A construção retórica de uma ameaça: o caso iraniano

Tamires Maria Alves

Resumo


O presente artigo busca desenvolver a construção retórica que leva o Irã a transformar-se de um país “aliado” da ótica Ocidental a uma ameaça internacional. Procura salientar como as hostilidades que passaram a existir somente entre o Irã e os Estados Unidos foram produzidas como uma “ameaça” para toda “comunidade internacional”. Na medida em que os Estados Unidos desempenham um papel de liderança nesta, um país percebido como perigoso para os Estados Unidos passa a representar uma “ameaça pública”. O artigo norteia sua argumentação entre teóricos que desnaturalizam essa construção de valores como fidedigna e questionam, através da Teoria Pós Colonial, viabilizada principalmente pelo advento do colonialismo, como esse persiste sendo capaz de abarcar a dominação cultural dos povos marginalizados.


Palavras-chave


Teoria Pós Colonial; Irã; Estados Unidos; Construção de ameaças

Texto completo:

PDF

Referências


ADICHIE, Chimamanda Ngozi. (2013). Vídeo disponível em: http://www.youtube.com/watch?v=ZUtLR1ZWtEY. Acesso em: 10/10/2013.

AYOOB, Mohammed. (1997). Defining Security: a subaltern realist perspective. In Critical Security Studies, edited by Keith Krause and Michael C. Williams. Minneapolis, MN: University of Minnesota Press.

AYOOB, Mohammed. (2004). Political Islam: Image and Reality. World Policy Journal, 2004

BUZAN, Barry. WAEVER, Ole; DE WILDE, Jaap. (1998). Security: a new framework for analysis. Londres: Lynne Rienner Publishers.

BUZAN, Barry; WAEVER, Ole. (2003). Regions and Powers – the structure of International Security. Cambridge University Press. pp.185-218.

BYRNE, Malcolm; GASIOROWSKI, Mark J. (2004). Mohammad Mossaddeq and the 1953 Coup in Iran. Syracuse University Press.

CAMPBELL, David. Violent performances: Identity, Sovereignty, Responsibility. The Return of Culture and Identity in IR Theory. Boulder: Lynne Rienner Publishers. Lapid, Yosef and Kratochwil, Friedrich. Boulder: Lynne Rienner Publishers, 1996.

DARBY, Phillip and PAOLINY, A.J. (1994). Bridging International Relations and Postcolonialism., 371-397.

DE DECCA, Edgar Salvadori. E. P. (1995). Thompson: um personagem dissidente e libertário. Projeto História. Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em História e do Departamento de história da PUC/SP, n. 12, out.

DOTY, Roxanne L. (2003). Foreign policy as social construction: a post-positivist analysis of U.S. counter-insurgency policy in the Philippines. International Studies. Quarterly, v. 37, n. 3, Bloomington, pp. 297-320. Arizona State University.

GORDON, Matthew. (1987). Os grandes líderes: Khomeini. São Paulo: Editora Nova Cultural.

GRIFFITHS, Martin. (2007). International Relations Theory for the 21st Century. Routledge, London and New York.

FOUCAULT, Michael. (1986). A Arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

FOUCAULT, Michael. (1992). As Palavras e as Coisas. São Paulo: Martins Fontes.

FOUCAULT, Michael. (1987). Vigiar e punir. Nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes.

HALLIDAY, Fred. (1981). Iran: Dictadura y Desarrolo. México D.F: Fondo de Cultura Económica.

HANSEN, Lene. (2006). Security as Practice: Discourse Analysis and the Bosnian War. New York.

JABRI, Vivienne. (2007). Michel Foucault’s Analytics of War: The Social, the International, and the Racial. In International Political Sociology, vol. 1, nº 1,pp. 67-81.

JERVIS, Robert. (1978). Cooperation under security dilemma. World Politics, vol.30, n.2,. pp.167-214

KEENE, Edward. (2002). Beyond the Anarchical Society: Grotius, Colonialism and Order in World Politics. Nova Iorque: Cambridge University Press.

KEEGAN, John. (1995). Uma História da Guerra. São Paulo: Companhia das Letras.

MILLIKEN, Jennifer. (1999). The Study of Discourse in International Relations: A Critique of Research and Methods. In European Journal of International Relations.

LEWIS, Bernard. (1996). O Oriente Médio: do advento do cristianismo aos dias de hoje. São Paulo: Jorge Zahar Editor.

LEWIS, Bernard. (2003). I’m right, you’re wrong, go to hell. Religions and the meeting of civilization. Atlantic Monthly.

LEWIS, Bernard. (2002). O que deu errado no Oriente Médio? Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

LIMBERT, John W. (2009). Negotiating with Iran: Wresting the Ghosts of History. Washington, D.C: United States Institute of Peace Press.

McLEOD, John. (2010). Beginning Postcolonialism.New York: Manchester University Press, 2010.

MEIHY, Murilo Sebe Bon. (2007). Por Devoção à República: Nação e Revolução no Irã entre 1979 e 1988. Dissertação de mestrado pela PUC-Rio.

MESSARI, Nizar. (2003). Existe um novo cenário de segurança internacional? In: GOMES, José Maria (org.). América Latina y el (des)orden neoliberal – hegemonia, contrahegemonia, perspectivas. Buenos Aires: CLACSO, 1ª ed. pp.131-150.

NOGUEIRA, João Pontes & MESSARI, NIZAR. (2005). Teoria das Relações Internacionais: correntes e debates. Editora Campus.

PAHLAVI, Mohamed Reza. (1967). The White Revolution of Iran. s/l, The Imperial Pahlavi Library.

PINTO, Paulo. G. H. D. R. (2005). Ritual, etnicidade e identidade religiosa nas comunidades muçulmanas no Brasil. Revista USP, São Paulo, p. 228-250, setembro/novembro. ISSN 67.

RACHLIN, Nahid. (2007). Garotas da Pérsia. Rio de Janeiro: Rocco.

SAID, Edward W. (2007). Orientalismo. São Paulo: Companhia das Letras.

SAID, Edward W. (2006). Cultura e Resistência. Rio de Janeiro: Ediouro Publicações.

SAID, Edward W. (1995). Cultura e Imperialismo. São Paulo: Companhia das Letras.

SALAMA, Mohammad R. (2011). Islam: Orientalism and Intellectual History. London – New York: I. B. Tauris.

SCHMITTCHEN, Dirk; STRITZEL, Holger. (2011). Securitization culture and power: rogue states in US and German discourse. In Thierry Balzacq ‘Securitization Theory’. London: Routledge.

U.S Department of Defense. (2013). Acesso em 13 de abril. http://www.defense.gov/transcripts/transcript.aspx?transcriptid=4295.

US Department of State. (2013).. Disponível em: http://www.state.gov/ Acesso em: 19 de maio.

WEIL, Josef, org. (2007). O Oriente Médio na perspectiva marxista. São Paulo: Editora Sundermann, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista de Estudos AntiUtilitaristas e PosColoniais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Creative Commons CC Atribuição Não comercial, sem derivação 4.0.