AS ARTESANIAS E TECNOLOGIAS DE ANTONIO CAÇÃO

JOSÉ GUILHERME DOS SANTOS FERNANDES, RONDINELL AQUINO PALHA

Resumo


Na cidade de São Caetano de Odivelas, na microrregião do Salgado, no Estado do Pará, na Amazônia brasileira, desde os anos 30 do século XX, estabeleceu-se uma manifestação de cultura popular com singular marca, mesmo que oriunda do secular boi-bumbá do nordeste brasileiro. Trata-se do boi de máscaras, nome genérico para um sem número de grupos de bumbás que se espalham pela cidade e pelos interiores afora do município. Originariamente essa manifestação surge como folguedo joanino, adquirindo o povo odivelense protagonismo reinante na produção e na execução da festa dos bois mascarados. Contrariamente ao tradicional Boi-Bumbá ou o Bumba-meu-Boi, o Boi de Máscaras não apresenta a “comédia”, ou seja, a narrativa de Mãe Catirina e Pai Francisco, sendo que o motivo principal da manifestação é a folia de rua em que os brincantes — cabeçudo, pierrô, buchudo — dançam em torno do Boi, ao som de sambas e marchas tocadas por uma orquestra de metais e percussão. E o brincante do boi de máscaras, ao tomar para si o protagonismo festivo, marca sua assinatura na manifestação mediante as três figuras mais centrais: o próprio boi, o cabeçudo e o pierrô; ou pirrô, ou pirru, nas variantes orais. “Não se sabe ao certo a origem de sua designação, por mais que guarde semelhança, na indumentária extravagante, com a clássica figura da comédia italiana: largo macacão de cetim, com listras coloridas, além de pano de costas que, em geral, é uma toalha estampada cobrindo a cabeça e se espraiando pelos ombros; um capacete em estilo mourisco, feito de talas de madeira, papel jornal e celofane; por fim, a clássica máscara com um enorme nariz” (FERNANDES, 2007, p.72). E sobre a construção do capacete e da máscara do pierrô trata este documentário, pautando-se essa autoria em Antonio Monteiro da Silva, 40 anos, mais conhecido como Cação, um dos mais ativos fazedores de capacetes e máscaras da festa. Em sua trajetória de brincante e fazedor da brincadeira, podemos observar aquilo que marca a artesania da cultura popular; primeiro o processo de aprendizagem, que envolve o repasse do saber entre o mestre e o aprendiz; em nosso caso, entre o Professor Lúcio e Cação, em lições que envolvem o corpo e a mão, em tentativas que se moldam ao que se dispõe e ao que se pode aprender vendo: “eu não conseguia fazer de cipó (...), o primeiro capacete que eu fiz era tudo doido”, lembra Cação. Mas nessa artesania da tradição odivelense a dificuldade abre espaço para a inventiva, reconhecida pelo Professor. E aqui se consolida o segundo aspecto que marca essa artesania, a tecnologia que surge da criatividade do aprendiz, que encontra soluções para suas dificuldades. Mas algo se mantem em uma tradição do popular, que é a medida de tudo ser o corpo, o sentir-fazer: e a tesoura desliza abrindo olhos e bocas da máscara, ou as mãos vão configurando as talas do capacete e amarrando a estrutura mourisca sendo guiadas pelo olhar que é o mediador de memória sensorial que recorda o tempo primordial do aprendizado. Daí o mestre é reconhecido em sua fala ao trazer as lembranças do finado Lúcio, um dos primeiros fazedores de máscaras da cidade. Pois as práticas culturais populares compõem a dinâmica cultural da sociedade como um todo, podendo ser um campo privilegiado para percebermos as formas de controle, adaptação e integração entre os indivíduos fazedores dessas práticas, oferecendo também formas de compreender a heterogeneidade, a ambiguidade, a contradição e a resistência na relação entre o novo e o antigo (AYALA e AYALA, 1995). O que se confirma ao final quando Cação, depois de ter aprendido e transformado o saber advindo de Lúcio, agora se dedica ao repasse para o filho, que “já pegou um dom de fazer capacete”. E que é contraditório ao repreender o filho por não fazer um capacete igual ao seu: “Conserta que isso aqui tá errado”, repreende Cação, mesmo que assuma, em princípio, que para ter sua própria tecnologia tenha superado o mestre. Seria a constante tensão entre tradição e modernidade? Por ora, interessa-nos pensar que o fazedor de artesanias não é homogêneo e as temporalidades marcam as diversas formas desse fazer.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AYALA, Marcos, AYALA, Maria Ignez Novais. Cultura popular no Brasil. São Paulo: Ática, 1995.

FERNANDES, José Guilherme dos Santos. O boi de máscaras; festa, trabalho e memória na cultura popular do boi Tinga de São Caetano de Odivelas, Pa. Belém: EDUFPA, 2007.

 

Produção/Texto: José Guilherme dos Santos Fernandes e Rondinell Aquino Palha

Imagens/Edição: Rondinell Aquino Palha

Elenco: Antonio "Cação"

Música: "Boi de Fama"

(autor: Mestre Bené)

Orquestra Show do Boi Faceiro

Projeto realizado com o Apoio

PIBIC/CNPQ

UFPA

COLINS

NUSC

Boi Faceiro

Duração: 14'06"

Local: São Caetano de Odivelas/Pará/BR

 


Texto completo:

VIDEO PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista AntHopológicas Visual
AV. Prof. Moraes Rêgo, 1.235. 13° andar
Cidade Universitária
50.670-901 - Recife - PE - Brasil
Tel.: (55) (81) 2126-8286 | Fax: (55) (81) 2121-8282
E-mail: anthropologicas@ufpe.br