A Quarentena é branca: classe, raça, gênero e colonialidade

Amurabi Oliveira

Resumo


A pandemia do COVID-19 tem impactado o mundo de uma forma sem precedentes, inaugurando, segundo alguns, o chamado “novo normal”. Neste ensaio busco analisar as relações entre classe, raça, gênero e colonialismo a partindo de dois acontecimentos que ocorreram nessa pandemia: a) o assassinato de George Floyd; b) a morte do menino Miguel. Busco chamar a atenção para o fato de que apesar de ser um fenômeno global, a pandemia tem afetado os diferentes grupos sociais de formas distintas, algo mediado pelos diferentes marcadores de diferença e forjado na experiência colonial.

 


Palavras-chave


pandemia; COVID-19; interseccionalidade; crítica pós-colonial.

Texto completo:

PDF

Referências


Britto, D.; Santos, M. C. (5 de junho 2020). Mãe e avó de Miguel contraíram Covid-19 e nem assim foram dispensadas do trabalho. Ponte. Disponível em: https://ponte.org/mae-e-avo-de-miguel-contrairam-covid-19-e-nem-assim-foram-dispensadas-do-trabalho/ Acessado em: 30 de julho de 2020.

Caponi, S. N. C. (2020). Covid-19 no Brasil: entre o negacionismo e a razão neoliberal. Estudos Avançados, v. 34, n. 99, 209-223.

Cayres, D. C. (2011). Ensaiando aproximações de gênero e raça a luz do olhar pós-colonial. REALIS - Revista de Estudos AntiUtilitaristas e PosColoniais, v. 1, n. 2, p. 74-93.

Connell, R. (2012). A iminente revolução na teoria social. Revista Brasileira de Ciências Sociais. v. 27, n. 80, p. 9-20.

Diangelo, Â. (2020). Não basta não ser racista: sejamos antirracistas. Barueri: Faro editorial.

Fanon, F. (2008). Peles negras, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA.

Ferrara, J. A. (2019). Diálogos entre Colonialidade e Gênero. Revista Estudos Feministas, v. 27, n. 2, p. 1-11.

Gomes, N. L. (2012). Movimento negro e educação: ressignificando e politizando a raça. Educação & Sociedade, v. 33, n. 120, p. 727-744.

Grossi, M.; Toniol, R.; Lozano, M. L. (2020). Finalizando a primeira série do Boletim Cientistas Sociais e o Coronavírus: um balanço inicial. Boletim Cientistas Sociais, s/v, n. 86, p. 1-8.

Hall, S. (2003). Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora da UFMG.

Haraway, D. (1995). Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu. s/v, n. 5, p. 7-4.

Miranda, E.; Pitasse, M. (23 de setembro 2019). “Parem de nos matar”, pedem moradores em ato no Rio contra morte de Ághata, de 8 anos. Brasil de Fato. Disponível em: https://www.brasildefatorj.com.br/2019/09/23/parem-de-nos-matar-pedem-moradores-em-ato-no-rio-contra-morte-de-agatha-de-8-anos . Acessado em 30 de julho de 2020.

Nogueira, T. P. C. C. R. (2017). Mucama Permitida: a identidade negra do trabalho doméstico no Brasil. Cadernos de Gênero e Diversidade, v. 3, n. 4, p. 47-58.

Pinheiro, L.; Lira, F.; Rezende, M.; Fontoura, N. (2019). Os Desafios do Passado no Trabalho Doméstico do Século XXI: reflexões para o caso brasileiro a partir dos dados da PNAD Contínua. Brasília: IPEA.

Quijano, A. (2005). Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: Lander, E. (Org.) A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, p. 117-142.

Ribeiro, D. (2019). Pequeno manual antirracista. São Paulo: Companhia das Letras.

Soto, I. S. (2020). Pensar raza: La Interseccionalidad un camino de desafíos y encrucijadas. Revista Estudos Feministas, v.28, n. 1, p. 1-6.

Vergès, F. (2020). Um feminismo decolonial. São Paulo: Ubu editora.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista de Estudos AntiUtilitaristas e PosColoniais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Creative Commons CC Atribuição Não comercial, sem derivação 4.0.