José Martí e o pensamento social latino-americano: Uma perspectiva pós-colonial

Gislania de Freitas Silva, Luiz Fabio Paiva

Resumo


O presente artigo discute a obra de José Martí, a partir da perspectiva pós-colonial, apontando que seus escritos problematizam questões que antecipam a produção teórica contemporânea. Martí se insere no rol de pensadores que questionou e lutou contra a hegemonia política e cultural dos centros de poder, anunciando em seus escritos o que veio a se tornar o novo império, os Estados Unidos, e suas articulações para a manutenção da América Latina na periferia capitalista.

Texto completo:

PDF

Referências


Anderson, Benedict (2014). Sob três bandeiras: anarquismo e imaginação anticolonial. São Paulo: Editora UNICAMP; Fortaleza: EdUece.

Brand, Ulrich, e Wissen, Markus (2013). Crises socioecologicas y modo de vida imperial: crises y continuidade de las relaciones sociedade – naturaleza en el capitalismo. In: M. Lang (org.). Alternativas ao capitalismo/colonialismo em el siglo XXI. (pp. 445-470) Quito: Fundación Rosa Luxemburgo.

Bhabha, Homi (1991). A questão do “outro”: diferença, discriminação e o discurso do colonialismo. In: H. B. de Hollanda. Pós-modernismo e política. (pp. 117-203). Rio de Janeiro: Rocco.

Benjamin, Walter (1994). Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense.

Bourdieu, Pierre (2007). A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva.

Connel, Raewyn (2012). A iminente revolução na teoria social. RBCS, 27 (28), 9-20.

Costa, Sérgio (2006). Desprovincializando a sociologia: a contribuição pós-colonial. RBCS, 21 (60), 117-134.

Dussel, Enrique (1993). 1494, o encobrimento do outro: a origem do mito da modernidade. Petrópolis: Vozes.

_____ (2005). Europa, modernidade e eurocentrismo. In: E. Lander (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. (pp. 41-53). Buenos Aires, CLACSO.

Eco, Umberto (2011). Lector in fabula. São Paulo: Perspectiva.

Fanon, Frantz (2002). Os condenados da terra. Juiz de Fora: Editora UFJF.

Gilroy, Paul (2012). O atlântico negro. São Paulo: Editora 34.

Grosfoguel, Ramón (2008). Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista crítica de Ciências Sociais, v (80), 115-147.

_____ (2012). Retos de los estúdios étnicos em Estados Unidos em el sistema universitário global ocidentalizado: entre el multiculturalismo liberal, las políticas identitárias, la colonización de las disciplinas académicas y las epistemologias decoloniales. Relaciones Internacionales, (19), 13-26.

Hall, Stuart (2016). O Ocidente e o Resto: discurso e poder. Projeto História, v (56), 314-361.

Lander, Edgardo (2005). Ciências Sociais: saberes coloniais e eurocêntricos. In: E. Lander (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. (pp. 8-23). Buenos Aires, CLACSO.

Lukács, György (2015). O romance histórico. São Paulo: Boitempo Editorial.

Martí, José (1972). Antologia mínima. Havana: Editorial de Ciências Sociales.

_____ (1989). La edad de oro (2ª ed). Havana: Editorial Letras Cubanas.

_____ (2005). Nuestra América (3ª ed). Caracas: Fundación Biblioteca Ayacucho.

_____ (2006). Nossa América (3ª ed). São Paulo: Hucitec.

_____ (2007). Educação em nossa América. Ijuí: Editora Unijuí.

_____ (2017). El presidio político en Cuba. Barcelona: Red Ediciones.

Martínez, Mayra Beatriz (2011). “Deberes ser” en “Nuestra América”: entre el concierto preformativo y el diálogo inter epistémico. Anuário del Centro de Estudios Martianos, (34), 39-49.

Mejía Navarrete, Julío (2015). Modernidad y conocimeiento social, la emergencia de un discurso epistémico en América Latina. Revista Conjeturas Sociológicas, Septiembre-Diciembre, 71-94.

Monteiro, Pedro Meira (2009). As raízes do Brasil no espelho de próspero. Novos Estudos, (83), 159-182.

Muruci, Fabio (2016). Temas republicanos em José Martí. In: Ma. E. N. de Sá (org.). História intelectual latino-americana: itinerários, debates e perspectivas. (pp. 135-148). Rio de Janeiro: Ed.PUC-Rio.

Quijano, Aníbal (2005). Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: E. Lander (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. (pp. 246-286). Buenos Aires, CLACSO.

Rodrigues, Pedro Pablo (2006). Martí e as duas Américas. São Paulo: Expressão Popular.

_____ (2012). Al sol voy: atibos a la política martiana. Havana: Centro de Estudios Martianos.

Santos, Boaventura de Sousa (2009). A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência (7ª ed). São Paulo: Cortez.

Santos, Lucas Machado dos (2016). Modernidade e exílio no epistolário martiano: notas sobre a produção das escenas norte-americanas. In: Ma. E. N. de Sá (org.). História intelectual latino-americana: itinerários, debates e perspectivas. (pp. 149-174). Rio de Janeiro: Ed.PUC-Rio.

Scott, James (2013). A dominação e a arte da resistência: discursos ocultos. Lisboa: Letra Livre.

Suárez León, Carmen (2011). “Nuestra América”: escribir en José Martí. Anuário do Centro de Estudios Martianos, (34), 12-22.

Veyne, Paul (2008). Como se escreve a história: Brasília: Editora Universidade de Brasília.

Weber, Max (2014). Economia e sociedade: fundamentos da Sociologia compreensiva. Brasília: Editora Universidade de São Paulo.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista de Estudos AntiUtilitaristas e PosColoniais - ISSN: 2179-7501

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Creative Commons CC Atribuição Não comercial, sem derivação 4.0.