Ilusões Oferecidas às Pessoas com ‘Problemas de Pressão’ na Ceilândia,DF

Soraya Fleischer

Resumo


A Unidade Básica de Saúde, por ser o segundo mais numeroso equipamento social encontrado no país, funciona como uma oportunidade para vislumbrar como o Estado percebe seus
usuários e como decide lhes oferecer serviços e fazer cumprir seus direitos. Nas UBS, o principal público consiste nos pacientes com doenças de longa duração, como a hipertensão arterial e diabetes mellitus. Esse artigo pretende se concentrar no lugar, por excelência, em que esses usuários encontravam várias vezes ao ano o Estado – o consultório médico. A partir da etnografia de 126 consultas, o objetivo será compreender como a política chegava a
esta população que está nas franjas do Estado, considerando que a pesquisa foi realizada na Ceilândia, periferia geográfica e simbólica da capital federal. Foi possível notar como sucessivas ilusões eram oferecidas ao público no que tange o Programa HIPERDIA
(Programa de Hipertensão Arterial e Diabetes), o encontro clínico estabelecido entre médico e paciente e os serviços de saúde na atenção primária voltados para populações de classe popular.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista ANTHROPOLÓGICAS
AV. Prof. Moraes Rêgo, 1.235. 13° andar
Cidade Universitária
50.670-901 - Recife - PE - Brasil
Tel.: (55) (81) 2126-8286 | Fax: (55) (81) 2121-8282
E-mail: anthropologicas@ufpe.br