As pegadas dos que caminham juntos nunca se apagam: enfrentamento do racismo e desafios para a construção de uma educação antirracista no Brasil

Michele Guerreiro Ferreira

Resumo


A partir da compreensão de conceitos-chave do Pensamento Decolonial consideramos o racismo fruto de uma matriz ou padrão de dominação colonial fundado na racionalidade eurocêntrica (Quijano, 2000, 2005). Neste trabalho, destacamos a luta dos Movimentos Sociais Negros no Brasil para superar o racismo e alcançar medidas concretas que apontem para uma atitude decolonial. Nosso objetivo é destacar as possíveis confluências entre enfrentamento do racismo, direito à educação e diálogos epistêmicos para descolonização dos currículos escolares. Para tanto, refletimos sobre os alcances da luta antirracista do período da redemocratização do país até a edição da Lei nº 10.639/2003. Os resultados indicam que as políticas curriculares avançam em direção à consolidação de uma educação das relações étnico-raciais e evidenciam que o enfrentamento do racismo representa a construção de outras condições culturais, políticas, sociais e epistêmicas apesar dos desafios que se interpõem no contexto atual.

Palavras-chave


Movimentos Sociais Negros. Educação Antirracista. Decolonialidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ANZALDÚA, Glória. (2012). Borderlands/La Frontera: The new mestiza. 4th edition. San Francisco: Aunt Lute Books.

ANZALDÚA, Glória. (2009). Como domar uma língua selvagem? Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Difusão da língua portuguesa, n. 39,, p. 297-309.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, Senado, 1988. Disponível em http://www.alep.pr.gov.br/system/files/corpo/Con1988br.pdf. Acesso em 22/04/2018.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação: Lei nº 9.394/96 – 24 de dez. 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1998. Disponível em www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm Acesso em: 10/06/2011.

BRASIL. CNE/CP. Resolução nº 1, de 17 de Março de 2004. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana.

COLÔMBIA. Ley 70 de las Comunidades Negras. América Negra. n. 6 diciembre. 1993.

FANON, Frantz. (2008). Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA.

FANON, Frantz. (1968). Os condenados da terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

FERREIRA, Michele Guerreiro; SILVA, Janssen Felipe da. (2015). Brasil/África: unidos pelo atlântico, separados pelo currículo escolar? In. PEREIRA, José Alan da Silva; COSTA, Fátima Batista da (Org.). Saberes Múltiplos. Recife: Editora Universitária/UFPE, p. 79-102.

GENTILI, Pablo (Org.). (1996). Pedagogia da exclusão: crítica ao neoliberalismo em educação. 2. ed. Petrópolis: Vozes.

GROSFOGUEL, Ramon. (2016). A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídio do longo século XVI. Revista Sociedade e Estado – Volume 31 Número 1 Janeiro/Abril, p. 25-49.

GROSFOGUEL, Ramón. (2012). Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: Transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Disponível em: http://www.febf.uerj.br/periferia/V1N2/02.pdf

GROSFOGUEL, Ramón. (2007). Dilemas dos estudos étnicos norte-americanos: multiculturalismo identitário, colonização disciplinar e epistemologias descoloniais. In: Ciência e Cultura. São Paulo: v. 59, nº. 2, p. 32-35.

GUIMARÃES, Antonio Sérgio Alfredo. (2009). Contexto histórico-ideológico do desenvolvimento das Ações Afirmativas no Brasil. In: SILVERIO, V. R.; MOEHLECKE, S. (Org.). Ações Afirmativas nas políticas educacionais: o contexto pós-Durban. São Carlos, SP: EDUFSCar.

MALDONADO-TORRES, Nelson. (2007a). On the coloniality of being: contributons to the development of a concept. Cultural Studies, v. 21, n. 2-3, p. 240-270.

MIGNOLO, Walter. (2005). Cambiando las Éticas y las Políticas del Conocimiento: La Lógica de la Colonialidad y la Postcolonialidad Imperial. Disponível em: www.tristestopicos.org.

MIGNOLO, Walter. (2007). La idea de América Latina: la herida colonial y la opción decolonial. Barcelona: Gedisa Editorial.

MIGNOLO, Walter. (2008). Desobediência Epistêmica: a Opção Descolonial e o significado de Identidade Em Política. Cadernos de Letras da UFF – Dossiê: Literatura, língua e identidade, Rio de Janeiro, nº 34, p. 287-324.

MIGNOLO, Walter. (2011). Historias Locales/Diseños Globales: Colonialidad, conocimientos subalternos y pensamiento fronterizo. 1ª reimpresión. Madrid: Akal.

MIRANDA, Cláudia. (2012). O Movimento Negro Afrocolombiano e a Educação Própria: Agendas Emergentes. GT03 - Movimentos sociais, sujeitos e processos educativos. 35ª Reunião Anual da Anped. Disponível em: http://www.anped.org.br/biblioteca/item/o-movimento-negro-afrocolombiano-e-educacao-propria-agendas-emergentes. Acesso em 01/05/2018.

MUNANGA, Kabengele. (2010). Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. 3 ed., Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

PAIXÃO, Marcelo. et al. (Org.). (2010). Acesso ao Sistema de Ensino e Indicadores de Proficiência. In: Relatório Anual das Desigualdades Raciais no Brasil, 2009-2010: Constituição Cidadã, Seguridade Social e seus Efeitos sobre as Assimetrias de Cor ou Raça. Rio de Janeiro: Editora Garamond Ltda., pp. 205-248.

QUIJANO, Anibal. (2005). Colonialidade do Poder, Eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, E. (Org.). A Colonialidade do Saber: Eurocentrismo e Ciências Sociais. Trad. Júlio César Casarin Barroso Silva. 3. ed. Buenos Aires: CLACSO, 2005, p. 227-278.

QUIJANO, Aníbal. (2000). Colonialidad del Poder y Clasificacion Social. Journal of world-systems research, VI, 2, summer/fall, p. 342-386.

RESTREPO, Eduardo; ROJAS, Axel. (2010). Inflexión decolonial: fuentes, conceptos y cuestionamientos. Popayán, Colombia: Editorial Universidad del Cauca, 2010.

ROLAND, Edna Maria. Santos; RIBEIRO, Matilde. (2012) Políticas Internacionais e Questão Racial no Século XXI. In: Matilde Ribeiro. (Org.). As Políticas de Igualdade Racial, Reflexões e Perspectivas. 1ed.São Paulo: Fundação Perseu Abramo, v. 1, p. 1-300.

SAVIANI, Demerval. (2008). O legado educacional do regime militar. Cad. Cedes, Campinas, vol. 28, n. 76, p. 291-312, set./dez. 2008 Disponível em http://www.cedes.unicamp.br. Acesso em 26/05/2017.

SEGATO, Rita Laura y ÁLVAREZ, Paulina. (2016). “‘Frente al espejo de la reina mala’. Docencia, amistad y autorización como brechas decoloniales en la universidad”, Versión. Estudios de Comunicación y Política, núm. 37, octubre-abril, p. 201-216, disponível em .

TIAM, Iba Der e MULIRA, James. (2010). A África e os países socialistas. In. MAZRUI, Ali A. e WONDJI, Christophe. História geral da África, VIII: África desde 1935. – Brasília: UNESCO, 2010, p. 965-1002.

TUBINO, Fidel. (2005). La praxis de la interculturalidad en los estados nacionales latinoamericanos. Cuadernos Interculturales. Julio/Diciembre, año/vol. 3, número 05. Universidad de Valparaíso, Viña del Mar, Chile, p. 83-96.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista de Estudos AntiUtilitaristas e PosColoniais - ISSN: 2179-7501

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Creative Commons CC Atribuição Não comercial, sem derivação 4.0.