Natureza e identidade: notas descoloniais para repensar o desenvolvimento

Josias de Paula Jr.

Resumo


A coisificação da natureza, transformada no grande Outro pelo Ocidente, possui muitas origens e consequências. Uma das fontes mais importantes deste processo é a cosmologia judaico-cristã, cujo centro consiste na consideração da espécie humana como senhora e dona do mundo não-humano. O capitalismo ocidental é dependente deste imaginário. Noções como crescimento econômico e desenvolvimento são derivações desse discurso e consolidam a estrutura colonial. Pensar a descolonialidade é pensar a substituição dessa cosmovisão destruidora da vida no planeta, abrindo-se para outras experiências – para além do Ocidente -, e outras cosmovisões. Conceitos como o de desenvolvimento sustentável são inapropriados porque são reféns ainda da lógica antropocêntrica que fomenta a iminente crise ambiental.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 REALIS | Revista de Estudos AntiUtilitaristas e PosColoniais - ISSN: 2179-7501



Creative Commons CC Atribuição Não comercial, sem derivação 4.0.