A gratuitidade e a reciprocidade do agir agápico, o seu relacionamento com o a dádiva: Desafios que vão para além do indivíduo? Um comentário à “generosa” proposta, teórico-prática, do Prof. Paulo Henrique Martins .

Callebaut Bernhard

Resumo


O ensaio, que se destaca como o posfácio desta edição especial, sugere o amor em dois papéis fundamentais como crítica e como imaginação. O amor como crítica é devido à ciência precisar sempre ter uma visão utópica dirigida ao futuro e à emancipação humana. O amor como imaginação, porque ele deve ser o motor da Universidade, o núcleo da educação na comunidade acadêmica e o objetivo de professores que deveriam amar, a fim de se tornarem verdadeiros mestres da vida.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista de Estudos AntiUtilitaristas e PosColoniais



Creative Commons CC Atribuição Não comercial, sem derivação 4.0.