Epidemiologia política | Notas para uma análise foucaultiana da pandemia

Adriano Vinale

Resumo


O objetivo principal deste ensaio é aplicar a grade teórica foucaultiana à situação pandêmica atual. A biopolítica está em voga há muito tempo nos contextos acadêmicos e intelectuais, e parece particularmente adequada para a leitura das evoluções políticas pós-CoViD-19. Ao mesmo tempo, a grande difusão deste conceito corre o risco de torná-lo obsoleto se não o ligarmos ao que podemos definir a epidemiologia política foucaultiana. Em particular, Foucault entrelaça o manejo de três grandes doenças infecciosas - hanseníase, peste e varíola - e três disposições de poder - soberania, disciplina e biopolítica. Nesta perspectiva, tentamos entender até que ponto a gestão política pandêmica produziu um novo controle social e políticas de segurança altamente eficazes, o que nos expõe a uma configuração sem precedentes do poder soberano de fazer as pessoas viverem e deixá-las morrer.

Texto completo:

PDF

Referências


AA. VV. (2006). Lessico di biopolitica. Roma: manifestolibri

AGAMBEN G. (2007). Homo sacer. O poder soberano e a vida nua. Belo Horizonte: UFMG

AGAMBEN G. (2020) A che punto siamo? L’epidemia come politica. Macerata: Quodlibet (kindle version)

BAZZICALUPO L. (2010). Biopolitica. Una mappa concettuale. Roma, Carocci

CHIGNOLA S. (a cura di) (2006). Governare la vita. Un seminario sui Corsi di Michel Foucault al Collège de France (1977-1979). Verona: ombre corte

ESPOSITO R. (2002). Immunitas. Protezione e negazione della vita. Torino: Einaudi

FOUCAULT M. (1999). Vigiar e punir. Nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes

FOUCAULT M. (2020). História da loucura da na idade clássica. São Paulo: Perspectiva

FOUCAULT M. (2001). Os anormais. Curso no Collège de France (1974-1975). São Paulo: Martins Fontes

FOUCAULT M. (2008). Segurança, Território, População. Curso no Collège de France (1977-1978). São Paulo: Martins Fontes

LAVAL CH. (2017). Foucault et Bourdieu: à chacun son néolibéralisme? In: Cartografie sociali. Rivista di sociologia e scienze umane, n. 4, pp. 231-244

LEGRAND S. (2007). Les normes chez Foucault. Paris: PUF

MICONI A. (2020). Epidemie e controllo sociale. Roma: manifestolibri

MORI L. (2009). La medicalizzazione della vita. Milano: Franco Angeli

PETERSEN A. - BUNTON R. (eds.) (1997). Foucault Health and Medicine. London - New York: Routledge

VANDEWALLE B. (2006). Savoir et pouvoir de la médecine. Paris: L’Hermattan

VINALE A. (a cura di) (2006). Biopolitica e democrazia. Milano: Mimesis

ZAMORA D. - BEHRENT M. C. (eds.) (2016). Foucault and Neoliberalism. Cambridge: Polity Press

ZYLBERMAN P. (2013). Tempêtes microbiennes. Essai sur la politique de sécurité sanitaire dans le monde transatlantique. Paris: Gallimard

ZYLBERMAN P. (2020). La guerre des vaccins. Histoire démocratique des vaccinations. Paris: Odile Jacob


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista de Estudos AntiUtilitaristas e PosColoniais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Creative Commons CC Atribuição Não comercial, sem derivação 4.0.