Boas razões para ser a favor da crítica plural | conversando com Ricardo Regatieri sobre a teoria crítica da colonialidade

Paulo Henrique Martins

Resumo


No último número da REALIS de 2019.2 o sociólogo Ricardo Regatieri publicou uma resenha muito instigante intitulada “Crítica da colonialidade sem tábula rasa” a partir da leitura de meu livro Teoria Crítica da Colonialidade (Ateliê de Humanidades, 2020). Sua resenha me estimulou a escrever esta resposta para trazer alguns esclarecimentos adicionais sobre o livro e para estimular o debate. O primeiro comentário dele tem a ver com os usos que faço da ideia de teoria crítica sem referenciar de modo mais preciso a tradição alemão. O segundo, com o uso do conceito weberiano de patrimonialismo para analisar os sistemas de poder na América Latina; e o terceiro, sobre os eventuais limites do uso de utopias libertárias nas ciências sociais, como aquela do Bien Vivir. 


Texto completo:

PDF

Referências


BOLTANSKI, Luc. (2011) On critic. A sociology of emancipation. London: Polity Press.

CAILLE, A. (2007) La quête de la reconnaissance. Nouveau phénomène social total. Paris: La Découverte.

CAILLE, A. (2008) Reconhecimento e sociologia. RBCS, vol. 23, n.66, p. 151-164.

CELIKATES, (2019) Sociologia da Crítica ou Teoria Crítica? Luc Boltanski e Axel Honneth conversam com Robin Celikates (Parte 2). https://blogdolabemus.com/2019/06/24/sociologia-da-critica-ou-teoria-critica-luc-boltanski-e-axel-honneth-conversam-com-robin-celikates-parte-2/

CESAIRE, A. (1955) Discours sur le colonialisme. Paris: Editiones Présence Africaine

DELANTY, G. (2020) Critical Theory and Social Transformation: Crises of the Present and Future Possibilities. London. Routledge.

FANON, F. (1952) Peau noire, masques blancs. Paris: Éditions du Seuil.

FAORO, R. (1998) (1998) Os Donos do Poder - Formação do Patronato Político Brasileiro (13ª ed.). São Paulo: Globo.

FONTES, P.V. (2018) A luta pelo reconhecimento e o paradigma da dádiva: uma proposta de articulação teórica. Rev. Bras. Ciências Sociais. vol.33 no.97 São Paulo, p. 1-19.

MARTINS, P.H. (2008) De Lévi-Strauss a M.A.U.S.S. - Movimento antiutilitarista nas ciências sociais: itinerários do dom. RBCSvol.23 no.66 São Paulo,

MARTINS, P.H. (2012) La decolonialidad de América Latina y la heterotopía de una comunidad de destino solidaria. Buenos Aires: Ediciones Ciccus/Estudios Sociológicos Editora.

MARTINS, P.H. (2013) América latina como expresión del sistema-mundo en la organización de los modelos de desarrollo. Caderno do CRH, vol.26, n.68.

MUSK, E. (2020) Elon Musk confessa participação no golpe na Bolívia e diz que golpeará quem for necessário. Brasil247. https://www.brasil247.com/mundo/elon-musk-confessa-participacao-no-golpe-na-bolivia-e-diz-que-golpeara-quem-for-necessario

PAOLA REBUGHINI, Paola (2018) Critical agency and the future of critique. Current Sociology, Vol. 66 (1), p. 3–19; p.105-130

RENAULT, E. (2006) «Foucault et l’École de Francfort», in S. Haber & Y. Cusset (dir.) (2006), Habermas, Foucault: parcours croisés, Éditions du CNRS,

RENAULT, E. (2012) De la sociologie critique à la théorie critique ? Sociologie, vol.1, n.3

REVUE DU MAUSS (2004) De la reconnaissance. Don, identité et estime de soi. N.23, Paris: La Découverte.

SANTOS, B.S. e MENESES, M.P. (2009) Epistemologias do Sul. Coimbra: Almedina

SOUZA, Jessé. A ralé brasileira. Quem é e como vive. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.

Van DEN BRINK, B. e OWEN, D. (2007) Recognition and Power Axel Honneth and the Tradition of Critical Social Theory. Cambridge: Cambridge University Press

WALLERSTEIN, I. (2006) Impensar a ciencia social. Os limites dos paradigmas do século XIX. São Paulo: Idéias & Letras.

WEBER, M. (1991) Economia e sociedade. Volume 1. Brasília: Editora da UNB.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista de Estudos AntiUtilitaristas e PosColoniais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Creative Commons CC Atribuição Não comercial, sem derivação 4.0.