Assistance practices for nursing of newborns with hydrocephalus

Neri Silva, Jocelly Ferreira, Ana Cerqueira, Irys Pereira, Luana Ribeiro

Abstract


ABSTRACT

Objective: to analyze Nursing care for the newborn with hydrocephalus in Intensive Care Units and Neonatal Intermediate Care Units. Method: this is a quantitative, descriptive, cross-sectional study conducted at a maternal-infant reference institute. The sample was composed by 20 nurses and 55 nursing technicians from these neonatal units. The questionnaire was used as the data collection technique, and were stored and analyzed using the EPI INFO 7.1.5. Results were presented in the form of tables and figures. Results: it is revealed that of the nurses interviewed, only 27.78% have a postgraduate course in Neonatology and Pediatrics and only 6.67% of the interviewees affirmed that they had received training in relation to the qualification for the care of new- born with hydrocephalus; only 38.67% of respondents answered that "always" carry out the Systematization of Nursing Assistance; 86.67% referred to comfort and safety and 78.67% reported bed rest every three hours as essential interventions for these infants. Conclusion: in the present study, there was a lack of capacity to provide assistance to the newborn with hydrocephalus and that care is generally not systematized and not always adequate to the full needs of these infants. Descritores: Infant, Newborn; Hydrocephalus; Nursing Care; Neonatology; Child Health Services; Comprehensive Health Care.

RESUMO

Objetivo: analisar a assistência de Enfermagem ao recém-nascido com hidrocefalia em Unidades de Terapia Intensiva e de Cuidados Intermediários Neonatais. Método: trata-se de estudo quantitativo, descritivo, transversal, em um instituto materno-infantil de referência. Compôs-se a amostra por 20 enfermeiros e 55 técnicos de Enfermagem. Utilizou-se, como técnica de coleta dos dados, o questionário, armazenados e analisados pelo EPI INFO 7.1.5. Apresentaram-se os resultados em tabelas e figuras. Resultados: revela-se que, dos profissionais enfermeiros entrevistados, apenas 27,78% possuem curso de pós-graduação em Neonatologia e Pediatria e somente 6,67% dos entrevistados afirmaram que haviam recebido capacitação em relação à qualificação para os cuidados ao recém-nascido com hidrocefalia; apenas 38,67% dos participantes responderam que “sempre” realizam a Sistematização da Assistência de Enfermagem; sobre a assistência, 86,67% referiram o provimento de conforto e segurança e 78,67% deles, a mudança de decúbito a cada três horas como intervenções essenciais para esses neonatos. Conclusão: evidenciaram-se, no estudo, um deficit de capacitação para prestar assistência ao recém-nascido com hidrocefalia e que a assistência é, geralmente, não sistematizada e nem sempre adequada às necessidades integrais desses neonatos. Descritores: Recém-Nascido; Hidrocefalia; Assistência de Enfermagem; Neonatologia; Serviços de Saúde da Criança; Assistência Integral à Saúde.

RESUMEN

Objetivo: analizar la asistencia de Enfermería al recién nacido con hidrocefalia en Unidades de Terapia Intensiva y de Cuidados Intermediarios Neonatales. Método: se trata de un estudio cuantitativo, descriptivo, transversal, realizado en un instituto materno-infantil de referencia. Se compuso la muestra por 20 enfermeros y 55 técnicos de Enfermería de esas unidades neonatales. Se utilizó, como técnica de recolección de los datos, el cuestionario, y almacenados y analizados a través del software estadístico EPI INFO 7.1.5. Se presentaron los resultados en tablas y figuras. Resultados: se revela que, de los profesionales enfermeros entrevistados, sólo el 27,78% poseen curso de postgrado en Neonatología y Pediatría y solamente el 6,67% de los entrevistados afirmaron que habían recibido capacitación en relación a la calificación para los cuidados al recién- nacido con hidrocefalia; sólo el 38,67% de los participantes respondieron que "siempre" realizan la Sistematización de la Asistencia de Enfermería; sobre la asistencia, el 86,67% refirió la provisión de confort y seguridad y el 78,67% de ellos, el cambio de decúbito cada tres horas como intervenciones esenciales para esos recién nacidos. Conclusión: se evidenció, en el estudio, un déficit de capacitación para prestar asistencia al recién nacido con hidrocefalia y que la asistencia es generalmente no sistematizada y no siempre adecuada a las necesidades integrales de esos neonatos. Descritores: Recién Nacido; Hidrocefalia; Atención de Enfermería; Neonatología; Servicios de Salud del Niño; Atención Integral de Salud.  


Keywords


Recém-Nascido; Hidrocefalia; Assistência de Enfermagem; Neonatologia; Serviços de Saúde da Criança; Assistência Integral à Saúde.

References


Cestari VRF, Carvalho ZMF, Barbosa IV, Melo EM, Studart RMB. Assistência de enfermagem à criança com hidrocefalia: Revisão integrativa da literatura. Rev enferm UFPE on line. 2013 maio; 5(esp):4112-8. Available from: http://www.repositorio.ufc.br/bitstream/riufc/6218/1/2013_art_rmbstudart.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. DATASUS. Brasília, DF. 2015. Available from: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=02

Sousa NG, Feijó EJ, Farias A, Lima A, Souza K, Conceição P. Hidrocefalia: revisão de literatura. Revista de Trabalhos Acadêmicos, 2012; 4(6): 54-65. Available from: http://revista.universo.edu.br/index.php?journal=1reta2&page=article&op=view&path%5B%5D=567&path%5B%5D=557

Ślusarz R, Tonderys JR, Jabłońska R, Królikowska A, Kisiel A, Matraś ID. Hydrocephalus in Newborns: Clinical Conditions and Primary Surgical Treatment. Adv Clin Exp Med. 2013 Mar-Apr;22(2):237-43. Available from: http://www.advances.umed.wroc.pl/pdf/2013/22/2/237.pdf

ENFERMAGEM PEDIÁTRICA. Guanabara Koogan, Rio de Janeiro. 2006. (Série incrivelmente fácil).

Minuzzi AP, Ghedin Dias A, De Oliveira ME, Rocha J. Cada dia um novo dia: um desafio na busca de adaptação do recém-nascido portador de malformação e sua família. Enfermaría Global. 2008. Available from: http://revistas.um.es/eglobal/article/download/14661/14131

De Alcântara MCM, Da Silva FAA, De Castro ME, Moreira TMM. et al. Características clínicas de crianças em uso de derivações ventriculares para tratamento da hidrocefalia. Rev Rene. 2011 out/dez; 12(4):776-82. Available from: http://www.repositorio.ufc.br/bitstream/riufc/12728/1/2011_art_mcmalcantara.pdf

Martins C, Kobayashi RM, Ayoub AC, Leite MMJ. Perfil do enfermeiro e necessidades de desenvolvimento de competência profissional. Texto Contexto Enferm, Florianópolis. 2006 jul/set; 15(3): 472-8. Available from: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072006000300012

Erdmann AL, Fernandes JD, Teixeira GA. Panorama da educação em enfermagem no Brasil: graduação e pós-graduação. Enfermagem em Foco. 2011; 2(supl):89-93. Available from: http://revista.cofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/download/91/76

Duarte JMG, Simões ALA. Significados do trabalho para profissionais de enfermagem de um hospital de ensino. Rev enferm UERJ, Rio de Janeiro. 2015 mai/jun; 23(3):388-94. Available from: http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/enfermagemuerj/article/view/6756

Goulart BF, Coelho MF, Chaves LDP. Equipe de enfermagem na atenção hospitalar: revisão integrativa. Rev enferm UFPE on line, Recife. 2014 fev; 8(2):386-95. Available from: https://www.researchgate.net/publication/272020626_EQUIPE_DE_ENFERMAGEM_NA_ATENCAO_HOSPITALAR_REVISAO_INTEGRATIVA

Regis LFLV, Porto IS. Necessidades humanas básicas dos profissionais de enfermagem: situações de (in)satisfação no trabalho. Rev Esc Enferm USP. 2011; 45(2):334-41. Available from: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342011000200005

Soares MI, Resck ZMR, Terra FS, Camelo SHH. Sistematização da assistência de enfermagem: facilidades e desafios do enfermeiro na gerência da assistência. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem. 2015 jan/mar; 19(1):47-53. Available from: http://www.scielo.br/pdf/ean/v19n1/1414-8145-ean-19-01-0047.pdf

Conselho Federal de Enfermagem (Cofen). Resolução COFEN nº 358/2009, de 15 de outubro de 2009. Dispõe sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem e a implementação do Processo de Enfermagem em ambientes, públicos ou privados, em que ocorre o cuidado profissional de Enfermagem, e dá outras providências. Brasília; 2009. Available from: http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-3582009_4384.html

Rodrigues AL, Maria VLR. Teoria das necessidades humanas básicas: Conceitos centrais descritos em um manual de enfermagem. Cogitare Enferm. 2009 abr/jun; 14(2):353-9. Available from: https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/download/15629/10400

Rocha MCP, Carvalho MSM, Fossa AM, Pedroso GER, Rossato LM. Necessidades e dificuldades de famílias que vivenciam a experiência de ter uma criança com hidrocefalia. SAÚDE REV, Piracicaba. 2015 abr/ago; 15(40) 49-66. Available from: http://dx.doi.org/10.15600/2238-1244/sr.v15n40p49-66

Koerich MS et al. Tecnologias de cuidado em saúde e enfermagem e suas perspectivas filosóficas. Texto Contexto Enferm, Florianópolis. 2006; 15 (Esp): 178-85. Available from: www.scielo.br/pdf/tce/v15nspe/v15nspea22

Rolim KMC; Araújo AFPC; Campos NMM; Lopes SMB; Gurgel EPP; Campos ACS. Cuidado quanto à termorregulação do recém-nascido prematuro: o olhar da Enfermeira. Rev. Rene, Fortaleza. 2010 abr/jun; 11(2) 1-212. Available from: www.periodicos.ufc.br/rene/article/view/4521

Scochi CGS, Carletti M, Nunes R, Furtado MCC, Leite AM. A dor na Unidade Neonatal sob a perspectiva dos profissionais de enfermagem de um hospital de Ribeirão Preto-SP. Rev Bras Enferm. 2006 mar/abr; 59(2): 188-94. Available from: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672006000200013

CUNHA, A. H. G. B. da. Hidrocefalia na infância. Rev Neuro Psiqui. 2014 maio/ago;18(2):85-93. Available from: https://rbnp.emnuvens.com.br/rbnp/article/view/74/35

Lise F, Silva LC. Prevenção de úlcera por pressão: instrumentalizando a enfermagem e orientando o familiar cuidador. Acta Sci. Health Sci, Maringá. 2007; 29(2): 85-89. Available from: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=307226621001

Reichert APS, Lins RNP, Collet N. Humanização do Cuidado da UTI Neonatal. Rev Eletrônica de Enfermagem [serial online]. 2007 Jan-Abr; 9(1): 200-213. Available from: http://www.fen.ufg.br/revista/v9/n1/v9n1a16.htm

Rocha PK, Prado ML, Wal ML, Carraro TE. Cuidado e tecnologia: aproximações através do Modelo de Cuidado. Rev Bras Enferm, Brasília. 2008 Jan/Fev; 61(1): 113-6. Available from: www.scielo.br/pdf/reben/v61n1/18.pdf

Oliveira SKP, Guedes MVC, Lima, F. E. T. Balanço hídrico na prática clínica de enfermagem em unidade coronariana. Rev Rene, Fortaleza. 2010 abr/jun; 11(2): 112-120. Available from: www.periodicos.ufc.br/rene/article/download/4537/3417

Muralidharan, R. External ventricular drains: Management and complications. Surg Neurol Int. 2015 May 25; 6(Suppl 6): S271–S274. Available from: http://surgicalneurologyint.com/surgicalint-articles/external-ventricular-drains-management-and-complications/

Silva GB, Silva JWF, Lopes RC. Assistência de enfermagem prestada a um paciente com hidrocefalia. Enciclopédia Biosfera, Goiânia. 2010; 6(9): 2. Available from: www.periodicos.ufc.br/rene/article/download/4537/3417

Smith J, Cheater F, Bekker H. Parents' experiences of living with a child with hydrocephalus: a cross‐sectional interview‐based study. Health Expect. 2015 Oct; 18(5): 1709–1720. Available from: https://doi.org/10.1111/hex.12164

Alves ERS, Jaques AE, Baldissera VDA. Ações de enfermagem fundamentadas à criança portadora de hidrocefalia. Arq. Ciênc. Saúde UNIPAR. 2010 maio/ago; 14(2):163-169. Available from: http://revistas.unipar.br/index.php/saude/article/view/3420/2322

Rocha DKL, Ferreira HC. Estado da arte sobre o cuidar em neonatologia: compromisso da enfermagem com a humanização na unidade de terapia intensiva neonatal. Enfermagem em Foco 2013; 4(1): 24-28. Available from: http://revista.cofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/viewFile/497/187

Andrade MB, Dupas G, WERNET M. Convivendo com a criança com hidrocefalia: experiência da família. Cienc Cuid Saude. 2009 Jul/Set; 8(3):436-443. Available from: http://dx.doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v8i3.90




DOI: https://doi.org/10.5205/1981-8963-v13i5a239239p1394-1404-2019



Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

 

INDEXADORES E BASES BIBLIOGRÁFICAS:

doajPeriódicoscapes

bvs elsevier nlm diadorim periodicaabec

 

cinahl citefactor cuidenplusb socolar ulrichs sumarios