Edição

Sinopse:

Este ensaio tem como proposta apresentar a mobilização indígena em Pernambuco, através do "II Encontro dos Pajés - Detentores dos saberes tradicionais". A ciência produzida pelos Pajés e demais detentores dos saberes tradicionais indígenas está intimamente relacionada à espiritualidade e à natureza, cujas práticas imbricam-se na afirmação da identidade étnica dos povos indígenas. Esse evento é importante no sentido de compreender as concepções de saúde, doença e cura dessas comunidades tradicionais e, de modo geral, as formas de garantia dos princípios da intermedicalidade. É como afirma Gersem Luciano (2006): “Cada povo indígena constitui-se como uma sociedade única, na medida em que se organiza a partir de uma cosmologia particular própria que baseia e fundamenta toda a vida social, cultural, econômica e religiosa do grupo”. Deste modo, a antropologia visual é uma abordagem fundamental na reflexão sobre sistemas visuais, como afirma Parés (2000/2001), em seu texto algumas Considerações em torno da Antropologia Visual, é “uma área da Antropologia Sócio-cultural, que utiliza suportes imagéticos para descrever uma cultura ou um aspecto particular de uma cultura” e também na captação da realidade social entendida aqui como um “processo dinâmico e descontínuo e sua apreensão exige estratégias em constante elaboração, para se compreender ou tentar explicar as implicações que as relações de forças exercem na produção do conhecimento”, Riscal (2010) .

No ano de 2015, iniciamos o projeto de pesquisa “Complexo da Jurema: práticas de cura e intermedicalidade no Nordeste brasileiro”, com o objetivo de analisar e compreender as concepções de saúde, doença e cura através das práticas e saberes tradicionais indígenas, no Nordeste do Brasil, bem como compreender as práticas de auto-atenção através do uso de plantas medicinais para o cuidado com a saúde. Entende-se aqui complexo da jurema como um modo das populações indígenas do nordeste de compartilharem um conjunto de práticas e saberes de cura em torno do ritual e da bebida produzida pela árvore conhecida como Jurema, considerada sagrada e, assim, ter acesso aos seres espirituais (Encantados) e seus ensinamentos. A partir dessa iniciativa, entramos em contato com profissionais de saúde do Distrito Sanitário Indígena de Pernambuco, lideranças, pajés e especialistas indígenas, afim de identificar estratégias comunitárias para sustentabilidade dos saberes e práticas tradicionais. Neste sentido, esse projeto tem como meta obter dados que possam auxiliar a elaboração de propostas para articulação entre os saberes e práticas tradicionais de cura e a atenção diferenciada implantada pelo SUS junto aos povos indígenas. A intenção é também subsidiar ações dos profissionais do SUS e colocá-los em sintonia com esses povos. Foi nesse contexto que fomos convidados a participar do II Encontro de Pajés do Estado de Pernambuco, ocorrido na aldeia Pedra d´água, Terra Indígena Xukuru. Foram dois dias do mês de novembro de 2015, em que foi possível observar as dinâmicas que estão sendo vivenciadas por esses atores.

Synopsis:

This essay present the indigenous mobilization in Pernambuco, through the "Second Meeting of the Shamans - holders of traditional knowledge". The science produced by Shamans and other holders of indigenous traditional knowledge is closely related to spirituality and nature, whose practices it is imbricated in the assertion of ethnic identity of indigenous peoples. This event is important in order to understand the concepts of health, illness and healing of these traditional communities and, generally, the ways of guaranteeing the intermedicalidade principles. It is as stated Gersem Luciano (2006): "Every indigenous people was established as a single company, in that it is organized from a very particular cosmology that is based and founded all the social, cultural, economic and religious group ". Thus , visual anthropology is a fundamental approach in thinking about visual systems , as stated Parés (2000/2001) in your text some considerations around the Visual Anthropology , is " an area of Socio- cultural Anthropology , which uses imagery media to describe a culture or a particular aspect of a culture " and also in the capitation of social reality understood as a “dynamic and discontinuous process and its seizure requires constantly developing strategies to understand or try to explain the implications of the relationship of forces engaged in the production of knowledge, " Riscal (2010 ).

In 2015, we started the research project "Complex Jurema: healing practices and Intermedicality in northeastern Brazil", in order to analyze and understand the concepts of health, disease and healing through indigenous practices and traditional knowledge in the Northeast Brazil. Moreover, aim of the project is to understand the practice of self-care through the use of medicinal plants. Jurema Complex is a set of practices and knowledge on rituals of cure. It is broadly diffused in Brazilian Northeast and it is based on a drink made of a tree which is considered sacred, called Jurema. Through this drink, indians have access to spirits (Enchanted ones) and their teaching. Due to our research, we got in contact with health professionals from the Indigenous Sanitary District of Pernambuco. Moreover we we worked with leaders, witchdoctors and indigenous experts to identify communitaty strategies to sustain traditional practices and knowledge. This project aims is to obtain data that can underpin further collaboration between local healing practices and public policies. The intention is also to support actions of SUS professionals and put them in line with these people. It was in this context that we were invited to participate in the II Meeting of Shamans of the State of Pernambuco, which occurred in the village Stone Moorhen, Indigenous Xukuru. During this two days of November 2015 it has been possible to observe the dynamics that are experienced by these actors.

Palavras-chave:

Indígenas, Xukuru, Encontro dos Pajes

Key-words:

Indigenous, Xukuru Meeting of Shamans

Ficha técnica:

Autores: Vânia Fialho (Orientadora); Andreza Graciete (UPE/ LACC); Hosana Celi (UFPE/LACC);Laís Carvalho (UPE/LACC);Luan Arruda (UPE/LACC) & Mirela Barbosa (UPE/LACC)

Fotografias:Vânia Fialho (Orientadora); Andreza Graciete (UPE/ LACC); Hosana Celi (UFPE/LACC);Laís Carvalho (UPE/LACC);Luan Arruda (UPE/LACC) & Mirela Barbosa (UPE/LACC)

Direção, Edição de Imagem e Texto: Vânia Fialho (Orientadora); Andreza Graciete (UPE/ LACC); Hosana Celi (UFPE/LACC);Laís Carvalho (UPE/LACC);Luan Arruda (UPE/LACC) & Mirela Barbosa (UPE/LACC)

Credits:

Authors: Vânia Fialho (Orientadora); Andreza Graciete (UPE/ LACC); Hosana Celi (UFPE/LACC);Laís Carvalho (UPE/LACC);Luan Arruda (UPE/LACC) & Mirela Barbosa (UPE/LACC)

Photographs: Vânia Fialho (Orientadora); Andreza Graciete (UPE/ LACC); Hosana Celi (UFPE/LACC);Laís Carvalho (UPE/LACC);Luan Arruda (UPE/LACC) & Mirela Barbosa (UPE/LACC)

Direction, image editing and text:Vânia Fialho (Orientadora); Andreza Graciete (UPE/ LACC); Hosana Celi (UFPE/LACC);Laís Carvalho (UPE/LACC);Luan Arruda (UPE/LACC) & Mirela Barbosa (UPE/LACC)

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista AntHopológicas Visual
AV. Prof. Moraes Rêgo, 1.235. 13° andar
Cidade Universitária
50.670-901 - Recife - PE - Brasil
Tel.: (55) (81) 2126-8286 | Fax: (55) (81) 2121-8282
E-mail: anthropologicas@ufpe.br