Inovações tecnológicas como subsídio para a educação em saúde na prevenção do hiv/aids em transgêneros jovens

Paula Daniella de Abreu, Ednaldo Cavalcante de Araújo, Eliane Maria Ribeiro de Vasconcelos, Firley Poliana da Silva Lúcio

Resumo


As concepções de emancipação e o auxílio das tecnologias simples ou complexas voltadas à educação em saúde, propiciam dinamicidade e inovação aos aspectos teóricos e metodológicos em prol da autonomia, interação e responsabilização dos jovens nos diversos cenários sociais.1-5 A tecnologia desperta a curiosidade, tal exercício leva a criticidade, inquietude e a busca continua por aprendizado.6

As tecnologias online são importantes meios de comunicação, visto que podem contribuir com a troca de informações e conhecimentos em saúde de forma participativa. Aplicativos de telefonia móvel e redes sociais constituem relevantes ferramentas a serem exploradas, viabiliza a divulgação de notícias, dados, campanhas, informes de eventos comunitários e oportuniza relacionamentos interpessoais, troca de experiências e discussões.3-4,7

Com o avanço tecnológico e o aumento do acesso à internet e telefonia móvel, a necessidade de inovações tecnológicas para a prevenção, cuidado e tratamento do HIV/aids, em especial ao público LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros), incitou a primeira reunião da Agência dos Estados Unidos para Desenvolvimento Internacional (USAID) direcionada ao grupo de pessoas transgêneros, sobre a utilização de tecnologias para programas de HIV e teve como principais considerações o incentivo à interação social, adesão, debates e mobilização comunitária.8

As redes sociais possibilitam o acesso aos fóruns e comunidades virtuais para o desenvolvimento das discussões a partir dos temas de interesse, com relevância individual e coletiva, que repercutem na disseminação e construção de ideias.4,9 Além disso, têm-se revelado a eficácia e adesão das estratégias de educação em saúde, por meio de tecnologias móveis, pelos transgêneros, sobretudo, para redução dos riscos ao HIV e controle da aids.10

O uso de Tecnologias da Informação (TI) no âmbito da saúde tem avançado e desenvolvido alternativas para aplicabilidade tanto na assistência, quanto nas pesquisas e ações multiprofissionais de educação em saúde, para além dos limites institucionais e acadêmicos. O êxito da ação educativa está relacionado ao tipo de método e conteúdo empregado. Neste sentido, as atividades devem emergir da demanda do público alvo e contribuir para construção do conhecimento de forma participativa e inovadora, portanto, é fundamental a apropriação dos profissionais da saúde ao domínio e reconhecimento das potencialidades tecnológicas.11-3

 


Texto completo:

PDF (English) PDF


DOI: https://doi.org/10.5205/1981-8963-v11i12a231282p%25p-2017



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

INDEXADORES E BASES BIBLIOGRÁFICAS:

 doajPeriódicoscapes

bvs elsevier nlm diadorim periodicaabec

 

cinahl citefactor cuidenplusb socolar ulrichs sumarios