Edição

Sinopse:

O Círio de Nazaré é uma das maiores celebrações católicas do Brasil e do mundo, reunindo cerca de 2 milhões de devotos de todo o país para homenagear a Virgem de Nazaré. A procissão acontece em Belém, capital do estado do Pará, a cada segundo domingo de outubro, há já dois séculos. Em 2004, as festividades foram listadas como Patrimônio Imaterial pelo IPHAN - Instituto Brasileiro do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Em 2013, recebeu o certificado da UNESCO de Patrimônio Cultural Intangível da Humanidade.

A celebração católica gira em torno de uma pequena estátua de Nossa Senhora de Nazaré, que se acredita ter sido esculpida em Nazaré (Galileia), e responsável por vários milagres no Portugal medieval, antes de reaparecer no Brasil. Sabe-se que a devoção a Nossa Senhora de Nazaré foi introduzida no país pelos padres jesuítas no século XVII, numa vila chamada Vigia, no nordeste do Estado do Pará. No entanto, a versão mais popularmente aceite diz que no século XVII, um humilde pecuário chamado Plácido José de Souza (de descendência portuguesa e indígena) redescobriu a pequena estátua num riacho em Belém. Plácido levou a Virgem para sua cabana onde fez um altar para a estátua, descobrindo mais tarde que esta, misteriosamente, tinha voltado para onde foi encontrada pela primeira vez. Plácido interpretou este acontecimento como um sinal divino e decidiu construir uma ermida no local para mostrar a sua devoção à Santa, onde hoje é o Santuário de Nossa Senhora de Nazaré, na cidade de Belém.

Desde 1793, o Círio de Nazaré acontece na Amazônia brasileira, com festividades a partir de agosto e correndo até 15 dias após a procissão principal. Cerca de 2 milhões de peregrinos de todo o Brasil honram a Nossa Senhora de Nazaré, seguindo a imagem por cerca de seis horas ao longo do caminho de 3,6 quilômetros da Catedral de Belém ao Santuário de Nossa Senhora de Nazaré. Durante a procissão, muitos peregrinos carregam ícones como partes do corpo, tijolos e livros no topo de suas cabeças, representando assim a cura divina e o que conquistaram com as intercessões da Virgem.

O momento mais esperado da celebração é quando a estátua de Nossa Senhora de Nazaré sai da catedral e é colocada na berlinda, uma carruagem de flores, e é imediatamente cercada por milhões de devotos descalços e muitas câmeras de celular tentando imortalizar este momento de fé. Outro é, quando um grande número de pessoas quer segurar a corda que é anexada à berlinda pouco depois do inicio da procissão. A corda é um dos maiores símbolos da fé durante o Círio, representa a ligação entre a Santa e seus seguidores. Outro grande símbolo são os promesseiros, os devotos que acompanham a procissão de joelhos, ultrapassando todos os seus limites em nome da gratidão e devoção à Virgem. A festa do Círio de Nazaré não pode ser definida apenas como uma celebração religiosa, pois incorpora muitos elementos culturais que formam a complexa sociedade multicultural brasileira e amazônica, como o almoço familiar de Maniçoba e Pato no Tucupi que são preparados em quase todas as casas de Belém no segundo domingo de outubro, representando a comunhão da família. Os brinquedos artesanais chamados Brinquedos de Mirití, feitos de madeira de palmeira local, que são vendidos em todo lugar durante a procissão do Círio. A mistura do sagrado e do profano também desempenha um papel importante nas festividades, sendo fortemente representada pelo Auto do Círio e pela festa das Filhas da Chiquita. O Auto do Círio é uma procissão artística, repleta de música, dança e atuação, organizada pela Escola de Teatro da Universidade Federal do Pará, abre o fim-de-semana do Círio com uma enorme festa carnavalesca nas pequenas ruas da Cidade Velha. A festa das Filhas da Chiquita é um encontro LGBT que acontece no centro da cidade na noite anterior à procissão principal do Círio, onde as drag queens preformam e a comunidade LGBT tem espaço para mostrar a sua devoção e fé na Nossa Senhora de Nazaré. A ligação simbólica entre o sagrado e o profano durante o Círio de Nazaré é uma das mais importantes virtudes e contradições da celebração, transformando-o numa teia de significados e representações que refletem de forma profunda a complexidade antropológica da maior manifestação religiosa do mundo ocidental.

Synopsis:

Círio de Nazaré is one of the largest Catholic celebrations in Brazil and the world, gathering around 2 million devotees from across the country to honor the Virgin of Nazaré. The procession takes place in Belém, the capital of the northern state of Pará, every second Sunday of October, for the last two centuries. In 2004, the festivities were listed as Immaterial Heritage by IPHAN – Brazil’s Institute for National Historical and Artistic Heritage. In 2013, it received UNESCO’s certificate of Intangible Cultural Heritage of Humanity.

The Catholic celebration revolves around a small statue of Nossa Senhora de Nazaré, which is believed to have been sculpted in Nazareth (Galilee), and performed miracles in medieval Portugal before reappearing in Brazil. It is known that the devotion to Nossa Senhora de Nazaré was introduced in the country by the Jesuit priests in the 17th century, at a village called Vigia, in the northeastern part of the State of Pará. However, the best known local folklore says that in the 1700’s, a humble cattleman called Plácido José de Souza (of Portuguese and Indigenous descent) rediscovered the small statue of Nossa Senhora de Nazaré in a stream in Belém. Plácido took the Virgin to his cabin where he made an altar for the statue, only to later find out that it had mysteriously moved back to where it was first found. After the statue went back to the same site multiple times, Plácido interpreted it as a divine sign and decided to build a hermitage on the site to show his devotion to the Saint, where today is the Shrine of Nossa Senhora de Nazaré, in the city of Belém.

Since 1793, Círio de Nazaré has taken place in the Brazilian Amazon, with its festivities starting in August and running until 15 days after the main procession. About 2 million pilgrims from all over Brazil come to honor Nossa Senhora de Nazaré, following the image for about six hours along the 3.6-kilometer path from Cathedral of Belém to the Shrine of Nossa Senhora de Nazaré. During the procession, many pilgrims carry icons such as parts of the body, bricks, and books on the top of their heads, which represent divine healing and what they conquered with the Virgin’s intercessions. The most anticipated moment of the celebration is when the statue of Nossa Senhora de Nazaré leaves the cathedral and is placed on the berlinda, a flower-bedecked carriage, and is immediately surrounded by millions of barefoot devotees, many wielding cell phone cameras trying to immortalize this moment of faith. Another, when a great number of people want to hold on to the rope, which is attached to the berlinda a few minutes after the procession starts. The rope is one of the biggest symbols of faith during Círio since it represents the link between the Saint and her followers. Beyond the rope, there’s the promesseiros, those who escort the procession on their knees, surpassing all their limits in the name of their gratitude and devotion to the Virgin.

Círio de Nazaré festivities can not be defined only as a religious celebration because it incorporates many cultural elements that form the complex Brazilian and amazon multi-cultural society, such as the family lunch of Maniçoba and Pato no Tucupi (typical dishes of Amazonian cuisine) that are cooked in almost every home in Belém during the second Sunday of October, representing the family’s communion. The handcrafted toys called “brinquedos de Mirití”, made of local palm wood, are sold everywhere during Círio’s procession. The blending of the sacred and the profane also plays an important role in the festivities, being best represented by the Auto do Círio and Filhas da Chiquita events. The Auto do Círio is an artistic procession, filled with music, dancing, and acting, organized by the Theater School of the Federal University of Pará, opens up the Círio weekend with a massive carnivalesque party in the small streets of the Old City. The Filhas da Chiquita event is a traditional LGBT gathering that happens in downtown the night before the massive Círio procession, where drag queens perform and the LGBT community has its space to show devotion and faith in Nossa Senhora de Nazaré. The symbolic link between the sacred and the profane worlds during Círio de Nazaré is one of the most important contradictions and virtues of the celebration, transforming it into a web of meanings and representations that deeply reflect the anthropological complexity of the biggest religious manifestation in the western world.

Palavras-chave:

Círio de Nazaré; Belém do Pará; religiosidade.

Key-words:

Círio de Nazaré; Belém; religiosity

Ficha técnica:

Autores: Ana Rita Matias ( BI ICS-ULisboa)

Fotografias: Ana Rita Matias; Aderson de Vasconcelos; Lorena Costa; Luiza Brilhante e Geysele Santa Brígida das Mercês. (Projeto Acervo Círio 2016, VISAGEM – UFPA)

Direção, Edição de Imagem e Texto: Ana Rita Matias (BI ICS-ULisboa) e Aline de Souza Navegantes (IFCH-UFPA)

Credits:

Authors: Ana Rita Matias ( BI ICS-ULisboa)

Photographs: Ana Rita Matias; Aderson de Vasconcelos; Lorena Costa; Luiza Brilhante e Geysele Santa Brígida das Mercês. (Projeto Acervo Círio 2016, VISAGEM – UFPA)

Direction, image editing and text: Ana Rita Matias (BI ICS-ULisboa) e Aline de Souza Navegantes (IFCH-UFPA)

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista AntHopológicas Visual
AV. Prof. Moraes Rêgo, 1.235. 13° andar
Cidade Universitária
50.670-901 - Recife - PE - Brasil
Tel.: (55) (81) 2126-8286 | Fax: (55) (81) 2121-8282
E-mail: anthropologicas@ufpe.br