Procurando o Sono

Sinopse:

Esta etnoficção apresenta o mito Kuripaco/Baniwa da criação da noite, através da encenação realizada pelos Baniwa/Kuripako durante o Curso de Licenciatura Intercultural da UFAM. O roteiro filme foi discutido e organizado entre os alunos do curso que roteirizaram e criaram os figurinos utilizados pelos personagens para a encenação realizada em fevereiro de 2011 nas pedras do Rio Içana nas proximidades de Tunuí.

O filme “Procurando o Sono” é a representação do entendimento dos Baniwa e Kuripako sobre o aparecimento da noite no mundo atual. Essas histórias possuem várias versões. E cada um dos clãs tem suas versões e suas proporias interpretações. Não existe uma versão “canônica” desse mito que é de conhecimento geral e ultrapassa as gerações. Cada grupo procura difundir, contar, narrar com elementos que fortalecem o clã daquele que está narrando. Para realizar o filme os alunos Kuripako e Baniwa,que participaram da produção desse filme passaram muitas horas reunidos procurando essa versão comum que iria ser representada, e que depois seria filmada. Na versão filmada percebe-se principalmente os elementos comuns as diversas narrativas. E sobre esse processo de negociação das versões que pode-se perceber as identidades diferenciadas dos Kuripako e Baniwa. A dimensão da performance tem um ressonância marcante, pois acredita-se que a imagem em movimento, torna-se um instrumento, mais aproximada da narração oral e dar conta de uma discussão e provocando reações diversas nas pessoas que o assistem. E a narrativa dramática do tema do filme permite colocar os observadores, a audiência em uma posição de compreender o que se está propondo na narrativa negociada, nesse caso, da história mitológica da separação do dia da noite. Após assistir várias vezes o filme percebe-se que a narrativa imagética, construída pelos Baniwa e Kuripako permite registrar e sobretudo reconstituir uma delimitação de espaço temporal de um continuum onde as manifestações se dão, através dos gestos, das palavras, do cenário, criando um diálogo com que Clifford Geertz, em "O Saber Local" chama de “entendimento do entendimento cultural”. E esse aspecto de entendimento se percebe nas imagens postas no “procurando o sono”. A descrição, a imagem daquilo que é filmado adquire uma interlocução e coloca em evidência aspectos simbólicos presentes nas sequências fílmicas. O importante, diria Geertz “é descobrir junto com eles, que diabo eles estão fazendo” (1997:89).

Synopsis:

This ethnofiction presents the myth Kuripaco/Baniwa of the night’s arrival trough the Baniwa/Kuripako’s acting during the Intercultural’s Licentiate Course of UFAM. The movie’s script was discussed and organized among the students who created the clothes design dressed by the characters for the acting made in February of 2011 at the stones of Içana’s river, close to Tunuí.

The film “Procurando o Sono” is the representation of Baniwa and Kuripako understands about the night’s arrival at the current world. Those stories have many versions. And each one of the tribes has their own version and interpretation. There’s no “canonical” form of this myth that is common knowledge and exceeds generations. Each group seeks to disseminate, tell, and narrate with elements that fortify the tribe of those who are telling the story. To produce the film, the Kuripako and Baniwa students, who participate of the production of this film, spent many hours assembled searching this common version that would be performed and then filmed. In this version it is mostly noticed the common elements of the different narrative. And about this process of the versions negotiation it is realized the many identities of the Kuripako and Baniwa. The performance dimension has a remarkable resonance because it is believed that image in movement is an instrument more approachable to oral narration and handle a debate that trigger many reactions on the people who are watching it. The dramatic narrative of the film’s theme allow to put the watchers, the audience, in a position of understanding what the narrative is providing, in this case is a mythological story about day splitting the night. After watching many times the film, it is realized that the image narrative, constructed by the Baniwa and Kuripako, allows record mostly re-stablish a temporal space where the manifestation happens trough gesture, words, scenery, creating a dialogue with Clifford Geertz’s “understanding of the cultural understanding”. This understanding aspect is seen on the images trough the film. The description, the image of what is filmed, acquires an interlocution and highlights symbolic aspects on the film. The important thing, Geertz would say, “Is to discover together with them what the hell they are doing” (1997:89).

Palavras-chave:

Baniwa, Kuripako, Etnoficção, Antropologia-Visual, Cinema-Indígena, Filme-Etnográfico

Key-words:

Baniwa, Kuripako, ethnofiction, Visual-Anthropology, Indigenous-Cinema, Ethnographic-film

Ficha técnica:

Direção: Renato Athias

Edição: Charles Martins

Legendas: Mônica Apolinário

Imagens captadas em mini DV

Realização Laboratório de Antropologia Visual (UFPE)

33:06 minutos

Credits:

Direction: Renato Athias

Montage: Charles Martins

Subtitles: Mônica Apolinário

Mini-dv captured images

Production: Visual Anthropology Laboratory (UFPE)

33:06 minutes

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista AntHopológicas Visual
AV. Prof. Moraes Rêgo, 1.235. 13° andar
Cidade Universitária
50.670-901 - Recife - PE - Brasil
Tel.: (55) (81) 2126-8286 | Fax: (55) (81) 2121-8282
E-mail: anthropologicas@ufpe.br