Afrobrasilidades ou brasilafricanidades em literatura: idas e voltas; fluxos e refluxos; versos e reversos

Flavio García

Resumo


Ao indicar a importância das medidas legislativas e executivas que passaram a incluir a percepção das culturas africanas na constituição de nossa brasilidade, o artigo destaca a projeção das literaturas africanas de língua portuguesa no ensino de Letras, trazendo ao debate temas tais quais os traumas vividos ao longo dos tempos pelos membros da “raça negra”. Privilegiando as misturas entre Brasil e Moçambique, o artigo enfatiza a importância que os escritores brasileiros tiveram para o encontro de uma identidade literária nacional luso-africana. Na eleição de Mia Couto e das influências nele de nomes como João Cabral de Melo Neto, Carlos Drummond de Andrade, Adélia Prado, Jorge Amado e, mais especialmente, de João Guimarães Rosa, observa-se, tal como Mia Couto, a semelhança entre duas nações que se percebem como trazendo dentro de si diversos países profundamente divididos entre universos culturais e sociais variados tanto quanto ainda desconhecidos por sua própria população. 

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 REALIS | Revista de Estudos AntiUtilitaristas e PosColoniais - ISSN: 2179-7501



Creative Commons CC Atribuição Não comercial, sem derivação 4.0.