Diferentes percepções da natureza: As intervenções politécnicas, a fiscalização ambiental e pescadores artesanais na Lagoa Feia

Carlos Abraão M. Valpassos, José Colaço D. Neto

Resumo


Os ecossistemas litorâneos brasileiros foram – principalmente
depois de 1940, quando houve a consolidação do Departamento
Nacional de Obras de Saneamento (DNOS) – alvo de uma série de
intervenções sanitaristas que, através das técnicas e métodos da engenharia
politécnica, pretendiam realizar uma demiúrgica reforma
da natureza. Os engenheiros sanitaristas compartilhavam uma visão
antropocêntrica do mundo, onde se faziam mister diversas ‘correções
da natureza’, com o objetivo de alcançar melhores condições
de vida para o homem. A bacia hidrográfica da Lagoa Feia, situada ao norte do Estado do Rio de Janeiro, constitui um lócus privilegiado
para o entendimento do que foi o processo de saneamento do
Brasil. A extinção do DNOS, em 1989, não resultou no fim das
intervenções governamentais na Lagoa Feia. Nos últimos anos foi
intensificada a atuação do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente
(IBAMA), órgão formalmente responsável por regulamentar questões
relativas ao manejo de recursos naturais, cujo principal objetivo
é assegurar a preservação do ecossistema. Para isto, uma das principais
medidas foi a fiscalização da pesca lacustre e sua conseqüente
proibição nos períodos de reprodução das espécies. Pretendemos
neste trabalho apresentar os conflitos oriundos das diferentes concepções
de natureza entre os pescadores artesanais da Lagoa Feia, o
DNOS e o IBAMA.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista ANTHROPOLÓGICAS
AV. Prof. Moraes Rêgo, 1.235. 13° andar
Cidade Universitária
50.670-901 - Recife - PE - Brasil
Tel.: (55) (81) 2126-8286 | Fax: (55) (81) 2121-8282
E-mail: anthropologicas@ufpe.br