Mulheres e água: a experiência da rede de mulheres rurais da América Latina e do Caribe

Rosineide de L. Meira Cordeiro, Sandra Maria Batista Silveira, Paola Morales, Vanete Almeida

Resumo


Este artigo tem como objetivo analisar e, ao mesmo tempo, situar o debate sobre água protagonizado pelas mulheres participantes de movimentos sociais rurais na América Latina. Para isso, analisa a campanha “Água é vida e direito”, desenvolvida pela Rede de Mulheres Rurais da América Latina e do Caribe (Rede Lac), nos diversos países que a campanha abrangeu. As mulheres consideram que a água é um bem comum, bem de direito e de domínio público, sendo elemento essencial à vida. Desse modo, sua proteção e seu bom uso é responsabilidade de todas as pessoas. Entretanto, elas reconhecem que nem todos têm a mesma responsabilidade pela escassez e contaminação da água. O modelo de crescimento orientado para a exportação, a grande agroindústria, os projetos de infraestrutura, a construção de represas e as empresas mineradoras têm provocado alto consumo de água e a contaminação das fontes e mananciais. As mulheres afirmam que é obrigação e responsabilidade do Estado garantir que todos e todas tenham acesso à água potável em quantidade e qualidade suficiente para a vida, para as necessidades básicas e para a produção.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista ANTHROPOLÓGICAS
AV. Prof. Moraes Rêgo, 1.235. 13° andar
Cidade Universitária
50.670-901 - Recife - PE - Brasil
Tel.: (55) (81) 2126-8286 | Fax: (55) (81) 2121-8282
E-mail: anthropologicas@ufpe.br