulher. Comunicação apresentada no VIII Encontro Nacional da Latin American Studies Association, realizado de 05 a 07 de abril em Pittsburgh (USA). Disponível em: https://coletivomariasbaderna.files.wordpress.com/2012/09/cultura_etnicidade_e_trabalho.pdf. Acesso em agosto de 2018.

GONZALEZ, Lélia. (1986). A cidadania e a questão étnica. In: Teixeira, João Gabriel Lima (org.). A construção da cidadania. Brasília: UNB, p. 176.

GONZALEZ, Lélia. (1988). Por un feminismo afrolatinoamericano. Isis International, v. IX: 133-141.

HIRZALLA, Fadi. ZOONEN, Liesbet van. RIDDER, Jan de. (2010). Internet Use and Political Participation: Reflections on the Mobilization/Normalization Controversy. The Information Society, pp. 1-15.

HOOKS, bell. (1981). Ain’t I a Woman? Black women and feminism. Cambridge, MA: South End.

HOOKS, bell. (1995). Intelectuais Negras. Revista Estudos Feministas, n.2, p. 464-478.

HOOKS, bell. (2000). Mulheres Negras: Moldando a teoria feminista. In: Feminist Theory: from margin to center. Traduzido por: Roberto Cataldo Costa. Revista Brasileira de Ciência Política, nº 16, ano 2015, p. 193 – 210.

HOOKS, bell. (2014). Não sou eu uma mulher? Mulheres Negras e Feminismo. Tradução livre para a Plataforma Gueto. Janeiro. [online]. Disponível em: https://plataformagueto.files.wordpress.com/2014/12/nc3a3o-sou-eu-uma-mulher_traduzido.pdf . Acesso em: julho de 2018.

LUZ, Camila Antunes da. (2014). A propagação da democracia na Primavera Árabe: a influência dos fatores internacionais na difusão da democratização na Tunísia, no Egito e na Líbia. 2014. Trabalho de Conclusão de Curso – Curso de Relações Internacionais, Departamento de Economia e Relações Internacionais, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

MATOS, Marlise. (2010). Movimento e teoria feminista: é possível reconstruir a teoria feminista a partir do Sul global?. Rev. Sociol. Polit., Curitiba , v. 18, n. 36, p. 67-92, Junho. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-44782010000200006&lng=en&nrm=iso. Acesso em setembro de 2018.

MILLER, Daniel. (2011). Tales from Facebook. Cambridge: Cambridge Polity Press.

MOUTINHO, Laura. (2014). Diferenças e desigualdades negociadas: raça, sexualidade e gênero em produções acadêmicas recentes. Cad. Pagu [online], n.42 [cited 2016-08-07], pp.201-248. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cpa/n42/0104-8333-cpa-42-00201.pdf . Acesso em julho de 2018.

QUIJANO, Anibal. (2010). Colonialidade do poder e classificação social. In. SANTOS, Boaventura Souza e MENESES, Maria Paula. Epistemologias do Sul. São Paulo: Editora Cortêz, 2010.

ROUSSO, Henry. (2012). La contemporanéité au coueur de l’historicité. In: La Derniére Catastrophe: l’histoire, le présent, le contemporain. Paris: Gallimard. P. 144-189.

SCHUCMAN, Lia Vainer. (2012). Entre o "encardido", o "branco" e o "branquíssimo": raça, hierarquia e poder na construção da branquitude paulistana. Tese de Doutorado. Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo.

SOUZA, Vivian; BIANCHI Juliane. (2015). O feminismo descolonial de Houria Bouteldja e o movimento de mulheres negras brasileiro: algumas questões a discutir. Anais do IV Seminário Enlaçando Sexualidades – Moralidades, Famílias e Fecundidade. Disponível em:http://www.uneb.br/enlacandosexualidades/files/2015/07/Comunica%C3%A7%C3%A3oOral_ET44_VivianSouza_JulianeBianchi.pdf. Acesso em maio de 2018.

VELLOSO, Ricardo Viana. (2008). O ciberespaço como ágora eletrônica na sociedade contemporânea. Ci. Inf., Brasília, v. 37, n. 2, p. 103-109, Aug. 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ci/v37n2/a08v37n2.pdf. Acesso em Setembro de 2018.

ZAGO, Gabriela da Silva. (2009). Dos blogs aos microblogs: aspectos históricos, formatos e características. Rio de janeiro: BOCC. Arquivo em pdf, disponível na Biblioteca on-line de Ciências da Comunicação, através de link: http://www.bocc.ubi.pt/pag/zago-gabriela-dos-blogs-aos-microblogs.pdf. Acesso em julho de 2018.

WERNECK, Jurema. (2014). Intersecções de raça, etnia, gênero e classe: faces cotidianas e teóricas. In: Assis, G; MINELLI, L S.; FUNK, S. B. (orgs). Entrelugares e mobilidades: Desafios feministas. Tubarão, SC: Copiart. p. 319-328.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista de Estudos AntiUtilitaristas e PosColoniais - ISSN: 2179-7501

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Creative Commons CC Atribuição Não comercial, sem derivação 4.0.