Conhecimento dos enfermeiros emergencistas acerca do protocolo clínico de sepse

Deysianne Ferreira da Silva, Maria Hellena Ferreira Brasil, Geovana Cristiane Viana Santos, Keyth Sulamitta de Lima Guimarães, Fabiana Maria Rodrigues Lopes de Oliveira, Natalia Pessoa da Rocha Leal, Gabriela Lisieux Lima Gomes, Keylla Talitha Fernandes Barbosa

Resumo


Objetivo : identificar o perfil profissional e o conhecimento de enfermeiros emergentes sobre o protocolo clínico de sepse em uma Unidade de Pronto Atendimento. Método : estudo quantitativo do tipo descritivo, com amostra composta por 20 enfermeiros (as). A coleta de dados se deu por meio de perguntas semiestruturadas, abordando uma caracterização sociodemográfica e o conhecimento desses profissionais sobre o protocolo clínico para pacientes com sepse, através de questões objetivas. Uma análise dos dados foi realizada no Excel 2010. Resultados :prevaleceram profissionais do sexo feminino 95%, especialistas em terapia intensiva 30% e urgência e emergência 13%, com mais de três anos de experiência profissional 60%. Quanto ao nível de conhecimento sobre o uso da sepultura, identificou-se 85% de uso sobre vasopressores e coleta de hemoculturas, 45% referenciados no pacote de uma hora preconizada e 55% de uso recomendado para medições, como ressuscitação volêmica, hiperlactemia, uso de antimicrobianos em pacientes sépticos e exames laboratoriais. Conclusão : embora o nível mais alto de profissionais seja especialista em urgência e emergência, ou seja, sobre o protocolo de identificação de sepse, enfermeiros atuantes em serviço, ainda é insatisfatório e restrito, necessitando de aprimoramento. Descritores: Conhecimento; Sepse; Emergência; Enfermagem; Protocolos Clínicos; Profissionais de Enfermagem.


Palavras-chave


Conhecimento; Sepse; Emergência; Enfermagem.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Singer M, Deutschman CS, Seymour CW, Shankar-Hari M, Annane D, Bauer M, et al. The Third International Consensus definitions for sepsis and septic shock (Sepsis-3). JAMA [Internet]. 2016 [cited 2020 May 05]; 315(8):801-10. Available from: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/view/48588

Shankar-Hari M, Phillips GS, Levy ML, Seymour CW, Liu VX, Deutschaman CS, et al. Sepsis definitions task force developing a new definition and assessing new clinical criteria for septic shock: for the third international consensus definitions for sepsis and septic shock (sepsis-3). JAMA [Internet]. 2016 [cited 2020 May 05]; 315(8):775-87. Available from: http://www.cienciasdasaude.famerp.br/index.php/racs/article/view/675/711

Silva APRM, Souza HV. Sepse: importância da identificação precoce pela enfermagem. R Pró-Uni [Internet]. 2018 [cited 2020 Apr 12]; 09 (1):97-100. Available from: http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RPU/article/view/1266

Ilas. Instituto Latino-Americano de Sepse. Roteiro de implementação de protocolo assistencial gerenciado [Internet]. Brasília: Instituto Latino-Americano de Sepse, 2016. [cited 2020 May 05]. Available from: https://repositorio.ufscar.br/bitstream/handle/ufscar/10375/Disserta%c3%a7%c3%a3o.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Silva ITO. A assistência de enfermagem no diagnóstico e prevenção da sepse: revisão de literatura. [Monografia]. Brasília: Centro Universitário de Brasília – UNICEUB [Internet]. 2016 [cited 2020 Apr 12]. Available from: http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RPU/article/view/126

Philippi T, Cunha AGA, Cunha AP, Meller DL, Balthazar JWS. Aspectos jurídicos relacionados a transferências de pacientes de um hospital de média complexidade para leitos de UTI existentes em hospitais de alta complexidade – estudo de caso de um hospital de médica complexidade da região de Amurel no ano de 2016. Constituição e Justiça: estudos e reflexões [Internet]. 2017 [cited May 19]; 1(1):1-29. Available from: http://periodicos.unibave.net/index.php/constituicaoejustica/article/view/134/118

Cfm. Conselho Federal de Medicina. Estudo inédito do CFM revela que leitos de Unidades de Terapia Intensiva no Brasil são insuficientes e estão mal distribuídos [Internet]. Brasília: Conselho Federal de Medicina, 2016. [cited May 19]. Available from: http://periodicos.unibave.net/index.php/constituicaoejustica/article/view/134/118

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria MS/GM nº 1101 de 12 de junho de 2002. Estabelece os parâmetros de cobertura assistencial no âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS. Revogada pela Portaria nº 1.631, de 1º de outubro de 2015. Aprova critérios e parâmetros para o planejamento e programação de ações e serviços de saúde no âmbito do SUS. [Internet]. Brasília: Diário Oficial da União, 2015. [cited 2020 May 05]. Available from: http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RPU/article/view/1227

Ilas. Instituto Latino Americano de Sepse. Implementação de protocolo gerenciado de sepse. Protocolo Clínico. Atendimento ao paciente adulto com sepse / choque séptico [Internet]. São Paulo: Instituto Latino-Americano de Sepse, 2018. [cited 2020 Apr 12]. Available from: https://www.ilas.org.br/assets/arquivos/ferramentas/protocolo-de-tratamento.pdf

Sanches CT, Albanese SPR, Moraes URO, Grion CMC, Kerbauy G, Dessunti EM. Sepse: avaliação da qualidade do atendimento em setor de urgência e emergência. Cienc Cuid Saúde [Internet]. 2020 [cited 2020 Apr 12]; 19(e48588):1-10. Available from: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/view/48588

Rhodes A, Evans LE, Alhazzani W, Levy MM, Antonelli M, Ferrer R. et al. Surviving Sepsis Campaign: International Guidelines for Management of Sepsis and Septic Shock: 2016. Intensive Care Med. [Internet]. 2017 [cited 2020 May 05]; 43(3):304-377. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28101605

Garrido F, Tieppo L, Pereira MDS, Freitas R, Freitas WM, Filipini R. et al. Ações do enfermeiro na identificação precoce de alterações sistêmicas causadas pela sepse grave. ABCS Health Sci. [Internet]. 2017 [cited 2020 Apr 27]; 42(1):15-20. Available from: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-833075

Machado MH, Filho WA, Lacerda WF, Oliveira E, Lemos W, Wermelinger M. et al. Características gerais da enfermagem: O perfil sócio demográfico. Enferm foco [Internet]. 2016 [cited 2020 Apr 27]; 7(2):10-14. Available from: http://dspace.sti.ufcg.edu.br:8080/jspui/handle/riufcg/7677

Silva TTSC, Rodrigues JLN, Amaral, GP, Júnior AAP. Conhecimento dos profissionais de enfermagem sobre sepse – estudo em um hospital universitário de Fortaleza/Ceará. Rev Med UFC [Internet]. 2017 [cited 2020 Apr 27]; 57(3):24-29. Available from: http://periodicos.ufc.br/revistademedicinadaufc/article/view/20175

Bezerra IP. Conhecimento dos profissionais enfermeiros e médicos da unidade de terapia intensiva acerca da sepse. [Monografia]. Cajazeiras: Centro de Formação dos Professores da Universidade Federal de Campina Grande [Internet]. 2018 [cited 2020 Apr 27]. Available from: http://dspace.sti.ufcg.edu.br:8080/jspui/handle/riufcg/7677

Miranda AP, Silva JR, Duarte MGL. O conhecimento do enfermeiro frente ao protocolo da sepse em um serviço de emergência de hospital público de grande porte. Nursing (São Paulo) [Internet]. 2019 [cited 2020 Apr 29]; 22(251):2836-2840. Available from: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-998203

Júnior SAP, Ferraz RRN, Lapchik MS. Metodologia da condição traçadora para avaliação do processo assistencial de pacientes com sepse grave e choque séptico. Rev Gest Sist Saúde [Internet]. 2017 [cited 2020 Apr 12]; 6(2):114-123. Available from: http://www.revistargss.org.br/ojs/index.php/rgss/article/view/308/206

Cruz LL, Macedo CC. Perfil epidemiológico da sepse em hospital de referência no interior do Ceará. Id On Line [Internet]. 2016 [cited 25 May 2020]; 10(29):71-99. Available from: https://idonline.emnuvens.com.br/id/article/view/385/505

Ferreira TC, Reis MA, Meireles GOAB, Pereira SVM. Protocolo de sepse: avaliação de um hospital de médio porte em goiás. Anais do III Congresso Internacional de Pesquisa, Ensino e Extensão – CIPEEX; 11 January 2019; Centro Universitário de Anápolis. Goiás: UniEVANGÉLICA; 2018. p. 1-10. Available from: http://anais.unievangelica.edu.br/index.php/CIPEEX/article/view/2772

Robson W, Beavis S, Spittle N. An audit of ward nurses knowledge of sepsis. Crit Care Nurse. [Internet]. 2007 [cited 2020 Apr 29]; 12(2):86-92. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-81452019000400208&script=sci_arttext&tlng=pt#B10

Goulart LS, Júnior MAF, Sarti ECFB, Sousa AFL, Ferreira AM, Frota OP. Os enfermeiros estão atualizados para o manejo adequado do paciente com sepse? Esc. Anna Nery Rev Enferm. [Internet]. 2019 [cited 2020 Apr 29]; 23(4):1-6. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-81452019000400208&script=sci_arttext&tlng=pt#B10

Pedrosa KKA, Oliveira SA, Machado RC. Validação de protocolo assistencial ao paciente séptico na unidade de terapia intensiva. Rev Bras Enferm. [Internet]. 2018 [cited 2020 Apr 12]; 71(3):1172-1180. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-71672018000301106&script=sci_arttext&tlng=pt

Shah T, Sterk E, Rech MA. Correspondence to 1-hour bundle, an updated version of 3-hour bundle. Am J Emerg Med. [Internet]. 2018 [cited 2020 Apr 12]; 37(3):544-545. Available from: https://sci-hub.tw/10.1016/j.ajem.2018.07.037

Farah, S. A telecardiologia no apoio ao diagnóstico diferencial da dor torácica nas Unidades de Pronto Atendimento (UPA 24h) do Estado do Rio de Janeiro. [Dissertação de Mestrado]. Rio de Janeiro: Programa de Pós-Graduação em Telemedicina e Telessaúde da Universidade do Estado do Rio de Janeiro [Internet]. 2018 [cited 2020 May 05]. Available from: http://telessaude.uerj.br/mestrado/wp-content/uploads/2018/09/Simone-Farah-FINAL.pdf

Cárnio EC. Novas perspectivas no tratamento do paciente com sepse. Rev Latinoam Enferm. [Internet]. 2019 [cited 2020 Apr 29]; 27:e3082. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&nrm=iso&lng=pt&tlng=pt&pid=S0104-11692019000100200

Lehman KD. Update: Surviving Sepsis Campaign recommends Hour-1 bundle use. The Nurse Practitioner [Internet]. 2019 [cited 2020 Apr 29]; 44(4):10. Available from: https://sci-hub.tw/10.1097/01.NPR.0000554123.08252.ae

Taniguchi LU, Azevedo LCP, Bozza FA, Cavalcanti AB, Ferreira EM, Carrara FSA. et al. Disponibilidade de recursos para tratamento da sepse no Brasil: uma amostra aleatória de instituições brasileiras. Rev Bras Ter intensiva [Internet]. 2019 [cited 2020 Apr 29]; 31(2):193-201. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-507X2019005008103&script=sci_arttext&tlng=pt

Benitez JT. Value of serum lactate as a prognostic factor for mortality in patients with sepsis. Rev virtual Soc Parag Med Int. [Internet]. 2017 [cited 25 May 2020]; 4(2):11-8. Available from: http://scielo.iics.una.py/pdf/spmi/v4n2/2312-3893-spmi-4-02-00011.pdf




DOI: https://doi.org/10.5205/1981-8963.2021.245947



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

INDEXADORES E BASES BIBLIOGRÁFICAS:

 doajPeriódicoscapes

bvs elsevier nlm diadorim periodicaabec

 

cinahl citefactor cuidenplusb socolar ulrichs sumarios