Who’s Afraid of Afrocentrists? Counter Histories, Political Correctness and the Critics’ Silence

Thomas Reinhardt

Resumo


Durante as últimas décadas, a abordagem afrocêntrica à história, sociologia, antropologia, filosofia, artes e música tem ficado bastante influente entre os afro-americanos. Afrocentristas acredi-tam fervorosamente na excelência acadêmica de seus trabalhos. Esta auto-avaliação, no entanto, não se encaixa bem naquilo o que se define como científico nas disciplinas acadêmicas. Um debate crítico entre afrocentristas e representantes de ciências ‘ociden-tais’, contudo, até agora não foi realizado. Este artigo explora as razões por esta falta de diálogo e chama a atenção para alguns problemas que surgem ao tratar o afrocentrismo de um ponto de vista antropológico. O autor afirma que todo um novo conjunto de questões aparece quando, em vez de pesquisar ‘de baixo para cima’ ou ‘de cima para baixo’, a situação de pesquisa é caraterizada por estudos paralelos.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista ANTHROPOLÓGICAS
AV. Prof. Moraes Rêgo, 1.235. 13° andar
Cidade Universitária
50.670-901 - Recife - PE - Brasil
Tel.: (55) (81) 2126-8286 | Fax: (55) (81) 2121-8282
E-mail: anthropologicas@ufpe.br