“EU NEM SINTO OS MEUS PÉS NO CHÃO”

Clara Maduell Gómez

Resumo


 

Esse ensaio visual é um recorte de minha pesquisa de mestrado em Antropologia Social na Universidade Federal de Pelotas. O estudo objetivava compreender as técnicas do processo da suspensão corporal contemporânea e as diferentes percepções entre os praticantes. A suspensão é uma das técnicas de body modification - conceito usado para definir procedimentos de modificações corporais feitas por uma motivação cultural (irreversível ou não). Essa é uma alteração temporária, que consiste na inserção de ganchos de aço cirúrgico em zonas do corpo e usa um sistema de cordas e roldana para a elevação no ar, em diversas posições.

Dessa forma, as representações corporais são centrais nesse estudo, uma vez que se buscou compreender quais as motivações e significados que a alteração voluntária tem para os participantes. Essa técnica usa o corpo como meio de refletir sobre seus próprios limites. Há um gozo pela extremidade, pela brincadeira, a graça está em até onde o corpo é capaz de suportar. Analisando os discursos dos adeptos, concluí que a suspensão contemporânea é uma manifestação corporal que faz sentido em relação ao conjunto de símbolos desse grupo e gira em torno do hedonismo e das práticas do bem-viver.

A narrativa fotográfica que segue resulta de incursões em campo entre os anos de 2016 e 2018, nas cidades de Porto Alegre e Esteio, ambas no Estado do Rio Grande do Sul e em Florianópolis, Capital de Santa Catarina, todas no Brasil. As imagens foram produzidas em diferentes eventos coordenados por diferentes equipes ou responsáveis pela suspensão, assim: o evento  Suspensão na Ilha foi organizado pelas equipes Mente Suspensa e Independent Suspensions Brazilian Group; o Encontro de suspensão do Sul organizado pelos Diabos Mutantes e pela Surreal Crew -  esta última equipe também foi a responsável por uma sessão de suspensão privada que pude participar -; e  na Performance De Suspensão Por Ganchos e Cordas a direção era de  João Alien, a execução técnica de João Alien e Zé Martini  a produção de Naya Pimentel e a performer também era Naya Pimentel.

A prática empírica foi facilitada, a partir da inserção da fotografia como método relacional entre eu e o grupo, já que existe uma seletividade e uma forte limitação à aproximação à intimidade das equipes de suspensão. A câmera apareceu como meio de “negociação do campo”. Portanto, narrativas visuais foram fundamentais para apreensão e reflexão sobre o processo.

A suspensão corporal é uma prática espetacular e extremamente visual para quem assiste. Para além do sangue, a prática põe o corpo em uma situação incomum, os momentos da perfuração e da subida causam expectativa e portam forte valor estético. Para o suspenso, há também o valor narcísico comprovado na abundância de máquinas fotográficas o que também confere sentido à prática, além das outras motivações.

A utilização das fotos permite que o leitor visualize melhor o tema, reforçando o empenho da pesquisa. Tratei de expor e dar importância aqui para a sequência dos procedimentos da suspensão, ou seja, para o passo a passo da técnica (materiais utilizados, preparação, a própria suspensão e cuidados posteriores), independentemente da cronologia e dos locais em que os eventos foram realizados.

Palavras Chave: Suspensão Corporal. Corpo. Body Modification. Sensações.


Texto completo:

ENSAIO FOTOGRAFICO PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista AntHopológicas Visual
AV. Prof. Moraes Rêgo, 1.235. 13° andar
Cidade Universitária
50.670-901 - Recife - PE - Brasil
Tel.: (55) (81) 2126-8286 | Fax: (55) (81) 2121-8282
E-mail: anthropologicas@ufpe.br