Povos Indígenas, Poder Tutelar e Processos do Desenvolvimento no Cerrado Maranhense

Adalberto Luiz Rizzo de Oliveira

Resumo


A região centro-sul do Maranhão, território histórico de povos timbira, foi ocupada no Século XIX pela frente pastoril tradicional, que sujeitou grupos indígenas, estabeleceu fazendas de criação e núcleos populacionais. A partir dos anos 1970, agentes do agronegócio estabeleceram na região projetos de soja, cana de açúcar e outras commodities. Parte do cerrado devastado foi transformado em carvão destinado às indústrias de ferro-gusa, ligadas ao Projeto Ferro-Carajás. A partir de 2004, o Governo Federal estabeleceu a revisão demarcatória das Terras Indígenas Kanela e Porquinhos, levando os sertanejos a vender suas ‘benfeitorias’ a empresários e intensificando os conflitos na região. Este trabalho analisa o impacto dessas mudanças socioambientais sobre os Apaniekrá e Ramkoka-mekra-Canela e as relações interétnicas no centro-sul maranhense.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista ANTHROPOLÓGICAS
AV. Prof. Moraes Rêgo, 1.235. 13° andar
Cidade Universitária
50.670-901 - Recife - PE - Brasil
Tel.: (55) (81) 2126-8286 | Fax: (55) (81) 2121-8282
E-mail: anthropologicas@ufpe.br